Quem já acompanha o site do Instituto São Paulo Antiga há alguns anos sabe do trabalho que estamos fazendo catalogação da arte de azulejos artísticos aqui em São Paulo. O objetivo é documentar tudo o que encontrarmos destes painéis incríveis que se espalham por casas, fábricas, edifícios, cemitérios e até de municípios vizinhos.

Este tipo de trabalho artístico, bastante comum até a década de 1960, foi caindo em desuso com o passar do tempo e atualmente é raríssimo se ver trabalhos novos deste técnica. Entretanto vira e mexe encontramos mais construções antigas com estes murais.

clique na foto para ampliar

Localizada no número 750 da Rua d. Bernardo Nogueira, na Vila Gumercindo, esta antiga residência dos anos 1950 está anunciada para venda já tem um bom tempo em diversas imobiliárias da região e ostenta em sua entrada um belíssimo mural de azulejos.

clique na foto para ampliar

A casa que por si só já é muito graciosa, fica ainda mais encantadora no momento que conseguimos notar esta precioso mural com dois cenários típicos da Espanha, sendo em primeiro plano uma mulher encostada junto a uma árvore e segurando um leque e, ao fundo, um toureiro galanteador conversando com uma mulher em trajes típicos de dança flamenca.

O painel por completo, aliás, nos remete a um panorama da região de Andaluzia, na Espanha. É bem possível que o primeiro proprietário desta casa fosse um imigrante espanhol ou pelo menos um admirador da cultura daquele país. Em várias andanças que já fizemos pra cidade encontramos painéis que remetem a região de origem do primeiro morador da casa.

clique na foto para ampliar

Apesar do mato que estava bem alto no dia que fomos fotografar e os inúmeros vidros quebrados, a casa está em ótimo estado de conservação e bem que merecia ser comprada e recuperada ao invés de ser demolida. O terreno não é tão grande assim para que saia uma torre mas já é sabido que nem sempre ao comprar, mesmo que seja para manter como residência, o pessoal tem grandeza suficiente para manter o imóvel em sua concepção original.

Além do painel artístico a casa também ostenta um belo muro feito com os famosos caquinhos de cerâmica vermelha, material este que também é visto na parede da casa em sua parte mais inferior, um charme. O portão original da casa também encontra-se preservado.

Outro detalhe que me chama a atenção é a parede de cobogós que divide a porção frontal da propriedade com o quintal (lado esquerdo da fotografia a seguir). Os cobogós conferem uma certa privacidade ao quintal sem isolar por completo um ambiente do outro.

clique na foto para ampliar

Enfim uma casa encantadora e que espero que seja preservada para a posteridade. Que quem venha adquiri-la tenha a sensibilidade de preservar ao menos o mural, caso não seja possível preservar a residência por completo.

Veja mais fotos (clique na miniatura para ampliar):

Deixo aqui o meu agradecimento ao amigo e leitor do São Paulo Antiga, Fernando Alegret que nos enviou essa dica.

Sobre o artista do mural:

O trabalho artístico está assinado com o nome “Punti”, que é totalmente novo para nós. Em nenhum outro mural que já catalogamos vimos este nome anteriormente. Caso você tenha alguma informação a respeito de quem tenha sido este artista entre em contato conosco.

Punti

Sobre o autor

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, é presidente do Instituto São Paulo Antiga e membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP).

Deixe um comentário!

Comentarios

  • Thais Midy 30/06/2020 at 17:27

    Moro menos de 5 minutos dessa casa! Uma judiação como ela está hoje!

    Reply
    • Guilherme Tonon 01/07/2020 at 02:08

      Lembra de quem morava antes? Ou quem são os donos

      Reply
  • vanialacerda2013Vania 30/06/2020 at 18:06

    o muro de caquinhos é maravilhoso!

    Reply
  • Marina 30/06/2020 at 18:30

    Olá, Douglas. Belo registro! Só uma informação: a parede que você chamou de “balaústres” me parece ser, na verdade, de cobogós. Até mais 😉

    Reply
    • Douglas Nascimento 01/07/2020 at 09:14

      São cobogós, tem razão.

      Reply
  • Alaíde Camilo Leonoro 30/06/2020 at 19:16

    Excelente atuação.

    Reply
  • Marcelo Bruno Rodrigues 30/06/2020 at 19:41

    Eu gostaria de saber o que fazem com os azulejos no caso das casas que são demolidas. Em Campinas começaram há anos atrás a demolir a casa do último número da Rua Padre Vieira e, acreditem, marretaram os azulejos portugueses que revestiam a cozinha. Depois foi restaurada, como pude ver no Google Maps: agora é a Associação dos Rotarianos. O estilo é neogótico. Confiram: https://www.google.com/maps/@-22.9015335,-47.0561245,3a,75y,226.75h,83.55t/data=!3m7!1e1!3m5!1sE1cQd4GjElyQL5EqxDqhvQ!2e0!6s%2F%2Fgeo3.ggpht.com%2Fcbk%3Fpanoid%3DE1cQd4GjElyQL5EqxDqhvQ%26output%3Dthumbnail%26cb_client%3Dmaps_sv.tactile.gps%26thumb%3D2%26w%3D203%26h%3D100%26yaw%3D96.32747%26pitch%3D0%26thumbfov%3D100!7i16384!8i8192

    Reply
  • Marcelo Bruno Rodrigues 30/06/2020 at 19:47

    Correção ao estabelecimento que mencionei: na verdade, a casa abriga uma unidade do tradicional Bar Giovannetti.

    Reply
  • Ademir Richotti 30/06/2020 at 20:15

    Muito linda,vontade de comprar não falta…

    Reply
  • Cristiane Mello Gomes Vizzotto 30/06/2020 at 21:53

    Olá Douglas, essa casa remete minha infância, caminho esse feito por mim por longos anos de escola, muitas lembranças desse caminho, dessa casa, história realmente. Acho legal vc falar sob as vilas que temos neste bairro, são antigas, de muitas história tb. Abraços Parabéns pela matéria. Cris

    Reply
    • Cristiane Mello Gomes Vizzotto 30/06/2020 at 21:55

      Linda materia, o local me traz lembranças de infância, caminho da escola.

      Reply
  • Everaldo José Pedro 30/06/2020 at 22:33

    Morei de 1954 até 1968 na Dom Bernardo Nogueira 774.Brinquei muito nesta área jogando botão com meu amigo Fernando que morou até começo dos anos 70 nesta residencia .

    Reply
  • Célia Martins Corrêa Pavão 30/06/2020 at 23:19

    Parabéns Douglas Nascimento, pelo seu trabalho….adoro ver é ler sobre as postagens. Com isso, vou para um tempo muito mais agradável da nossa SAO PAULO.

    Reply
  • Regina 30/06/2020 at 23:31

    Acompanho com muito interesse este canto tão precioso para a história arquitetônica de São Paulo! Obrigada!

    Reply
  • Edson 30/06/2020 at 23:37

    Acho que esta rua fica na Vila Gumercindo, e não Clementino…

    Reply
    • Douglas Nascimento 01/07/2020 at 09:12

      Vila Gumercindo, já corrigi obrigado!

      Reply
  • Francielle 01/07/2020 at 00:24

    Lindo esses murais , mesmo que as casas fossem demolidas deveriam ser preservados. Infelizmente temos que ver muitas casas serem demolidas mais a evolução está aí , deveriamos ter mais casas tombadas pra preservar um pouco da história.

    Reply
  • Afonso 01/07/2020 at 01:05

    Na chamada aparece Vila Gumercindo (a querida Vila Gugu) e no texto Vila Clementino. E agora?

    Reply
    • Douglas Nascimento 01/07/2020 at 09:12

      Vila Gumercindo, já arrumei! Obrigado pelo alerta.

      Reply
  • Luiz Claudio de Barros 01/07/2020 at 01:10

    Morei nesta rua em frente à NKS. Onde ela fica?

    Reply
  • Edinalva Nunes 01/07/2020 at 02:42

    Parabéns pelo trabalho! Eu Amor ler as histórias dessas construções antigas. Sou apaixonada por casas assim. Aí como gostaria de poder comprar uma . Estas casas são maravilhosas com quintais geralmente grandes. Eu costumo chamar de casa solta pois tem janelas por todos os lados e não fica espremida no meio das outras. Conservaria assim original. Sonho muito tanto dormindo quanto acordada de verdade. Abraço.!

    Reply
  • Juliana 01/07/2020 at 03:26

    Esse mural de caquinho paulista é um charme e toque especial nessa casa
    Seria maravilhoso a casa ser preservada, mas as esperanças são baixas

    Reply
  • Élio Vicentini 01/07/2020 at 07:58

    Muito legal sua matéria. Infelizmente o “progresso” desordenado destruiu grandes obras, sejam elas artísticas ou de arquitetura. Há vários exemplos pela cidade, mas cito a Av. D. Pedro I no Ipiranga, cujo projeto era para ser um boulevar, entretanto hoje restam pouquíssimas casas com a configuração original. Uma delas é a da escola de inglês Fisk, cuja unidade está lá há anos, nas tiveram a coragem de preservar o imóvel.

    Reply
  • Fernando Teixeira da Silva 01/07/2020 at 10:26

    CULPO OS VÂNDALOS PICHADORES POR INTIMIDAREM AS PESSOAS A UTILIZAR OS ACABAMENTOS DE MANEIRA MAIS ATRAENTES.

    Reply
  • Clopina 01/07/2020 at 10:38

    E pelo jeito o terreno vai até a outra rua, é bem grande.

    Reply
  • Carla Battistella 01/07/2020 at 10:43

    Que lindo ,maravilhoso.Nao pose se perder jamais esse lindo mural.

    Reply
  • Beatriz Franco 01/07/2020 at 11:48

    Uma pena pensar que dificilmente ira ser preservada. Meu sonho que fizéssemos como vemos la fora, de restaurar e modernizar mantendo as características…

    Reply
  • Edjane 01/07/2020 at 12:32

    Amo viajar na história através dos posts e fotos que vejo aqui.
    Parabéns!

    Reply
  • simone valerio 01/07/2020 at 12:37

    Que linda! Inclusive este muro de caquinhos, maravilhoso! Pena que foi pichado. Fico aqui na torcida para alguém que tenha condições de preservá-la a adquira.

    Reply
  • RUI SIMIONATO 01/07/2020 at 22:37

    belo trabalho. aprecio a manutenção da história. parabéns.

    Reply
  • andre santana 02/07/2020 at 13:16

    Amo casas assim com alpendre,coisa muito chique que quase não existe!!!Queria eu ter poder aquisitivo o suficiente para adquirir essa joia,tomara de quem adquirir ter o bom senso de não destruir…Parabéns por encontrar esa preciosidade!!!

    Reply
%d blogueiros gostam disto: