Podemos considerar Victor Brecheret como sinônimo de São Paulo. A maioria dos locais paulistanos que circulamos tem a sua marca, uma obra sua que caracteriza a cidade.

Victor Brecheret

O escultor ,e algumas vezes pintor, nasceu em São Paulo no dia 22 de fevereiro de 1894. Filho de italianos, Bercheret começou a trabalhar como engraxate no centro de São Paulo e achou na Rua Barão de Itapetininga uma revista francesa com obras do escultor Auguste Rodin e ficou encantado com a vivacidade de suas obras ,a ssim resolveu matricular-se no Liceu de Artes e Ofícios. Começava assim a história de um dos maiores escultores do século XX.

Ele residiu e estudou em Roma de 1913 a 1919 e quando retornou ao Brasil, foi trabalhar em uma das salas do Palácio das Indústrias, convivendo com outros escultores como Rafael Galvez e Nicola Rollo

1913 Descoberto por Oswald e Mário de Andrade, Brecheret viu as portas da escultura brasileira se abrirem. Esculpiu em 1920 a célebre obra Cabeça de Cristo motivando Mário de Andrade a escrever Paulicéia Desvairada, livro de concepção modernista e que mais tarde serviria como suporte para a Semana de Arte Moderna de 1922.

Já em 1920 Brecheret começara a obra mais famosa de São Paulo, o Monumento às Bandeiras em frente ao Parque do Ibirapuera. Levou 33 anos para ser concluído, pois a obra foi parada diversas vezes com as mudanças de governo. Já com problemas cardíacos, Brecheret pediu para que antecedesse a inauguração do monumento sendo inaugurado em 25 de janeiro de 1953, um ano antes das comemorações do IV centenário da cidade.

Além do Monumento às Bandeiras, Brecheret realizou outra obra de grande impacto visual, o Monumento ao Duque de Caxias na Praça Princesa Isabel. A maior obra equestre do mundo e equivalente à altura de um prédio de 12 andares, foi inaugurada em 1960 e tombada em 2004.

São dois pequenos exemplos da grandiosidade da obra de Brecheret. No Centro Cultural de São Paulo podemos admirar a obra Eva de 1919 já a Musa Impassível de 1920 ficou exposta durante 80 anos em um túmulo no Cemitério do Araçá e agora é contemplada na Pinacoteca, juntamente com a Portadora de Perfume de 1924.

Dentre as flores do Largo do Arouche está mais uma de suas crias. Depois do Banho de 1940 é uma mulher de característica exuberante, como toda mulher brasileira.

No coração financeiro de São Paulo, precisamente no Parque Siqueira Campos, antigo Trianon, existe um oásis de árvores. Neste oásis está o inquieto Fauno (divindade mitológica protetora da natureza) de 1942 que despertou a ira das mulheres, pois a divindade está semi nua e é uma mutação de homem com animal.

E se você estiver no Vale do Anhangabaú, Galeria Prestes Maia, não custa nada ir cumprimentar as sensuais Graça I e II de 1940.

Nos cemitérios, Brecheret também nos deu o prazer de esculpir algumas obras que são fundamentais para a história da arte tumular. No Cemitério da Consolação apreciamos uma das obras mais famosas, O Sepultamento de 1923 que está ornamentando os restos mortais de Dona Olívia Guedes Penteado. Neste mesmo espaço fúnebre está o Anjo com um olhar de serenidade e um sorriso angelical. No Cemitério São Paulo está à última obra de Brecheret, concluída no ano de sua morte. Ave Maria (Anjos) São dois anjos com as mãos em reza e ao centro uma grande cruz.

Neste aniversário Brecheret, que nos deixou em 17 de dezembro de 1955, completaria 115 anos, mas quem recebeu os presentes fomos nós. É só andar com calma que Brecheret vai nos surpreender com suas obras, com a sua história. A única palavra que podemos expressar neste momento é um singelo “obrigado”. Obrigado por ter retratado São Paulo. Obrigado por escrever a história da arte de São Paulo. Obrigado pelo exemplo de escultor que deixou às futuras gerações.

Imagens de Victor Brecheret: Divulgação

About the author

Licenciada em História, é pesquisadora e professora da rede pública e particular em Guarulhos. É co-fundadora da Associação Guarulhos tem História e Associação Brasileira de Estudos Cemiteriais (ABEC). Co-autora dos livros "Guarulhos tem História" e "Guarulhos: espaço de muitos povos".

Deixe um comentário!

Comments

  • Eduardo Britto 22/02/2009 at 19:37

    Parabéns pela realização dessa homenagem! De fato são obras que pontuam a cidade (apesar de eu não morrer de amores pela Monumento às Bandeiras, ela faz parte inextricável de São Paulo).

    Reply
  • Francisco Neto 25/02/2009 at 23:09

    Parabéns pela iniciativa! São Paulo agradece!

    (Francisco Neto, Belém/PA)

    Reply
  • Eugênio Prati – Entre fotos e túmulos — São Paulo Antiga 15/04/2011 at 11:35

    […] para fazer verdadeiras obras de arte dentro do Cemitério São Paulo, entre eles, Nicola Rollo, Victor Brecheret, Galileo Emendabili, Vicente Larocca e Armando Zago. Selo do escultor Eugênio Prati, no Cemitério […]

    Reply
  • GRACINHA OLIVEIRA 22/02/2013 at 19:17

    FELIZ ANIVERSARIO VICTOR QUE DEUS TE ABENÇOE
    ONDE VOCÊ ESTIVER QUE DEUS ESTEJA COMTIGO

    Reply
%d blogueiros gostam disto: