De uns anos para cá pulularam pela capital paulista inúmeras barbearias no estilo retrô. Algumas com nome que remetem a 1932, outras com nome de cidade italiana e várias outras que em via de regras só são antigas na aparência, ou seja, são salões de cabeleireiros como qualquer outro da cidade, exceto pelo preço ˝gourmetizado˝.

Barbearia tradicional mesmo é um artigo em extinção. Podemos citar como exemplo o Salão Phidias na rua 24 de maio, a Barbearia do Sr. Luizinho da Vila Mariana e o Salão do Sr. Walter no Brás. E é deste último que vou falar.

Sr Walter Lopes cortando os meus cabelos (clique na foto para ampliar)

O mais antigo e tradicional salão de barbeiro do Brás sempre foi um oásis do bom atendimento. A fama lendária do simpático Sr Walter Lopes chegou até a minha pessoa cerca de 20 anos atrás, quando minha mãe ao passar em frente da barbearia comigo me falou ˝Aqui foi onde seu avô cortou o cabelo por muitos anos.˝

Como meu avó faleceu em 1988, fiquei espantando com a longevidade do estabelecimento e decidi que um dia iria ali cortar o cabelo.

O tempo foi passando e apenas em 2009 fui ao salão pela primeira vez, na certeza de que mesmo o salão estando em pleno funcionamento o barbeiro não seria o mesmo que atendeu ao meu avô, décadas atrás.

Ledo engano, bastou 10 minutos de conversa para saber que foi o Sr. Walter que aparava os cabelos de meu antepassado. Durante a conversa, mostrei a foto de meu avô Antônio no celular e ele logo lembrou-se dele: ˝discutíamos muito sobre futebol˝ . Afinal, meu avô era torcedor fanático da Portuguesa e Walter, corintiano doente.

O salão, à esquerda, de portas fechadas em um domingo (clique para ampliar)

Walter é um barbeiro das antigas e de muita tradição. Seu ofício e seu salão foram herdados de seu saudoso pai, Serafim Augusto Lopes, que abriu o estabelecimento cerca de 8 décadas atrás.

Contando sua história, ele revela que começou a trabalhar como barbeiro ao lado de seu pai aos 15 anos de idade e que assumiriam a profissão e o salão de vez ao se casar. Desde 1960 atende seus clientes no mesmo local.

A paixão pelo Corinthians também passa por suas navalhas e tesouras. Entre seus clientes Walter já atendeu corintianos ilustres como o ex-presidente do clube, Wadih Helu e vários diretores e conselheiros. Já entre as figuras tradicionais do bairro citou Gustavo Bresser.

Seu salão é uma verdadeira viagem no tempo. Todo o mobiliário do salão está ali há décadas e foram comprados novos por ele e alguns ainda são do tempo de seu pai.  As tradicionais cadeiras de barbeiro já foram alvos de tentativa de compra várias vezes.

O imóvel, do início do século 20, tem fachada simples adornada apelas sobre as portas de entrada com quatro pequenas reproduções da cruz de cristo.

Apesar da simplicidade a arquitetura é típica dos estabelecimentos mais antigos do Brás. A pintura sempre bem cuidada e contrasta com o imóvel vizinho, há décadas em situação de abandono. Imagino como seria lindo os dois preservados em conjunto.

Nos últimos anos não tenho encontrado mais o salão aberto e não consigo informações sobre  Sr Walter. Me pergunto por onde esse adorável paulistano está, se goza de boa saúde, etc. Qualquer informação sobre ele será bem vinda.

Conhece algum salão de barbeiro antigo ? Escreva nos comentários.

Serviço:
Barbearia do Sr. Walter
Rua Rio Bonito, 604 – Brás

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

Deixe um comentário!

Comments

  • Leandro 07/06/2018 at 19:24

    Barbearia do Sr Cesare, rua Abilio Soares 986. O Sr Cesare tem se nao me engano 82 anos e continua trabalhando. Está no mesmo local há cerca de 55 anos – Eu corto com ele desde 1998, vale a visita.
    Obrigado

    Reply
  • Aldo Francesconi 08/06/2018 at 00:22

    O Walter é meu primo. Minha mãe é irmã de seu pai Serafim. Morei até os meus nove anos na casa ao lado que está deteriorada, toda a propriedade pertence a família. O Walter cortava o meu cabelo em estilo escovinha a pedido da minha mãe.

    Reply
  • Giuliano 08/06/2018 at 08:25

    Em Pinheiros próximo ao hospital das clínicas, tem um salão que eu frequentava quando morava lá, Barbearia Ramirez, R. Capote Valente, 529 quase esquina com a Teodoro Sampaio.

    Reply
  • Gabriel 08/06/2018 at 10:00

    Tem uma bem interessante que nunca entrei mas sempre passo por lá, ao lado da galeria metrópole, na rua sem saída que dá acesso a galeria e a praça da república. Não sei que já foi postado aqui, mas é bem antiga e vale a pena dar uma conferida.

    Abs

    Reply
  • Emerson de Faria 11/06/2018 at 10:23

    Barbearias, assim como alfaitarias e outros comércios antigos estão em franca extinção, é uma pena que seus heroicos fundadores não deixam sucessores. Uma pena.

    Reply
  • Emerson de Faria 11/06/2018 at 10:26

    Na Avenida Angélica há um antiga barbearia onde um senhor com mais de cem anos ainda trabalhava por lá, li numa revista sobre artigos para barbearia.

    Reply
  • jose turella junior 17/07/2018 at 11:57

    Na rua Mourato Coelho, quase esquina com a rua Pinheiros, do lado direito de quem vai para a rua Pinheiros, tinha uma identica à essa do Sr Walter acima, ate me assustei pensando ser a mesma, eu por volta de 59,60,61, cortava o cabelo ali, que pena que nao me lembro mais o nome do Barbeiro, era um Senhor ja, as semelhanças internas, sao demais, e a externa, onde tem as duas portas grandes, eram janelas e se entrava por um portão como esse da esquerda, era um corredor aberto e em seguida havia uma porta para o salão, à direita. Mas muito semelhante mesmo. Que belas recordações me trouxe esta reportagem, obrigado.

    Reply
%d blogueiros gostam disto: