Dia 25 de janeiro, aniversário de 464 anos de São Paulo, a capital paulista recebe de presente a reabertura de um relevante equipamento cultural localizado no centro: o Museu da Energia de São Paulo.

Após um ano fechado, o espaço, mantido pela Fundação Energia e Saneamento, reabre com patrocínio via Lei Rouanet, pela CTG Brasil, segunda maior geradora privada de energia do país, e traz novas salas e recursos audiovisuais que abordam temas como a história da iluminação pública na cidade e o uso sustentável da energia, além de um “Espaço das Águas”.

clique na foto para ampliar

No dia de reabertura, o Museu contará com atrações especiais. Além de visitas monitoradas ao Museu às 11, 14 e 16 horas, o espaço receberá a apresentação, às 12 horas, do Bloco Afro Ilú Obá De Min, grupo de mulheres percussionistas que atraiu, em 2017, 25 mil pessoas no carnaval de rua paulistano.

Ao longo do dia, a música dominará a área externa do Museu com a participação dos Djs Alexandre Bispo, Plinio Cesar e Will Sk8. Às 16 horas, o Ateliê do Dia, com a arte-educadora Priscila Sollito Cardoso, oferecerá atividades de arte visual para públicos de todas as idades.

Além das novas salas e recursos audiovisuais, o Museu da Energia inaugura a exposição temporária “Encontros improváveis de um lugar em comum”, que apresenta obras dos artistas multimídia Cadu, Guto Lacaz, Paulo Nenflídio e Regina Silveira. Espalhadas pelos dois andares do Museu, as obras dialogam, de forma particular, com os temas água e energia. “A proposta é trazer novas linguagens sobre os temas já abordados pelo Museu com um olhar poético e crítico das artes visuais”, explica Luciana Nemes, curadora da mostra temporária e coordenadora do Museu da Energia. A exposição temporária estará aberta ao público até 24 de junho.

“Contribuir com o desenvolvimento sustentável das comunidades onde atuamos está entre as prioridades da CTG Brasil. O patrocínio ao Museu da Energia mostra o nosso comprometimento com a cultura e educação, além da preservação da história do setor de energia no Brasil”, diz Salete da Hora, diretora de Marca, Comunicação & Sustentabilidade da CTG Brasil.

NOVAS ATRAÇÕES

Instalada no andar térreo do Museu da Energia, uma nova sala apresentará ao visitante, por meio de vídeos, fotos e objetos museológicos, a história dos serviços de iluminação pública na Capital, desde os tempos dos lampiões abastecidos a óleo de peixe, no século 19, até a chegada da energia elétrica e as mudanças que esta acarretou na vida cotidiana do paulistano, muitas vezes registradas pelo olhar de poetas como Oswald de Andrade.

No andar superior, o destaque fica por conta do “Espaço das Águas”, ambiente que aborda tanto a história da relação da cidade de São Paulo com suas águas como o caminho que esta percorre, dos reservatórios até a torneira, além de questões atuais sobre a necessidade do uso consciente dos recursos hídricos.

As novas salas contam com vídeos desenvolvidos pela produtora Trilha Mídia, dos diretores Ricardo Martensen e Felipe Tomazelli, vencedores do festival francês Biarritz América Latina 2017, com o prêmio de melhor documentário pela obra “Cine São Paulo”.

Na área externa do Museu, haverá um local permanente para exposições de grafites e pinturas murais com temática relacionada aos temas energia e água. Anualmente, novos artistas serão convidados para a reformulação estética do espaço. Mônica Martins, proprietária da Galeria Fresta, assina a primeira curadoria da área externa do Museu, que terá a participação de Binho Ribeiro, Tinho, Bieto, Inea, Gallé, Ficko, Célio, Mogle e Paulo Ito.

Serviço:

REABERTURA DO MUSEU DA ENERGIA NO ANIVERSÁRIO DE SÃO PAULO

25 de janeiro de 2018, a partir das 10 horas.

Endereço: Alameda Nothmann, 184, Campos Elíseos, São Paulo – SP
Horário do Museu da Energia: terça a sábado, das 10 às 17 horas.

Informações11 3224 1489 ou saopaulo@museudaenergia.org.br

ENTRADA GRATUITA

www.museudaenergia.org.br

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

Deixe uma resposta

Comments

  • Bolívar Pinta Júnior 23/01/2018 at 11:57

    …/… belo palacete principalmente a fachada lateral com o gradil e pilares do varandão confeccionados de ferro fundido .

    Reply
  • reggaegoodidea 23/01/2018 at 12:36

    Ótima noticia.

    Reply
  • Walkiria Claudete Pintucci 23/01/2018 at 15:08

    Saudades, anterior …Colégio STAFFORD.

    Reply
  • Emilio Zanni 24/01/2018 at 08:58

    Poderiam ter citado que este palacete foi idealizado pelo arquiteto Ramos de Azevedo e vendido pelo primeiro proprietário a Henrique Dumont, rico empresário e irmão de Alberto Santos Dumont.

    Reply
  • João Pedro Molan 26/01/2018 at 16:59

    Hey Douglas, você tem algum email para que eu possa entrar em contato contigo ??? Obrigadoo

    Reply
    • Douglas Nascimento 28/01/2018 at 16:10

      Olá, João… basta me mandar uma mensagem no link de contato ai em cima no site que chega pra mim. Abraços

      Reply
  • Daniel Pardo 16/02/2018 at 20:49

    Guto Lacaz; eu já ouvi falar desse cara se eu não me engano na extinta revista Chiclete com Banana do Angeli.

    Reply

Comunicado importante aos leitores e leitoras do São Paulo Antiga

Neste momento estou enfrentando um período de muitas dificuldades para manter o site no ar, com a possível saída de nosso patrocinador institucional.

 

Preciso da sua colaboração para que o site não encerre suas atividades em 1 de julho de 2018.

 

Faça uma doação ou assinatura mensal no site São Paulo Antiga, através da plataforma APOIA.SE

 

Desde já muito agradecido,

Douglas Nascimento, autor e editor

%d blogueiros gostam disto: