A Bunge tem uma história antiga com a Cidade de São Paulo, e aqui vamos contar um pouco desta trajetória. A história começou há mais de 100 anos, em setembro de 1908, quando a sede administrativa é transferida aqui para capital paulista.

Não foi por uma razão aleatória que a companhia escolheu na época estabelecer-se nos endereços mais dinâmicos e movimentados de São Paulo, como a rua da Quitanda e, posteriormente, rua São Bento, além de rua Álvares Penteado e, finalmente, o Largo do Café.

O motivo foi simples: Esta era a região de centro econômico/administrativo e, portanto, social da cidade na época, sendo um importante espaço de circulação de pessoas.

Largo do Café, no início do século 20.

Largo do Café, no início do século 20.

No centro de São Paulo, a Bunge estabeleceu não apenas uma relação econômica com a cidade, mas também cultural, através de equipamentos como o Cine São Bento, que se tornou mais um importante ponto de referência na região, onde os paulistanos podiam se encontrar para lazer e bate-papo sobre negócios ou trivialidades.

Cine São Bento em uma noite de 1927 (clique para ampliar)

Cine São Bento em uma noite de 1927 (clique para ampliar)

Na época, muitas as pessoas se deslocavam pelo meio da rua, dividindo o espaço com os carros, como vemos nas fotos. E o trânsito? Quase não existia. A cidade de São Paulo irradiava não apenas costumes e valores para o restante do Estado e do País, mas principalmente seus diversos produtos fabricados nos tradicionais bairros industriais da capital. A Bunge fez parte dessa interligação comercial e cultural com seus diversos e pioneiros produtos.

Getúlio Vargas e assessores visitam instalações da Bunge em São Paulo (clique para ampliar).

O presidente Getúlio Vargas e assessores visitam instalações da Bunge em São Paulo (clique para ampliar).

A paisagem dos bairros da zona leste,bem como as imediações do atual “centro da cidade”, antes tomados por chácaras e residências, vai gradativamente mudando para abrigar também uma clássica arquitetura industrial, inspirada na cultura europeia, bem como adensando o volume populacional em busca de trabalho e melhores condições de vida.

Tornam-se polos de atração da migração nacional e internacional: Água Branca – Fábrica de Óleo; Cambuci – Fábrica de Tecidos Cambuci; Belenzinho – Fábrica de Fiação e Tecidos Tatuapé ; Tatuapé – Fábrica de Tecidos Tatuapé.

Depósito da S.A. Moinho Santista, na Água Branca (clique na foto para ampliar)

Depósito da S.A. Moinho Santista, na Água Branca (clique na foto para ampliar)

Junto com essa mudança na arquitetura dos bairros chegam as mudanças no cotidiano dentro e fora das casas: o trabalho nas fábricas para homens, mulheres e até crianças.

Operária trabalha em tecelagem (clique na foto para ampliar)

Operária trabalha em tecelagem (clique na foto para ampliar)

O apito que agora dita o tempo não é mais regido pela natureza, mas pelo relógio. É a São Paulo do trabalho, a São Paulo moderna. E daí por diante, São Paulo literalmente dita a moda e torna-se uma vitrine da modernidade para o país, ganhando a atenção das maiores autoridades do país, por alavancar a economia nacional com o seu desenvolvimento.

About the author

Deixe uma resposta

Comments

  • Elizabeth Nazareth Viegas 05/02/2015 at 18:38

    Nossa São Paulo querida e com a forte “pitada europiana”!
    Lamentável que não tenha se preservado em cantos, pois são tantos…

    Reply
  • MILER DE MARCHI (@MILERDEMARCHI) 05/02/2015 at 20:20

    Que trabalho maravilhoso em recuperar a história !

    Reply
  • Fabio 05/02/2015 at 20:43

    Meu filho está montando um consultorio próximo da Rua Fiação da Saude.Como gosto de coisas antigas sempre me interessei pela origem da Rua Fiação da Saude.O que originou este nome.Existia uma Fiação nesta rua? Onde? Procurei no Google mas não achei nada.Alguem sabe ou tem alguma foto desta fábrica?

    Reply
  • Luiz Dias 20/04/2015 at 23:21

    a foto da Santista, não é na Agua Branca. Esta foto foi tirada na esquina da Independencia e Jose Bento, no Bairro do Cambuci. Os galpões estão la até hoje.

    Reply
  • Eduardo Pereira Neto 23/05/2015 at 22:31

    Caro Fábio,posso te contar um pouco do que sei.Nasci na Miguel Estéfano,579, bem próximo a Fiação da Saúde.Existiu uma fiação de sacarias,onde hoje há aqueles conjuntos de prédios que dão frente para a AV.Jabaquara,com lateral na Rua Pereira Estefano,e quase chegando a Rua Carneiro da Cunha. Foi fundada por Miguel Estéfano,avô de Paulo Maluf.No inicio chamava se Pereira & Stefano,foi vendida para a Santista em meados de 1950,eu morei neste lugar até 1985,mas meu avô nasceu em 1904 neste mesmo endereço em que eu morei;Voce pode notar a influencia desta familia naquela região.As ruas tem nomes referentes a eles;AV,Miguel Estefano,Rua Pereira Estefano,Vila Santo Estefano,e por aí vai…Algumas informações me foi contada pelos meus avós,e outras mais recentes encontrei na Net.Com paciência vc.pode entrar no site da Bunge Alimentos,(antiga Santista)e procurar lá por acervo de fotos antigas,lá consegui ver algumas fotos desta fiação.Espero ter te ajudado.Abraços

    Eduardo Pereira Neto
    Santos,SP.

    Reply
    • Fabio 25/05/2015 at 11:16

      Eduardo, fico muito grato pelas suas informações.Me ajudou bastante e irei atrás das suas informações para ver o passado desta fiação.Eu lembro bem do campo do Estrela da Saúde ficava pertinho desse conjunto de predios a que voce se referiu, onde joguei nos tempos de minha juventude.

      Reply
%d blogueiros gostam disto: