Bairros / Cidades / Demolidos / Fábricas / Imóveis Antigos / Mooca / São Paulo / Tipo / Zona Leste / Zonas

Açúcar União

Clique para ampliar

Localizado na rua Borges de Figueiredo no bairro da Mooca, o antigo prédio da Refino de Açúcar União hoje encontra-se abandonado e parcialmente destruído. Seu futuro segue indefinido e repleto de incertezas. Em um dos edifícios que compõe o antigo complexo industrial, nota-se que o teto desabou ou foi removido. Na imagem acima, vemos que o logotipo do Açúcar União foi removido, mas as marcas ficaram e são um registro quase arqueológico do que antes foi o local.

Antiga publicidade do Açúcar União

Atualização 12/12/2009
Exatos seis meses depois do Açúcar União ter sido cadastrado aqui no São Paulo Abandonada, todo o complexo foi demolido restando apenas uma chaminé. A foto abaixo tirada de um prédio residencial em frente a União mostra a demolição já pela metade, confiram:

A demolição em fase avançada.

Mais uma indústria de São Paulo sucumbiu para dar lugar a novos empreendimentos imobiliários. Nesta mesma rua, ao lado desta fábrica, chegou a funcionar também a fábrica de brinquedos Glasslite e até hoje ainda funciona a deliciosa confeitaria Di Cunto.

Veja mais fotos do Açúcar União antes da demolição (clique na miniatura para ampliar):

Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento

Veja mais fotos do Açúcar União depois da demolição (clique na miniatura para ampliar):

Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento

Confira o local através do mapa:

Visualizar São Paulo Antiga em um mapa maior

68 Comentarios

  1. Elizabeth Florido says:

    A fábrica viu seus produtos fragmentados em duas outras empresas, Sara Lee e Nova América Alimentos. Da UNião, mal restou o nome que parece um fantasma a se contrapor à pichação presente como praga na cidade.
    Pedimos ao DPH que faça o tombamento da chaminé. Parece que virá uma Universidade (Unip). Deveriam ter o compromisso de resgatar essa história fantástica da Companhia União dos Refinadores (C.U.R.).

    • flavia says:

      Atualmente a marca UNIÃO pertence a COSAN, pois a nova america a vendeu..

    • A COSTA says:

      È MUITO TRISTE SABER QUE UMA FÁBRICA DESSA NÃO EXITE MAIS.
      O MAIS TRISTE É QUE TRABALHEI NO GRUPO POR 8 ANOS.

      • Tbm trabalhei,como demonstradora no nos 80, saudades das amigas

        • Daniel gomes Muniz says:

          Olá Deise, você teria algo promocional daquela época?

          Pois estou fazendo um trabalho na faculdade sobre os anos 80 e meu produto ficou o açucar união

    • POXA!! EM 1988 EU TRABALHA COMO BOY ,NA CONTINENTAL 2001,QUE FICA NA MESMA RUA E PASSAVA DE MANHÃ E SENTIA O CHEIRINHO DO REFINO DE AÇUCAR E AS ABELHAS FAZIAM COMEIAS NAS GRADES DAS JANELAS,VOLTADAS PARA A BORGES DE FIGUEIREDO,QUE SAUDADES!!!!

  2. Pingback: Antarctica Paulista | São Paulo Abandonada

  3. Eliana Lucania says:

    Consultando o site da PMSP no ícone CIT-Tomabamento pude verificar que ja existe este processo de tombamento da Chamine e que qq alteração deve ser solicitada ao COMPRESP. Qq.Modificação por menor q seja deve ser denunciada ao COMPRESP.

  4. Claudio Bassi Elias says:

    Infelizmente , fora a chaminé, nada mais existe. Já foi tudo para o chão. Esperamos que a chaminé seja preservada.

  5. Fernando says:

    Infelizmente isso está não é a unica fabrida da União abandonada, em Limeira-SP, se encontra outro predio da empresa nesta situação

  6. RUBENS ROSA says:

    TRABALHEI NO AÇUCAR UNIÃO, LEVEI UM SUSTO QUANDO VI AS FOTOS, NÃO SEI QUAL FOI O MOTIVO DA EXTINÇÃO DA MESMA, PROVAVELMENTE FOI POLITICA INTERNA COM A COPERSUCAR, POIS NA MINHA ÉPOCA JÁ EXISTIA. A UNIÃO TINHA UM MUSEU QUE TINHA O 1º KILO DE AÇUCAR PRODUZIDO, O AÇUCAR DURANTE A 2ª GUERRA MUNDIAL POIS ÉRA RACIONADO TUDO, MAS DEVE TER SIDO TUDO DESTRUIDO, A GANÂNCIA PELO DINHEIRO ACABOU COM A UNIÃO E ASSIM SERÁ OUTRAS EMPRESAS.

    • débora says:

      Oi rubens vc trab em q ano ? pois procuro meu pai q trab la em 1980 de caminhoneiro chamava-se Raimundo se tiver algo q possa me ajudar entre em conato

    • A COSTA says:

      Rubens,

      Também trabalhei lá.
      É muito triste saber que uma empresa deste porte chegou onde chegou.

  7. Rafael Ramos says:

    Acho que a chaminé vai cair em poucos dias, pois só tem ela de pé. Não sei o que farão no local, mas derrubaram praticamente o quarteirão inteiro. Lembro que minha avó tinha um bar em frente a Gláslite muito próximo a esse local e que quando pivete adorava passar por essa região para sentir o cheiro do café que exalava de dentro dessas paredes.

  8. Niderce Teresa says:

    Trabalhei na Glasslite, que era ao lado do Açucar União em 1982. Era uma rua bastante movimentada principalmente por transeuntes, que iam aos seus trabalhos.
    E o cheirinho do café ia longe, da Rua da Moóca sentia-se aquele aroma que por si só já fazia propaganda da empresa.
    Mas, pelo que vejo tudo terminou, agora somente saudades e um prédio praticamente destruído.

    Niderce Teresa

  9. andrea says:

    mais um simbolo de são paulo que virou pó… até quando vamos deixar nossa história ser jogada em caçambas de caminhão

  10. Atualizamos este artigo.

    A fábrica foi completamente demolida. Convidamos vocês a voltarem no artigo e verem 7 novas fotos do local.

    RIP União.

  11. é amigos infelizmente a memória do bairro está indo embora,agora que as incorporadoras descobriram o potencial ecônomico existente na mooca tudo por aqui está sendo derrubado,galpões,casas lindas,prédios velhos,enfim tudo virou pó.
    onde éra a união em breve deverá sair um condominio de apartamentos de alto padrão,segundo infomações que trocamos entre corretores imobiliários amigos.
    e onde éra a última fábrica da glasslite próximo á rua fernando falcão tudo já foi derrubado e um condominio de aptos será erguido em breve.
    realmente é triste ver a menória do bairro se esvaindo em poeira desta forma,alguns imóveis deveriam ser destinados a centros de cultura para o povo principalmente o do bairro,muito embora os moradores antigos ou morrerem ou mudaram,pois o contingente novo agora na mooca é emorme.
    abraços a todos

    • Karin Peixoto says:

      Concordo plenamente com o Alessandro, eu também sou moquence e muitas vezes na minha infancia passei pela rua da fabrica da União e sentia aquele cheiro de café que invadia toda a rua!
      A mooca esta tornando-se uma Higienopolis, cheia de condominios com preidios de Alto Padrão habitado por pessoas que se quer sabem o que foi a nossa maravilhosa Mooca dos Imigrantes.

      • Andrea says:

        É verdade Karin!

        Nasci e morei na Mooca por 38 anos. Há menos de 1 ano moro em Higienópolis e é muito triste perceber que o futuro da Mooca é muito próximo ao que aconteceu com o Bairro de Higienópolis. As pessoas idosas vão falecendo e seus filhos/netos não tem a preocupação de perceber/viver/aprender o que foi o bairro. Estes herdam os imóveis e sem condições de mantê-los – ou até mesmo condiçoes de fazer inventário – acabam por vender e assim vai embora a NOSSA história. Criei o hábito (por ser arquiteta) de andar com 1 máquina fotográfica e sempre que vejo uma raridade ou uma tristeza dessas, eu as retrato. Foi uma maneira que achei de manter vivo em mim o que, ainda, há de belo em nossa cidade!!!!

  12. Douglas, sou um admirador do trabalho que está fazendo e graças a sua iniciativa foi possível ter registro desta fábrica que teve importância grande para esta cidade. Se não fosse isso, não haveriam fotos recentes do que sobrou do prédio da União. Mais uma vez parabéns e vamos torcer para pelos menos a chaminé se conserve.

  13. Parabéns pelo trabalho de vcs. Lamentável o que vemos ser feito na nossa cidade, cresci na região belém/mooca/tatuapé e eh lamentável ver as inúmeras empresas que abandonaram a região tanto por problemas financeiros como por busca de incentivos fiscais, a região faz parte do meu trajeto para o trabalho e o que vemos são milhares de edificios sendo levantados, sem nenhuma preservação da história anterior, soh citando alguns para relembrar. Tatuapé: Philco, Douglas Radioelétrica. Belém: Vicunha (era um prédio maravilhoso), Correias (agora esqueci o nome), na rua Cajuru (já demolido). Mooca: na Rua Taquari, foram muitos entre eles Elizabeth (já virou prédio). Bresser: Staroup

  14. MARIA DA GRACA PEREIRA says:

    INFELIZMENTE VEMOS ESSE TIPO DE DEMOLIÇAO, MAS DEVEMOS PENSAR QUE É MELHOR O BAIRRO CRESCER, PROGREDIR COM NOVOS PREDIOS, ONDE PESSOAS VAO HABITAR E RUAS VAO SER TRANSITADAS DO QUE FICAR UM MONTE DE CASAROES ABANDONADOS, SEM NENHUMA FINALIDADE E COM ISSO COLOCANDO EM RISCO A SEGURANÇA DE PESSOAS QUE TRANSITAM NESSAS RUAS, PROXIMO DA FABRICA EXISTE A ESTAÇAO DE TREM DA MOOCA, EU MORO EM FRENTE E É MUITO PERIGOSO ESSA RUA SEM HABITAÇAO.

  15. joão batista armendani says:

    Hoje me deparei com algo inacreditável,talvez mais um descaso com patrimônios,que de certa forma faz parte da história do nosso país: tamanha importância que ainda há com o mesmo ( UNIÃO ) infelizmente lá se vão mais uma e outra assim por diante ,digo isto porque ambiente de trabalho é nossa segunda casa ,bom sou ex funcionário acho que dos mais recentes ; enfim restam lembranças e amizades o que depende de nós é isto!

  16. matheus says:

    A Mooca está para se tornar mais um bairro frívolo de São Paulo, sendo que sua história e construções importantes estão sumindo pouco a pouco, dando lugar a empreendimentos imobiliários, esquecendo seu passado, atropelando-o e o enterrando sobre toneladas de concreto. Claro que não se pode fazer muita coisa qundo a culpa pelo abandono se deve a problemas internos de uma empresa, principalmente se esta vai à falência. Mas muitas indústrias ainda continuariam em SP se não fossem cobrados impostos tão altos.

  17. Valeska Santana says:

    eU TAMBÉM TRABALHEI DURANTE 8 ANOS , E ESTOU PERPLEXA PELO ACONTECIDO, PORQUE FIZERAM ISTO , A FABRICA ERA O CARTÃO POSTAL DA MOOCA, E PRA ONDE FOI , ESTA FUNCIONANDO AONDE.

  18. Fernanda Poltronieri Ferraz says:

    oi ,preciso de um número de contato da empresa para eu pegar um número de documento,pois trabalhei na empresa anos atrás e hj preciso dassa informação.

  19. oi, trabalhei anos atraz nesta firma, e preciso um comprovante de tempo de trabalho para aposentadoria.

  20. Maria Paula Del Bianco says:

    Que pena! Apenas uma chaminé restou dentre tantas outras que já existem.Essa chaminé da Indústria União era especial.O perfume do café torrado invadia nossas casas,tomava conta do olfato dos passageiros dos trens.O aroma era a certeza de que a Mooca estava viva.

  21. FIORAVANTI says:

    trabalhei de office-boy em 80 na irmaos borlenghi ltda
    na rua inacio araujo(metro bresser)antiga estaçao trem CLEMENTE FALCAO lembro me que levava malote na ACUCAR UNIAO (FABRICA-MOOCA) a pé pois era contra mao e tomava cafe com biscoito no escritorio da fabrica,bons tempos aquele o meu pai foi motorista na borlenghi por isso trabalhe la pegava o tren em sao miguel e descia no bras la na rua do HIPODROMO tinha a fabrica das INDUSTRIAS REUNIDAS IRMAOS SPINA hoje demolida tbm vao construir condominios.valeu pessoal abçs FIORAVANTI

  22. Trabalhei na União em Limeira, mas lembro nos anos 90 de vir até a Moóca. Era uma grande Cia, com grandes profissionais, bons salários, era uma empresa privada com regalias de estatal. Mas como tinha vários donos, ninguém deu valor. Em Limeira também esta tudo abandonado, mas por enquanto não derrubaram nada. Hoje moro em SP e quando passo pela Móoca me recordo daqueles tempos bons, vou guardar as fotos.

  23. Luiz Antonio Bottecchia says:

    Também trabalhei na Mooca, na União, de 1965 (com 14 anos) a 1971 e lembro do Sr. RUBENS ROSA. Eu era Office-Boy na Secção Mecanizada IBM-CUR. Sr. Rubens responda no meu e-mail. agradeço. Abraço. 12 12 2011

    • cesar melo teixeira says:

      ola,o senhor lembra do Liberal que era soldador?

    • Nestor de Ramos says:

      Luiz,
      Boa Tarde,
      Trabalhamos juntos na CUR- União.Eu no departamento do pessoal, com Sr.José de Souza, Leonel de Paula, Raphael Armando Escrivani, Geraldo Alemi, Neylor Rodrigues Costa, Godofredo Leal da Costa Bandeira, Edenir Mastranjo, Joel Boucher, Moacir Berber Diz, Sakae Kojima, Rosangela Vieira de Aguiar, Nestor Ramos (que sou eu), e Cecílio Alvares da Cunha. Lembra-se de nosso tempo:
      Luiz (CPD), Armando Pisani Filho office boy da Diretoria, eu do Departamento Pessoal, Gilberto D”Onofrio, Sergio ofice boy do Depto de Transportes, Lembra-se do Sampaio (Arquivo) que vendia malhas, camisas?? Dona Inocência..rs rs Pessoal muito legal.

  24. Neuza matos says:

    Trabalhei muitos anos nesta empresa de 1981 a 1990,aqui em porto alegre rs,era uma das melhores empresas que tinha,sai quando fecharam o deposito daqui,fui demonstradora,fiquei muito triste quando se extinguiu,gostaria de encontrar meus colegas da epoca,meu face eo mesmo do e-mail.

  25. Janaina says:

    Há uns 10 anos atrás costumava sair para dançar e voltar quando o dia estava amanhecendo, o ônibus que me levava de volta pra casa passava em frente à União e o cheirinho delicioso de café que vinha da fábrica me deixava louca de vontade de chegar em casa logo e saborear o cafezinho da minha mãe. Agora, como todos sabem está sendo construído mais um empreendimento de luxo de nome “Luzes da Mooca”. Saudades do cheirinho de café…

  26. A COSTA says:

    Meus amigos,

    Trabalhei no grupo Copersucar (Refinaria Piedade RJ), frequentei muito a empresa na MOOCA á serviço.
    Lembro dos meus colegas, Marcos Barbarini, Ronaldo, Mario Sérgio.
    Fico triste ao ver estas fotos.

    • OLA TUSO BEM !
      TB TRABALHEI NA UNIAO NO CPD , QUEM IA MUITO DO RIO PARA O CPD ERA O JUNIOR DA CONTABILIDADE VC TRABALHOU COM ELE . EU TRABALHEI COM O TEODORO DO CPD , CONHECI O BARBARINI E O RONALDO .
      MANDA NOTICIAS
      ABRACOS

      • Paulo Cazé says:

        Luza,
        também trabalhei entre os anos de 1988 a 1997. Conheci o Barbarine e o ronaldo gomes. O Ronaldo foi meu colega de trabalho no DP, somente depois é que ele foi pro CPD.
        abraços

  27. jorge souza says:

    olá,amigos trabalhei na companhia união de limeira por 12 anos,aqui a fabrica continua de pé mas abandonada.quando passamos pela marginal ao lado da empresa podemos ver buracos nas laterais do predio onde tiraram os equipamentos e maquinarios; dá tristeza de olhar.
    Um abraços a todos,fiquem com deus!

  28. REXLION says:

    Boa tarde a todos! Li este artigo e fiquei muito interessada, pois a empresa Açúcar União tinha uma de suas fábricas aqui no Rio, onde moro, na Zona Norte. A área era , nos idos do início do século XX, umdepósito de bananas. E por volta da década 40(não tenho bem certeza…), o terreno foi comprado pelas famílias pernambucanas e paulistas donas dos canaviais e, conseqüentemente,produtoras açucareiras.Lá começou, então, a funcionar a empresa chamada, na época, Açúcar Neve e que mais tarde, passou a ser chamada de Açucar União(inicialmente era usia da aç~ucar que na região era conhecida popularmente como “açucarina” ; posteriormente. tornou-se um armazém ou de açúcar; algum tempo depois, só funcionava como uma espécie de depósito de materiais da empresa). A empresa faliu ou foi vendida nos anos 80 e o prédio ficou décadas fechado até que colocaram na fachada o aviso de “vende-se” e o telefone tinha o prefixo de São Paulo. Pois bem, este prédio foi invadido e criou-se uma favela , bem na época que o Senhor Verador do PT JORGE BABU , ACUSADO, DENTRE VÁRIOS CRIMES, DE PROMOVER E SE BENEFICIAR DE ESQUEMAS DE INVASÕES NO MEIO URBANO CARIOCA–FAVELIZANDO, CADA VEZ MAIS A CIDADE! …E A MINHA PROPOSTA DE SE CRIAR UM MUSEU DO AÇÚCAR FOI POR ÁGUA ABAIXO!Fiz várias queixas (PREFEITURA DO RIO, ESTADO DO RIO DE JANEIRO,)e cheguei até a escrever para a Folha de São Paulo e NADA FOI FEITO! Chego à conclusão mais uma vez que o Estado não tem interesse em preservar a nossa memória porque senão seremos conhecedores da História e, como tal, poderemos desmistificar muitas coisas e trazer á tona as verdades que A HISTÓRIA DOS VENCEDORES NOS VÊM OCULTANDO DESDE QUE PEDRO ÁLVARES CABARAL AQUI APORTOU! REXLION

  29. A COSTA O RECADO QUE MANDEI AGORA POUCO FOI PARA VC !
    MANDA NOTICIAS TA

  30. Sueli Fioroni says:

    Olá

    Trabalhei na União na época de 1991 à 1997 e sinto muita saudade de tudo, aquele cheiro forte do café sendo torrado nunca me saiu da memória e agora me deparar com estas fotos, uma empresa como União com um nome tão forte no mercado. Fiquei muito triste em ver tudo isso. Gostaria de saber se a empresa está em outro local.

    Abraços

    • Paulo Cazé says:

      olá sueli! talvez voce lembre de mim! trabalhei no período de 1988 à 1997.sou o Paulo Cazé, trabalhei no departamento Pessoal, junto com Hélio Gonçalves, Aldeny, Rosangela Aguiar (nossa chefe). Vc trabalhou em qual area?

      • antonio domingues says:

        boa tarde PAULO, preciso de uma ajuda sua companheiro se for possível trabalhei na cia. união na moóca de 1980 até 1986 estou precisando do p.p.p para efeito de aposentadoria não sei como conseguir se vc puder me ajudar fico muito grato antonio domingues

  31. Ismael Peixoto says:

    Um grande susto, uma enorme tristeza. Resolvi mostrar no google mapa a Mooca pra minha esposa e não encontrava a União. kd? onde ela esta? sumiu acabou.
    Trabalhei pouco tempo na Empressa mas foi a melhor parte e a q mais aprendi na vida, fui office boy do DVCE-VENDAS meu chefe era o VAGNER MENDES trabalhei com a CARLA P. LIGEIRO , ALEX , CLAUDIO MAGRÃO , MARCIA , SUELI , LUIZ , REINALDO VICENTE AMATO GERENTE , JOSÉ ROBERTO GAVAZZI, GUIGA , VALDIR , TANIA MARA CHIAVEGATTI , PAULINHA , entre outros , lembro do RUBINHO , ROMANO enfim de muitas pessoas que tenho certeza q tbm ficaram muito triste ao ver uma grande empresa no chão….

  32. Pessoal,a marca União foi vendida para a Copersucar e após para Nova America que vendeu para a Cosan que vendeu recentemente para a Camil.Amarca União continua no mercado com açucar refinado mas a de café esta fora do mercado por questões juridicas mas deve retornar em breve.

  33. Nesta área está sendo erguido um condomínio residencial. A incorporadora preservou apenas a chaminé. Antes a chaminé do que nada…

  34. GILBERTO GALDI says:

    TRABALHEI NA CIA. UNIÃO – COPERSUCAR DE 1971 À 1997 , É COM UMA ENORME TRISTEZA QUANDO PASSO EM FRENTE E VEJO, TUDO NO CHÃO, E NO LUGAR DE UMA GRANDE EMPRESA, ESTA SENDO ERGUIDO UM CONDOMÍNIO RESIDENCIAL E COMERCIAL, FICO MUITO TRISTE EM VER TUDO ISTO E COM MUITA SAUDADE, INCLUSIVE DOS MEUS COLEGAS .

    • Edson Crochiquia says:

      Gilberto, você era o chefe do Pool de Boys? Sou Edson e trabalhei com você entre 94 e 96, depois fui trabalhar com o Dr Aloisio e Vera , sou da época do Mauricio, Cristiano (ovomilldo), Jorge, Marcos, Fabio (meleca). Na época o gerente era o Paulo (bigode)

  35. graça lemos says:

    Severino Azevedo Malheiros,trabalhei na CIA.Uniao em 1976,gostaria de ter noticias do meu colega de trabalho Messias(mineiro),tambem fiquei muito triste com essa noticia.

    • graça lemos says:

      Meu nome e Severino Azevedo(Pernambuco),trabalhei na CIA.União em 1976,como operador de empilhadeira com Messias(mineiro) e gostaria de ter noticias dele,mando esse recado pela minha esposa Graça Lemos.Aguardo noticias.

      • graça lemos says:

        Eu(Pernambuco)) sou cunhado de Luiz Ferreira e trabalhei com o mesmo na CIA União.Ele trabalhou como auxiliar de encarregado.

  36. laura josé says:

    Ismael e amigos da UNIÃO!
    TBM TRABALHEI NO AÇÚCAR UNIÃO DEPTO DE VENDAS, COM GAVAZZI, TANIA MARCELO, MATHIAS ,RITA, VAGNER ANO 78/81 BJS A TODOS
    p.s SINTO SAUDADES .

    • ISMAEL PEIXOTO says:

      OLA COM CERTEZA UMA DAS MELHORES EMPRESAS QUE JÁ TRABALHEI, SINTO SAUDADE DE TODO O PESSOAL DO DCVE, DCAD E DCSP E DEMAIS SETORES E PESSOAS, GOSTARIA DE MANTER CONTATO COM ANTIGOS COLEGAS DE TRABALHO, QUEM SOUBER INFORMAÇÕES, MEU FACE É ISMAEL PEIXOTO. OBRIGADO.

  37. Paulo José da Silva says:

    Olá a todos!

    Profundamente lamentável mais essa perda de um ícone da industrialização por que passou o bairro da Moóca.

    Meu nome é Paulo José da Silva e trabalhei na União de 84 a 89. Foi meu primeiro emprego e guardo muitas recordações boas dessa época. Entrei com Mensageiro e saí como Escriturário, tendo aprendido muitas coisas que me acompanham até hoje.

    Trabalhava na Rua João Antônio de Oliveira, onde ficava o Pool de Boys, tendo como chefe o Sr. Aguinaldo (promovido para o depto de Auditoria) e depois o Sr. Paulo Lopes Hymino. Circulava pela fábrica toda e fiz muitas amizades que, infelizmente, acabei perdendo o contato com o tempo. Ao lado do nosso setor ficava o Arquivo Morto, onde trabalhava o Sr. João (Gaúcho). No primeiro andar ficava o departamento de Auditoria. Trabalhei também na gráfica dessa empresa e na xerox, que ficava no prédio novo.

    Dessa época me lembro de vários funcionários como o Adelgundes (Beiço), Edglei (Arlindo Orlando), Afonso (Testa), Moisés (Caipira), Maurici (Caco) (hoje advogado), Paulo (morava em Guapituba), Cebolinha, Mauro Calove (hoje atleta de motonáutica), Mário, Minucci, Ferrugem, Paulo (Japonês do telex), Ismael da Cobrança, etc.

    Se alguém desejar contato, meu face é esse: https://www.facebook.com/paulo.josedasilva.1840

  38. Wilson Carvalho says:

    Gostei muito das fotos e dos relatos daqueles que trabalharam, moraram, enfim, que tiveram alguma relação com a Fábrica da União na Mooca. Eu nasci na região (antiga Maternidade Dom Pedro II), voltei para a minha formatura no Juventus, e no próximo ano me mudarei para o Condomínio Luzes da Mooca, construído no terreno da antiga União. Vendo as fotos, imagino o sentimento e me sensibilizo, pois passei minha infância na Vila Olímpia e aquele bairro não tem nada a ver com o que era, inclusive a casa onde morei não existe mais. Apesar de nunca ter morado na Mooca, visito semanalmente o bairro e estou gostando muito da tradição, da mistura do antigo com o moderno, do jeito e do orgulho dos seus moradores. O local onde está a chaminé será uma espécie de praça e ela será o charme do empreendimento. Infelizmente, sou obrigado a concordar que é melhor a reurbanização da área do que deixar ao léu, como uma escola na esquina da rua Javari. Já me sentindo um “neo-moquense”, guardarei essas fotos e defenderei o bairro para que meus filhos tenham orgulho, respeitem e procurem presevar a tradição.

  39. cesar melo teixeira says:

    meu pai veio de Portugal e foi para Pirassununga,depois trabalhou na união de limeira e veio para a da mooca,la ele conheceu minha mae e casou se com ela,eu nasci em 1963 e lembro que miha mae me levava ao medico que era na mesma rua e depois a gente ia ate a fabrica e eu me lembro que era um portao bem grande,hoje eu vejo essas fotos e me faz lembrar dos bons tempos e me deixa triste ver tudo isso morrendo.meu pai se chamava Liberal Melo Teixeira ele era soldador caldeireiro,minha mae se chamava Aldiva Dename Teixeira ela era empacotadeira eu me chamo Cesar Melo Teixeira e sou soldador.

  40. Trabalhei também na Cia. União de 1978 a 1979, como office-boy, à época…sinto que tudo tenha se perdido dessa forma. Saudades de todos/todas.Aguardo contato, caso alguém se lembre…

  41. Glória Maria says:

    Olá pessoal!! Trabalhei na União (RJ – Piedade) de 82 a 96, foi meu primeiro emprego e lá aprendi a ser a profissional que sou, tenho orgulho de ter trabalhado lá, uma ótima empresa. Teve um ano, como presente do “dia da secretária”, ganhamos um passeio para conhecer a União-Piracicaba, foi uma acolhida maravilhosa, aquele canavial… Saudades de tudo!!. O cheirinho que tinha em Piedade, era de açúcar queimado, mt bom, deve estar na memória de todos que trabalhavam, moravam e passavam por lá. Como vcs, tb fiquei muito triste em saber disso tudo, e a Ref Piedade está no mesmo caminho, se acabando aos poucos. Abraços a todos.

  42. Nestor Ramos says:

    trabalhei na Cia União dos Refinadores, no Departamento Pessoal, com Sr. José de Souza, Leonel de Paula, Joel Boucher, Rafael Armando Escrivani, Edenir Mastrangelo, Jose Suely Rosa Novaes, Rosangela Vieira de Aguiar,Moacir Berber Diz, Sakae Kojima, Cecilio Alvares da cunha, Odamir Gonçalves Pereira, Geraldo Alemi,Neylor Rodrigues Costa, Bandeira,

    • Edmilson Leite says:

      Conheci algumas destas pessoas, Nestor. Trabalhei em 1980. Lembro-me do Edenir, José Suely, Rosangela,

  43. luiz carlos leandro says:

    meu tio,funcionario josé leandro prestou serviço nesta conceituada empresa nos anos 70,sr. josé leandro soare motorista da diretoria,hoje o mesmo encontra-se no andar de cima,saudades:

  44. nestor ramos says:

    Por onde anda meu amigo Luiz Antonio Botechia, office boy do CPD, Rubens Sanzogo de Vendas, Cecilio Alvares da Cunha, Nanci Rodrigues, Cleide Guirao.

  45. Valdeci de Souza says:

    Pessoal, bom dia a todos

    Trabalhei na Cia União dos refinadores na área de processo na unidade de Limeira no período de 1983 a 1992, depois fui contratado pela Nova América unidade Tarumã, em 2005 a Nova America adquiriu a Marca União e alguns equipamentos que foi transferido, em 2009 a Cosan assumiu as unidades industriais da Nova America e que tempos depois se tornou Raizen, como mencionado pelo colega hoje a marca união pertencem a Camil, é com muita satisfação que estou envolvido no processo de refino da marca união 1983 até hoje.

  46. Pois vou mais longe no tempo. Meu pai, Samuel Thomaz, falecido em 2004, trabalhou na União dos anos 40 até 1972, quando se aposentou. Era torrefator, um ofício que não sei se ainda existe. Torrava café o dia inteiro em uma máquina. Chegava em casa com o macacão impregnado do cheiro de café. Eu e meus irmãos pulávamos para abraça-lo. Aquele cheio de café no macacão do meu pai é uma das lembranças mais ternas que tenho da infância. Quando tínhamos de ir ao médico, minha mãe nos levava até a porta da fábrica, para que meu pai fosse com a gente até o consultório médico. Quando ele se aposentou, me levou com ele. Eu devia ter uns sete anos. Lembro de ter entrado pela grande porta da frente e de ter caminhado com ele até uma parte interna da fábrica. Fico triste de ver que não restam muitas fotos do prédio. Aliás, não resta nada. Não sou contra o progresso, mas a memória deve ser sempre preservada, pois faz parte afetiva de nossas vidas.

Deixe uma resposta