O passado industrial paulistano era glorioso e repleto de grandes fábricas espalhadas por alguns bairros que ficaram conhecidos como regiões fabris, tais quais Brás, Mooca e Ipiranga, todos de grande concentração de empresas e operários.

Embora essa história hoje quase que esteja totalmente no passado, com a fuga de fábricas da capital rumo ao interior paulista e outros Estados, a herança arquitetônica destas fábricas ainda sobrevive espalhada por nossos bairros.

clique na foto para ampliar

Localizada na esquina das ruas Gaspar Fernandes e Dr. José Maria de Azevedo a Fábrica de Machinas Herrero foi uma empresa que por décadas atuou na região da Vila Monumento. Embora tenhamos pouca informação disponível sobre a antiga fábrica, aparentemente ela produzia equipamentos para oficinas, como tornos mecânicos.

A empresa não está mais por ali, mas felizmente seu prédio está bem preservado e em excelente estado de conservação. Destaque na fachada para a grafia da palavra ˝machinas˝ que era como se escrevia ˝máquinas˝ em português nas primeiras décadas do século 20.

clique na foto para ampliar

O São Paulo Antiga está em busca de mais dados sobre esta Fábrica de Machinas Herrero. Se você possui mais informações sobre ela, dados ou nomes de proprietários ou ex-funcionários entre em contato conosco. Ajude a aprimorar a história de nossa cidade.

Veja mais fotos da fábrica (clique na miniatura para ampliar):

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

JOIN THE DISCUSSION

Comments

  • Vania 24/10/2017 at 12:17

    As industrias não migraram de São Paulo para o interior ou para outros estados, apenas. \Isso seria aceitável. Mas na verdade, muito pouco é produzido no Brasil, hoje. O “made in China” está escrito em quase tudo que se vende. A industria textil, apenas para citar um exemplo, foi praticamente destruída no Brasil, quase todos os tecidos vem da China.

    Reply
    • Daniel Pardo 28/10/2017 at 21:14

      E o pior é que a grande maioria dos produtos “xing ling” são de péssima qualidade.

      Reply
  • Jorge Roberto Coelho Ferreira 24/10/2017 at 12:38

    Acho que ainda estão em atividade, ou estiveram até pouco tempo. Isto porque há ofertas de produtos deles na internet. Há também uma empresa Herrero & Ramos em Suzano. Seria a mesma?

    Reply

Comunicado importante aos leitores e leitoras do São Paulo Antiga

Neste momento estou enfrentando um período de muitas dificuldades para manter o site no ar, com a possível saída de nosso patrocinador institucional.

 

Preciso da sua colaboração para que o site não encerre suas atividades em 1 de julho de 2018.

 

Faça uma doação ou assinatura mensal no site São Paulo Antiga, através da plataforma APOIA.SE

 

Desde já muito agradecido,

Douglas Nascimento, autor e editor