Artigos

A história do Termo-Rey®

Comments (14)
  1. Clarice Spoladore Ferreira dos Reis disse:

    Ah, parece q fui abrir o guarda-louças e escolher umas peças pra servir o almoço… Minha mãe achava tudo isso muito lindo e forte!!

  2. Fernando Teixeira da Silva disse:

    Nasci no bairro de Vila Maria zona norte da capital em 1945, e não tinha como não conhecer essa grande empresa que é Nadir Figueiredo, e não adquirir alguns de seus produtos . No início da década de setenta comprei exatamente o jogo de louças Termo-Rey completo idêntico ao da primeira foto. Boas lembranças

  3. Lindas loucas! Por qaui só conhecemos um modelo. Mas há uma variedade muito bonita!

  4. Vanderlei Antonio Zago disse:

    Carambaaaa! Tivemos delas também, à muito tempo. Bela reportagem!!!

  5. Jorge Roberto Coelho Ferreira disse:

    Em casa sempre tínhamos esse tipo de utensílio, até hoje ainda há uma ou outra peça por aqui. É engraçado que até hoje, para quem tem mais de quarenta anos,. qualquer tigela de vidro ou de louça é um “pyrex”

  6. Joao Alberto Fernandes disse:

    Que saudade…Minha mãe ainda tem uma travessa…

  7. Luciano disse:

    MInha madrinha tem até hoje aquele modelo com os desenhos laranja, que olhando bem de longe parecem formigas… hehehe, eu quando criança e ficava na casa da madrinha, falava… o prato com as formigas de mãos dadas.

  8. Zóe Sgarbi disse:

    Adorei esta matéria. É muito agradável voltar ao passado para ver coisas tão bonitas e úteis. A gente não entende como produtos tão interessantes acabam morrendo. Nem o por que da fábrica ter encerrado as atividades. Foi muito gratificante ver as imagens e relembrar os produtos.

  9. Gabriel disse:

    Tenho um jogo de xícaras da Termo-Rey! Minha vó tem algumas travessas. Uso as xícaras até hoje!

  10. Denis Martinho disse:

    Gláucia, a matéria ficou ótima!! Parabéns!!

  11. Nil disse:

    Parabéns pela matéria, um excelente tema para quem ama antiguidades. Tenho um jogo Colorex, comprei num antiquário. Termo Rey ainda não consegui. Ah, e se não for em xícaras o cafezinho, para mim, não é completo…

  12. Rafael disse:

    Taí algo em que não pensei mais há anos! A minha avó teve uma tigela igual àquela com a faixa quadriculada. Tempos de criança, de bolo feito à tarde, e com direito à colher “pão duro” para lamber rs.

  13. Alexandre disse:

    como sobrevivemos à tanta cafonice? eram simplesmente horríveis, apesar de muito práticos

  14. Daniel Pardo disse:

    Minha bisavó tinha pratos iguais aos da primeira foto que abre a matéria, lembro que quando moleque a gente comia macarronada neles.

Deixe uma resposta

Publicidade:

SP ANTIGOS

Nosso Instagram: @saopauloantiga
Something is wrong. Response takes too long or there is JS error. Press Ctrl+Shift+J or Cmd+Shift+J on a Mac.