Passear pela zona norte da capital paulista pode ser um atividade cultural bastante interessante. Praticamente excluída do míope roteiro turístico produzido pela prefeitura paulistana, que só enxerga potencial turístico no centro e em algumas outras poucas áreas da cidade, a região é repleta de locais curiosos e interessantes.

Só no bairro da Freguesia do Ó, por exemplo, encontramos uma variedade de construções históricas interessantes que valem a visita.

No Largo da Matriz Velha, encontramos a primeira casa do bairro, de meados do século XIX e que resiste, preservada, até os dias hoje. Poucos metros dali, bem no início da Avenida Itaberaba, encontramos a Escola Estadual Padre Manoel da Nóbrega, uma magnífica construção em art decó. No bairro ainda temos a bela igreja Matriz da Nossa Senhora do Ó, e um considerável número de casarios centenários preservados.

clique na foto para ampliar

Porém, no número 64 da Rua Coronel Tristão encontramos uma das mais antigas construções do bairro ainda do século XIX que está em péssimo estado de conservação. Construída aproximadamente em 1890, a pequena residência corre sério risco de desabar. Segundo moradores, a casa pertence a um morador da rua da Bica.

Aparentemente o proprietário não tem interesse em preservar o imóvel. Segundo consta, o mesmo já tentou obter várias vezes autorização para demolição nos órgãos de preservação sem sucesso, pois trata-se de um bem tombado.

Estamos diante de uma situação bem complicada, mas muito comum em São Paulo. O dono de um bem tombado que não tem condições de preservá-lo torna-se refém do mesmo. Existem casos em que proprietários nadam em dinheiro e demolem por ignorância. Mas há também inúmeros casos em que o proprietário não tem condições de preservar o imóvel, ficando com um belo abacaxi nas mãos.

Que tal a prefeitura passar a olhar com mais atenção para casos como este da Rua Coronel Tristão, 64 ? Se o proprietário não pode demolir e não tem condição de manter o imóvel, porque não dar incentivos para que o mesmo possa dar um bom destino ao imóvel ?

Se continuar como está, vai cair e todos perdem.

Veja mais fotos desta casa (clique na miniatura para ampliar):

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

Deixe uma resposta

Comments

  • Peterson Henrique Freitas 29/12/2011 at 15:44

    Muito interessante. Mas você deveria postar fotos também dos locais preservados, além dos abandonados.
    Com certeza é bacana você continuar denunciando o abandono. Mas as vezes o site soa meio deprê. Tem tanta coisa bacana ainda de pé na cidade, construções que também são pouco divulgadas.

    Reply
  • Sullivan Rodrigues 10/02/2012 at 11:21

    Denunciar o abandono é muito importante!

    Reply
  • Estela I. 02/07/2012 at 10:09

    Quando era criança eu estudava lá no Nóbrega. Nós inventavamos várias histórias de que a casa da Coronel Tristão era assombrada e tudo mais. Um monte de gente tinha medo de passar por lá. Infelizmente, creio que a casa já veio abaixo. Não tenho certeza, faz um tempinho que não passo lá. Uma perda muito grande para a cidade, e para mim também, pois a casa era um marco da minha infancia.

    Reply
    • Douglas Nascimento 02/07/2012 at 18:18

      Oi Estela, a casa ainda está por lá! abraços.

      Reply
  • Estela I. 02/07/2012 at 22:38

    Ratificando: sim, ainda está de pé. Passei por lá hoje e a vi. Nunca fiquei tão feliz em estar errada xD
    Acontece que reformaram/reconstruíram uma casa bem ao lado e eu pensei que era esta. A casa também tinha parede de tijolos por dentro.

    Reply
  • Jessica Baumgartner 29/08/2012 at 14:10

    Me corta o coração ver esses edifícios abandonados. Eu só consigo imaginar como eles eram antes de chegar nesse estado lastimável.
    Queria que o governo colaborasse mais com a preservação histórica.

    Reply
  • M.Cecilia 30/09/2013 at 15:39

    Eu morei na Freg.do Ó era mesmo outra coisa. Casas simples mas bem arrumadinhas e casarões lindíssimos. O povo era bem educado. Estudei no [Grupo Escolar] Padre Manoel da Nóbrega. Felizmente ele está bem conservado. Pelo menos tenho uma referência de minha infância.

    Reply
  • Camis 28/01/2014 at 21:10

    OLá!! Moro aqui na Freguesia do Ó e me dá calafrio toda vez q passo na Bica… temo em ver a casa indo abaixo… Já faz um tempinho q não subo por lá, então sei como anda as coisas. Espero q ela esteja lá

    Gostaria de fazer uma SUGESTÂO: não faz muito tempo mas demoliram um marco da paisagem da Freguesia q até hj faz falta qdo eu olho do outro lado do rio: a caixa d´água… O Conjunto Matriz + Caixa d´Água era a cara da Freguesia… Eu não tenho fotos, na época eu não tinha câmera 🙁
    Q tal uma matéria?
    Abs

    Reply
  • Silvia Lopes 14/03/2014 at 15:28

    Porque será que as pessoas abandonam seus imóveis, ou será que não tem herdeiros? É uma linda casa, parece casa de fazenda, muito triste esse abandono…

    Reply
  • José Félix da Silva 27/11/2014 at 10:46

    Sou morador da Freguesia do Ó desde que nasci em 1960, quando passo em frente a esta casa sinto um misto de alegria e tristeza vou explicar alegria porque minha primeira namorada morava ali e tristeza de ver o estado que está o imóvel. Queridos amigos nosso bairro tem histórias maravilhosas em todos sentidos, muitas perderam-se no tempo mas basta sentar com alguns moradores e não tenha dúvida é conversa e causos pra mais de meses. Pode parecer exagero da minha parte mas acreditem nao e. Grande abraço a todos que tentam preservar a memória não somente do seu bairro mas também do nosso Brasil.

    Reply
  • MARIA 10/12/2015 at 19:17

    POIS É SOU VIZINHA DESTA CASA ABANDONADA … QUE TEM FOCO DE MOSQUITO DA DENGUE, RATO E PESSOAS UTILIZANDO DROGAS E OUTRAS COISAS, SEMPRE GOSTEI MUITO DESTA CONSTRUÇÃO QUE ERA IMPECÁVEL, MAS INFELIZMENTE VIROU ISTO E O PROPRIETARIO NAO ESTA NEM UM POUCO PREOCUPADO.

    Reply
%d blogueiros gostam disto: