Nos últimos meses o noticiário paulistano vem sendo tomado por uma série de reportagens sobre trágicos acidentes automobilísticos envolvendo carros e pedestres. São acidentes que revelam a imprudência ao volante com carros caros e sofisticados como Porsches, Camaros e afins.

A impressão que se passa é que acidentes deste tipo são um fenômeno recente nas ruas da cidade, mas isso não é verdade. Fizemos uma pesquisa aqui em nosso acervo e pudemos constatar que acidentes de trânsito e imprudência ao volante é um problema não só antigo como difícil de ser resolvido pelas autoridades atuais e do passado. Voltamos 100 anos no tempo e fizemos uma pequena seleção de acidentes de trânsito com ou sem vítimas fatais que marcaram a São Paulo de outrora.  Confira alguns destes casos em fotografias inéditas!

1911 – O Acidente do Conde Matarazzo:

Se hoje ter um carro é algo que está fácil para a grande maioria dos paulistanos, com financiamentos e ofertas imperdíveis, no início do século XX ter um veículo motorizado não era exatamente algo muito acessível. Mas para o Conde Francisco Matarazzo isso não era um problema. Mas problema mesmo foi o acidente que ele sofreu ao perder o controle de seu carro há exatos 100 anos, em 1911, em uma estrada que ligava o interior à capital. O carro regressou para São Paulo rebocado e parcialmente destruído.

1925 – A mulher que perdeu a direção:

Esta fotografia infelizmente não tem muitas informações, mas vale o registro. Em 1925 uma mulher estava dirigindo o veículo da foto quando por alguma razão perdeu o controle da direção e foi direto bater na entrada da Fábrica de Móveis Mauro Martino, na rua da Consolação. Apesar de uma reportagem do jornal O Estado de S.Paulo à época ter ido cobrir o acidente, não há nenhuma informação sobre se houve alguma vítima fatal ou ferido grave.

1930 – Um atropelamento no meio do nada:

Esta foto pericial de 1930 que obtivemos com exclusividade, mostra um raro atropelamento na São Paulo antiga. Se hoje acidentes em ruas repletas são quase uma constante, imagine como seria difícil um atropelamento por um carro no início do século XX em uma estrada assim deserta. A foto foi tirada pela polícia para constar no inquérito e mostra o exato local de um acidente com vítima em uma estrada que ligava a capital paulista à Pirituba. Aparentemente após atropelar a vítima – que morreu – a mesma ainda foi arrastada alguns metros. As anotações na foto foram feitas pelas autoridades policiais.

1962 – Um acidente na rua do Bosque:

Um semáforo desligado e um veículo da polícia em alta velocidade foi o estopim para este acidente que envolveu 2 veículos no bairro do Bom Retiro no cruzamento da rua do Bosque com a Rua Anhanguera há quase 50 anos atrás. O jipe da polícia  (placa 29-54-00) que vinha pela rua Anhanguera colidiu com a Kombi (placa 51-64-79) que rumava para a Barra Funda pela rua do Bosque. Com a colisão, os dois carros ficaram descontrolados e foram parar somente na entrada da padaria.

1968 – Colisão de Fuscas:

Em 1968 outro acidente automobilístico no bairro do Bom Retiro. Não muito distante do local do acidente anterior, estes dois volkswagens envolveram-se nesta batida tudo porque um dos motoristas seguia a rua dos Italianos na contra mão. Note que a perícia fez questão de identificar na fotografia uma placa de direção de trânsito e o sentido da rua dos Italianos com uma seta, para mostrar a grave imprudência de um dos condutores.

1971 – Colisão na rua José Paulino:

A afamada rua do Bom Retiro para compras de roupas também já teve seus acidentes. A foto acima mostra a colisão de dois veículos, um que seguia pela José Paulino acabou colidindo com outro, um Fusca, que aparentemente estava estacionado no lado direito da rua e tinha saído sem dar indicação com a seta para entrar na rua Silva Pinto. Com a colisão o volkswagen rodou na pista e ficou no sentido contrário. As setas A e C mostram a trajetória dos dois carros até a colisão e as setas B e D o sentido das ruas.

1974 – Acidente grave na rua Prates:

A ausência de um semáforo pode causar grandes acidentes se os motoristas não tiverem prudência nos cruzamentos. Em 1974 um acidente envolvendo um Opala e um Fusca no cruzamento da rua Três Rios com rua Prates acabou resultando em um capotamento. Note que o sentido da rua Prates à época (bairro-centro) é o oposto de hoje em dia.

Acidentes nas estradas:

Descer para o litoral paulista nos anos 1920 não era algo muito rápido e nem tranquilo. A pista era sinuosa, estreita e acidentes especialmente em trechos de serra eram bastante comuns. Para alertar (e assustar) os motoristas que desciam para a baixada, a placa na foto abaixo deixava bem claro os riscos da imprudência ao volante em plena Serra do Mar na antiga rodovia São Paulo – Santos. A velocidade máxima por ali não podia ser ultrapassar 25 km/h.

Extra – Acidentes envolvendo bondes:

Acidentes envolvendo transportes coletivos também não é algo recente. A fotografia acima mostra uma foto de um acidente entre um bonde e um ônibus em 1940.O ônibus fechou o bonde em um trecho da avenida Liberdade que não conseguiu parar a tempo e acertou a traseira do coletivo.

Abaixo, mais duas outras fotografias envolvendo acidentes com bondes. A primeira nos anos 1930 quando um deles atingiu a traseira de um caminhão e a outra sem data mas que deve ser mais ou menos da mesma época de um bonde que foi atingido em cheio na sua lateral pelo extinto trem da Cantareira e que deixou alguns feridos.

Acidentes existem desde que os carros entraram em nosso cotidiano. Precisamos de uma legislação mais eficiente com penas mais duras e eficazes.

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

JOIN THE DISCUSSION

Comments

  • Agronopolos 14/10/2011 at 15:14

    Não temos imagens do acidente entre um elefante e um bonde em 1929?

    Reply
    • Marcus 27/02/2012 at 10:08

      Apenas a título de curiosidade. Não me lembro do nome do Circo, mas o elefante da trombada se chamava Eli.

      Reply
  • Alexandre Giesbrecht 14/10/2011 at 15:27

    No caso do acidente na Zepa, acho que a legenda das setas está trocada. As setas A e B indicam os sentidos das ruas, e as setas C e D indicam os trajetos dos veículos. É que o “a” que usaram parece mais um “d”, e vice-versa.

    Reply
  • Rosana Bacarini 17/10/2011 at 14:12

    Parabéns,
    São Paulo antiga cada vez melhor.

    Reply
  • Ariane Corral 19/10/2011 at 19:07

    Nossa Douglas, adorei a matéria!!! Esse é o diferencial do SPa!!! Onde consegue as fontes??? Kkk…

    Reply
  • paulo henrique moreira 31/12/2011 at 23:14

    esse opala do acidente da rua prates ainda é de propriedade da minha familia , passou do meu tio para mim , ainda todo original só ostenta de diferente uma placa preta cop-1973 … eu devia ter uns 6 anos e estava no carro nesse acidente o opala era quase 0 nessa epoca… tinha alguns meses de uso . se quizerem tenho fotos para scanear do opala após esse acidente com meu tio ainda e hoje em dia

    Reply
    • André Tezzei 09/03/2012 at 02:21

      gostaria muito de ver essas fotos Paulo, achei interessante e gosto muito de carros antigos. Abç!

      Reply
    • Abelardo Westrup 27/11/2014 at 09:44

      Também achei interessante essa história. Manda fotos dele atualmente. Pra ostentar placas pretas, com certeza tá lindo.

      Reply
    • Pardo 15/02/2015 at 22:14

      Colega, essas listras do Opala já saíram com ele, ou o seu tio que pôs na época??

      Reply
      • Pardo 15/02/2015 at 22:16

        Pergunto isso porque, apesar de ele estar parecido com um SS, ele aparenta ser um 4 cilindros.

        Reply
  • marco aurelio de souza 28/01/2012 at 10:07

    parabens pelos posts.Excelente site!

    Reply
  • vanderlei 18/02/2012 at 10:13

    Estas imagens antigas de Sp fazem a gente “viajar” no tempo!Muito obrigado!

    Reply
  • nelson 18/02/2012 at 22:41

    vou inventar uma maquina do tempo só pra ver como era na antiga sao paulo

    Reply
    • André Tezzei 09/03/2012 at 02:22

      eu vou junto! rs

      Reply
    • Pissarra, Rodrigo 26/11/2012 at 23:35

      As viagens no tempo somente são possíveis para o futuro, não sendo possível retroceder.

      Reply
    • francisco moura 31/12/2012 at 17:29

      QUANDO INVENTAR ESTA MAQUINA VOU PARA OS ANOS 50
      E NAO VOLTO MAIS
      NAQUELE TEMPO SE PODIA ANDAR A NOITE NA RUA SEM MEDO
      DA POLICIA NEM DO BANDIDO

      Reply
    • vital francisco oliveira 05/03/2013 at 18:16

      eu quero ir tambem,curto muito,apesar de nacer em são paulo e trabalhei na extinta CMTC ,muitas saudades……….

      Reply
    • suela soares 07/04/2013 at 18:59

      eu tambem vou adoro ver casaroes antigos ruas e tudo que fala de antigamente

      Reply
  • Ricardo 01/04/2012 at 01:00

    Gostei das fotos, mas gostaria de fazer uma observação…na terceira foto, consta um raro atropelamento em 1930 em uma via que ligava a capital à Pirituba, mas gostaria de frisar que PIRITUBA JÁ FAZIA PARTE DA CAPITAL mesmo à época dos fatos.
    Pode parecer ridícula a observação, mas em pleno século XXI, muitos paulistanos ainda acham que Pirituba não pertence à capital (não que necessariamente essa seja a impressão do autor do site).
    Parabéns pelas fotos e pelas valiosas informações
    Ricardo (Lógico, de Pirituba)

    Reply
  • Móveis de Escritório 29/10/2012 at 11:41

    Que material diversificado e rico. Nunca tinha visto tais imagens.
    Elas nos mostram uma São Paulo bem diferente, até no trânsito.

    Reply
  • Pissarra, Rodrigo 26/11/2012 at 23:38

    É possível perceber como os veículos daquela época tinham melhor qualidade construtiva, porque mesmo no acidente entre o trem e o bonde, percebe-se que a estrutura do bonde permanece quase intacta. O mesmo se vê em outras fotografias, como as dos bondes com o caminhão e o coletivo.

    Reply
  • Adeyllton 10/04/2013 at 08:09

    Essa época, é muito legal.Essas imagens nos fazem pensar de come era legal antigamente, não pelos assidentes e sim pelo carros mais fortes e pela beleza em São Paulo…

    Reply
  • GUILERME SALLES DE CAMPOS 06/06/2013 at 19:30

    muito bom!

    Reply
  • criação de loja virtual 14/08/2013 at 15:33

    Adorei a matéria. Principalmente as fotos. São fantásticas. Parabéns pelo artigo!

    Reply
  • José Carlos 01/02/2014 at 11:28

    Não existe coisa melhor que boas recordações, obrigado por essas.

    Reply
  • samuel 20/02/2014 at 18:32

    Parabéns pelo site, gostei muito.

    Reply
  • Sandra Cruz 28/09/2014 at 18:50

    Douglas esse post vem exatamente de encontro o que tenho visto. Nada mudou se procurarmos as noticias são as mesmas só mudam os personagens. Como estou fazendo pesquisa genealógica e procurando na biblioteca do arquivo nacional me deparo com noticias muito atuais. É muito interessante ler isso. Uma das noticias mais engraçadas que li outro dia em um jornal que não me lembro qual da década de 1890 no rio de janeiro. Uma carroça foi autuada por que estava andando na contramão. E em outra notícia alguém tinha sido autuado por ter abalroado uma carroça ou vice versa. Ou seja…. as noticias são as mesmas. Abraços voce sabe que sou fa do sao paulo antiga.

    Reply
  • Pardo 15/02/2015 at 22:11

    Caboclo “Bração” existe desde que foi inventado o primeiro automóvel…

    Reply
  • Rodrigo 10/03/2015 at 08:57

    Parabéns pela pesquisa! Só para constar, uma curiosidade, o sentido da rua Barra do Tibagi na foto antiga (acidente dos fuscas) é invertido em relação ao atual.

    Deduzi isso pela localização da padaria Lar do Bom Retiro, que descendo a Barra do tibagi fica na esquina com a Italianos, mas do lado esquerdo.

    A padaria ainda existe, mas mudou de nome e o prédio foi todo reformado há alguns anos (há muitas décadas aquele imóvel nunca deixou de ser padaria, apesar de o ponto ter sido passado algumas vezes desde a fundação, na década de 1950 ou 60).

    Reply
    • Mitsu 11/03/2016 at 20:30

      A Padaria e Confeitaria Lar do Bom Retiro, foi inaugurado na década de 60, fui na sua inauguração. Antes da padaria nesta esquina ficava o Bar do Ribatejo (e na esquina oposta era o Bar do Borelli). No final da década de 60 e início de 70, nossa turma se encontrava na padaria diariamente até altas horas. Erámos a Turma da Padaria.

      Reply
  • Leopoldo Luis Corbett Saul 19/03/2015 at 18:46

    Parabéns,Douglas,pela reportagem.Está ótima.Só faço uma ressalva.Na foto que retrata o acidente da rua José Paulino,a data está incorreta.Observe que o modelo de Ford Corcel que aparece batido no poste,só foi lançado,dois anos após a data que consta na identificação da foto.Isto é,em 1973.Vai daí que,tal acidente,não poderia ter ocorrido em 1971.Mas,tua postagem,leva nota 9,9.Só não leva 10,por conta deste equívoco.Fraterno abraço,Douglas.

    Reply
    • Douglas Nascimento 20/03/2015 at 10:06

      Bem observado Leopoldo, vou retificar! Abraços

      Reply
  • Cristiane Tullii 24/08/2015 at 18:24

    Seu trabalho é espetacular. Esta rua que está sendo indicada na “Colisão dos fuscas” é a que eu tanto procuro “Barra do Tibagi”, onde havia uma eletro-metalúrgica do meu avô! Teria mais fotos desta rua???

    Reply

Comunicado importante aos leitores e leitoras do São Paulo Antiga

Neste momento estou enfrentando um período de muitas dificuldades para manter o site no ar, com a possível saída de nosso patrocinador institucional.

 

Preciso da sua colaboração para que o site não encerre suas atividades em 1 de julho de 2018.

 

Faça uma doação ou assinatura mensal no site São Paulo Antiga, através da plataforma APOIA.SE

 

Desde já muito agradecido,

Douglas Nascimento, autor e editor