A especulação imobiliária muitas vezes acaba por gerar algumas situações bizarras nos imóveis antigos paulistanos. Não é raro uma construtora tentar arrematar todos os terrenos e construções de um determinado perímetro e ter alguém que se recusa a vender sua parte.

O que acaba por acontecer é que o empreendimento sai de qualquer maneira e muitas vezes o imóvel cujo dono recusou-se a vender acaba transformando-se em um problema para o teimoso idealista proprietário.

Um caso interessante foi lembrado aqui no blog há oito anos, de um sobradinho da Avenida Rangel Pestana que foi sendo vendido fracionado, até que sobrou apenas a porção do meio. Ela ainda sobreviveu por décadas até desaparecer. (clique aqui, vale a pena conhecer).

E agora apresento outro caso, desta vez na Avenida Rio Branco:

Localizado no número 706, o imóvel foi construído no início do século 20 e foi originalmente uma residência que, por sua vez, era geminada a outras que estavam a esquerda dela.

Entre as décadas de 1940 e 1950 a avenida Rio Branco recebeu uma grande especulação imobiliária e uma repentina verticalização, fazendo desaparecer inúmeras casas da região.

As vizinhas desta casa foram demolidas e deram lugar, na década de 1960, a um edifício chamado Catharina João Rady, e o resultado foi este aqui:

Com a construção alguns anos mais tarde de outro grande edifício um pouco mais a direita, a residência ficou com este aspecto de ˝espremida˝ entre os dois prédios. O sobrado comercial ao lado tem menos esta aparência por ser mais largo.

Com o tempo o imóvel perdeu algumas de suas características originais, sendo adaptado para abrigar comércio. E sobrevive assim até os dias de hoje.

Teria sido curioso e interessante se estivesse até hoje preservada como uma pequena e simpática casinha, mesmo que quase engolida pelo ˝progresso˝. Eu moraria ali.. e você?

Na década de 1960 o imóvel pertencia a Ermelindo Scragioto.

Veja mais fotos:

clique na foto para ampliar

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

Deixe um comentário!

Comments

  • Helen Sylvia 14/09/2017 at 19:39

    Queria ter grana pra poder comprar esse imóvel e morar nele. Sou apaixonada por casas antigas. Mas so de pode ver ja fico feliz, minha filha mora bem pertinho quando eu for visita-la vou chegar la.

    Reply
  • Clarice Spoladore Ferreira dos Reis 15/09/2017 at 07:10

    Construções muitas delas centenárias já podem antever seu futuro nas caçambas que, de bocas abertas, esperam pelos entulhos… Mas reconheço que não é fácil preservar patrimônio, nem mesmo manter em boa forma a casa em que se mora…

    Reply
  • Emerson de Faria 15/09/2017 at 11:58

    Não, Douglas, hoje especificamente eu não compraria este imóvel. O centro da cidade tornou-se com o passar das décadas inabitável, e a Avenida Rio Branco m particular, pior ainda, rasgando a famigerada Cracolândia. Não, não dá mais.

    Reply
    • Daniel Pardo 27/10/2017 at 19:52

      Sem contar que nessa Avenida o tráfego de carros e ônibus é intenso, daí a razão pela qual só sobrou essa parte do imóvel para contar a história.

      Reply
  • Clara 15/09/2017 at 19:55

    Sem dúvida que eu moraria nele. Ainda mais no centro antigo de SP.

    Reply
  • Savianomarcio 16/09/2017 at 23:04

    https://goo.gl/maps/7SSezYGJV7K2

    Reply
  • Vania 17/09/2017 at 09:45

    Bom, eu não moraria, acho que as condições de ventilação e iluminação solar devem ser bem prejudicadas. Mas acho curioso!

    Reply
%d blogueiros gostam disto: