O centro de São Paulo, é verdade, já teve dias melhores. E houve uma época em que a área mais desejada dessa região de São Paulo era o chamado “centro novo”, além do triângulo histórico, que é a região compreendida pela Praça da República e proximidades, como as avenida Ipiranga e São João, a rua Bento Freitas e o Largo do Arouche.

Reprodução

Foi justamente neste período áureo do centro novo que surgiu a necessidade da construção de uma sede moderna e ampla para o departamento de São Paulo do Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB-SP). O local escolhido foi na esquina das ruas Bento Freitas e General Jardim.

Para erguer a nova sede foi da instituição, que até então ficava na rua Major Diogo, foi feito um concurso de projetos com a participação de arquitetos em grupo. O trabalho vencedor foi do grupo do arquiteto Rino Levi, que também contava com os nomes de Roberto Cerqueira César e Zenon Lotufo, entre outros.

Com o início das obras, ainda no ano de 1947, esperava-se a conclusão do edifício antes da virada para a década de 50. Contando com a colaboração financeira de seus associados e de outros abnegados, o edifício sede do IAB-SP foi rapidamente erguido e inaugurado em 28 de maio de 1949.

O Estado de S.Paulo 28/05/1945

O Estado de S.Paulo 28/05/1945

A partir dai o departamento de São Paulo do IAB passou a contar com uma sede própria compatível com o tamanho e importância de sua instituição, não demorando para o local se transformar em importante palco para exposições, eventos e exibições de filmes sobre urbanismo.

Com o tempo, porém, a região do centro novo, especialmente no trecho onde está o edifício, começou a sofrer com a decadência, o que também afetou a frequência a sede do IAB-SP.

Isso somado a novos espaços destinados a arquitetura e o envelhecimento e falecimento dos frequentadores antigos, trouxe uma deterioração do edifício. Esta deterioração lenta e gradual deixou o prédio que antes era um grande modelo de arquitetura moderna em péssima aparência.

Abaixo, fizemos um comparativo entre duas épocas do prédio tiradas a partir da rua General Jardim. Na primeira vemos o IAB-SP em 1951 e na segunda imagem em setembro de 2015.

As imagens mostram como o entorno do IAB-SP mudou drasticamente nos últimos 64, que é a distância de tempo entre as fotografias.

Podemos notar que tanto as ruas General Jardim como as mais próximas eram dotadas basicamente de imóveis térreos e residenciais, inclusive sendo o prédio do IAB o primeiro da região. Observem que ao fundo há apenas um outro prédio sendo construído na rua Amaral Gurgel, mais ao fundo.

Apesar de atualmente apresentar-se bastante deteriorado, o edifício sede do IAB-SP encontra-se em reforma para voltar aos velhos tempos. Será ótimo ver novamente este prédio chamando a atenção na região pela sua beleza, não por sua decadência.

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

JOIN THE DISCUSSION

Comments

  • Andreia Queiroz 05/11/2015 at 10:54

    Parabéns Douglas, pelo seu trabalho.

    Seus artigos são sempre enriquecedores!

    Abços,

    Andréia Queiroz

    Reply
  • Ricardo 05/11/2015 at 14:02

    Esse prédio é lindo mesmo, se não me engano no andar térreo funciona uma livraria, não vejo a hora que acabe essa reforma. Espero também que, na mesma quadra, retirem aquele estacionamento vizinho ao prédio da Aliança Francesa, um galpão improvisado que estraga a rua; aliás, estacionamentos improvisados existem aos montes naquela região.

    Reply
  • JORGE ROBERTO COELHO FERREIRA 05/11/2015 at 20:36

    Salvo engano, essa foi uma das ruas que mais rapidamente mudou depois de 1950, pois desde 1972, quando passei a frequentá-la, já tinha o aspecto atual.

    Reply
  • Claudio Cardoso Saddi 06/11/2015 at 20:17

    É sempre um patrimônio histórico !

    Reply
  • Claudio Cardoso Saddi 06/11/2015 at 20:21

    Parabéns ao jornalista que mostra a memória(que é identidade)da nossa cidade!

    Reply
  • danielpardo2015 06/11/2015 at 21:13

    DOUGLAS: Realmente a foto antiga é de 1951???
    Eu estou perguntando porque na foto tem um Fusca que parece ser o “Oval” e os Fuscas “Ovais” só foram lançados em 1953.

    Mas gostei da foto.

    Reply
    • Douglas Nascimento 07/11/2015 at 12:24

      Eu me perguntei a mesma coisa, mas foi enviada pelo próprio IAB e a data é essa.
      Na foto tem um Plymouth Special Deluxe 1948, igual ao meu (exceto pela cor)

      Reply
      • danielpardo2015 10/11/2015 at 21:31

        Estranho… 😮 😮 😮 😮

        Reply
    • Fabio 03/01/2016 at 17:24

      Existem 2 fuscas na foto: a de vidro traseiro oval repartido e outro oval inteiriço.O de vidro inteiriço foi lançado em 1953 ou 1954.Eu tive um 1955 que era inteiriço.

      Reply
      • Daniel Pardo 16/04/2017 at 21:32

        Sim, Fábio, como eu disse, os Fuscas de vidro oval só saíram a partir de 1953, teve o modelo “Zwitter” (híbrido em alemão) que saiu entre Outubro de 1952 e Março de 1953 que mesclava o painel do Oval com o vidro traseiro do Split (janela traseira bipartida), mas realmente Fusca Oval em 1951 é beeeeem estranho.

        Reply
  • Emerson de Faria 07/11/2015 at 20:26

    O IAB é testemunha ocular do processo de degradação e declínio pelo qual o centro da cidade se encontra devido à letargia e incúria que reinam nas esferas públicas.

    Reply

Comunicado importante aos leitores e leitoras do São Paulo Antiga

Neste momento estou enfrentando um período de muitas dificuldades para manter o site no ar, com a possível saída de nosso patrocinador institucional.

 

Preciso da sua colaboração para que o site não encerre suas atividades em 1 de julho de 2018.

 

Faça uma doação ou assinatura mensal no site São Paulo Antiga, através da plataforma APOIA.SE

 

Desde já muito agradecido,

Douglas Nascimento, autor e editor