Nesta quinta-feira (9/7), data em que é celebrada a Revolução Constitucionalista de 1932, a TV Cultura leva ao ar o documentário A Guerra dos Paulistas, dirigido por Laís Bodanzky e Luiz Bolognesi. A produção, uma parceria entre a emissora e a Buriti Filmes, traz um panorama desse evento histórico que marcou a história da democracia brasileira. Parte de uma programação especial promovida pela TV Cultura, intitulada São Paulo, Sempre à Frente de seu Tempo, vai ao ar às 20h15.

O filme apresenta a história do movimento liderado pelo Estado de São Paulo contra o regime ditatorial instaurado por Getúlio Vargas, em 1930, e a favor da convocação de uma Assembleia Constituinte.

Em linguagem acessível e ritmo envolvente, ele mostra a saga dos paulistas que, armados, foram às ruas em defesa dos diretos democráticos, além de responder a questões-chave, como ‘por que essa guerra aconteceu?’, ‘quem participou?’, ‘como a guerra acabou?’ e muitas outras.

A Guerra dos Paulistas, agora remasterizado e convertido em 4k, conta com imagens de arquivo e um roteiro ficcional, escrito por Luiz Bolognesi. Com participação de Caco Ciocler e narração de Selton Mello, a produção também exibe depoimentos de ex-combatentes de uma das mais violentas guerras da América no século 20.

Caco Ciocler (à esquerda) em cena de “A Guerra dos Paulistas”

Ficha técnica
Direção: Laís Bodanzky e Luiz Bolognesi
Roteiro: Luiz Bolognesi
Produção: Laís Bodanzky e Luiz Bolognesi
Produção Executiva: Mário Borgneth e Beto Tibiriçá
Coordenação de Produção: Luís Oliveira e Lina Murano
Direção de Fotografia: Mauro Martins
Montagem: Rodrigo Menecucci
Arte: Ricardo Carelli
Pesquisa: Marcelo Aith
Assistente de Direção: Ariene Leite
Direção de Arte: Déia Brito
Figurinos Ficção: Carolina Lee
Trilha Sonora: Marcelo Kubagawa e Mário Lima
Arte e Finalização: Dínamo Filmes
Elenco: Caco Ciocler, Thiago de Brito e Zedu Neves
Locução: Jiddu Pinheiro

Realização: TV Cultura e Assembléia Legislativa do Estado de SP
Produção: Buriti Filmes
Distribuição: TV Cultura
Duração: 55 minutos
Ano – 2002

Sobre o autor

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, é presidente do Instituto São Paulo Antiga e membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP).

Deixe um comentário!

Comentarios

  • Milderes 08/07/2020 at 12:14

    Muito bom! Parte da história de São Paulo importante e que deve ser relembrada.
    Assistirei

    Reply
  • André Reis 08/07/2020 at 12:21

    Como é triste e deprimente saber e constatar que os nossos jovens (Paulistas e Paulistanos) não sabem quase nada desse fato… Não é são somente as casas e os casarões clássicos e antigos que estão sumindo do nosso dia a dia, a nossa história também.

    Reply
    • Emerson de Faria 08/07/2020 at 14:32

      A culpa não é só deles, mas do carrossel doido de cuspir crianças que é o ensino público brasileiro, uma máquina perfeita de produzir analfabetos funcionais em série.

      Reply
    • São Paulo é o meu país 09/07/2020 at 00:16

      O objetivo do ditador Getúlio Vargas era justamente esse: apagar a história e a cultura paulista, assim como a dos outros estados.
      Ele tomou várias medidas contra as culturas regionais e locais. E trabalhou para unificar tudo, criando um país artificial, impondo tudo de cima para abaixo, para ajudar na centralização do poder.
      Cabe a nós o dever de manter a cultura paulista viva.

      Reply
      • Luiz Henrique 11/07/2020 at 21:30

        Concordo.

        Reply
  • Fernando Teixeira da Silva 08/07/2020 at 13:08

    Não vou deixar de assistir ao filme que fala sobre um assunto histórico da nossa cidade que, com ímpeto arrojo, partiu sozinha em busca da única solução para colocar o Brasil no caminho da democracia e da liberdade. No entanto, muitos dizem até com certo deboche, que os paulistas foram derrotados!!… Durma-se com um barulho desses!

    Reply
    • Emerson de Faria 08/07/2020 at 14:34

      Mesmos derrotados deixaram um legado de várias conquistas para o país, dentre elas a criação da Justiça Eleitoral.

      Reply
  • Rafael Balseiro Zin 08/07/2020 at 16:47

    Aos que não puderem assistir via TV Cultura, o documentário está disponível na íntegra no canal da produtora Buriti Filmes, no YouTube:

    https://www.youtube.com/watch?v=PlV0ojKO6wg

    Reply
  • São Paulo é o meu país 08/07/2020 at 19:55

    9 de julho de 1932 é uma data muito importante.

    Esse foi mais um momento da história em que os paulistas lutaram por liberdade e por autonomia.

    E nós temos o dever de continuar a busca pela liberdade dos paulistas.

    Reply
    • Luiz Henrique 11/07/2020 at 21:32

      Concordo.

      Reply
  • São Paulo é o meu país 08/07/2020 at 20:07

    Durante a semana do 9 de julho deveria haver uma série de ações para marcar essa data aqui em São Paulo.

    A bandeira de São Paulo deveria ser colocada em todos os lugares pelas cidades do nosso país São Paulo.

    Estabelecimentos, lojas e escolas e devem ter decorações com o tema São Paulo.

    Eventos devem ser realizados em lembrança dessa data.

    Intelectuais realizarem palestras e debates sobre o assunto.

    Reply
    • Luiz Henrique 11/07/2020 at 21:32

      Concordo.

      Reply
  • Mário Sérgio Rodrigues Balbino de Oliveira Paschoal 16/07/2020 at 09:33

    Antes de entrar numa etec, todos os anos fazia algumas atividades com meus alunos a respeito, na escola Fernão Dias Paes. Eles traziam o hino à bandeira por escrito e gravado, histórias, cópias de cartazes. Sempre foi muito bom. O problema é que por ser prof de matemática tem gente que acha que estou ensinando o que é de outra matéria e precisa de autorização do outro professor, como se ser cidadão fosse atribuição apenas de alguns influenciadores. Ressalto aqui o quanto sempre fora muito bom receber, folderes do assunto , de graça, dos sindicatos dos comerciários. uma iniciativa fantástica, pois usava esse material com todosos alunos.

    Reply
  • Mário Sérgio Rodrigues Balbino de Oliveira Paschoal 16/07/2020 at 09:37

    Um dos meus alunos na etec Guaracy falava-me com entusiasmo sobre seu avô que participou da revolução, por três anos, até que um dia, conversando um pouco mais, descobri que o entusiasmo era de sua mão, cujo pai fora o revolucionário. Ela falava com tanto entusiasmo e orgulho do pai, que isso veio para seu filho. Precisamos seguir o exemplo dessa mãe cidadã, que traz aos seus o valor da família!

    Reply
%d blogueiros gostam disto: