Nos arquivos fotográficos de minhas andanças pela cidade existem ainda um grande número de casas que ainda não tive tempo hábil de publicar no site.

É bem mais rápido fotografar do que levar ao ar, pois a publicação exige uma série de fatores como pesquisa e levantamento do imóvel. O imóvel abaixo já estava fotografado há quase 10 anos, porém só hoje está a chegar aqui no site:

clique na foto para ampliar

Localizada no número 489 da rua Duarte de Azevedo, em Santana, essa charmosa residência dos anos 1930 é um dos belos exemplares que podemos encontrar pela região.

O bairro já foi mais servido de casas antigas e nos últimos anos vem perdendo-as para uma acelerada especulação imobiliária que não só ergue nos edifícios, como também transforma velhas residências em pequenas lojas, lanchonetes e variados estabelecimentos comerciais.

Fachada que estende pela Rua Jovita (clique para ampliar)

Construída na década de 1930, a casa chama a atenção muito pelo seu estilo arquitetônico bastante incomum para a região. Seus traços deixam o telhado oculto, dando a falsa impressão de que na verdade trata-se de uma laje, algo que não havia em sua época.

Nos registros mais antigos que encontramos sobre a residência, ela pertenceu – pelo menos durante os anos 1960 – a uma pessa chamada Emil Kruger. Posteriormente não encontramos mais informações sobre a propriedade.

Portão de entrada da residência

Ao menos nos últimos anos o imóvel tem sido utilizado para fins comerciais, apesar disso tem mantido-se bem preservada e em ótimos estado de conservação. Recentemente fizeram uma pintura, que removeu a cor azul por outra mais neutra. A galeria abaixo mostra como ficou:

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

JOIN THE DISCUSSION

Comments

  • Francisco Garcez Leme 19/06/2018 at 17:16

    Morávamos exatamente na casa defronte essa casa, na Rua Jovita esquina com a Duarte de Azevedo, onde morei por 40 anos. Essa casa era conhecida como “a casa do alemão”, devido aos simpáticos proprietários, um casal de origem estrangeira. Após a morte deles, o imóvel foi dedicado a ocupação comercial, sendo a mais prolongada a de um conservatório musical.
    Uma curiosidade é que no telhado da casa permaneceu desde sempre um “galo dos ventos”, que mostrava a direção e a intensidade dos ventos através de um círculo de ferro que girava. Foi o primeiro objeto que procurei no telhado da casa na foto, mas parece que o galo da minha infância já não está mais lá…
    Obrigado pelas fotos, que me trouxeram boas lembranças!

    Reply
  • gisleine 19/06/2018 at 18:44

    Sim….Sr. Francisco essa casa tinha uma parte de cima que foi demolida.

    Reply
  • William Lima 19/06/2018 at 22:14

    jogaram a velha banheira na rua…..

    Reply
  • Luiz Henrique 02/07/2018 at 10:54

    Olá, bom dia!
    Douglas, não tenho recebido mais os avisos via e- mail dos novos posts; será que fui excluído da lista?

    Reply