Localizada no bairro do Pari, a Avenida Vautier teve seu visual bastante alterado nos últimos anos, com o comércio dando uma repagina nas lojas da região, que vem recebendo um público cada vez maior.

Assim as poucas casas antigas que existem ali ou estão desaparecendo e dando lugar a pontos comerciais novos e amplos ou simplesmente estão esquecidas no tempo, como essas abaixo:

clique na foto para ampliar

Localizadas nos números 631 e 639 da Avenida Vautier, essas duas casas geminadas estão muito deterioradas e até parecem estar com seus dias contados, já que quase todas as casas da via estão desaparecendo.

Por alguma razão, mesmo em mau estado elas sobrevivem. Não daria aliás muito trabalho para deixar ao menos estas fachadas em condições mais dignas, já que excetuando-se pela porta da casa do lado direito, todas os pontos originais estão ali preservados.

clique na foto para ampliar

Nas janelas é que estão os ítens mais bacanas antigos que sobrevivem: os vidros martelados coloridos. Se hoje já são poucos os que instalam vidros martelados, imaginem os coloridos.

Imagino esses dois sobrados preservados ao menos em suas fachadas e transformados em algum escritório ou consultório e tendo sua existência garantia por mais longos e longos anos.

Sobre o autor

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, é presidente do Instituto São Paulo Antiga e membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP).

Deixe um comentário!

Comentarios

  • FRANCISCO ANTONIO ROXO SANTOS 29/04/2020 at 11:16

    Isso vem provar que o Brasil é um País sem memória. Destruindo a beleza da arquitetura Brasileira. Aos poucos vão eliminando obras belíssimas. Hoje Você passa em uma rua/avenida e dias depois você não a conhece mais.

    Reply
  • FRANCISCO JOSE PENTEADO DOS SANTOS 29/04/2020 at 11:25

    Realmente, parecem ser da década de 1920.

    Reply
  • Tony Costa 29/04/2020 at 11:59

    Pela cara, e deposito para o boteco da esquina. Olhando a composicao dos edificios ali, eu duvido que haja acao de tombamento ou manutencao dispensada ao edificio. Vai acabar com uma parede sem graca coberta de ladrilhos, como as demais lojas.

    Eu apostaria que o operador do boteco aluga a loja e a casa de rua, e o proprietario coleta o aluguel.

    Este esta com os dias contados.

    Reply
  • J.C.Cardoso 29/04/2020 at 12:05

    Ia comentar mesmo sobre a casa da direita. Apesar de mais “mexida” que a da esquerda, não acho que tenha comprometido tanto. Dá para recuperar.
    Agora… sabe dizer porque o nome do bairro é Pari? Tenho essa curiosidade até hoje (e nunca consegui saber).

    Reply
    • Neuza Paranhos 29/04/2020 at 14:56

      Na Wikipedia aparece que “pari” era um tipo de rede utilizada pelos índios para pesca. O bairro fica entre os rios Tietê e Tamanduateí, próximo ao centro histórico e era habitado originalmente por índios e portugueses, que provavelmente tinham a pesca como subsistência. No século 19 o bairro veio se tornando área ocupada por imigrantes, o que se mantém até hoje.

      Reply
  • Paulo Clístenes Vieira da Silva 03/05/2020 at 18:12

    Boa sugestão aproveitá-las para a instalação de escritórios, talvez seja uma maneira de salvá-las!

    Reply
%d blogueiros gostam disto: