˝Ninguém sai vivo da vida˝

Quando fui informado do falecimento do grande Dr. Milton Bednarski, esta frase acima foi a primeira coisa que me veio a cabeça, lembrança do dia que eu o encontrei pessoalmente pela primeira vez. E recordo-me até hoje do quanto foi demorado e difícil para o conhecer.

Porém, antes de contar como foi nosso primeiro contato e o início de nossa amizade, apresento a vocês a biografia deste ilustre paulistano

Dr. Milton Bednarski em 2014 (clique na foto para ampliar)

Dr. Milton Bednarski em 2014 (clique na foto para ampliar)

Paulistano nato, nascido no bairro do Bom Retiro, Milton Bednarski viveu toda a sua vida neste bairro, o qual sempre amou. Quando criança viveu com seus pais na esquina da rua Bandeirantes com Afonso Pena, e na vida adulta, até seus derradeiros dias, em um edifício da rua da Graça.

Foi ainda na adolescência que Bednarski desenvolveu uma paixão enorme pela investigação policial e pela história dos crimes. Ele trabalhava como encadernador na empresa de seu pai, onde um dos principais clientes era a polícia paulista. Ali, deliciava-se folheando os processos que encadernava e um deles em especial chamou-lhe tanto a atenção, que o motivaria a seguir carreira na polícia: o crime da mala.

A tragédia de 1928, onde Giuseppe Pistone matou, esquartejou e despachou sua mulher em uma mala, choca até hoje, mas em Milton Bednarski despejou não só uma curiosidade juvenil, mas que se transformaria em uma das grandes obsessões de sua vida.

Milton Bednarski em viatura da polícia, anos 50 (clique para ampliar)

Milton Bednarski em viatura da polícia, anos 50 (clique para ampliar)

O amor pela investigação policial levou-o a juntar-se a Polícia Civil em 1947. Surgia ali a brilhante carreira daquele que considero, sem hesitar, o maior investigador de polícia da história de São Paulo.

Brilhante é o mínimo que se pode dizer de sua trajetória como policial. Em toda sua carreira Milton Bednarski fez mais de 600 prisões, que com toda a certeza fez de nossa São Paulo uma cidade muito mais segura.

Entre estas 600 prisões, inclui-se alguns dos mais perigosos e temíveis criminosos de nossa história, como Chico Picadinho, Bandido da Luz Vermelha e o excêntrico Gino Meneghetti.

Em sua trajetória como policial civil, ostentou até seus últimos dias um currículo que dificilmente será superado, mas que será sempre lembrado e admirado. Durante 20 anos, integrou as equipes da Delegacia de Roubos do Departamento de Investigações, posteriormente Divisão de Crimes contra o Patrimônio do DEIC.

Dr. Milton Bednarski em seu escritório, início dos anos 1980 (clique para ampliar)

Dr. Milton Bednarski em seu escritório, início dos anos 1980 (clique para ampliar)

Mesmo após aposentar-se da Polícia Civil na primeira metade da década de 80, Bednarski não deixou jamais de ser um investigador persistente e brilhante.

Formou-se em direito e continuou a pesquisar e investigar muitos dos crimes que ajudou a desvendar, e estudou muitos crimes que eram anteriores a sua entrada na polícia, como o Crime da Rua Apa, a vida de Febrônio do Brasil ou mesmo a tragédia do Cine Oberdan.

Tal aprofundamento nos estudos fez de Milton Bednarski uma pessoa única. Sabia de cor todos os crimes que solucionou e conhecia de cabeça a data de grandes casos policiais paulistas. Não foram poucos os casos que, mesmo encerrados pela polícia há décadas, foram pesquisados paralelamente por ele de maneira particular em seus dias de folga. Todos estas pesquisas eram catalogadas, encadernadas e guardadas em seu escritório com muito zelo.

Visitar seu escritório aliás, era uma experiência única, quase surreal, de tantas coisas interessantes e, algumas vezes, bizarras que ele possuía.

O escritório de Milton Bednarski, em São Paulo (2014)

O escritório de Milton Bednarski, em São Paulo (2014)

Colecionador inveterado, Milton tinha de tudo em seu escritório. Colecionava embalagens de cigarros, uma de suas maiores paixões, além de telefones antigos, cadeados, livros, fotografias e muitos objetos curiosos, adquiridos geralmente nas feiras de antiguidades espalhadas por São Paulo. A cada visita que se fazia em seu escritório, encontrava-se algum novo objeto recém adquirido.

De todas as suas prisões, orgulhava-se muito da que tirou Chico Picadinho das ruas. Sobre Gino Meneghetti, costuma contar as diversas provocações que este fazia aos colegas de Milton na corporação quando não estava preso, como passar diante de algum bar repleto de policiais pelo centro e proferir algumas ofensas aos oficiais da lei.

Nos últimos anos de sua vida, mesmo doente, Dr. Milton Bednarski ia diariamente dar expediente em seu escritório, em um prédio da rua Ribeiro de Lima, no seu amado Bom Retiro.

O meu terceiro avô…

Eu e o Dr Milton Bednarski em cemitério abandonado (2013)

Eu e o Dr Milton Bednarski em cemitério abandonado (2013)

Tive dois avôs maravilhosos e que foram embora muito cedo, mas há anos costumo dizer que fui felizardo o bastante para ter um terceiro avô na minha vida. E esse avô é o meu estimado Dr. Milton Bednarski.

Conheci-o no final de 2010, quando o site São Paulo Antiga ainda dava seus primeiros passos. Cheguei até ele quando pesquisava para o artigo sobre a Tragédia do Cine Oberdan, ocorrida em 1938. Todas os meus resultados davam ele como fonte principal.

Fui até o Museu do Crime, criado por ele na década de 1990, para tentar encontrá-lo e fui informado na recepção, de que ele não ia ao local todos os dias. Deixei um cartão meu com a recepcionista e pedi para que entregasse a ele.

Dr Milton exibe embalagem de cigarro de sua coleção (clique para ampliar)

Dr Milton exibe embalagem de cigarro de sua coleção (clique para ampliar)

Foram dois meses de hiato entre a entrega do cartão e sua ligação de retorno. Lembro-me de sua voz altiva no telefone, querendo saber o que eu tinha para falar com ele. Me apresentei e expliquei meus motivos e ele convidou-me para uma visita a seu escritório para poder entrevistá-lo na semana seguinte.

No dia marcado eu estava lá, e foi um dia que jamais vou esquecer. Minha visita que duraria uma hora, se muito, acabou durando cinco. Descobri no Dr. Milton, um senhor de então 81 anos, o espírito de um jovem policial e historiador nato.Esse foi o início de nossa amizade que, se dependesse de mim duraria pelo menos uns mil anos.

Dr Milton em nossa visita ao monumento de Padre Eustáquio, em Poá

Dr Milton em nossa visita ao monumento de Padre Eustáquio, em Poá

Nestes seis anos de amizade fizemos de tudo um pouco. Visitamos cemitérios em busca de pistas históricas, comemos em muitos restaurantes e lanchonetes, revisitamos inúmeros palcos de crimes famosos, e ficamos por horas sentados, conversando sobre casos e fatos históricos de São Paulo.

Com Dr Milton Bednarski aprendi mais do que poderia imaginar sobre fatos importantes da história paulista, dos crimes que abalaram São Paulo e principalmente da importância de uma grande amizade.

Em 21 de agosto de 2016, aos 86 anos, Dr. Milton Bednarski nos deixou para sempre vítima de um infarto fulminante. Deixa na família esposa, filha e neta e aqui um amigo órfão de sua rica, querida e sincera amizade. Afinal, como ele me dizia ˝ninguém sai vivo da vida˝.

Muito obrigado, Dr Milton!

* 1930 + 2016

* 1930 + 2016

Um vídeo que nos deixa ainda mais com saudades do nossa eterno amigo:

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

Deixe um comentário!

Comments

  • Clarice Spoladore Ferreira dos Reis 31/08/2016 at 19:41

    quantos significados!! linda história!!

    Reply
  • Edison Roberto Morais 01/09/2016 at 08:24

    Desaparece um importante personagem e protagonista da história de nossa cidade. Como ele, muitos milhares de anônimos, construiram esta cidade, não apenas com tijolos e cimento, mas com sua dedicação pessoal, exemplos, dignidade e respeito.
    Valores que estão cada vez mais raros em nosso país.
    Descanse em paz.

    Reply
  • Andréa Rezende Fernandes Alves 01/09/2016 at 09:53

    Um linda homenagem, De todos os seus artigos, para mim, esse foi o mais especial.

    Reply
    • Douglas Nascimento 01/09/2016 at 10:38

      Obrigado Andréa, o falecimento dele me marcou bastante.

      Reply
  • Cássio Rogério Sabino 01/09/2016 at 10:59

    Realmente é uma perda irreparavel a morte de Milton Bednarski, mas uma foto me despertou curiosidade, onde é esse Cemitério abandonado da foto ????

    Reply
  • Elizete 01/09/2016 at 22:15

    Tributo glorioso a este paulistano! Que Deus o tenha e conforte seus familiares os quais devem se orgulhar muito…..Douglas, parabéns pelo texto e votos de que sirva como inspiração para futuros profissionais da área investigativa

    Reply
  • Daniel Pardo 07/09/2016 at 20:49

    E ele investigava crimes numa época em que nem se sonhava com internet.

    Reply
  • Patrícia Tertuliano 22/09/2016 at 06:41

    Acabei de ver que o Dr. Milton faleceu! O conheci há mais de 10 anos! Sou do Bom Retiro, mas me mudei de lá em 2015. Adorava suas histórias, casos e sua memória incrível! Mais uma grande personalidade histórica que se vai…Quem teve oportunidade de conhecê-lo foi privilegiado! Que triste!

    Reply
  • Urano Andrade 15/10/2016 at 20:56

    Boa noite meu caro, conheci o Dr. Milton através de um amigo. Me permita, o que será feito do belo acervo do Dr. Milton? Abs. Urano Andrade.

    Reply
    • Douglas Nascimento 16/12/2016 at 13:22

      Olá Sr. Urano, como vai ?
      O acervo dele foi adquirido por nós aqui. Em breve emitiremos uma nota.

      Reply
  • Cristina 23/10/2016 at 23:11

    Obrigada pelo seu carinho por meu pai….Cristina Bednarski

    Reply
  • Jefferson Pereira 04/11/2016 at 23:36

    Tive o privilégio de conhecê-lo e me considerava amigo dele , eu trabalho na feira de antiguidades do Bixiga , no final , após 1 mês do falecimento dele , todo o acervo foi vendido e eu tive a oportunidade de comprar uma parte do acervo e ver quanta história ele preservou durante todos estes anos , pelo menos uma parte da memória que ele preservou agora irá para outras pessoas que admiram e colecionam os mesmos itens que ele colecionava , SALVE DR MILTOM !!!L!

    Reply
    • Douglas Nascimento 06/11/2016 at 20:04

      Os processos em capa vermelha foram repassados ? Se sim, temos interesse em comprar e disponibilizar para a pesquisa

      Reply
      • jefferson 07/11/2016 at 08:11

        olá Douglas , bom dia , alguns deles foram vendidos para um colecionador , a maior parte está ainda com a família , agora no final do ano me parece que vão abrir o escritório dele para vender tudo aquilo que restou , se vc quiser , quando isso for acontecer , eu tento lhe avisar por aqui

        Reply
        • Douglas Nascimento 07/11/2016 at 09:36

          Olá Jefferson, ficaria muito agradecido. Vou te mandar um email em particular com meus dados.

          Reply
  • Jefferson Pereira 22/11/2016 at 01:01

    Douglas , vc ficou de me passar o seu e-mail , na se esqueça de fazê-lo

    ABS
    Jefferson

    Reply
    • Douglas Nascimento 22/11/2016 at 15:10

      anota ai: douglas@saopauloantiga.com.br

      Reply
      • Jefferson Pereira 13/12/2016 at 18:15

        Douglas , aqui é o Jefferson , Entre em contato comigo , pelo e-mail ou pelo célular que lhe enviei o número no e-mail

        ABS

        Reply
  • Marilu 01/12/2016 at 20:46

    Nossa, que triste! só ontem fiquei sabendo do falecimento do Dr. Milton, que tristeza, Eu trabalhava no Arquivo do TJSP, e o Dr. Milton fazia pesquisas sobre o antigo ladrão, Ginno Meneghetti, vou avisar um amigo dele perito em Salvador-Bahia sobre o seu falecimento. Olha! fiquei muito triste, pêsames aos familiares.

    Reply
  • Zóe Sgarbi 07/04/2017 at 13:01

    Que linda reportagem e quão sincero se me apresentou a sua descrição de amizade..Esse senhor deve ter representado muito mesmo para você, e com todo o mérito. Apenas hoje li essa reportagem.Parabéns por nos fazer tomar conhecimento da matéria.

    Reply
  • Marco Nazarre dos Reis 29/06/2017 at 11:11

    Uma grande perda, tive o privilégio de trabalhar 14 anos no C.C.B.R. (Centro comercial Bom Retiro) no mesmo andar da Escritório do Dr. Milton, Eu era garoto e me lembro de muitas e muitas vezes ir em sua sala e conversar com ele e ver todo o seu grande acervo, ouvir suas histórias de alguns crimes. Descanse em paz amigo!

    Reply
  • João Mendonça 01/02/2018 at 19:38

    Fico triste em saber que jamais conhecerei o Sr. Milton =(

    Reply
  • Marcos Valle Verlangieri 20/02/2018 at 08:38

    Gostaria de saber o telefone da filha do Dr. Milton Bednarski. Quem puder me informar, peço entrar em contato.

    Reply
    • Jefferson 03/03/2018 at 12:38

      Olá Marcos , boa tarde , se vc tiver interesse nas coleções que eram do Dr Milton , elas ja foram vendidas , uma parte das coleções está comigo , postais , maços de cigarros e álbuns de fotos
      At
      Jefferson

      Reply
%d blogueiros gostam disto: