Um cenário irreconhecível. É esta a visão que qualquer ex-morador antigo da Rua dos Caetés terá hoje, se regressar a esta agradável rua do bairro das Perdizes, na zona oeste da capital paulista. Em apenas um quarteirão e dos dois lados da via, 7 sobrados antigos e quase todos eles muito bem conservados, foram demolidos para dar lugar a dois novos empreedimentos imobiliários.

Eram residências, escritórios e até consultórios médicos que foram desocupados um por um após serem todos vendidos e acabaram por ser rapidamente demolidos. A ação foi tão rápida que sequer foi possível documentá-los com nosso próprio equipamento, mas felizmente conseguimos recuperar as imagens dos imóveis através do Google Street View, que em São Paulo acaba servindo como um grande aliado na documentação da iconografia da cidade.

Fizemos a catalogação de todos os imóveis demolidos e listamos eles todos abaixo. Os 5 primeiros imóveis são os do lado par e os dois últimos do lado ímpar.

Rua dos Caetés, 74

Clique na foto para ampliar.

O antigo sobrado, do final dos anos 40, há muito tempo já não era uma residência e estava bastante descaracterizado, especialmente em seu interior. Entretanto, teria sido muito melhor se tivesse sobrevivido. No local funcionava a clínica do Dr. Osmar de Oliveira, especializada em medicina esportiva, que agora mudou-se para outra rua do bairro.

Rua dos Caetés, 84

Clique na foto para ampliar.

A mais bonita e bem conservada residência do lado par da rua, foi uma das últimas a ser desocupada. Também, foi ela quem recebeu diante da sua fachada uma placa da construtora que promoveu a destruição do local. Neste imóvel funcionava uma imobiliária, que mudou-se para a Vila Mariana.

Rua das Caetés, 100

Clique na foto para ampliar.

O moderno e amplo sobrado do número 100 da rua foi um dos primeiros a serem desocupados, e logo foi cercado de tapumes para ser demolido. Não encontramos referência do que funcionava neste imóvel, mas acreditamos que era usado para fins residenciais.

Rua dos Caetés, 106

Clique na foto para ampliar.

Também bastante descaracterizado, o sobrado do número 106 era o consultório do Dr. Hiran Simonato. A clínica mudou-se para outra rua do bairro.

Rua dos Caetés, 114

Clique na foto para ampliar.

Último imóvel demolido do lado par (pelo menos por enquanto, nunca se sabe…) o sobrado do número 114 era uma construção bastante moderna e bem diferente dos demais vizinhos. Não encontramos referências do que funcionava no local.

Rua dos Caetés, 107

Clique na foto para ampliar.

Primeira construção demolida do lado ímpar, ela fica bem diante dos imóveis do lado par e será um outro empreendimento de uma incorporadora diferente. O imóvel estava bastante conservado, mas sabemos que em São Paulo isso não significa que será preservado, tanto que não foi. No local funcionava a Rex Assessoria e Projetos.

Rua dos Caetés, 111

Clique na foto para ampliar.

Por fim, o imóvel do número 111. Saber que esta linda residência amarela foi pro chão é algo que entristece muito, pois apesar de algumas modificações pontuais e um muro de grade moderno, que destoa com o estilo do imóvel, tratava-se de uma casa muito bem conservada e bela. Foi para o chão junto com a casa vizinha do número 107. Não conseguimos identificar a última ocupação a funcionar ali.

Com o fim dos terrenos vazios disponíveis, construtoras e incorporadoras estão partindo para aquisição de grandes lotes vizinhos em áreas já densamente ocupadas, como algumas ruas dos bairros de Perdizes. Mesmo os preços sendo altos  isso não detém as mesmas de adquirir, pois os apartamentos novos na capital paulista são vendidos com preços cada vez mais distorcidos e irreais. Paga-se cada vez mais, por menos conforto e menos espaço.

Veja o trecho da rua através do mapa:

Visualizar São Paulo Antiga em um mapa maior

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

Deixe um comentário!

Comments

  • antonio carlos novelli 11/12/2012 at 15:50

    É excelente o trabalho de vocês, pois mantem a memória dessa cidade, onde belas construções estão sendo demolidas, para darem lugar para construção de edifícios! Logo nossa cidade, irá virar um imenso, “paliteiro!”

    Reply
  • paulo henrique 23/12/2012 at 02:31

    fica mais triste ainda quando atinge algo proximo … o sobrado amarelo foi de meus avós e da minha mae quando criança … ela sempre quando passava na frente falava para mim … olha filho foi ai que eu cresci … agora quando eu passar denovo com ela imagino quanto vai ser a tristeza dela …e minha em saber que um cantinho da minha famia foi pro chao

    Reply
    • Douglas Nascimento 23/12/2012 at 11:08

      Que pena, Paulo…
      Sua mãe teria alguma foto antiga do imóvel ? Seria muito útil para nós, mesmo que fosse interna.
      Abraços!

      Reply
      • Rosely Marinheiro 18/07/2013 at 01:56

        Douglas boa noite.. Vi sua matéria agora noite … Saudades da minha casa.. Meu pai nasceu na Rua Caetés n.100 Morou durante 82 anos na mesma casa com minha mãe e meus irmãos, eu morei 42 anos maravilhosos. Como fala a sua reportagem fomos os primeiros a entregar a casa pois éramos os últimos moradores familiar , o resto da rua virou tudo escritório.. Me lembro de quando entregava o leite na porta de casa… não tinha portão.. Desde que saímos da cada nunca mais tive coragem de passar na rua.. !!!!! Foi uma vida .. !!! Amei a matéria por mim jamais teria saído da casa !!! Boa noite Rosely Marinheiro

        Reply
  • Alexandre Giesbrecht 19/01/2013 at 09:25

    E o pessoal não perde tempo. Anúncio no Estadão de hoje: http://screencast.com/t/YcpM9uSpLy

    Reply
  • M.Cecilia 30/09/2013 at 10:13

    Eu morei muitos anos na R.João Ramalho e ônibus que saia da Padaria da mesma rua esquina com a Rua Caiowas [ assim se escrevia na época] subia e descia essa rua. Era uma das ruas diferenciadas. Eu ficava olhando com carinho pelas casas tão lindas, e a rua arborizada. Quando chovia, subir a João Ramalho, passando a Rua Minerva era complicado, pois era de paralelepípedo, escorregava que nem sabão e até quando chovia demais, o córrego enchia e transbordava.

    Reply
%d blogueiros gostam disto: