Teoricamente São Paulo é “protegida” por dois órgãos de defesa do patrimônio histórico: O Departamento de Patrimônio Histórico (DPH), de alçada municipal, e o Condephaat de nível estadual. Entretanto são dois departamentos públicos bastante ineficientes quando o assunto é realmente proteger a memória arquitetônica paulistana. Seja isto por falta de verbas, pessoal ou falta de vontade.

Tomemos por exemplo o imóvel abaixo:

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

Construído nos primeiros anos do século 20, é um dos belos armazéns antigos da Bela Vista. Localizado na altura do número 1180 da Rua Santo Antônio, trata-se de um típico estabelecimento comercial paulistano do passado. Nele é possível ver como não existe uma fiscalização eficiente e uma documentação iconográfica pública dos imóveis antigos da capital.

Houvesse em São Paulo uma fiscalização decente nos bens imobiliários antigos da cidade, jamais teria sido permitido que uma das portas antigas do imóvel fosse removida, descaracterizando parcialmente sua fachada. Ou, no mínimo, o proprietário teria recebido alguma orientação dos órgãos de defesa do patrimônio histórico de como proceder na preservação da fachada.

Até poucos anos atrás as três portas resistiam muito bem, sendo que apesar de não ter mais a porta original de madeira na entrada central, as duas laterais ainda as mantinham. Por enquanto, felizmente, a entrada da direita mantém a porta original preservada. Já no canto esquerdo, foi substituída por uma horrorosa porta de alumínio que além de gosto duvidoso, destoa completamente da belíssima fachada original do armazém.

Felizmente a fachada ainda está bem preservada (clique na foto para ampliar).

Felizmente a fachada ainda está bem preservada (clique na foto para ampliar).

É sabido que hoje em dia não é barato fazer uma porta de madeira nos moldes da original. Por isso há a necessidade urgente de políticas públicas eficientes, aliadas a descontos no IPTU, que permita que o proprietário use parte (ou a totalidade) do tributo municipal em prol da preservação de fachadas de imóveis antigos. Também é necessário que o poder público produza uma espécie de cartilha para orientar os donos a como manter suas casas preservadas.

Ideias em prol de uma cidade melhor não faltam, o que falta é vontade do poder público.

Veja abaixo duas outras fotos, agora das portas do armazém:

Crédito: Douglas Nascimento / São Paulo Antiga

Crédito: Douglas Nascimento / São Paulo Antiga

Veja o local através de nosso mapa:

Visualizar São Paulo Antiga em um mapa maior

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP).

Deixe um comentário!

Comments

  • Alceu Godoy Pires 18/12/2013 at 16:03

    Vai longe o tempo no qual as portas podiam ser simplesmente de madeira. Quando os muros nada mais eram do que muretas, das janelas abertas nas quentes noites de verão. Infelizmente.

    Reply
  • ralphgiesbrecht 18/12/2013 at 16:17

    Ou porta/janela de aço. No interior tem muito disso. Acaba com as casas.

    Reply
  • Vinicius Campoi 18/12/2013 at 17:31

    Eu simplesmente odeio o maldito alumínio! Ô praga que infesta esta cidade…

    Reply
  • Nelsom de Assis 19/12/2013 at 10:49

    Lembro-me muito bem deste imóvel. Em meus tempos de garoto, lá mesmo no ‘Bixiga’, lá mesmo, neste velho imóvel, funcionou um depósito comercial e, aonde esta a ‘distoante’ porta de alumínio, era uma ‘maloca’ ou ‘cortiço’ (como queiram), administrado por uma grande amiga de nome Hilda.

    Reply
  • Alexandre Gonzalez 19/12/2013 at 14:44

    Geralmente essas casas descaracterizadas , são casas invadidas ou ocupadas ilegalmente !

    Reply
  • Ernani 22/12/2013 at 22:15

    Deviam os orgãos públicos cuidarem desses casarões, mas infelizmente a ganância e a especulação imobiliária tomaram conta de toda cidade. Passam como um trator demolindo da noite para o dia tudo o que é belo. Existiam casarões maravilhosos, e de uma arquitetura de estilo europeu, que foram derrubados sem dó e piedade. Está no lugar desses casarões, prédios de vinte, trinta andares. Um dia esses prédios estarão como vários prédios do centro. Deteriorados e invadidos por moradores que se dizem “sem tetos”.
    Acho que a prefeitura deveria restaurar prédios do centro e tornarem eles habitável, para não serem derrubadas casas tão belas nos bairros de nossa São Paulo.

    Reply
  • Donald Herbert Isnenghi 04/03/2015 at 15:14

    Meu caro, a minha avó morou neste endereço nos anos 60, depois que arrendou a fazendo em Jabuticabal. o corredor de entrada era justamente onde mudaram a porta, eram 8 famílias, 3 na parte superior e 5 na parte de baixo. Tinha uma italiana, a Dona Anunziata que morava com a irmã, que todos os dias às 6 da manhã ligava o rádia altíssimo tocando a Ave Maria.

    A construção era bem interessante, uma passarela no andar superior com grade de ferro antiga e um grande cômodo dividido por portas de madeira e janelas, de acordo com a necessidade de locação fechavam as portas entre os cômodos. Apenas um banheiro e um tanque na parte de baixo e na parte de cima.

    Para acessar a parte de baixo, tinha uma escada de ferro até um grande quintal.

    A minha avó ocupava três cômodos do andar inferior, uma cozinha e dois quartos.

    Abs.

    Reply
  • Antonio Manuel Capeto Costa 07/09/2018 at 22:33

    Eu vi nos Açores se usarem esquadrias de alumínio e portas de alumínio, reproduzindo-se com exatidão os detalhes do original. O problema com madeira é que a mesma apodrece com o tempo pois não há como se usar soleiras de latão.

    A maior preocupação ali é a recuperação dos detalhes de alvenaria. Estando elas intactas, ou em condições que possam ser recuperadas. o restante é irrelevante.

    A atenção com a recuperação vai de mão em mão com o bolso do proprietário e a percepção do tipo de aproveitamento econômico que o imóvel trará.

    Vc pode argumentar que está se dando “Pérolas aos Porcos”, mas o fato é que uma vez proprietário, o custo de manutenção do imóvel recais sobre o mesmo. Portanto reclamar, dizer “que pena”, típicamente coisa de Brasileiro, não adiantará nada.

    Reply
%d blogueiros gostam disto: