Hoje raros, os cinemas de rua eram bastante comuns na primeira metade do século 20. Endereços como as avenidas São João e Celso Garcia, além de ruas como Direita e Augusta possuiam muitas salas de exibição. Outra via que também tinha seu cinema era a rua São Bento.

Crédito: Fundação Bunge (clique na foto para ampliar)

Crédito: Fundação Bunge (clique na foto para ampliar)

Pertencente a empresa Bunge, o Cine São Bento foi uma importante sala de exibição da região central da cidade de São Paulo. Foi inaugurado na noite de 10 de setembro de 1927 com a exibição de um grande sucesso do cinema mudo da época, o filme “Tristeza de Satanás (ou Sorrow of Satan no nome original em inglês)“, da Paramount.

Nota de inauguração do cinema no Correio Paulistano e cartaz americano do filme (clique para ampliar)

Nota de inauguração do cinema no Correio Paulistano e cartaz americano do filme (clique para ampliar)

A escolha do filme não foi por acaso, uma vez que o Cine São Bento era o exibidor oficial na capital paulista dos filmes da Paramount. Isso só seria mudado dois anos mais tarde, quando o Cine Paramount (atual Teatro Renault) foi inaugurado na avenida Brigadeiro Luis Antônio.

O cinema pertenceu a Bunge até 1928, quando o São Bento foi vendido pela empresa pelo valor de 1850 contos de réis. Apesar de ao primeiro momento parecer estranho uma empresa como a Bunge que é conhecida por outros segmentos como o de alimentação ter uma sala de exibição, na verdade tratava-se de diversificação de negócios.

Crédito: Fundação Bunge

Crédito: Fundação Bunge

Após a constituição da empresa S.A. Moinho Santista em 1905 na cidade de Santos, em 1908 a Bunge transferiu seu escritório administrativo para a cidade de São Paulo, ocupando o primeiro endereço na Rua da Quitanda nº 6. Os escritórios da Bunge sempre estiveram localizados no centro, devido à facilidade de locação e serviços telefônicos, que só existiam na zona central. A Bunge teve escritórios na Rua São Bento, na Rua Álvares Penteado e na Rua Boa Vista.

Com a transferência de Santos para o centro paulistano, a Bunge passou por uma grande diversificação das suas atividades, demonstrando, desde então, o seu espírito empreendedor. Instalou fábricas de tecidos de algodão, parafusos e pentes, adquiriu fazendas e assim também chegaria as salas de exibição, com o Cine São Bento.

Após sua venda em 1928, o Cine São Bento fechou temporariamente em 1930, devido a crise do mercado exibidor, reabrindo reformado logo depois. Desde então, exibia filmes do distribuidor Isaac Bernstein. No final de sua trajetória, passou a pertencer ao circuito de cinemas Serrador. Suas atividades foram encerradas em 1950.

O imóvel do Cine São Bento atualmente:
Crédito: Douglas Nascimento / São Paulo Antiga

Quem transita hoje em dia pelo movimentado calçadão da rua São Bento e observa as lojas instaladas no imóvel da foto acima, sequer imagina que ali abrigou um importante cinema paulistano. De fato, é difícil mesmo crer que o imóvel que abriga três estabelecimentos comerciais foi no passado sala de exibição paulistana.

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

Do passado, resta apenas a parte superior da elegante fachada do cinema, que é tombada. Por muitos anos, antes da Lei Cidade Limpa, esta fachada ficou escondida. Agora que é visível, poderia ao menos ser padronizada e mais arrumada, sem fios expostos ou com uma parte pintada na cor preta. Não longe dali, na rua Direita, o antigo Cine Alhambra ostenta uma bela fachada preservada, onde funciona um grande magazine.

Apesar da Lei Cidade Limpa hoje estar um tanto mais flexível do que na época que foi colocada em prática, durante a gestão do então Prefeito Gilberto Kassab, esta lei ajudou a revelar inúmeras belas fachadas antigas paulistanas, como esta do Cine São Bento, e que antes ficavam escondidas atrás de grandes estruturas que mostravam o nome dos estabelecimentos. Que esta lei perdure!

Agradecemos a Fundação Bunge pela cessão das fotos antigas do Cine São Bento que ilustram a primeira parte deste artigo. Conheça a Fundação Bunge através do site: www.fundacaobunge.org.br

Veja abaixo mais duas fotografias atuais da fachada (clique na foto para ampliar):

Crédito: Douglas Nascimento / São Paulo Antiga

Crédito: Douglas Nascimento / São Paulo Antiga

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

JOIN THE DISCUSSION

Comments

  • ernani 28/10/2014 at 21:39

    Me lembro ter ido com meus pais, em 1953 assistir o filme “Apassionata”, com a artista Tonia Carrero.
    O cinema era muito bonito, a cidade era bonita. A zona central da cidade de São Paulo, parecia algumas das cidades da Europa.
    Agora a cidade está detonada! Suja, mal frequentada. Moradores de rua e viciados, surgem do nada cercando pessoas para pedir dinheiro.
    Hoje são poucos os cinemas no centro de São Paulo. Os que restaram exibem filmes pornô.
    Nas décadas de 40 até finais de1960, quando algum filme novo era anunciado, filas enormes eram formadas diante dessas salas de espetáculos.

    Reply
    • Emerson de Faria 14/11/2014 at 10:39

      Pois é, Ernani, antigamente, e nem faz tanto tempo assim, no período pré-shopping centers, os cinemas de rua concentravam-se todos no centro, já que os de bairro haviam fechado há muito tempo. Hoje, apenas o Marabá resiste heroicamente como símbolo dos velhos tempos. Nem considero o Belas Artes, que assim que terminar o contrato de patrocínio com a Caixa, deverá fechar novamente, tal como na época do HSBC.

      Reply
  • ernani 28/10/2014 at 21:49

    Esses calçadões como da foto acima. e que foram feitas na época do ex prefeito Olavo Setubal, deveriam ser retirados. Servem muito para deixar a gente levar tombos de tão lisos que ficam em época de chuva. Outros transtornos são as poças de água que se formam.
    Vejam como era mais bonita a rua São Bento na foto de antigamente. A rua era asfaltada, e havia calçadas de ambos os lados.

    Reply
  • Jane Darckê Avelar 28/10/2014 at 22:02

    Cruuuuuuuzes!!!!!
    Como dói ver essas arquiteturas e histórias simplesmente desperdiçadas e esquecidas….

    Reply
  • paulogoya 29/10/2014 at 06:26

    Douglas bom dia, como se chamava o cinema no térreo do Martinelli? Ou ao lado dele. Lembro que minha mãe comentava, anos 1930, sobre esse cinema? Vc tem a história dele? Segundo ela era o cinema chique. Foi lá a estréia de E o vento levou. obrigado.

    Reply
  • paulogoya 29/10/2014 at 06:32

    Pelo Estadão encontrei…… Cine Rosário é isso?

    Reply
    • Douglas Nascimento 29/10/2014 at 10:36

      Oi Paulo, era esse mesmo! Cine Rosário.

      Reply
  • CARLOS MARCHIOLI 08/11/2014 at 17:07

    DOUGLAS 1 GOSTEI DO QUE VI. LEMBREI DE MINHA JUVENTUDE. FREQUETAVA INUMEROS CIMENAS NO CENTRO DA CIDADE.
    GRATO

    CARLOS

    Reply
  • Alexandre Fontana 13/11/2014 at 16:32

    Já passei várias vezes por ali e nem imaginava que ali houvesse um cinema! Só mesmo o São Paulo Antiga p/resgatar a memória de nossa cidade

    Reply
  • Amanda 04/12/2014 at 13:42

    Nossa estou a procura de lugares antigos pra fotografar e fazer um vlog mas vejo que as pessoas não se importam nenhum pouco com o que foi esse lugar. Ver essas lojas no lugar de um cinema que foi tão importante e deveria continuar sendo é muito triste. A história de são paulo sendo jogada fora.

    Reply
  • danielpardo2015 06/03/2015 at 21:15

    E o mais irônico é que justamente os letreiros grandes que existiam antes da lei cidade limpa é que protegeram o que restou da fachada desse antigo cinema de virar pó.

    Reply
  • Giulia Ventorim 22/05/2015 at 22:40

    Que dó 🙁 um absurdo ver isso… Já passei aí diversas vezes e jamais imaginava que aí já existiu um cinema.
    Uma grande pena…

    Reply

Comunicado importante aos leitores e leitoras do São Paulo Antiga

Neste momento estou enfrentando um período de muitas dificuldades para manter o site no ar, com a possível saída de nosso patrocinador institucional.

 

Preciso da sua colaboração para que o site não encerre suas atividades em 1 de julho de 2018.

 

Faça uma doação ou assinatura mensal no site São Paulo Antiga, através da plataforma APOIA.SE

 

Desde já muito agradecido,

Douglas Nascimento, autor e editor