Há vários anos que se vem falando sobre a possibilidade do Anhembi Parque virar um cassino de luxo. Mais do que isso, um grande resort turístico, em que a vertente de cassino é apenas uma das várias providenciadas pelo espaço. Seria um negócio com um enorme impacto na evolução histórica e urbanística da cidade, pela importância que o Anhembi vem assumindo para os paulistanos e não só.

O tema surge, claro, associado à possibilidade de liberação da atividade dos cassinos e jogos de azar. O projeto de lei 186/14, que parecia às vésperas de ser aprovado no final de 2017, acabou bloqueado no Senado, e a dinâmica política do ano passado (com a eleição presidencial) não arrumou mais espaço para esse assunto. Entretanto, com o novo presidente já em pleno exercício de seus poderes e o Congresso funcionando na normalidade, o tema poderá regressar.

BOATOS NA IMPRENSA:

Nas últimas semanas, alguns sites brasileiros (principalmente ligados ao tema dos jogos) relembraram o interesse de empresários americanos no Anhembi. O tema não é muito desenvolvido, mas parece estar relacionado com os últimos desenvolvimentos no Rio de Janeiro.

E se o Rio vier a receber alguns dos melhores cassinos do país, independente da aprovação de uma lei regulatória para todo o território nacional, será estranho que São Paulo não venha também a ter seu regime de exceção.

NO RIO, A PRESSÃO DE CRIVELLA:

No Rio de Janeiro, o Prefeito Marcelo Crivella (PRB) já passou a fase de tentar disfarçar sua aproximação ao empresário de cassinos de Las Vegas Sheldon Adelson. O magnata, membro da lista dos homens mais ricos do mundo da revista Forbes, onde aparece nas primeiras 30 posições, já por duas vezes visitou a Cidade Maravilhosa para se encontrar com “o prefeito da Universal”, que sempre evitou falar em cassinos à mídia e preferia falar em investimento para a cidade.

Entretanto, em dezembro Crivella passou ao “ataque”. Em uma longa entrevista, anunciou claramente que Adelson pretende investir no Rio, que “O compromisso dele é investir US$ 10 bilhões e gerar 50 mil empregos”, e que “As pessoas sabem que se não tivermos emprego, vamos para o caos social”, o que significa que Crivella está disponível para sacrificar pelo menos um pouco do princípio anti-jogo em nome do desenvolvimento econômico. “E joga quem quiser”, arremata Crivella, pegando no argumento supremo utilizado pelos que são favoráveis à liberação.

São Paulo já teve cassinos, como o Cassino Paulista na antiga Rua de São João

O INTERESSE ANTIGO DE SHELDON ADELSON:

Se as notícias das últimas semanas sobre o interesse de empresários americanos de Las Vegas em S. Paulo são pouco desenvolvidas, o interesse de Adelson já vem sendo notícia faz tempo. Já em 2016 seu nome estava associado a um artigo do Estadão sobre uma possível conversão do Anhembi em um cassino. E no último mês de novembro, a Veja voltou a esse tema.

A “superlicença” de que falou Crivella em dezembro vai contra o que está previsto no projeto de lei 186/14, que foi vetado pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado em março. Nesse projeto, haveria licenças de grandes cassinos-resort para todos os estados brasileiros, em função de sua população. Para São Paulo, tendo mais de 12 milhões de habitantes, seriam três as licenças válidas (para Adelson ou outros, claro, dependendo de concurso público).

Será justo que o Rio de Janeiro consiga uma superlicença, em nome de uma determinada prioridade econômica, sem que o resto do Brasil, tenha a mesma oportunidade? Para mais, sabendo que pelo menos o mesmo Adelson tem interesse na capital paulista – e seguramente haverá outros interessados também.

RELEMBRE A HISTÓRIA DO ANHEMBI:

Todavia, será que a conversão do Anhembi em um cassino-resort é a melhor opção para a cidade? Teremos outra infraestrutura capaz de substituir o Anhembi com a mesma capacidade e qualidade? Ou será possível encontrar uma solução intermédia, como uma privatização parcial?

Vista aérea do Anhembi em setembro de 1972

Afinal, o Anhembi vem sendo, há meio século, uma grande “âncora” do desenvolvimento paulistano. Em meio à década de 1960, a cidade sentiu a necessidade de um grande centro de exposições e eventos, pois o Pavilhão da Bienal já não comportava a dimensão dos eventos que acolhia.

O terreno às margens do Tietê, onde o empresário Caio de Alcântara Machado imaginou o novo parque, até pertencia à Prefeitura. O sonho virou realidade em 1970 e o novo “Centro Interamericano de Feiras e Salões” simbolizava a S. Paulo dos negócios, do comércio, internacional e cheia de futuro.

O nome Anhembi Parque veio depois. Mais tarde, dificuldades financeiras acabaram levando a Prefeitura a se tornar sócia, consciente da importância estratégica do Anhembi para o desenvolvimento da cidade.

O Pavilhão de Exposições, o Palácio das Convenções e o Sambódromo integram um espaço com 400.000 metros quadrados, e que até já recebeu corridas do campeonato de automobilismo norte-americano Indycar. Estas são precisamente as três partes que poderiam ser privatizadas separadamente, de acordo com uma intenção que o ex-prefeito paulistano João Dória (PSDB) já havia referido.

Será que Sheldon Adelson consegue o jackpot?

About the author

Deixe um comentário!

Comments

  • Walkiria Claudete Pintucci 01/02/2019 at 16:23

    Fora Color, Roubou O dinheiro que eu tinha em 3 Bancos, dois na Santo Amaro e um na são João.nem sei mais onde eles estão.Poupança, que me faz falta…

    Reply
  • JORGE ROBERTO COELHO FERREIRA 01/02/2019 at 16:45

    Nunca ví tanta hipocrisia, ou talvez, uma grande besteira a proibição de cassinos no Brasil. Como se o jogo não corresse a vontade por ai. Eu próprio não sou muito aficionado a jogos, mas quando que jogar não tenho nenhuma dificuldade para achar um local, além do que o jogo do bicho corre solto, sem falar nas loterias oficiais

    Reply
    • Emerson de Faria 03/02/2019 at 10:57

      Não é porque algo seja ilegal ou moralmente condenável é que deva ser legalizado, se for para levar ao pé da letra então legalizemos também a agiotagem, a cafetinagem, as drogas de todo tipo, etc. .

      Reply
      • Douglas Nascimento 04/02/2019 at 10:03

        Já passou da hora da volta dos Cassinos, proibido no Brasil no Governo Dutra por influência de sua esposa que era uma carola de marca maior. Drogas ? Ao menos a maconha já deveria ter sido liberada faz tempo, a proibição só incentiva o crime organizado e a corrupção. Agiotagem ? Os agiotas são mais corretos que os bancos.

        Reply
        • Emerson de Faria 05/02/2019 at 07:54

          Espere um deles vir cobrar gentilmente uma dívida à sua porta e depois você me fala.

          Reply
          • Douglas Nascimento 05/02/2019 at 09:05

            na minha porta não virão porque não sou freguês…

        • Emerson de Faria 05/02/2019 at 07:56

          Sobre a legalização das drogas, em tempo: fui assaltado por 2 noias vagabundos na escada do Metrô Anhangabaú. Não preciso dizer mais nada.

          Reply
  • Rogério 01/02/2019 at 17:15

    Não vejo como essa atividade pode gerar os propalados 50 mil empregos. Não vejo também como a cidade poderia beneficiar-se com a volta dos cassinos. Talvez o rio Tietê seja beneficiado por estar ali ao lado e possa servir de suporte à navegação turística. A conferir.

    Reply
    • Emerson de Faria 05/02/2019 at 08:18

      Eu também, mas enfim…

      Reply
  • Neu Costa 01/02/2019 at 21:41

    Poderia usar as arrecadações dos cassinos, para ajudar a previdencia INSS, SUS

    Reply
  • André Maciel 02/02/2019 at 00:43

    O Anhembi acabou ficando ultrapassado por outros pavilhões na questão de sediar grandes eventos. O Salão do Automóvel e a Bienal do Livro passaram a ser realizados no São Paulo Expo e no Expo Center Norte, respectivamente.

    Reply
  • Vozdobrasil Chicolobo 12/02/2019 at 15:24

    Não sou contra os cassinos, mas sua implantação é tão polêmica quanto o aborto e liberação da maconha… Tem que ser feito com muito critério para que nossas economias populares não saia daqui no bolso dos estrangeiros.
    O cassino dá muito emprego, isso é verdade, mas os puteiros também dão, e mesmo assim não é ético.
    São notórios os casos de pessoas que perdem todos os seus bens com drogas e prostituição, ainda mais com jogos de azar.

    Reply
  • Vozdobrasil Chicolobo 12/02/2019 at 15:47

    Em resumo… São Paulo está perdendo mais e mais seu patrimônio publico, PAGO COM NOSSOS IMPOSTOS para empresas privadas DE FORA. E tem idiotas que não conseguem ver isso… só pensam no próprio umbigo.

    Reply
%d blogueiros gostam disto: