Se tem um estilo arquitetônico que é pouco encontrado em São Paulo é o chamado art noveau. Dá para contar nos dedos das mãos o que existe neste padrão na capital paulista, contudo, recentemente fui surpreendido com um belo exemplo na zona oeste paulistana:

Localizada na rua Camerino, a casa é uma importante referência de art noveau em residência de classe média paulistana do início do século 20, coisa que costumamos encontrar com mais frequência em imóveis daquela época de alto padrão, como palacetes.

Ela apresenta-se em ótimo estado de conservação e preservação exceção feita, infelizmente, às duas janelas que tiveram suas originais substituídas por outras mais novas e menores, o que com certeza deve ter deixado o cômodo em questão um pouco mais escuro. Outra alteração que foi possível notar é no porão que agora tem apenas um respiro de proporções diminutas, sendo que é bastante possível que originalmente fossem dois, um embaixo de cada janela.

Veja mais fotos da residência (clique para ampliar):

Sobre o autor

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, é presidente do Instituto São Paulo Antiga e membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP).

Deixe um comentário!

Comentarios

  • J.C.Cardoso 19/03/2018 at 12:20

    Pena que mexeram algumas coisas….

    Reply
    • Marcelo 19/03/2018 at 13:27

      Verdade, meu caro. Resta saber se é possível encontrar documentação que mostre o traçado original de tudo.

      Reply
  • Jorge Roberto Coelho Ferreira 19/03/2018 at 14:18

    A coisa mais difícil é convencer uma pessoa que possui uma propriedade dessas, procurar mante-la o mais original possível. Pelo menos fachada, portas e janelas.

    Reply
  • Edda Frost 20/03/2018 at 10:36

    Muito interessante. embora, como quase sempre, a fachada fica prejudicada com as modificações sem cuidado…

    Reply
  • Virgínia Beringhs Menon 21/03/2018 at 13:19

    Que péssima ideia terem substituído as janelas originais! É uma pena, pois esse tipo de janela antiga sempre tinha os vidros na parte externa e as venezianas de madeira na interna. Já não se vê mais nada disso por aí…

    Reply
    • Daniel Pardo 19/04/2018 at 20:43

      Hoje em dia se essa casa usar janelas com vidros na parte externa, com certeza vai ser vítima de algum tipo de vandalismo.

      Reply
  • Bolívar Pinta Júnior 24/03/2018 at 23:12

    …/… parabéns pelo registro .

    Reply
  • Eva 30/11/2018 at 20:46

    Procuro no Google Maps com o street view e não encontro a casa!

    Reply
  • Tony Costa 02/04/2020 at 17:19

    Nao vejo como caso perdido. No caso especifico das janelas, a moldura do batente antigo permanece intacta, o que possibilita a futuros proprietarios, com meios de o fazer, em restaurar as condicoes originais.

    O que a maiorria dos contestantes aqui nao entendem, e assim mesmo querem dar palpite ( tipico do Brasileiro ), e que possivelmente o proprietario teve que repor janelas, e com nao encontrando originais, ou pelo menos ao preco que pudesse pagar, repos com menores, se virou com o que havia disponivel.

    Alias diga-se de passagem, dada as circumstancias, o proprietario ate que fez muito, mantendo os detalhes e passando uma mao de tinta.

    Para quem tem meios e interesse em restauracao autentica ( o que significa um levantamento historico e arquitetonico ), o que realmente falta por estas paragens sao artesoes de qualidade que saibam trabalhar, sejam marceneiros, carpinteiros, pedreiros, e por ai afora.

    Ha de se notar que a epoca de ouro das construcoes com idiossincracias proprias e estilos marcantes ( Arte Noveau, Art Deco, Classico ) vingou na primeira metade do Seculo XX, coincidindo com a massiva imigracao Europeia para Sao Paulo, capital e interior.

    O sistema Europeu, ainda capta o Artesao em idade tenra, aonde o mesmo, ira, as vezes ate sem pagamento de salario, aprender o oficio, trabalhando sob as ordens de um mestre, e eventualmente ira se estabelecer por conta.

    Se voce for observar a decoracao e reabilitacao de edificios , como por exemplo em NYC, notara que muitos gastam obscenas quantias em restauracoes, ou melhorias interiores, e a citacao de materiais de acabamento sempre menciona algum lugar na Europa.

    A pratica do Artesanato de Qualidade ainda persiste. Tomando-se um exemplo classico, a confecao de sapatos e ternos sob medida ( Bespoke ), prevalece no Reino Unido ( Saville Row ). Ou seja, um aprendiz ingressa no ramo, aprende a arte, e dela obtem o seu sustento para o resto da vida.

    Aqui, sao raros os casos. Vivemos na economia das marcas e do descartaveis. Alias, impossivel estabelecer uma pratica aonde a qualidade prevalece quando existe quase uma obsessao nacional com o preco final.

    Reply
%d blogueiros gostam disto: