Amados por uns e odiados por outros, os ônibus fazem parte do cotidiano de São Paulo. Eles estão presentes em nossa cidade desde o início do século 20, com os famosas veículos abertos apelidados de “jardineiras” ou de “mamãe, me leva?(*)”.

Os autobondes, como eram chamados inicialmente, chegaram a São Paulo em julho de 1911 para substituir o ultrapassado transporte movido a tração animal (burros) e para fazer concorrência aos bondes elétricos.

A primeira frota, de um total de 10 veículos, era da marca Sauer e foi importada da Alemanha pela Companhia de Transportes Auto Paulista. A foto a seguir mostra um deles por aqui:

Divulgação

Era apenas o início de uma história de São Paulo com os ônibus que nunca mais parou. Até mesmo os bondes ficaram pelo caminho, entretanto os ônibus permanecem até os dias de hoje sendo um dos principais meios de transporte do paulistano.

A evolução destes veículos em nossa cidade foi apresentando modelos dos mais curiosos. Desde os nacionais fabricados pela Grassi, Caio ou Thamco, ou veículos importados de países como os Estados Unidos (elétricos ou a diesel).

Na foto, uma jardineira de 1924 e um elétrico de 1954 (clique para ampliar)

Na foto, uma jardineira de 1924 e um elétrico de 1954 (clique para ampliar)

Para homenagear esta modalidade de transporte coletivo tão importante para a nossa cidade, fizemos uma seleção de 22 imagens de ônibus antigos para viajarmos no tempo. São 11 elétricos e 11 convencionais, veja as fotos:

1 – EMPRESA AUTO ÔNIBUS ALTO DO PARI (FOTO DE 1961)

clique para ampliar

clique para ampliar

2 – ÔNIBUS ACLO (APELIDADO DE CAMÕES) PRODUZIDO PELA GRASSI (FOTO DE 1955)

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

3 – AUTO VIAÇÃO NAÇÕES UNIDAS  – LINHA PRAÇA DO CORREIO (SEM DATA)

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

4 – E.O GUARULHOS – LINHA GUARULHOS – PRAÇA DO CORREIO (SEM DATA)

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

5 – ÔNIBUS FNM (CHAMADO DE PAPA-FILA) ESPÉCIE DE AVÔ DOS ARTICULADOS (1957)

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

6 – VIAÇÃO U.T.I.L – BARRA FUNDA (SEM DATA)

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

7 – ÔNIBUS ALFA ROMEO COM DESTINO A VILA FORMOSA (SEM DATA)

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

8 – CAIO GABRIELA – AUTO VIAÇÃO NAÇÕES UNIDAS (FOTO DA DÉCADA DE 80)

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

9 – VIAÇÃO MONUMENTO, LINHA SÃO CAETANO – PARQUE D.PEDRO II (1978)

clique na foto para ampliar

Foto: Mário Custódio / clique na foto para ampliar

10 – MERCEDES-BENZ 364  – CMTC (FOTO DE INICIO DA DÉCADA DE 90)

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

11 – SCANIA K112CL (THAMCO) – APELIDADO DE FOFÃO (1987)

Divulgação

NA SEQUÊNCIA, OS ÔNIBUS ELÉTRICOS:

12 – GRASSI / VILLARES – PRAÇA DO PATRIARCA (SEM DATA)

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

13 – RESERVADO

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

14 – LINHA PARA GENTIL DE MOURA

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

15 – LINHA PARA ÁGUA RASA

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

16 – LINHA CIDADE – ACLIMAÇÃO

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

17 – LINHA PARA O LARGO SÃO BENTO

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

18 – LINHA CARDOSO DE ALMEIDA – MACHADO DE ASSIS

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

19 – LINHA PARA O MANDAQUI

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

20 – ÔNIBUS DIESEL MARCA MAGIRUS (CARROCERIA STRIULLI) CONVERTIDO PARA ELÉTRICO – CMTC (FOTO DE 1969)

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

21 – LINHA PARA A PRAÇA DA REPÚBLICA (FOTO DE 1985)

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

22 – LINHA PARA O TUCURUVI (FOTO DE 1986)

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

(*) – O apelido de “mamãe, me leva?” dos primeiros ônibus tem algumas versões a respeito de sua origem. A explicação mais comum é que este apelido surgiu no bairro do Brás, logo que os ônibus começaram a operar por aqui. Um menino acompanhado de sua mãe, ao ver o veículo parado, teria se virado para ela e dito tal expressão, que acabou se popularizando.

Quer saber mais sobre transportes coletivos ? Abaixo, alguns de nossos artigos que recomendamos a você:

E nós queremos saber: Você gosta de andar de ônibus ? Tem uma linha favorita ? E qual modelo de ônibus te marcou ou traz saudades ? Deixe seu comentário!

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

JOIN THE DISCUSSION

Comments

  • Mauro Scripomic 07/05/2015 at 14:00

    Nossa agora viajei, ainda mais nesse assunto, o meu predileto, ônibus, eu sou um apaixonado por ônibus, lindas fotos e belas postagens ainda mais mostrando ela, a lida e amada São PAulo.

    Reply
  • Mauricio Borges 07/05/2015 at 14:02

    Bacana o artigo Douglas. Ando bastante de ônibus desde pequeno, seja nos ônibus “comuns” ou nos trólebus. E apesar de gostar bastante dos modelos Caio Gabriela (1975-1984) e Caio Amélia(1980-1988), o modelo que mais me marcou foi o Caio Vitória(1988-1995).

    Ah, e o ônibus com motor O-364, não foi fabricado pela CAIO, mas sim pela própria Mercedes-Benz. Ela fabricou carrocerias Monobloco entre 1961 e 1996

    Reply
    • Celso 25/05/2016 at 16:54

      Bem observado. A MB também fabricou carrocerias de ônibus. Já a Caio é provavelmente a encarroçadora mais antiga ainda em atividade e a pleno vapor.

      Reply
  • Bruno 07/05/2015 at 14:40

    Doulas parabéns ótima matéria, apenas uma correção na foto 10 o ônibus em questão não é da Caio é um ônibus do tipo monobloco que eram fabricados inteiramente pela Mercedes-Benz na fábrica de Campinas que hoje é uma central de distribuição de peças.

    Reply
  • Lais Miss Cherry 07/05/2015 at 14:43

    A Foto nº 12 vi em outra pag como sendo um trolebus do RJ, Viaduto de Cascadura em 1966, mas é uma bela foto adoraria que fosse mesmo do meu bairro <3

    http://rioantigo.buzznet.com/photos/transportes/?id=1604298

    Reply
    • Douglas Nascimento 07/05/2015 at 21:43

      Oi Lais!
      Sim foi um erro nosso aqui, mas já o trocamos por um CMTC Grassi/Villares!

      Reply
  • Alexandre Fontana 07/05/2015 at 14:48

    Gostar, eu não gosto muito não, mas andei bastante, principalmente nos elétricos já que eu morava e ainda moro perto do antigo ponto final do elétrico Tucuruvi que ficava na R.Major Dantas Cortez esquina com a Av.Guapira. Inclusive vi muito alguns desses modelos de elétrico das fotos circulando por aqui. Mas a foto que me fez viajar no tempo foi a do Nações Unidas da década de 80.

    Reply
  • Godoy 07/05/2015 at 14:49

    Meu é motorista de ônibus aposentado, e dirigiu os modelos 8, 9 e 10, nas viações Pirituba, Gato Preto, Santa Brígida e TUSA. A Viação Pirituba e a TUSA não existem mais. A Viação Santa Brígida e a Viação Gato Preto hoje formam o Consórcio Bandeirante, e atuam na região Noroeste da cidade de São Paulo.

    Reply
  • Marcelo 07/05/2015 at 15:20

    Muito bacana esse artigo! Reforço as informações do colega Maurício quanto ao O-364O e acrescento que o SCANIA K112CL (THAMCO) – APELIDADO DE FOFÃO (1988), prefixo 11.011 iniciou suas operações em 1.987 na gestão do prefeito Jânio Quadros.

    Reply
  • Toffo 07/05/2015 at 15:47

    Uma correção: a foto 12 não é de São Paulo, e sim do Rio. O sistema trolebus no Rio de Janeiro durou cerca de 9 anos, entre 1962 e 1971. A linha Freguesia era da zona norte carioca, não da paulistana. Quanto às fotos 6 e 7, as datas são, respectivamente, 1968 e 1967.

    Reply
    • Douglas Nascimento 07/05/2015 at 21:42

      Oi Toffo!
      Sim foi um erro nosso aqui, mas já o trocamos por um CMTC Grassi/Villares!

      Reply
  • Wesley Rodrigues 07/05/2015 at 16:07

    Gostaria de viver um pouco essa época, gostaria de estar bem ali onde foram tiradas essas fotos, pra sentir como era o tempo nessa época,… conversar, saber os pensamentos das pessoas que viveram nesse tempo.

    Reply
  • Marcello Jordano 07/05/2015 at 16:23

    Legal a postagem. Só um detalhe a foto 12, dos elétricos, não é de SP, é do RJ. Na Freguesia do Ó não tinha ônibus elétrico. Essa é uma foto do RJ. Em rápida procura no google achei a linha 620 (Freguesia – Taquara).

    Reply
    • Douglas Nascimento 07/05/2015 at 21:41

      Oi Marcello!
      Sim foi um erro nosso aqui, mas já o trocamos por um CMTC Grassi/Villares!

      Reply
  • Carla Silva 07/05/2015 at 17:03

    Amei a matéria Douglas. parabéns!! A linha que mais amo e ando até hoje é a do trólebus 2100 Praça da Sé / Term. Vl. Carrão!

    Reply
    • Douglas Nascimento 07/05/2015 at 21:40

      A que eu mais andava era a antiga 702P Lgo São José do Belém – Pinheiros, que a Marta destruiu… 🙁

      Reply
  • Maria Helena Viotto 07/05/2015 at 17:13

    Muito bacana, só faltou o Penha/Lapa.

    Reply
  • DANIEL PICINIM PEREIRA 07/05/2015 at 17:35

    TENHO 65 ANOS NAO ME LEMBRO DE ONIBUS ELETRICO PARA FREQUESIA DO O

    Reply
    • Douglas Nascimento 07/05/2015 at 21:39

      Colocamos uma foto errada, do Rio de Janeiro, mas já corrigimos! 🙂

      Reply
  • Edgard Martins (Vô ED) 07/05/2015 at 17:56

    Amigo Douglas…uma boa tarde !
    Espetacular essas fotos, e gostaria de colaborar
    pois tenho algumas fotos dos onibus da E.O.P.I.
    (Empresa de Onibus Parada Inglesa)

    Reply
  • Renato Romano 07/05/2015 at 18:07

    Os ônibus elétricos são verdadeiros Highlanders… Era comum as carrocerias e sistemas de tração serem reaproveitados e veículos ‘novos’. Tem eixo dos anos 70 rodando até hoje!

    Reply
  • ernani 07/05/2015 at 18:16

    São bem poucos os que estão expostos no museu dos transportes na av. Cruzeiro do Sul em São Paulo.
    Poderiam ter reservado mais ônibus destes, para serem expostos em museus da cidade.
    Existia um bonde camarão exposto lá no museu dos transportes.
    Uma ocasião estive lá e disseram que estavam reformando o tal bonde. Acontece que nunca mais o tal apareceu. O que foi feito?

    Reply
    • SavianoMarcio 08/05/2015 at 10:15

      Se não me engano foi para Santos onde foi (será) restaurado.

      Reply
  • ernani 07/05/2015 at 18:19

    Dos bondes, restaram apenas tres expostos lá no museu dos transportes.
    2 (bondes pequenos abertos) e um fechado com bancos de palhinha, o tal apelidado de “gilda”. O camarão que era da linha Santo Amaro, não vi mais.!

    Reply
  • wagner monteiro 07/05/2015 at 18:50

    Que viagem no tempo, mas eu gostei e deu muita saudade, foi do Papa-filas, passando em frente do Mappin, no Anhangabaú. Show

    Reply
  • Wagner C.S.Arcuri 07/05/2015 at 19:27

    O trólebus da linha Freguesia, é do Rio de Janeiro. Não é Freguesia do Ó. E em São Paulo, nunca houve esse tipo de trólebus.

    Reply
    • Douglas Nascimento 07/05/2015 at 21:38

      Foi um erro, mas já o trocamos por um CMTC Grassi/Villares!

      Reply
  • Britto 07/05/2015 at 19:28

    Sensacional! Parabéns! Vou encaminhar para meu amigo Mario Custódio, especialista em ônibus. Ele vai amar. Valeu!

    Reply
    • MARIO CUSTÓDIO 08/05/2015 at 10:16

      Obrigado pela consideração BRITTO.
      Ao DOUGLAS, PARABÉNS!
      Colocou até uma foto de minha autoria, o O-362 da MONUMENTO, que tirei no PARQUE DOM PEDRO II no final dos Anos 70 (1978).
      Senti-me honrado.
      Saudações a ambos.
      MARIO CUSTÓDIO

      Reply
  • Britto 07/05/2015 at 19:36

    ET.: Dificílimo escolher, mas fico com a foto 18, pois considero a linha Cardoso de Almeida – Machado de Assis a mais paulistana de todas!

    Reply
    • Douglas Nascimento 07/05/2015 at 21:37

      Concordo com você! É a linha das linhas!!

      Reply
  • João Guimarães filho 07/05/2015 at 20:40

    Como não se emocionar vendo essas fotos…minha infância foi em boa parte dentro da garagem da A.V Brasil Luxo na Zona Norte, minha irma trabalhou desde os 16 anos de idade, Sr Belarmino e Toninho Marta sempre permitiram minha presença na garagem, uma grande paixão pelos ônibus…felizmente andei nos modelos Jaraguá,Bela Vista, Gabriela, Amelia e por ai vai..Striulli da CMTC,ACF BRILL,indo da Cásper Libero para Tucuruvi…da minha infância..lembro como hoje..e felizmente tenho fotos…os ônibus da Brasil Luxo descendo a antiga rua 4 junto com os 355 da CMTC la no Jardim Peri…como esquecer o som dos freios…demais.!!!
    Tenho uma galeria no site ONIBUS BRASIL…com muitas fotos para se recordar..João Filho Guimarães.
    Douglas..mais uma vez..parabenz ! ! !

    Reply
  • derwolfstein 07/05/2015 at 21:26

    Ola, muito legal… ônibus sempre a melhor opção para o trabalhador, minha cidade é pequena faço um trajeto de aproximadamente 7 km… de ônibus para ir para o trabalho, mas não podemos esquecer o nosso amigo motorista a quem nos confiamos a vida no dia a dia, parabéns pela matéria Douglas!!!

    Reply
  • José 07/05/2015 at 22:36

    Saudades! Muitas saudades!

    Reply
  • Elisabete Feitoza 08/05/2015 at 03:19

    Quantas vezes a minha familia n pegava a linha 1428 (Sta. Terezinha / Casper Líbero) para irmos para casa, depois de fazer compras no Mappin ou na Mesbla…. Tinha também a linha Mandaqui / Pinheiros, que no ponto final (Pinheiros) tinha uma pastelaria bem simples, mas quer servia o melhor pastel de queijo que já comi na minha vida…. tinha recheio com uma fatia de queijo bem grossa, que puxava a cada mordida. Tudo mudou, a pastelaria deu lugar ao novo Lgo. da Batata e as linhas foram suprimidas…. Mas deixaram lembranças boas.

    Reply
  • Luis Fernando Ramos 08/05/2015 at 08:37

    Foto 22 – Lembro da minha infância e já aos 14 anos no o meu primeiro emprego como office boy na Paulista. Pegava o “onibus eletrico” no ponto final no Tucuruvi as 6:15 (na Major Dantas ) e descia na Augusta esquina com a Paulista as 7:30, isso em 1986, não esquecendo também que na volta optava em pegar o 701U JAÇANÃ da CMTC nos saudosos O362, que descia Consolação voando. Bela materia mais uma vez!!

    Reply
  • MARIO CUSTÓDIO 08/05/2015 at 10:16

    Obrigado pela consideração BRITTO.
    Ao DOUGLAS, PARABÉNS!
    Colocou até uma foto de minha autoria, o O-362 da MONUMENTO, que tirei no PARQUE DOM PEDRO II no final dos Anos 70 (1978).
    Senti-me honrado.
    Saudações a ambos.
    MARIO CUSTÓDIO

    Reply
    • Douglas Nascimento 08/05/2015 at 10:28

      Ah, Mario como vai ? Não tinha os créditos da foto… vou creditar!
      Peguei essa linha 1x só na minha vida 😀 Abraços

      Reply
      • Britto 08/05/2015 at 17:48

        Então parabéns Mario, pois foi a foto escolhida pelo Flávio Gomes em seu blog, que me levou à matéria…

        Reply
  • Simone Valerio 08/05/2015 at 11:08

    Parabéns, Douglas! Fui usuária da linha Praça da Sé – Gentil de Moura, no final dos anos 80 e inicio dos 90. Dentro do ônibus elétrico lá ia para a faculdade, estudando para as provas! Bons tempos. LINDO seu trabalho.

    Reply
  • João Guimarães filho 08/05/2015 at 15:05

    Em 1982,eu morava na Av Nova Cantareira e estuda na escola Candido Portinari em Santana…certa vez consegui entrar no ônibus da CMTC que fazia Tremenbe a Cidade Universitária O-352 , este vivia lotado em qualquer horário. Só consegui descer 3 pontos depois da escola próxima a Marginal Tiete…terrível…hoje as pessoas andam em ônibus modernos e ainda reclamam.

    Reply
  • Emerson de Faria 08/05/2015 at 20:19

    Exceente matéria, Douglas, aliás como sempre. Desses ônibus antigos o que mais me marcou foram os GMC ODC, originalmente diesel, convertidos para elétricos nas oficinas da CMTC (tinham inclusive um letreiro em cima da janela traseira onde se lia Troleibus nacional fabricado pela CMTC), com equipamentos Siemens ou Villares, creme claro com listras azul marinho e no meio o dístico da CMTC. Quando criança morava na Água Rasa, na Rua Anália Franco, bem no comecinho dela, atrás da Avenida Sapopemba, e quando íamos a casa de meu tio que morava na Vila Formosa, descíamos a pé até a Avenida Regente Feijó, e lá tomávamos ele (às vezes também um Mercedes Benz O-362 monobloco e motor traseiro, também da CMTC, aliás a frota toda dela àquela época era desse modelo). Já adolescente, quando trabalhava de office boy no centro da cidade, eu pegava ele numa linha que subia a Augusta, cruzava a Paulista, descia e seguia pela Rua Colômbia. A grande curtição é que quando ele chegava lá embaixo, num longo trecho de reta, o motorista acelerava ele e o mesmo tremia tanto que parecia que ia desmontar! E as luminárias internas eram um show à parte: coloridas, verdes, azuis, vermelhas, amarelas, bastaria colocar um globo de vidro no meio do carro e fazer uma rave!!! Isso sem contar o som do motor, que parecia gemer o tempo todo, você andava pela calçada, ouvia aquele som distante, e quando parecia que uma ambulância ou viatura de polícia ia surgir da esquina, eis que o velho trolébus, com sua frente com uma capelinha, seus farois redondos e um gancho abaixo deles e rodas raiadas, surgia. Bons tempos…

    Reply
  • Claudio Bassi Elias 08/05/2015 at 21:26

    O nº7 é um Massari/Alfa Romeo da Cia. Auxiliar de Transportes Coletivos(CATC) que sucedeu a Viação Cometa (Urbano) na Zona Leste: Vila Formosa, Vila Invernada, Sapopemba, São Rafael, Jardim Grimaldi e Guilherme Giorgi. No Centro os pontos eram: Belém, Paiçandú e Pça. Clóvis.

    Reply
    • Ricardo 05/06/2015 at 21:58

      Olá Claudio Bassi, ia fazer um adendo à foto nº 7 quando li o teu post exatamente com a informação que ia passar. Muito obrigado por esclarecer os fatos dessa empresa, extinta e substituida por outras muito ruins, na minha opinião.

      Reply
  • Renato Marques 11/05/2015 at 13:46

    Legal recordar. Sempre morei em Santos, e na minha infância ficava fascinado ao ver em São Paulo a diversidade de tipos de ônibus existentes. Ficava na casa de minha irmã na Rua Cardoso de Almeida, e adorava ver o bonde 19 subindo e descendo a ladeira. Com 12 anos, certa tarde, dei uma” escapada ” , peguei o 19,fui para o Centro, e de lá, até o Jóquei Clube, só para andar de ônibus elétrico, que naquela época ainda não circulava em Santos. Voltei as 19 hs., e no dia seguinte, fui ” recambiado” de volta a Santos. Que baita bronca que levei… Quanto ao bonde ” desaparecido ” acho que ele não veio para Santos. Temos aqui um Gilda, que logo vai ser reformado,e passará a circular na linha turística, que já conta com outros 8 bondes. Este Gilda foi resgatado em Bertioga, numa colônia de férias do Estado, em péssimo estado. A única hipótese de ser o ” desaparecido”, é ter vindo de São Paulo para Bertioga anteriormente. De toda forma,é um Gilda, e parece que o sumido não é desse tipo.Informo a todos, que em Santos,no Centro comercial, temos bondes circulando de terça a domingo, das 11,oo hs às 17,oo hs. inclusive com guias turísticos durante o passeio de aproximadamente 1 hora pelo Centro histórico. Vale a pena ver e curtir.

    Reply
  • Renato Marques 11/05/2015 at 13:51

    A foto 3 deve ser de 1963-1965. Monoblocos Mercedes Benz iguais a esses circularam
    aqui na minha cidade (Santos) ligando-a com São Vicente.

    Reply
  • danielpardo2015 12/05/2015 at 21:44

    Só faltou um trólebus ai, o que fazia a linha Pça. Clóvis/Vila Prudente – 3160 da CMTC que atualmente faz ponto final no Parque D. Pedro. Aliás, os que eu me lembro ai são os trólebus e os ônibus da CMTC (exceto o fofão que eu só via na TV e nunca vi um pessoalmente) e o da Viação Monumento, que apesar de ser muito pequeno eu me lembro das letras pintadas nas laterais do ônibus.

    Reply
  • Joaquim Jorge H.D. do Amaral 13/05/2015 at 14:17

    Amigo Douglas. Que viagem. Valeu mesmo. Gostaria de, se possível, fotos do saudoso Morubixaba da Viação Cometa, uma verdadeira lenda na linha Rio-São Paulo nos anos 50 a 70. Gostaria de vê-lo na antiga Rodoviária de São Paulo. Desde já agradeço. Joaquim Jorge.

    Reply
    • Renato Marques 18/05/2015 at 12:04

      Joaquim Jorge H.D.do Amaral, existem fotos do ” morubixaba ” em sites sobre ônibus rodoviários antigos, eu já vi. E se não me engano, no próprio site da Cometa. Realmente,esse ônibus foi uma lenda como você bem falou.
      Eu adorava viajar nele para o Rio de Janeiro. Depois, uma fábrica brasileira fez uma carroceria muito parecida,
      cujos ônibus circularam entre Santos-São Paulo,na extinta empresa Zephir.

      Reply
      • Joaquim Jorge H.D. do Amaral 18/05/2015 at 16:02

        Grato Renato por sua resposta. Grande abraço. Joaquim Jorge.

        Reply
  • Rafael Mingues 13/05/2015 at 20:15

    Absolutamente sensacional, ver a evolução dos ônibus em SP.
    Seria muito interessante se a prefeitura disponibilizasse mais linhas de ônibus elétricos e a instalação de bondes modernos pelo menos no centro da cidade, seria incrível vê-los novamente circulando pela cidade e o planeta iria agradecer.

    Reply
  • eder 17/05/2015 at 22:37

    Boa noite !!Douglas show essa matéria , os mais legais o articulado e o fofão bem diferentes pra época

    Reply
  • William 18/05/2015 at 12:33

    Bela iniciativa Douglas !! Show de bola.

    Reply
  • Oliveira.Busólogo 23/05/2015 at 13:12

    Quero só deixar uma Observação da figura 18,lá diz Cardoso de Almeida / Machado de Assis,o Correto seria: Cardoso de Almeida / Largo São José do Belém,sei disso porque na epoca adorava pegar essa linha,pouca gente sabe mas nessa epoca existiam 2 linhas Cardoso de Almeida, uma era a 216-Machado de Assis e a outra 706-Largo São José do Belém,Veja que o Nº que está na capela é o 706,tenho fotos com esse mesmo Nº no sentido Largo São José do Belém

    Reply
  • EDSON JOSE 25/05/2015 at 20:44

    MUITO BOAS RECORDAÇOES DOS TEMPOS ANTIGOS DO TRANSPORTES

    Reply
  • Reginaldo Galuzzi 26/05/2015 at 20:22

    Mais uma matéria excelente! Parabéns!

    Reply
  • Luciana Candido 26/05/2015 at 20:33

    A linha Pinheiros Mandaqui era de ônibus elétrico, depois trocaram pro convencional e a linha foi desativada em 2013 🙁

    Reply
  • NoNo DaEnie 14/06/2015 at 14:59

    Demais, mas eu achei que mostraria a evolução dos ônibus até hoje! Depois da década de 90 houve 2 ou 3 modelos de ônibus marcantes na década de 2000!

    Reply
  • Ronaldo 23/07/2015 at 13:49

    Voltei ao passado, conheci quase todos, exceto a FNM “papa filas”, na minha infância, até adolescência servíamos das linhas da aviação Estrela Dalva (Elmo) e Brasil Luxo (Belarmino), …bons e ingênuos tempos.

    Reply
  • marcelo silva 05/09/2015 at 19:22

    Cardoso de Almeida – Machado de assis, andei muito neles para chegar na Interlace, em meados da decada de 80.

    Reply
    • danielpardo2015 20/11/2015 at 21:43

      Essa linha existe até hoje, vou toda Terça-Feira para Perdizes e vejo os trólebus lá.

      Reply
  • Armando 21/09/2015 at 20:21

    Tenho saudades do tremendão da cmtc que fazia vila medeiros à jabaquara. …

    Reply
  • Della Crocce 02/10/2015 at 10:59

    Gostaria q alguma pessoa me desse a informação de q empresa nos anos 60, cor amarela e preta, fazia a linha do largo da penha SP para o lutoral sul. Onde é hoje o Shopping Penha. Quando tinha oito anos, meu tio me levava para o litoral passear. Tenho saudades dessa época e gostaria de rever as imagens e voltar lembrar da melhor fase de criança. Aguardo.

    Reply
    • Renato Marques 03/10/2015 at 11:23

      Della Crocce,
      Tenho quase certeza tratar-se da ” Viação Santa Rosa “, cujo final era na minha cidade de São Vicente-SP., na Praça 22 de Janeiro (Biquinha) juntinho da praia. Tinha um incrível movimento
      aos domingos, com turistas de um dia. Passava pelo ABC antes de chegar a São Paulo. Não havia ainda rodoviária em S.Vicente, e a agência ficava lotada nesses dias, até 22/23 horas.
      Renato Marques
      São Vicente SP

      Reply
    • Renato Marques 04/10/2015 at 13:40

      Della Croccce, consultei pessoas da ” velha guarda ” de São Vicente, e realmente era a Viação Santa Rosa. Há muito tempo essa empresa foi comprada pelo Expresso Brasileiro, e há uns
      5 anos a Cometa passou a operar a rota. O percurso foi estendido até Praia Grande, ainda
      pelo Expressso Brasileiro.

      Reply
        • MARIO CUSTÓDIO 06/10/2015 at 11:42

          Bom dia A TODOS
          Realmente, a Viação SANTA ROSA foi um marco no serviço rodoviário de ônibus. A linha inicial era MOOCA – SÃO VICENTE, com os famosos Carbrasas. Depois foi estendida até a PENHA. Posteriormente, por decisão governamental, todos os ônibus de linhas rodoviárias que partissem de SÃO PAULO deveriam partir da antiga RODOVIÁRIA JÚLIO PRESTES, o que nem de longe interessava à SANTA ROSA. Assim, restou a alternativa de passar os carros para partirem de SÃO CAETANO DO SUL, até a venda para o Expresso BRASILEIRO, como já citado, bem como para a Viação COMETA, como até hoje. Essa empresa teve, além dos Carbrasas, O-321, O-326, O-355 e O-364 (os que eu me lembro, até porque andava neles).
          Há alguns anos, numa VVR – VER, VIVER E REVER, exposição de ônibus e caminhões antigos que se realiza anualmente no Memorial da América Latina, tive o prazer de conversar brevemente com um dos proprietários da empresa, que também lá estava.
          Quanto ao belo exemplar do desenho, foi feito a partir de uma foto que eu tirei em SÃO VICENTE nos final dos Anos 70.
          Saudações,
          MARIO CUSTÓDIO

          Reply
  • MARIO CUSTODIO 07/10/2015 at 12:49

    Bom dia A TODOS
    Realmente, a Viação SANTA ROSA foi um marco no serviço rodoviário de ônibus. A linha inicial era MOOCA – SÃO VICENTE, com os famosos Carbrasas. Depois foi estendida até a PENHA. Posteriormente, por decisão governamental, todos os ônibus de linhas rodoviárias que partissem de SÃO PAULO deveriam partir da antiga RODOVIÁRIA JÚLIO PRESTES, o que nem de longe interessava à SANTA ROSA. Assim, restou a alternativa de passar os carros para partirem de SÃO CAETANO DO SUL, até a venda para o Expresso BRASILEIRO, como já citado, bem como para a Viação COMETA, como até hoje. Essa empresa teve, além dos Carbrasas, O-321, O-326, O-355 e O-364 (os que eu me lembro, até porque andava neles).
    Há alguns anos, numa VVR – VER, VIVER E REVER, exposição de ônibus e caminhões antigos que se realiza anualmente no Memorial da América Latina, tive o prazer de conversar brevemente com um dos proprietários da empresa, que também lá estava.
    Quanto ao belo exemplar do desenho, foi feito a partir de uma foto que eu tirei em SÃO VICENTE nos final dos Anos 70.
    Saudações,
    MARIO CUSTÓDIO

    Reply
    • Ricardo Lugão 01/12/2015 at 21:54

      VVR! Fui a primeira edição, ainda na garagem da Redenção, perto do shopping center norte!
      Ainda não tive oportunidade de ir depois que passou a ser realizada no memorial.

      Reply
  • joão marquezin 29/11/2015 at 17:22

    TENHO 80 ANOS E SEMPRE MOREI NA REGIÃO DA CASA VERDE (zona norte ) VIAJEI MUITO NOS ONIBUS E BONDES EM SÃO PAULO, COMO RECORDAÇÃO DAREI ALGUNS NUMEROS DOS ONIBUS QUE FAZIAM AS LINHAS DA CASA VERDE E OUTROS BAIRROS PROXIMOS, eLETRICOS 44 STA. TEREZINHA, A DIESEL 42 TUCURUVI, 77 TREMEMBÉ 46 JARDIM SÃO PAULO,74 CASA VERDE, BONDES. SÓ ME LEMBRO DO 55 QUE FAZIA A LINHA CASA VERDE ATÉ O LARGO DE SÃO BENTO, QUE TINHA DOIS ITINERERIOS, UM IA PELO BOM RETIRO PELA RUA JOSÉ PAULINO, OUTRO PELA AL.BARÃO DE PIRACICABA ALI NOS CAMPOS ELISEOS, ESTES BONDES ANDAVAM SEMPRE LOTADOS E COM PESSOAL PENDURADO NOS ESTRIBOS, E ERA MUITO PERIGOSO, MUITOS ACIDENTES GRAVISSIMOS OCORRERAM POR ESSE MOTIVO, EU PARTICULARMENTE SOFRI TB. UM ACIDENTE COM BONDE ABERTO EM 1.948, FELISMENTE NADA SOFRI MAS FOI UM VERDADEIRO MILAGRE, HOJE SE COMPARADO A AQUELES TEMPOS NÓS ESTAMOS NO CÉU. ABRAÇOS DO MARQUEZIN

    Reply
  • Edson 27/12/2015 at 18:51

    Na foto 12, o tróleibus em questão deve ser dos anos 1960 ou 1970, mas a pintura é do começo dos anos 1980, por causa de um modelo mais recente de elétricos colocados em circulação na época.

    Reply
  • Rodrigo RdS 08/01/2016 at 14:27

    O que é esse onibus Thamco Fofão!! Não sabia que SP tinha onibus de 2 andares! Em Curitba esse tipo de onibus é usado como linha turismo! E fora que ajudaria na questão de onibus lotados!!

    Reply
    • Renato Marques 10/01/2016 at 17:33

      Boa tarde, Rodrigo. A cidade de São Paulo teve ônibus de dois andares, mas foram desativados
      já há mais de 20 anos. Não sei o motivo da extinção desses ônibus, Mas era muito legal. Lembrava
      Londres…

      Reply
      • Rodrigo RdS 11/01/2016 at 14:44

        É uma pena. Sem dúvida, além de ser legal, ajudaria a comportar melhor a quantidade de passageiros e poderia ser utilizado em alguma linha turística, como ocorre em várias cidades do mundo.

        Reply
  • Edison Carvalho 14/02/2016 at 20:56

    E os Alfa Romeo-CICA da CMTC, linhas 36 e 36 A ligados à garagem G7 da Vila Leopoldina……….?????!!!!!!

    Reply
  • Elisabete Feitoza 23/04/2016 at 21:49

    Me emocionei vendo ônibus elétricos do Mandaqui e Tucuruvi, faltou o Santa Terezinha, que saia da Casper Líbero…. Lembro até hoje dos pasteis que comia, maravilhosos, no antigo Lgo da Batata, no ponto final do Mandaqui….

    Reply
  • Lucia Eliza 28/04/2016 at 11:37

    Adorei a foto-reportagem!!! Fiquei com saudades dos CMTCs azuis da Av. Paulista, que usei tanto – lotados às 06:00 da tarde. O tempo é engraçado às vezes, me faz ter saudades até dos apertos.

    Reply
  • Celso 25/05/2016 at 17:41

    Ótimo trabalho

    A matéria traz uma reflexão sobre a memória afetiva, as lembranças da infância que guardamos e acaba fazendo nascer em cada um o amor pela cidade. Inexplicavelmente porém, muitos dos nossos governantes ignoram que as cidades tem uma história a ser preservada. Por exemplo, ninguém sabe porque a sigla CMTC foi extinta e substituída por ‘SPTrans’. Se era para designar a empresa urbana de transporte coletivo, por que mudar o nome?

    Outro exemplo é a CPTM, sigla que baniu do noticiário a saudosa Fepasa. Esse nome consta até em paródia feita pelos Demônios da Garoa em uma propaganda do sistema de trens urbanos de São Paulo.

    O complexo penitenciário do Carandiru foi demolido para dar lugar a um parque. Só que na hora do nome, alguém teve a infeliz ideia de rebatizá-lo de um insípido ‘Parque da Juventude’ em vez de Parque do Carandiru como seria natural. Ainda bem que a estação do metrô manteve o nome, preservando a história.

    Por falar em metrô, a Cia. do Metropolitano de São Paulo era uma referência de valorização da memória da cidade ao batizar estações com nomes de significado histórico para o lugar onde estava inserida. Porém, de um tempo para cá virou moda batizar estações com dois nomes. Assim surgiram as estações Corínthians-Itaquera, Trianon-Masp, Higienópolis-Mackenzie, etc. A pérola máxima é a estação Sumaré, rebatizada de Sumaré-Santuário N.Sa. de Fátima. Embora qualquer católico saiba que o Santuário de Fátima fica na cidade de mesmo nome em Portugal e jamais sairá de lá, o metrô resolveu copiar e colar o nome mundialmente famosos só para causar confusão nos usuários.

    Pode não parecer mas é uma questão relevante. Teve até um vereador (cujo nome faço questão de esquecer) que sugeriu a mudança de nome do Viaduto do Chá. Por pouco não conseguiu. Já pensou?

    Reply
  • Beto Pontes 19/09/2016 at 01:04

    Segundo algumas fontes que encontrei online, a foto numero 6 – VIAÇÃO U.T.I.L – BARRA FUNDA, foi feita na Praça da Árvore em 1967 … Fui verificar e o local realmente confere, a data deve ser por volta de 1967 mesmo por causa das roupas usadas pelas pessoas que aparecem na foto e outros itens, carros, lojas etc

    Reply
  • Nelson Goncalves 13/10/2016 at 23:53

    Otimo artigo, parabens Douglas. Gostaria de lembrar que o Fofao, dos tempos do Janio tambem era conhecido como Dose Dupla, por razoes obvias. Estou buscando o nome de uma empresa de Sto Andre dos anos 70 de onibus de luxo que fazia todo ABC e ia para o Rio. O que me chamava atençao era o design de uma mulher de cabelos longos, somente da cintura pra cima, tanto dos lados como na trazeira do onibus. A minha linha favorita sempre foi Viaçao Piracicabana. Abç, Nelson

    Reply
  • janderson 19/01/2017 at 21:39

    nossa bela recordação. acompanhava muito a linha 175 P, edu chaves x ana rosa, minha avô morava muito próx.do ponto final. lembro até dos números dos ônibus, quando criança até uns 12 anos fazia as anotações dos números de cada carro e horário kk espécie de fiscal. naquela época o trajeto levava 1h40m kkk.

    Reply
  • Adriano 27/02/2017 at 22:43

    Muito bom o conteúdo. Ônibus que me marcou foram os chassis: Caio Vitória e Alpha. Sob o capo Mercedes e VW. Linha 8594/10 Cidade d Abril – Praça Ramos

    Reply
  • Silvio Augusto Neves 15/03/2017 at 18:51

    A foto do ACLO é do Rio de Janeiro

    Reply
  • william 08/09/2017 at 17:13

    A linha 5318-10 do ônibus nº 10 ainda existe com outro nome, chácara santana/praça da sé. Regularmente uso para ir ao centro.

    Reply
  • MARCELO LUCAS 21/04/2018 at 19:01

    Amigo, não preciso andar de ônibus mas confesso que vejo uma novidade quero conhecer. Foi o caso dos scania k270 da Santa Brígida. O ônibus que me marcou foi o saudoso trovão azul marcopolo scania. Conheci e me apaixonei logo que começou a circular na linha 6500 term Sto Amaro, Bandeira. Foi procurando por ele que cheguei no seu blog. Como deve percebido, sou fã dos ônibus e caminhões scania. Abs

    Reply

Comunicado importante aos leitores e leitoras do São Paulo Antiga

Neste momento estou enfrentando um período de muitas dificuldades para manter o site no ar, com a possível saída de nosso patrocinador institucional.

 

Preciso da sua colaboração para que o site não encerre suas atividades em 1 de julho de 2018.

 

Faça uma doação ou assinatura mensal no site São Paulo Antiga, através da plataforma APOIA.SE

 

Desde já muito agradecido,

Douglas Nascimento, autor e editor