Boca Club, Eclético’s Bar, Love, estes são apenas alguns dos nomes de alguns conhecidos points de lascívia que a rua Augusta está dando adeus nos últimos meses de 2011. Todas estas boates, em grande parte decadentes e alguns ocupando imóveis centenários em péssimas condições, estão dando lugar a uma nova “Baixa Augusta”, com menos inferninhos e mais edifícios residenciais e escritórios, para a alegria de alguns e tristeza de outros.

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

Quem anda pela rua Augusta de ponta a ponta sabe que ela é um logradouro de extremos. Do lado dos Jardins é repleta de lojas de e vários estabelecimentos chiques, acabando na avenida Europa, famosa por suas lojas de carrões importados. Do outro uma rua Augusta que mescla desde cinema até famosos pontos de encontro do underground paulistano e também suas bem conhecidas boates e casas de massagens.

A revista São Paulo, que é encartada aos domingos junto com o jornal Folha de S.Paulo fez uma excelente reportagem sobre o fim do inferninhos da região. Abaixo a capa da edição.

Crédito: Folha de S.Paulo / Divulgação

A primeira mudança começou lá no ínicio da rua com o fechamento e transformação do antigo Hotel Cad’Oro. Poucos apostavam que este primeiro passo daria o pontapé inicial para uma série de empreendimentos nesta parte da rua Augusta.

Nem toda mudança é favorável aos defensores da memória. Em dezembro de 2010, o histórico sobrado de 1913 da esquina da Augusta com a rua Dona Antônia de Queirós, não resistiu à especulação imobiliária e veio abaixo. Como não era tombado e estava em avançado estado de deterioração, sucumbiu em poucos dias.

Outro lugar que está sempre em constante perigo é o terreno do antigo Colégio Des Oiseaux, cujo colégio já foi desativado e demolido há décadas, mas seu bosque está tombado desde 2004 pelo CONPRESP. Fosse o poder público mais ágil e eficiente, os moradores da região já poderiam estar se divertindo pelo parque.

Aos poucos, os antigos inferninhos da Augusta vão deixando a cena. Muitos deles ocupam sobrados já centenários. E eles, que já resistiram a agentes do Psiu, policiais, fiscais corruptos e até a prefeitos moralistas simplesmente não conseguem resistir ao poder da especulação imobilária, cuja força parece não ter limites.

Veja mais fotos dos imóveis (clique para ampliar):

Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento

Saiba mais:

Conheça a área através do mapa:

Visualizar São Paulo Antiga em um mapa maior

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

JOIN THE DISCUSSION

Comments

  • ralph mennucci giesbrecht 27/12/2011 at 11:45

    Nossa – como se chama essa boate? As Rainhas da Sifilis?

    Reply
  • Felipe Herculano 27/12/2011 at 11:46

    Olá,
    Procurando saber mais sobre a história do Colégio Des Ouseaux, citado na matéria, resolvi procurar fotos e demais notícias.
    Achei interessante essa matéria da revista Veja SP.
    http://vejasp.abril.com.br/revista/edicao-2243/areas-mais-cobicadas

    Reply
  • Peterson Henrique Freitas 27/12/2011 at 11:49

    DEMO-lidora

    Reply
  • Peterson Henrique Freitas 27/12/2011 at 11:55

    Primeiro chegam os boêmios e os artistas, depois o lugar vira cult e começa a atrair restaurantes e boutiques, depois chegam os empresários e as incorporadoras para expulsar os artistas & boêmios.
    .
    Já aconteceu com o East Village em Nova York, agora está acontecendo com a rua Augusta em São Paulo.

    Reply
    • Luiz Carlos Hummel Manzione 27/12/2011 at 17:08

      Sr. Freitas

      Peço aos céus que o que aconteceu no East Village ocorra também na Rua Augusta. Chamar os frequentadores
      daqueles locais de boemios e artistas me parece um exagero. O que eu vejo aos domingos de manhã quando passo por lá é um bando de desajustados, remanecentes da noite de sabado, se encharcando de cerveja e consumindo drogas abertamente.
      Para não falar da extraordinaria quantidade de lixo que é jogada nas rua. Um cenario deprimente.

      Reply
      • Renato 13/01/2012 at 21:24

        Concordo, moro bem perto do local, e é um lixão nas manhãs…estão dando uma boa limpeza na vizinhança.

        Reply
  • Vinicius Campoi 27/12/2011 at 14:24

    As mudanças (demolições) são tão rápidas que as imagens do Google ainda mostram, logo abaixo destas casas, um sobrado no meio de 2 estacionamentos que não existem mais! Tudo foi incorporado para construção de um grande condomínio. Fica aí uma sugestão de pauta interessante (e triste): mostrar como o Google retratou e coloca na rede hoje uma cidade já bem diferente da real.
    Abs

    Reply
  • diego 01/11/2012 at 00:07

    saudades do ecleticos bar

    Reply
  • Alex B 24/07/2013 at 12:14

    Sou um libertário extremo, frequentador da Augusta, incluindo seus ambientes mais imorais, digamos assim, também odeio essa especulação e esse aburguesamento da rua,mas digo com extrema certeza: o ecleticos não fará falta alguma! Um antro de junkies terminais patéticos que se julgavam heróis e rebeldes.

    Reply
    • Gabriel Torres 07/02/2016 at 16:12

      Claro, vamos acabar com esses burgueses que só trazem beneficios para a cidade!

      Reply
  • Pardo 17/02/2015 at 19:56

    A verdade é uma só… hoje em dia a mídia só fala em “revitalização da Augusta” porque são os riquinhos endinheirados que redescobriram a mesma, DU-VI-DO que se em vez desses fossem frequentadores o pessoal da periferia de qualquer parte da cidade os caras iriam manter o mesmo discurso, com certeza iriam dizer que a Augusta continua sendo a boca do lixo.

    Reply