Quem é que não fica irritado quando vai pagar sua conta na padaria ou em um restaurante e o caixa informa que não tem todo o troco e pergunta se você “aceita contra-vale”? Esta prática, irritante, muitas vezes também vem na forma das famigeradas balinhas de troco.

Porém, engana-se quem pensa que a falta de troco trata-se de um fenômeno recente, dos tempos modernos. Isto é algo que aflige os brasileiros, pelo menos, desde meados do século 19.

Naquela época não havia a opção de se pagar com cartões ou cheque e se não havia troco para o cliente, também não era comum devolvê-lo com balinhas. Até porque muitas vezes o dinheiro que se faltava não eram míseros tostões, mas sim boas quantidades de réis.

Para evitar de perder o cliente que não queria ir embora sem o seu troco, qual era a solução do comércio ? Simples, emitiam seu próprio dinheiro:

Cédula particular de 200 Reis do início do século 20

Cédula particular de 200 Reis do início do século 20

Estas cédulas particulares eram produzidas nas tipografias brasileiras e, numeradas, eram oferecidas como troco quando faltava-se o dinheiro oficial. Com valores variados, eram bem aceitas pela população e só podiam ser trocadas nos próprios estabelecimentos emissores. Qualquer pessoa portando a cédula podia trocá-la. A grande maioria destas notas eram bastante rudimentares, mas algumas eram produzidas tão caprichadas que até pareciam com algumas cédulas oficiais.

Esta prática,  que foi bastante comum em cidades mais afastadas dos grandes centros onde o troco era mais escasso, continuou em prática até quase na metade do século 20, quando a atividade foi desaparecendo gradativamente. Hoje estas cédulas particulares são bastante raras de encontrar e são disputadas por colecionadores.

É, sem dúvida, o bisavô do contra-vale.

Abaixo você confere uma pequena coleção destas cédulas particulares:
Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Luiz Coutinho D'Eça

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

Deixe um comentário!

Comments

  • Ralph Giesbrecht 24/04/2012 at 18:54

    Eu realmente adoro essas coisas. Muito bonito. Tempo em que se tinha imaginação para fazer as coisas, belos desenhos…

    Reply
  • sidney 15/07/2012 at 21:54

    olá as cédulas estão a venda? obrigado. sid

    Reply
    • Douglas Nascimento 23/07/2012 at 15:52

      Oi Sidney, não estão mais comigo.

      Reply
      • sidney 23/07/2012 at 19:30

        Olá Douglas. Obrigado pela resposta, mas a minha pergunta não veio, e não lembro qual assunto.Cliquei no LINK, vi que voce trabalha, tem ou vende cedulas antigas? Voce tem alguma a venda? Cordialmente, Sidney A Prado.

        Reply
      • sidney 23/07/2012 at 19:32

        Alías, Douglas, se puder indicar pessoas que vendem estas cédulas ficarei agradecido. Tambem vendo cédulas, gosto muito das cédulas epoca de reis, império/republica, até as atuais. Caso queira posso colocar ( é permitido?) um link aqui nesta página para voce visitar? Cordialmente, Sidney

        Reply
  • Pardo 18/02/2015 at 22:39

    Conserta o link das fotos pois nenhuma está abrindo.

    Reply
    • Douglas Nascimento 24/02/2015 at 15:23

      Oi Pardo, como vai ? Já consertamos o link, obrigado pelo alerta.

      Reply
%d blogueiros gostam disto: