Bairros / Casarões / Centro / Cidades / Imóveis Antigos / Santa Cecília / São Paulo / Tipo / Zonas

Castelinho da Rua Apa

De todos os imóveis históricos abandonados da cidade de São Paulo, talvez nenhum outro desperte tanta atenção e curiosidade das pessoas como o célebre Castelinho da Rua Apa, palco em 12 de maio de 1937, de um dos crimes mais marcantes e enigmáticos da história do Brasil moderno.

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

Foi nesta data, que após uma discussão séria os irmãos Armando e Álvaro chegaram às vias de fato e trocaram tiros. Poucos minutos antes da tragédia ocorrer a mãe, Maria Cândida dos Reis, teria surgido para apartar a discussão de ambos, que estavam com apontando revólveres um para o outro. Foi ai que a troca de tiros iniciou-se e os três acabaram por falecer no local.

O Castelinho em fotografia de possivelmente em 1930 ou 1931 (clique para ampliar).

O Castelinho em fotografia de possivelmente em 1930 ou 1931 (clique para ampliar).

À época, a rápida apuração das autoridades policiais teria levantado suspeitas sobre se os irmãos teriam realmente um matado o outro ou se o assassinato havia sido encomendado. O posicionamento dos corpos de Armando e Álvaro teria sido um dos principais combustíveis para que muitos achassem que os irmãos e a mãe teriam sido, na verdade, vítimas de um triplo homicídio.

Após anos de polêmica, em um caso em que os herdeiros diretos haviam todos falecido na mesma tragédia, uma nova lei federal sobre heranças promulgada pelo então Presidente da República, Getúlio Vargas, iria impedir que parentes de segundo ou terceiro grau herdassem o castelinho. Assim, o castelinho ( e outros imóveis sem herdeiros em situações semelhantes) seriam repassados ao governo federal. Anos mais tarde esta lei seria revogada, mas parentes de Dona Maria Cândida e dos irmãos Armando e Álvaro jamais iriam conseguir retomar o imóvel que ficaria nas mãos do INSS (e ainda permanece) , órgão famoso por não preservar ou recuperar bens históricos em seu poder.

agazeta

Com este impasse o imóvel sempre foi impedido de ser recuperado. Com o tempo a fama de assombrado começou a acompanhar o local, e os anos de abandono e degradação ajudaram e muito a propagar essa fama que não passa de uma lenda.

Atualmente, embora ainda pertença ao INSS, o Castelinho está sendo administrado pelo Clube das Mães do Brasil que ocupa um imóvel anexo ao lado. A instituição já possui um excelente projeto de restauro do local e o castelinho já está inclusive coberto, entretanto a obra aguarda patrocinadores e incentivos para seguir adiante. As sólidas estruturas da construção são os principais aliados do imóvel, que está há pelo menos 70 anos sem manutenção e resistindo bravamente.

Veja mais fotos do Castelinho (clique na miniatura para ampliar):

Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento

Assista a reportagem do programa Aqui Agora, do final da década de 80, sobre o Castelinho. A apresentação é de Jacinto Figueira Jr, o Homem do Sapato Branco:

Conheça o local através do mapa:

Visualizar São Paulo Antiga em um mapa maior

Atualização 16/01/2014:
Para iniciar a celebração do aniversário de 5 anos do São Paulo Antiga, que será no próximo dia 25 de janeiro, liberamos 7 fotos do Castelinho da Rua Apa, sendo que 4 delas são inéditas. As imagens foram realizadas entre 1928 e 1938. Esperamos que apreciem a novidade!

A foto abaixo, mostra o Castelinho em fotografia tirada bem no meio da Avenida São João, onde hoje fica o canteiro central. Este ângulo favorece a visualização de seus vizinhos que ficavam na própria Rua Apa e que já foram todos demolidos.

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

Já a próxima imagem mostra o Castelinho com vista para os vizinhos da Avenida São João. Onde era possivelmente uma garagem hoje está o imóvel que sedia o Clube das Mães do Brasil.

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

Entrando no imóvel, as duas fotos seguintes são imagens periciais e apresentam cenas da tragédia. A primeira, da estante de livros, indica com setas onde algumas balas se alojaram, já a segunda orienta a trajetória de balas antes de se alojarem na parede do castelinho.

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

Crédito: Acervo São Paulo Antiga

A foto a seguir mostra um dos irmãos, Álvaro, com amigos juntos de seus carros estacionados na Praça da Sé. Ele é o que está de roupa branca e bem próximo do marco zero da cidade.

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

Nesta próxima foto, também tirada na Praça da Sé, Álvaro está com amigos (ele é o quarto da esquerda para a direita).

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

Por fim, uma rara foto onde todos os membros da família aparecem reunidos, tirada em uma praia do litoral paulista. Junto de amigos, está a mãe, Maria Cândida dos Reis (a primeira à esquerda), o pai (ao volante do automóvel), Armando (sem camisa, sentado no estribo do carro) e, ao lado dele, Álvaro (com trajes de banho e encostado no paralama).

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

Gostou das imagens ? Quer saber mais sobre o caso ou sobre o castelinho ? Deixe um comentário!

98 Comentarios

  1. Eu fico puto com coisas desse tipo. O que falta pra gente poder ter nossa cidade recuperada?? Puxa vida, vemos tantos paises recuperando sua vitalidade, e a cidade mais importante da América Latina largada.
    Putz.

  2. sueli soares says:

    PORQUE O PREFEITO DE SP NAO TOMA VERGONHA NA CARA E+
    RECOPERA LOGO ESTE PATRIMONIO HISTORICO QUE E O CASTELINHO.

    • Wagner says:

      Porque o prefeito não pode. Se trata de um imóvel de propriedade federal. O INSS detém os direitos sobre este imóvel., portanto teria que haver um processo federal para liberá-lo à quem tiver interesse. Tendeu?

    • thiago says:

      RecUpera!!!

  3. rubens ferrazeane mola says:

    Bathmann e Sueli Soares

    Concordo em gênero, número e grau com o que disseram. Espero que as nossas autoridades abram os olhos antes que seja tarde demais. Sou um cara privilegiado, pois estudei na Escola Técnica Federal de São Paulo (atual sede em São Paulo do Ministério da Educação) de 1956 a 1959 e vocês nem imaginam como era lindo êsse monumento. Passava por êle todos os dias para pegar o bonde Angélica/Vila Mariana. É uma pena…
    Abraços

  4. Emerson says:

    Sou apaixonado por São Paulo. E a história do Castelinho é uma das mais tristes (não o mito dos fantasmas e sim a degradação).Primeiro, parte do terreno virou um hotel, um dia o Castelinho virou um teatro, depois um local de encontro para algum tipo de reunião, que agora não me recordo, e agora virou banheiro público. Não sei se hoje em dia pertence a prefeitura ou se ainda pertence a herdeiros. Mas alguma coisa deve ser feita!!!

    • J.C.Cardoso says:

      Não sou de SP e poucas vezes passo em frente, mas… o hotel me parece no terreno do vizinho, não em parte do terreno dele.
      Veja a foto de 1920 e você verá que onde hoje é o hotel era uma casa de frente de rua, nada a haver sequer com o muro do castelinho.

    • thiago says:

      Emerson, no texto sobre o castelinho diz claramente a quem pertence o imovel…AO INSS! INFELIZMENTE!

      • Enquanto o imóvel pertencer ao INSS, o prefeito nada pode fazer. Mas a exemplo da cidade de São José dos Campos onde a prefeitura se virou e comprou um imóvel histórico conhecido como o Sanatório Vicentina Aranha num terreno com área, suponho, de 15.000 m². Conta com uma capela e toda a infraestrutura de atendimento e alojamento da época que tratavam os tuberculosos.Ele pertencia ao INSS e ficou abandonado. Hoje já está em restauração e a área livre do terreno é um parque muito útil a população. O custo desta compra certamente é muito maior que o valor do castelinho. Então basta um empenho do prefeito para resolver o destino mais saudável para a população de São Paulo.. MAL(ha)DAD(e) é se perder uma fatia da história da cidade.

  5. Conrado says:

    Sou fascinado por esse castelinho, e adoraria vê-lo recuperado. Segue um breve resumo da sua história:
    “O Castelinho foi construído entre 1912 e 1917, por um arquiteto francês, trazido diretamente de Paris, para executar uma réplica de um castelo medieval francês. Lá morou a rica e tradicional família Guimarães dos Reis, que eram conceituados milionários da cidade. Porém, uma fatalidade o transformou em palco de um dos crimes mais famosos de São Paulo, na década de 1930. A mãe e os dois filhos foram encontrados mortos a tiros no interior do imóvel, aparentemente após uma grave discussão. O pai já havia morrido tempos antes.
    A família também era proprietária do Cine Teatro Broadway.
    Tempos depois o governo reivindicou a herança pela falta de herdeiros, de acordo com a nova legislação de Getulio Vargas, que não reconhecia sobrinhos como herdeiros, e o imóvel passou a ser propriedade da União.
    As agruras do Castelinho começaram com a construção do Minhocão (Elevado Costa e Silva) em 1971, que levou à desocupação do imóvel por seus inquilinos e o governo, seu proprietário, se desinteressou completamente pelo imóvel, levando-o à rápida e total deterioração em que se encontra.
    Uma época, chegaram a aventar de ali fazerem o Museu do Crime. Mas lamentavelmente inúmeras iniciativas para tentar salvar o Castelinho até agora não tiveram sucesso.

  6. vanessa dos reis says:

    so nao consigo entender porque nao teve herdeiros, como isso e possivel, nao tem mais ninguem dessa familia!

    • Nelson Goncalves says:

      Querida Vanessa..Faca sua genealogia e talvez descubra que vc seria um dos herdeiros que nunca foram encontrados.

  7. o saudosista says:

    fiquei sabendo da existência desse castelinho de uma forma curiosa: Através de um livro didático. Depois, procurei mais sobre ele e fiquei sabendo das mortes ocorridas ali.

    Desviando um pouco disso, não sei se alguém viu, mas o Geraldo Luís fez uma reportagem no castelinho, e pelo que vi, uma reforma iria custar muito, portanto o governo não fará nada.

    A única forma de se ressuscitar esse castelinho é fazendo um mutirão para reformá-lo, pois os poderosos não se moverão para mudar a situação

    • J.C.Cardoso says:

      A reforma ia custar muito? Se tivesse havido um mínimo de manutenção, ao longo do tempo, não teria chegado ao estado a que chegou nem tão custoso como hoje.

  8. marcelo says:

    achei posts desde 2005 ja preocupados com a restauração do castelinho, vejo esse ultimo comentario bem recente, quer dizer q ele ainda estaq de pe, nasci e morei em SP ate os 18 anos, passei por ele varias vezes e so hj conheci sua estoria, gostaria muito que daqui ha um ano pudessemos estar felizes comentando sobre sua restauração, mas como sei que no Brasil tudo e dificil, so posso crer em um sonho, e desejar a ele como a todos os outros tesouros relacionados neste site, boa sorte, muito boa sorte…

  9. O.C.P.J says:

    O que acontece é que quando tudo desmoronar os politicos irão falar que foi uma grande perda para o municipio bla bla bla… e vão ficar se lamentando!!!!Isso é uma vergonha!!!

  10. J.C.Cardoso says:

    Sou do Rio e vou algumas vezes a SP.
    O hotel não está em terreno do castelinho – está onde era uma casa de frente de rua. Pesquisas por fotos de época mostram isso.

  11. o nosso pais so tem politicos que so visao a sua intencao,e que o de fato no misterio do castelinho , deve de ter com certeza alguem que faturou muito com a morte dos 3 se aproveitando da ocasiao como todo bom brasileiro oprtunista. agora se fosse um valor de milhoes de reais que la estivesse escondido nao teria nem o castelinho hoje ,
    esse e nosso governo pura vegonha e sacanagempor nao moro mais no brasil tenho orgulho domeu pais mas nao do nosso governo que nao respeita ninguem

  12. Danilo says:

    Estava em processo de restauração mas parece que jogaram em uma gaveta como se fosse um lixo qualquer, esse castelinho é muito bonito mesmo estando no estado em que esta, sinceramente isso é uma vergonha.

  13. eduardo says:

    essa porra desse castelo não é mal assombrado?

  14. marcelo juliano says:

    o mais engraçado é que passado tanto tempo desta triste história, o verdadeiro herdeiro do castelinho é a cidade de são paulo, que pelo visto nada faz e precisamos desta memória mesmo que triste, é nosso patrimonio e ainda mais triste foram vidas levadas, sem se quer devidamente investigadas,para variar acharam algo irrelevante e ponto, fechasse o crime da rua apa. lamentável

  15. Sou estudande de Arquitetura e Escolhi o Castelinho como tema de meu trabalho de TFG, estou pensando em propor a sua preservação como ruína (o mesmo não pode mais ser restaurado), sua restauração seria uma falsificação. Mas o preservando como ruína, posso como o próprio nome diz, preservar a edificação e sua história para todos. Também penso em propor alguma solução para a Ong, Mães do Brasil, propondo novas instalações e inclusive de forma que o Castelinho esteja inserido neste contexto e permitindo que o mesmo seja contemplado pela população. O Que acham da idéia?
    Abraços a todos.

    Caso queiram ver, tenho um vídeo do Castelinho http://www.youtube.com/watch?v=_B1-TtUX7ww
    e outro com a reprodução que fiz de sua planta

    • Ari Miaciro says:

      É interessante o tema, mas para mim, o castelinho tem valor histório e cultural muito maior do que o arquitetônico. Ainda sim creio que pode ser um tfg interessante, boa sorte.

    • João me desculpe a sinceridade, moro na região há 40 anos, e vejo que o entorno do castelinho virou um ponto de tráfico de drogas, muito lucrativo, acho que a restauração seria a solução mais adequada, e fazer dele um espaço cultural. Para quem passa por ele só para fotografá-lo é uma coisa, mas para nós que moramos ao lado, o ponto de vista é muito diferente, é degradante, tem uma mulher de nome Maria Eulina, que ganhou concessão por vários anos, porém depois que ela ganhou nada foi feito para melhorar, ao contrario ele está se desmanchando, moro em um prédio onde vejo ele por cima é muito triste o estado, não tem o mínimo de conservação, só estão esperando ele cair para se fazer alguma coisa, não sei quem vai lucrar com isso, mas tenho certeza que a queda dele vai render muito para alguém …

  16. Pingback: Entrevista: Cristiane Carbone — São Paulo Antiga

  17. Milena says:

    Olá! Ontem a noite passei em frente ao Castelinho e o mesmo estava coberto como se fosse passar por alguma reforma ou demolição. Não tinha nenhuma placa informando nada.
    Fiquei mto curiosa, pois posso dizer que sou uma “amante” dessas construções do centro velho de São Paulo. Alguém sabe dizer o que está acontecendo por lá?

  18. Jefferson Eduardo says:

    Também já passei em frente. E vi no YouTube um camarada oferecendo R$ 1000,00 para quem passar uma noite no Castelinho…

  19. Amei o castelinho , pena que ele esta em ruinas mas bem que o prefeito poderia conservar , pois e um chu-chu de casa

  20. José Alves de Freitas says:

    É lamentável, ver este patrimônio jogado às traças. Eles o poder público poderia fazer igual fizeram com a casa de dona Yayá, no Bixiga, pertence à USP, É obrigação do Estado preservar a sua memória arquitetônica, mesmo com essa tragédia que aconteceu o castelinho tem um valor arquitetônico inestimável.

  21. Passei em frente ao Castelinho ontem e ele está envolto naquele pano branco que usam em construções. Seria reforma ou demolição?

  22. Que ótimo que irão reformá-lo, espero que dessa vez a coisa ande. Na verdade o Castelinho está em ruínas, a parte de cima já desabou. Terão que fazer uma reconstrução. Segue uma foto não muito boa que fiz ontem à noite com o celular: http://a7.sphotos.ak.fbcdn.net/hphotos-ak-ash4/373926_250185718371214_100001393631990_751465_1348447653_n.jpg

  23. Renata Paim says:

    Eu acho que o castelinho tinha que voltar para as mãos da família, eles que sabem o devem fazer, eles tem o direito!!!!

  24. simone says:

    fiquei sabendo do castelinho pela tv no ghi
    sobre fantasma foi interesante o que foi descoberto por la

  25. marisa says:

    Este castelinho parece estar olhando para a gente. Ele tem olhos e bocas, até parece que ele hipnotiza as pessoas a terem vontade de entrar no seu interior, só que quem entram nele, jamais sairá porque como eu disse ele tem boca e engole todos que entram nele.

  26. Gente sou fanática por lendas e fantasma *———-* Acho muito da hora >< amei a história que ai é assombrado. mais tipo nunca ninguém entrou lá? '—

  27. J.Torres says:

    Espanto? nenhum, tendo administradores públicos do tipo que temos. Os caras ao invés de governar para a cidade administram conchavos, bandalheiras, e estão mais preocupados com o “how much”. Não quero ser ofensivo, mas é a realidade com a qual todos nós brasileiros convivemos há anos e anos. Conversem (os administradores) com quem de direito e restaurem essa construção. Dinheiro EXISTE.

  28. QUESIA FERREIRA says:

    GENTE COMO O BRASILEIRO NÃO TEM PRAZER EM GUARDAR SEU PASSADO E SUA HISTORIA.NÃO APENAS SP MAS TODOS OS MONUMENTOS HISTORICOS DO BRASIL ESTÃO ABANDONADOS

  29. viviane vieira says:

    eu ja entrei la dentro com meu filho em 2006,como ja disse o joao jimenes esta sem jeito,seria falsificaçao mesmo,nao entendo disso e nem preciso entender,pra ver que por dentro nao resta nada.o andar de cima ja nao existe mais,so tem as marcas de onde eram a escada e muitos restos de madeira podre;me disseram que foi o corpo de bombeiros que demoliu a parte de cima,que corria risco de desabamento,eu moro a cinco minutos do castelinho;e a alguns anos so se via catador de papelao e mendigo.

  30. viviane vieira says:

    ja na parte que me parecia ser uma cozinha,nao me deixaram entrar,pois disseram que havia pessoas dormindo la;nao era de madeira e sim um piso muito antigo e meio que ainda conservado;nao deu pra ver se tinha outra escada.como disse Joao Jlmenes mais uma vez concordo,deveria ser feito e aberto ao publico,para que todos pudessem ver;ja que la so entram quem eles querem;e se e um patrimio historico,a cidade tem direito…nao so alguns.

  31. Raúl Souza says:

    Bom, eu acho incrível a historia deste patrimônio histórico, eu como historiador, fico enojado com o descaso publico, poderia se muito bem, já que é do poder do INSS, o mesmo órgão custear no minimo 50% da obra deste monumento. Não o conhecia bem pois sou de Santa Catarina, mas me chamou muito a atenção quando vi no canal SyFy uma investigação sobre os supostos fantasmas que haviam na propriedade, achei muito curioso e resolvi procurar mais detalhes. O problema meus amigos é não só com este patrimônio em especial, mas todos os patrimônios históricos que são de poder publico, não somente em São Paulo, mas em todo o Brasil.

  32. Raúl Souza says:

    Caso se interessem em saber sobre a investigação da equipe americana, aqui está o link da primeira parte da investigação, lembrando que a investigação sobre o Castelinho, só aparece a partir de 4:08min

    • ines sousoure says:

      EM PENSAR QUE QUANDO O BRASILEIRO VIAJA, TUDO QUE É ANTIGO DOS OUTROS…….. DAÍ É BONITO E TEM VALOR.

  33. andressa says:

    nossa gente como o castelinho era lindo muito lindo amei a foto mais agora estao reformando a que pena mais tem mesmo gente so que agora a casa ta velhacaindo aos pedaços mais isso nao emporta ele nao podem reforma o castelinho ele e a historia nao pode

  34. Que seja preservado para todo o sempre!

  35. Celene says:

    Nossa!!!! Eu sempre passo por lá :O caramba eu queria tanto entrar lá kkkkkkkkk!

  36. J.C.Cardoso says:

    Parece que o poder público não gosta mesmo de castelos nas mãos da iniciativa privada…
    No Rio, houve um castelinho no bairro da Penha (muito embora não tenha sido cenário de crime, nem com fama de mal-assombrado, nem disputado por herdeiros), mas também foi desapropriado pelo INSS, servindo de repartição, até ser demolido nos anos 80 (hoje, um estacionamento só com a “muralha” original do castelo).
    Vejam isso:
    http://suburbiosdorio.blogspot.com.br/2011/12/o-castelinho-da-penha.html
    Até postei um comentário falando do da Rua Apa, que também passou pelo INSS e…

  37. adriana says:

    Uma vez passou a historia do Castelinho na linha direta, isso faz muito tempo, pelo que me lembro eles contaram uma historia que um dos irmãos gostava de uma mulher, na epoca chegaram a pensar que fosse ela a mandante do crime.. e ela morreu a poucos anos atras,gostaria de saber se essa historia é verdadeira , se não me falaha a memeoria a nome dela é baby ou foi conhecida assim.

    • J.C.Cardoso says:

      Eu não tinha o hábito de ver o Linha Direta (achava muito baixo astral), mas esse em especial, em vi, por acaso. Aliás, nem tanto por acaso, porque alguns desses “históricos” eu cheguei a ver, aleatoriamente.
      Foi muito bem produzido. Tiveram até o cuidado de reconstruir um cenário igual (se bem que por fora, estava meio com cara de maquete) e até a arma do crime a produção conseguiu de um colecionador. Li, na ocasião, que foi o maior desafio à produção, não só por ser antiga, mas porque, mesmo na época, parece que já era de rara fabricação (ou fabricação limitada ou algo assim).
      A grande elegância do episódio (além da sofisticação dos detalhes) foi justamente levar pelo lado do crime e não do sobrenatural (que seria inevitável).
      O ator Leopoldo Pacheco vivia o irmão “estroina”; Simone Spoladore vivia a Baby jovem; Georgia Gomide, a Baby idosa, contando a história a uma estudante de Jornalismo (se não me engano), vivida pela Bianca Comparato.
      O irmão “certinho” eu não me recordo do ator.

      No Youtube, V. encontra PARTE desse Linha Direta:

  38. J.C.Cardoso says:

    Lembrei: o irmão “certinho” era o Guilherme Piva!

  39. Quanto descaso…porque deixar nas mãos do INSS se eles não conservam??? Lamentavel e vergonhoso…. Castelinho lindo espero que ele seja restaurado em breve!!

  40. Rafael says:

    Alguém sabe me informar o nome do Arquiteto responsável pelo projeto?? Sabe-se que foi um Frances trazido de Paris exclusivamente para construir o castelinho.

  41. O vídeo clipe da banda de Gothic Metal Rock “RAVENLAND”, de São Paulo; foi filmado no castelinho…

  42. elias alfredo dos santos says:

    se eu tivesse dinheiro suficiente ia dar um jeito de comprar o castelinho da rua apa e iria erstaurar e fazer ali um cinema e um renque de patinaçao e tambem lanchonete e um mini shoping ,quem sabe e um sonho ,ja que o governo nao cuida esse e um jeito de usar e ao mesmo tempo preservar esse lindo castelo que faz parte da historia do estado e e um patrimonio que marace e deve ser novamente utilizado ;os fatos tristes que passaram ali fazem parte de um passado e como tal devem ser esquecido totalmente.
    ps eu tenho coragem de dormir a noite sozinho la ,apenas eu teria que fazer isso com o maximo de conforto possivelkkkkkkkkk.

  43. Hoje fui ver esse castelinho, moro em são paulo sempre passei pela região mas nunca tinha prestado atenção, o problema é que o local é bem inseguro, tem vários usuários de drogas sentados no muro da construção e até a aproximação é bem preocupante,quem toma conta do local é um tipo de morador de rua, pelo menos foi a impressão que me passou, pois no local ( dentro do terreno) tem um carrinho de pegar lixo, alguns pixadores vândalos já invadiram o castelinho deixando sua marca ridícula de vandalismo, gostaria muito de poder entrar num local desse durante a noite e passar umas horas la pra ver se é mesmo assombrado, pode ser que tenha muitos ratos e animais como gatos que possam fazer barulho, pois o local é propicio a isso.

    • O pouco que já passei pela região, não me parece que só o castelinho esteja degradado, com usuários de drogas, moradores de rua e pichações, mas toda (o quase toda) a região sob o Minhocão.

  44. DEVIAM DEMOLIR ELE POIS OS ESPIRITOS ESTAO TRISTES POR BANDIDOS FAZEREM A FESTA DENTRO DELE QUERO QUE TOME A BAIXO ESTE LUGAR PARA A PAZ DESTES SOFRIDOS HOMENS E A MAE AMEM SOU MEDIUM OBRIGADA

  45. FERNANDO says:

    Sou paulistano da Lapa, moro ha 12 anos no interior, semana passada passei sobre o minhocão e vi que o castelinho está coberto como se estivesse em obras. Alguem com vergonha na cara resolveu fazer alguma coisa? Milagre!!! Será que os falecidos no local ressucitaram e estão tomando providencias no próprio imóvel ou o governo é que acordou?

    • Fernando: sou do Rio (como já disse) e quando estive em SP em outubro, passando justamente por aí, acho que já tinha essa “malha” “encapando” a construção.

  46. Pingback: Castelinho - São Paulo « Asia World Maps Asia World Maps

  47. aaa gente eu tenho muito medo

  48. Bem, aparte a questão da conservação do que sobrou do castelinho (passo, geralmente, pela frente dele e vejo que não há muito o que ser feito, aparentemente), não resta a menor dúvida, vendo a foto dos irmãos mortos, que os corpos tiveram suas posições alteradas… curioso….

  49. Enquanto instituições ineficientes como o INSS que nem cuidar dos beneficiarios vivos com dignidade sabem fazer, imagine um patrimonio? Um Predio que ano apos ano, vai se deteriorando, deteriorando ao ponte de um dia ir ao chao…

  50. adoro esse predio mas eu acho santa cecilia uma regiao um pouco sombrio

  51. Douglas says:

    Gostaria de fazer um ensio fotográfico la, mas preciso saber quem possa autorizar minha entrada la , alguém sabe?

  52. Adriano says:

    UM FATO BEM INTERESSANTE E CURIOSO DO INICIO DA BRIGA DOS IRMÃOS , É QUE JA NAQUELA EPOCA ALVARO REIS , UM BOM VIVANT, VIAJANTE EXPERIENTE ,QUERIA ABRIR UM RINK DE PATINAÇÃO NO GELO NO CINE BROADWAY DE PROPRIEDADE DA FAMILIA.
    E COMO OUVE DESENTENDIMENTO ENTRE OS IRMÃOS POR ARMANDO ACHAR QUE ERA UM INVESTIMENTO MUITO ALTO E ARRISCADO PARA EPOCA…A BRIGA TERMINOU EM TRAGEDIA.(OUTRA VERSÃO É HIPOTESE E INDICIOS QUE TERIA UMA OUTRA PESSOA NO LOCAL E EXECUTOU A FAMILIA TODA).
    MAS UMA COISA É CERTA ALVARO REIS FOI UM DOS PRIMEIROS PATINADORES NO GELO DA CIDADE DE SÃO PAULO JA NA DECADA DE 30 A TENTAR TRAZER A ARTE DA PATINAÇÃO NO GELO AO BRASIL.

    • Gloria Goncalves says:

      Nao sabia. Mas, mesmo quando menina, e ainda nao havendo o Mihocao, lembro-me que minha avo morava nas imediacoes do Castelinho, e sempre que ali ficavamos esperando o onibus paara a Lapa, mamae falava que ele era misterioso. E eu???? tem fantasma mae, tem eh? vamos entrar e ver????? crazy kid.

  53. José Campos says:

    Muito interessante. Matéria de elaboração excelente. História real, chocante e triste ao mesmo tempo. Provavelmente, sem a tragédia o castelinho já teria sido demolido ha muito.

    • Marcio Jesus Hohenfeld Angelini says:

      Sou Bahiano e tenho orgulho de ver tanta história de casarões antigos existentes em São Paulo e seus curiosos fatos. Felizmente existem projetos de preservação destes casarões, embora seja um processo lento.
      Devido a essa lentidão, os casarões caem sem protesto, apagando fisicamente a vontade de adentrar em seus aposentos, para conhecer melhor tudo isso.
      Parabéns a SPA por tanto registro precioso!

  54. Pingback: Pedro Pontes | Fotógrafo

  55. Wender says:

    Sempre tive fascinio por este lugar e pela historia dele, e coicidentemente durante uma conversa,descobri que um colega de trabalho é bisneto do casal que trabalhava na residencia, que localizou os corpos e na epoca chamou a policia,ele possui alguns documentos e fotografia da epoca,inclusive a planta do castelo original,fiquei boquiaberto e tentei convence-lo a doar estes documentos e fotografias.

    • Marcus says:

      Olá Wender, se ele não quer doar, tente convencê-lo de ao menos digitalizar as fotos para publicar aqui no spa. Seria muito legal ter acesso a esse material. Abs

  56. Adorei as informações! Muito bom isso de resgatar memórias. Bom trabalho!

  57. Marcus says:

    Vendo a foto da família percebe-se que um filho é a cara da mãe e outro a do pai. Ambos com semblante de poucos amigos, muito estranho para quem esta curtindo um passeio na praia. Acho que a muito se detestavam.
    O projeto do castelinho é de um incrível mau gosto. Todas as fachadas parecem “caronas” bizarras com seus “olhões” estatelados e suas bocas enormes, horror dos horrores.
    Porém vale a pena ser restaurado, pela história e pelo projeto incomum.

    • J.C.Cardoso says:

      Sim. Há um site sobre assuntos sobrenaturais que cita a “cara” que o castelinho faz. E compara à “cara” da casa de “Horror em Amityville” (história real, até hoje mal explicada e que rendeu livro e filme).

    • Thiago Vaqueiro says:

      Onde vc viu a foto?? queria ver tb…

  58. Fernanda says:

    Gostaria muito de visitar o castelinho, álguem sabe me dizer se essa possibilidade existe?

  59. Miler De Marchi says:

    Segundo Google Streer View está assim: https://www.google.com.br/maps/@-23.535421,-46.652437,3a,75y,20.57h,94.81t/data=!3m4!1e1!3m2!1sXuAWKWZV2kdeN1daMgtUkw!2e0?hl=pt-BR . Alguém sabe se estão realmente reformando ?

Deixe uma resposta