Grande São Paulo

Casarão Demolido – Rua Machado de Assis, 311

Comments (39)
  1. Bira Saide disse:

    Adoro visitar esse site….fico sempre pensando como é a vida…..uns com tanto que acabam abandonando seus imóveis, vai saber porque, deve ter sempre um motivo razoavel para isso, né…e eu e meu grupo desesperados à procura de um espaço para sediar nossos projetos culturais….gostaria muito de encontrar alguém que disponibilizasse um desses imóveis ababdonados, para realizar nossos projetos culturais (oficinas de teatro, figurinos, adereços e outros cursos, e até apresentações de espetáculos,direcionados as comunidades carentes e de toda a região do espaço sediado, poderia ser por uns anos, em troca, poderiamos através de parcerias restaurar o imóvel e dar um fim mais dgno ao local abandonado. Se alguém souber de algum espaço nessas condições, entrem em contato através do meu e-mail birasaide@hotmail.com , que poderemos detalhar mais nossa proposta.Parabéns pelo site…..adoro entrar e consultar todas as informações contidas nele……sou um amante das histórias que ainda resistem nesses espaços abandonados. Um abraço a todos que tiveram essa iniciativa. Bira Saide

  2. José disse:

    Muitos imóveis na Aclimação estão vazios por causa das incorporadoras que querem transformar São Paulo inteira em Moema e extinguir de uma vez a luz do sol das ruas da cidade com suas torres medonhas. E quem disse que Blade Runner era ficção?

    [WORDPRESS HASHCASH] The poster sent us ‘0 which is not a hashcash value.

  3. Ana disse:

    Olá! Amo a iniciativa deste site, acompanho sempre sem comentar.
    Moro e trabalho na região à 15 anos e no caso desses casarão tenho algumas informações atualizadas para complementar.
    A última moradora/proprietária desta residência era uma senhora oriental na casa dos 50-60 anos.
    Cerca de 2 anos atrás este casarão, mais os 6 imóveis geminados da Machado e mais a casa vizinha na Gaspar Lourenço, foram todos vendidos a mesma incorporadora. Futuramente colocarão tudo abaixo para construir lindos prédios de 20 andares…
    Por enquanto os demais imóveis estão ocupados por inquilinos que aguardam o momento de sair, o último prazo era 1/setembro/2009, mas todos ainda estão lá.
    O casarão em questão acabou virando estacionamento particular do bar (“Espetinho”) que fica em frente. A senhora não reside mais lá desde a venda. Dizem que o casarão foi comercializado por 1 milhão de reais.

    [WORDPRESS HASHCASH] The poster sent us ‘0 which is not a hashcash value.

  4. Rosana disse:

    que pena mais um espigão na cidade.

  5. Celso Alderighi disse:

    Meu nome é Celso e ha 80 anos atraz quando eu nasci,morava nessa casa.Uma bela casa realmente!!!!!

    1. Flávia disse:

      Oi Tio,
      Vamos localizar uma foto da época para postar!

    2. teresa disse:

      Celso, gostaria de saber a historia desta casa e da sua tambem se vc quiser falar…. abraços teresa

    3. Nelson disse:

      Sr. Celso Alderighi,

      Vc morava neste casarao? Quem construiu esse casarao? Quando a casa se ergueu? Quem era primeira familia deste casarao? So por curiosidade, pois adoro historia antiga, pois moro na Aclimacao deste pequeno!

      Nelson

    4. Jamil disse:

      Alo sr. Celso, nao tenho 80 anos, mas morei na casa vizinha, gostaria de saber se vc possui fotos antigas das casas da r. machado de assis e Gaspar lourenço

      um abraço
      jamil Jange Neto

    5. Niderce Teresa disse:

      Sr. Celso, que linda casa que deveria ter sido preservada. É uma tristeza!

  6. gabriel carvalho disse:

    infelizmente a vida é assim, não há oque fazer para manter o patrimonio histórico da cidade….

  7. Flávia disse:

    Sou sobrinha de Celso Alderighi, neta de Bruno Alderighi .
    Tenho em minhas mãos a foto desta linda casa na época da construção.
    A fotografia foi feita por “B.PIEPER”
    Foi ofertada ao meu avô pelo Construtor “José Pierre e Filhos”.
    Essa placa se lê na frente da casa :
    “José Pierre Empreiteiro Construtor Rua Mamoré,53”
    Na foto se vê o Sr. José e sua equipe de construtores, muitos no melhor estilo de chapéu e até gravata.
    Gostaria de enviar mas não sei como.
    Atenciosamente
    Flávia Millás

  8. Beleza, beleza… minha mãe morou nessa rua lá por 1948

  9. SPA disse:

    Página atualizada com foto da década de 1920, cortesia de Celso Alderighi e Flavia Millas.

  10. Anna Carolina Russo disse:

    Odeio dar notícia ruim, mas acabei de passar lá e não tinha mais nada.

    1. Celso Alderighi disse:

      Ana Carolina eu sou o Celso Alderighi ,eu que nasci nessa casa.Eu pretendia passar por la mas depois dessa noticia,eu só podia ficar muito triste sinceramente………….

    2. LAMENTO MUITO!!!
      PREÇO ALTO, ESSE QUE PAGAMOS EM NOME DO PROGRESSO!!!

  11. João Telles disse:

    Creio que assim como o Sr. Celso Alderighi não só eu, como muitos de nós, nos sentiriamos tristes ao passar por este lugar e nos deparar com um imenso vazio no lugar de uma casa em estilo inglês que viu tanta história, que teve tanta vida em seu interior. Uma pena, mesmo!

  12. Anna Carolina Russo disse:

    Oi seu Celso, fiquei triste tb. Sempre passava lá em frente e levei um susto quando não vi a casa, só uma escavadeira e um monte de lama.

  13. Diego Pollon disse:

    Nossa, devia realmente ser uma casa adoravél!
    Sr Celso, por curiosidade de quem adora casa antigas..
    Como ela era por dentro? Quais as características dela?
    Abraço

  14. João Reis disse:

    Incrível como se destrói a memória dessa cidade! Não vai levar muito tempo para o surgimento de espigões por toda parte. Será isso o preço do progresso?

  15. Clelia Person Lammardo disse:

    É lamentável que o imóvel tenha sido destruído. Como disse a Flávia Millás é o preço que se paga pelo progresso. Mas isso me deixa muito triste.

  16. Julio disse:

    A cidade perdeu mais um registro importante de sua história recente. Temos agora no local um belo estacionamento….quiça em breve um “belo” edifio neoclassico.
    Desculpem os amigos que acreditam que o descaso do mercado imobiliario com a construção da cidade e a manutenção de sua história façam parte do progresso. Os problemas que seguem esse pensamento (enchentes, transito, violencia, poluição,…)fazem parte do preço a ser pago e não descrevem um cenario promissor.

  17. Romolo Roma disse:

    Muito triste mesmo…..e assim se vai se desvanescendo em pó boa parte da história não só do bairro, mas da metropóle…de toda uma geração.
    Há poucas quadras dali tbm. ficava a uma casa (estilo Castelinho) que onde nasceu o Sr. Joaquim Távora (fundador do bairro de Vila Mariana).
    Este imóvel p/ identificar melhor situava-se na Rua Vergueiro (lado sentido a Paulista), onde funcionava a Pizzaria Livorno.

  18. Arthur Gondim disse:

    Eu fiz varios serviços para a senhora que morava la, era um asenhora muito gentil, japonesa (ou chinesa?), baixinha, boa gente, tinha volta e meia problemas com a eletrica da casa, e como sou eletricista ia la sempre fazer algum reparo, principalmente no chuveiro….

  19. Karin Peixoto disse:

    Só posso dizer:
    Indignada!!!! Lindo casarão! Como é que puderam demolir?! Restaurado daria ainda uma bela moradia!
    INDIGNADA!!!!!!!!

  20. Jamil disse:

    Eu morei na casa vizinha na Gaspar Lourenço, antes morei na casa da frente.
    Conheci o Sr. “Paulo” japones proprietário.
    Ha mais de 40 anos a casa estava se deteriorando, apenas por Fora, minha irma brincava com a neta dele e dizia que por dentro estava conservada. parece que havia obras de arte la dentro e a escadaria era de marmore.
    Quem comprou as casas em volta e vendeu para a incorporadora foi o herdeiro do sr. “Paulo” irmao da sra. japonesa com +ou- 60 anos que se referiram em outra mensagem
    Gostaria de ter mais fotos das casas em questao
    abraços
    Jamil

  21. katia disse:

    Também fiquei extremamente triste ao ver a casa demolida. Sempre que passava pela rua, namorava aquela bela construção, precisava de uma restauração é claro. Na rua Dona Inácia Uchoa também tem outras belíssimas. Se eu fosse rica com certeza as compraria para reformar e tentar mantê-las o mais fiel possível como eram no auge de suas existências. Espero que as remanescentes sejam logo tombadas pelo patrimônio.

  22. Quem vendeu então? Estou indiginada, pois se herdasse
    uma propiedade linda dessa JAMAIS venderia,por preço
    algum!!!!!!

  23. não entendi nada , não sei quantas pessoas falaram que eram herdeiras desta casa , mas quem vendeu não soube valorizar um patrimonio igual a este !so gostaria que esse site mostrasse mais fotos , assim poderiamos entender porque fazem isso !
    vejo esse site com minha mãe e gostei muito dele , estão de parabens , so poderiam adentrar um pouco mais a historia

  24. Ligia disse:

    Eu também sou apaixonada por casarões antigos. Adoro pegar o onibus elétrico, que tb é uma reliquia e ficar andando bem devagar pelas ruas de São paulo observando os casarões ou o que restou deles. Tenho uma nostalgia de quem nunca viveu ali, mas parece ter vivido. Fico indignada cada vez que passo de novo pelo mesmo lugar e já não vejo mais aquela casa. Essa da Machado de Assis, está funcionando a pleno vapor como estacionamento ( inclusive de várias ambulâncias) para captalizar antes de serem construido o(s) Tal(is) edifício(s) de alto padrão ( coisas que o bairro e São Paulo como um todo, já não tem mais capacidade de absorver) Onde vamos acomodar tanta gente, tantos carros, tantos cachorros, tantas motos, etc, etc, etc. A Machado já é uma rua completamente congestionada em horários de pico. Imagine depois da construção de mais esse(s?) prédio(s?). O legal é ver que mais para cima na direção da Domingos de Moraes e do lado oposto a esse casarão, na outra esquina ainda há um lindo exemplar que funciona hoje como uma casa de repouso para idosos. Corram para ver antes que suma também.

  25. Katiuscia Vidal disse:

    Observo a foto antiga do casarão e os arredores e nem parece São Paulo! Deve ter sido uma ótima vizinhança. Dá vontade de viajar no tempo!

  26. William Lima disse:

    será construido com certeza mais um predio feio, pra combinar com os que já tem perto…

    1. Di disse:

      Provavelmente, daqueles que o banheiro não têm janela.

      1. Marcelo disse:

        Aí, como diz a expressão popular, “cheira mal”.

  27. Evandro disse:

    Realmente fiquei chocado com a beleza da foto antiga comparando depois como ficou com o tempo o antigo casarão.Como podemos enfeiar as coisas desta maneira ?
    Descaracterizou totalmente e hoje ruinas que o tempo há de apagar…
    Noto que isso está se tornando comum em qualquer cidade por pequena que seja, demolição em massa.
    Me parece um “HOLOCAUSTO ARQUTETÔNICO”, sem comparar tão profundamente, mas me refiro a eliminação em massa de milhares de casarões, quadras inteiras, fachadas antigas, sobrados..etc
    Sinto por nossos filhos sem futuro de belezas outrora construidas, sinto pelos nossos pais e avós que tiveram seu labor tratado com tanto desprezo e sinto por nós que não vivemos o auge desta história de fachadas tão bem trabalhadas, talhadas com esmero por mãos que trouxeram o mesmo progresso que hoje destrói suas obras primas.
    Estou realmente chocado a cada dia.

    Fiquem todos com Deus!

  28. Di disse:

    Esta casa se parece muito com uma que ficava na Av Diamante na Aclimação, era de tijolo a vista. A casa esta reformada para venda em 95 + – e mesmo assim os coreanos a compraram em 2000 e a puseram abaixo para fazer um restaurante metido a besta. Cheguei a ver seu preço no jornal na época que estava a venda, era 500mil (quando o gás de cozinha custava 5 reais!). Aquela casa era meu sonho.

  29. Mariana Araujo disse:

    O que doi mais em ver as imagens foi a remoção do gradil em volta da casa, junto com as colunas, para erguer no lugar um muro cinza e sem vida….
    De acordo com a foto do Google dez/2014, esta em fase final de construção um gigante edificio, que não chega nem perto da antiga casa….lamentavel.

  30. João Cabral disse:

    Não podemos esquecer que a manutenção de uma casa não é algo fácil: calhas, encanamentos, pintura, enmaderamento, cupins etc. E, ainda, o alto valor do IPTU. Não basta, somente, querer. Tem também que poder arcar com todos esses custos. Sou amigo pessoal dos últimos proprietários que também eram moradores do imóvel e acompanhei o quão tristes ficaram ao ter que se desfazerem do imóvel. Alguns comentários mostram indignação de “como deixaram o imóvel chegar a esse estado”, mas cada um sabe a situação em que se encontra e as agruras pelas quais atravessa.

Deixe uma resposta

Publicidade:

SP ANTIGOS

Nosso Instagram: @saopauloantiga
Something is wrong. Response takes too long or there is JS error. Press Ctrl+Shift+J or Cmd+Shift+J on a Mac.