É público e notório que no Brasil os governantes nem sempre atendem aos anseios da população. E isso evidentemente acontece do Oiapoque ao Chuí. Em São Paulo, a cidade mais rica do Brasil, existem problemas urgentes que demoram anos para serem resolvidos.

Contudo, parece que nada em nossa cidade demorou tanto tempo para ser resolvido por aqui como o caso das famosas “Porteiras do Brás”.

Divulgação / Correio Paulistano

Também chamadas no passado pela imprensa e população de “Porteiras da Ingleza” em referência a ferrovia São Paulo Railway, elas são um problema da cidade desde que a ferrovia foi criada, ainda no século 19. De início atrapalhava pouco, uma vez que a cidade ainda era pequena e o “além da porteira” nos bairros como Penha, Brás, São Miguel Paulista eram arrabaldes distantes.

Divulgação

fig.1

Os problemas relacionados com as porteiras começaram a surgir nos últimos anos do  século 19, à medida que bairros como Mooca e Brás, entre outros, foram crescendo e recebendo levas e levas de imigrantes.

A foto ao lado (fig.1), por exemplo, mostra o tráfego intenso de carroças e pessoas diante da então chamada Estação do Norte (posteriormente Roosevelt e atualmente Brás), em um momento em que as porteiras estavam abertas.

Mesmo aparentando ser uma travessia bastante civilizada, desde o princípio ocorriam muitos acidentes, como atropelamento de pedestres, acidentes com carroças e ânimos acirrados por conta da espera, que às vezes era demorada.

Assim, em 1884, foi quando surgiu na cidade as primeiras discussões públicas sobre questões de operação e alternativas para o funcionamento das porteiras, tanto do Brás como a da Mooca:

Correio Paulistano 16/10/1884

Correio Paulistano 16/10/1884

E se os problemas já eram bastante inconvenientes no século 19, o que dizer então nas primeiras décadas do século 20, quando a cidade já contava com automóveis, bondes eletrificados e, principalmente, mais população vivendo “além da porteira” ?

Projetos para o sonhado fim da porteira do Brás foi o que não faltou a partir dos anos 1910. Com a discussão recorrente quase que mensalmente nos jornais, não paravam de surgir ideias e sugestões. O primeiro deles a ganhar destaque na imprensa paulistana foi um feito pelo arquiteto Carlos Ekman em 1914:

Divulgação

No que provavelmente foi o mais ousado projeto para resolver os problemas da “porteiras do Brás”, previa a construção de um viaduto sinuoso que permitiria a circulação tanto pela avenida Rangel Pestana, como também pela própria via elevada.

A linha férrea, por sua vez, permaneceria com sua porteira, mas com a existência de um viaduto a espera deixaria de existir, tanto para pedestres quanto para bondes, carroças etc. A reurbanização da praça diante da estação daria um ar elegante e cosmopolita para o Brás.

Divulgação

A proposta de Ekman, como tantas outras, acabou engavetada e os problemas das porteiras seguiram aumentando a cada ano que se passava sem solução alguma à vista.

Na década de 1920, precisamente em 1926, um novo projeto foi apresentado a municipalidade:

Divulgação / A Cigarra

Ao invés de uma ponte ou viaduto, seria criado um pequeno túnel sob o leito ferroviário onde ficavam as porteiras. Com esse projeto, algumas linhas de bonde iriam por cima e outras por baixo, distribuindo o fluxo de tráfego. Tal qual a ideia de Ekman, as porteiras não seriam suprimidas, mas modernizadas.

Apresentando pela extinta Sociedade Construtora de Imóveis, este projeto também foi recusado e esquecido. Continuava assim o drama das porteiras. Com isso, chegou a década de 30 e o trânsito aumentou ainda mais, deixando a região ainda mais conturbada.

Em 1934, o jornal Correio Paulistano publicou em primeira página uma reportagem sobre as porteiras do Brás ainda sem solução:

Correio Paulistano 11/08/1934

Correio Paulistano 11/08/1934

A reportagem, mesmo sendo curta, consegue dar uma boa noção de quão caótica era a situação nas porteiras, com condutores de bondes e motoristas de ônibus irritados com a demora para reabertura da passagem, muitas vezes passando 10 minutos de espera.

A nota também chama a atenção de como uma cidade com tantos “arranha-céos monolíthicos” (grafia da época) era incapaz de resolver um problema aparentemente tão simples.

Já tendo passado quase 50 anos da primeira reclamação sobre as porteiras, até piadas surgiam nos jornais da época:

13/07/1939

13/07/1939

A primeira solução para o caos no trânsito da região ainda demoraria para acontecer. Ela veio apenas em 27 de dezembro de 1949, ocasião em que foi inaugurado o viaduto do Gasômetro.

A obra foi bastante polêmica e muito contestada na Câmara Municipal de São Paulo. Segundo vereadores de oposição, contrários ao projeto feito às pressas, o novo viaduto prestigiava apenas veículos, desprezando os pedestres, como atesta um trecho de discurso de um vereador no plenário da câmara:

O Estado de S.Paulo / Divulgação

O novo viaduto, existente até hoje, desafogou um pouco o trânsito mas não acabou com os problemas da travessia das porteiras na avenida Rangel Pestana.

Elas continuavam sendo um foco causador de trânsito, confusão e acidentes. As fotografias abaixo, tiradas durante o ano de 1950, apenas um ano após a inauguração do Viaduto do Gasômetro, mostra um caos tão grande na área das porteiras que nem parecia ter acontecido obra alguma:

Aguardando a abertura das porteiras (clique na foto para ampliar)

Aguardando a abertura das porteiras (clique na foto para ampliar)

Avenida Rangel Pestana com as porteiras abertas (clique na foto para ampliar)

Avenida Rangel Pestana com as porteiras abertas (clique na foto para ampliar)

E continuavam a surgir projetos prometendo resolver o problema da avenida Rangel Pestana e suas porteiras. Alguns, eram bem pensados e previam um viaduto harmonioso na região.

Depois do bonito projeto de Carlos Ekman, de 1914, este foi o mais interessante projeto que surgiu:

Divulgação / Folha da Manhã

A ideia lembra um pouco o viaduto sobre a Praça 14 Bis, na Bela Vista, com seus pontos de ônibus bastante funcionais. Projetado em 1948 pelo engenheiro Pedro de Andrade Lemos, previa a criação de um viaduto de 200 metros de comprimento com 30 de largura, além de três vão livres. O viaduto iria se chamar “Dr. Adhemar de Barros”.

Mais uma vez o projeto não foi adiante e todos os problemas persistiriam por ali até pelo menos a segunda metade da década de 60, quando mais uma vez veio à tona a discussão para resolver o imbróglio das porteiras do Brás de uma vez por todas.

Espera pela reabertura das porteiras em meados da década de 60

Travessia da avenida Rangel Pestana em meados da década de 60

É no final de 1966 que começa a surgir aquele que seria finalmente o projeto definitivo para o fim da novela das porteiras do Brás. Bem mais pé no chão que as demais ideias anteriores, a nova proposta previa um viaduto simples e funcional e foi apresentada ao público em março de 1967:

clique na imagem para ampliar

clique na imagem para ampliar

Não é preciso dizer que a descrença quanto ao novo projeto era bem grande entre a população, afinal eram décadas de promessas sem qualquer solução. Contudo, surpreendentemente, a ideia finalmente saiu do papel e as obras da tão sonhada solução para as porteiras do Brás finalmente começaram.

Era eminente o fim de cenas lamentáveis de atraso no desenvolvimento urbano, como estas abaixo:

Divulgação

Divulgação

E foi assim que em 25 de janeiro de 1968 foi inaugurado viaduto Alberto Marino. A ocasião foi tão aguardada pelos moradores e comerciantes da região que uma grande festa de inauguração foi preparada para a data, que também era alusiva ao aniversário de São Paulo.

A grande festa contou com decoração das ruas próximas e da avenida Rangel Pestana com réplicas de lampiões de 1900, dezenas de pombos brancos foram libertos na hora da inauguração, além de salva de fogos de artifícios (imaginem os pombos sendo soltos e os fogos sendo disparados, o desespero das aves…), além de uma divertida corrida de calhambeques, com veículos produzidos até 1929.

A inauguração também contou com a execução da canção “Rapaziada do Brás” composta por Alberto Marino, que dá nome ao viaduto.

Viaduto Alberto Marino então recém inaugurado

Viaduto Alberto Marino então recém inaugurado

Era o fim de uma angustiante espera por solução de um problema que começou no final do século 19 e foi resolvida apenas na segunda metade do século 20.

O novo viaduto resolveu definitivamente o problema da travessia da antiga porteira do Brás, porém não foi nem de longe a melhor solução.

A nova via elevada contribuiu bastante para a degradação do entorno e trouxe a decadência de inúmeros imóveis ali localizados, inclusive de hotéis que no passado recebiam de migrantes a clubes de futebol de outras cidades. Na rede hoteleira local a principal vítima foi, sem dúvida, o velho Hotel Sul América:

Hotel Sul América em 2005 (clique na foto para ampliar)

Hotel Sul América em 2005 (clique na foto para ampliar)

 

Resolvido o problema, é difícil conceber que um problema relativamente simples de ser resolvido como este levou quase um século para ser solucionado. Apenas a título de curiosidade e salva as devidas proporções, os Estados Unidos levaram 10 anos para concluir o Canal do Panamá.

Tem definitivamente algo errado com o poder público brasileiro e não é de hoje.

Você vivenciou as porteiras do Brás ? Do que você se recorda ? Deixe um comentário.

Bibliografia consultada:

  • Correio Paulistano Edição de 16/10/1884
  • Correio Paulistano Edição de 11/08/1934
  • Correio Paulistano Edição de 13/07/1939

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

JOIN THE DISCUSSION

Comments

  • Emerson de Faria 22/05/2015 at 19:30

    O problema das porteiras foi negligenciado durante décadas pelos nossos administradores, assim como o metrô, que há 127 anos vem sendo empurrado com a barriga, ou seja, além de crônico, já é um problema secular, e a julgar com espantosa velocidade de tartaruga manca com que é ampliado, tornar-se-á também um problema milenar.

    Reply
  • Marcos 22/05/2015 at 19:52

    Parabéns. Muito bom.

    Reply
  • João Guimarães filho 22/05/2015 at 20:01

    Muito bacana essa matéria,parabéns..!!

    Reply
  • SavianoMarcio 22/05/2015 at 20:26

    Impressionante que naquela época a cidade já esquecia dos pedestres, essa “calçada” deve ter meio metro para um fluxo que já devia ser grande naquela época, só recentemente que o viaduto teve merecida atenção com o aumento da calçada para os pedestres e a inclusão da ciclovia.

    E o que tem definitivamente de errado com o poder público brasileiro é que ele não é fiscalizado nem cobrado pelos principais interessados, a população, reclamar no local errado, de forma errada e para as pessoas erradas é o mais o povo mais faz, sem nem ter ideia de qual é o problema e suas causas.

    Precisamos parar de nos ver como vítimas, somos coniventes.

    Reply
  • Mozart 22/05/2015 at 20:35

    É. …. Já passou da hora de mudar o Brasil. O país tem em sua alma, uma lerdeza natural, sempre “forças ocultas” a nos rondar. Quantos anos serão necessários para mudanças (da população, governo, empresas).

    Reply
    • Emerson de Faria 23/05/2015 at 22:49

      Uns dois milênios talvez.

      Reply
  • Pedro Reis 22/05/2015 at 20:37

    Nasci aí, atravessei essas porteiras e vi construir o segundo viaduto. Era bagunçado mas era legal. A primeira foto é simplesmente sensacional. O projeto do Pedro Lemos também é bacana. Aquilo que está lá até hoje e o que segue sendo a região é que não dá para entender. Bela matéria.

    Reply
  • Jose Wilson Dos Santos 22/05/2015 at 20:40

    Passei muito por ali, em 1967, pois cursei a antiga admissão,(5º Ano Primário), obrigatório para ascender ao antigo Ginásio, assim o exigia, na Escola “Romão Puiggari”, localizado quase que na esquina da Rua do Hipódromo, bons tempos,……!!!!!!!!, apesar de atravessar diariamente pela passarela de madeira durante as obras, do que veio a ser o Viaduto atual.

    Reply
    • Antonio Serrano 06/06/2015 at 17:09

      José Wilson, o Grupo Escolar Romão Puiggari (onde fiz o primário todo) fica quase na esquina da Rua Piratininga e não na rua do Hipódromo.

      Reply
  • Antonio Serrano 22/05/2015 at 20:47

    Quando criança, anos 50, eu costumava me divertir com a turminha “pegando carona” nas porteiras quando essas eram abertas…bons tempos!

    Reply
  • Marília Fagnani 22/05/2015 at 21:35

    Como eu adoro essas reportagens…tenho muito interresse no nosso passado

    Reply
  • vilmar 22/05/2015 at 22:16

    Com certeza o poder pulico deixa a desejar, falta vontade politica, tem ruas do meu bairro que é para ser contra-mão ha anos e nada acontece.

    Reply
  • Luciana Candido 22/05/2015 at 22:28

    Minha mãe trabalhou na metalúrgica Matarazzo na rua Caetano Pinto de 1962 a 1969, ela se lembra da porteira do Brás e que sempre atravessava correndo, um vizinho dela morreu na travessia da porteira.

    Reply
    • Isabel 24/05/2015 at 20:53

      Nossa amiga , minha avó r contava mesma historia , ela era funcionaria dos Matarazzo e eu sempre ouvia ela reclamar desta porteira, pois a distancia era imensa e tinham que se apressar por conta desta bendita porteira…..

      Reply
  • Bruno Caúmo 22/05/2015 at 23:24

    Meus parabéns pelo trabalho, muito bom.

    Reply
  • Edina Sá 22/05/2015 at 23:26

    Bela reportagem, tenho 62 anos e passei por lá várias vezes a caminho do mercado municipal com minha mãe ainda muito pequena; mas me lembro bem da demora para cruzar a via férrea , que para mim era pura diversão esperar e ver o trem passar.

    Reply
  • Fabio 22/05/2015 at 23:39

    Douglas, ótima reportagem, não vivenciei essa época, mas meu pai sim, e ele sempre comenta sobre o caos que era quando fala sobre.

    Perfeita sua colocação final: “Tem definitivamente algo errado com o poder público brasileiro e não é de hoje.”

    E infelizmente continuamos tendo muitos exemplos de obras públicas que, se tem a “sorte” de ser ao menos iniciadas, se arrastam durante anos e anos e mais anos para a conclusão… o Metrô de Sampa é um ótimo exemplo: está nessa “toada” de obras arrastadas a muitos anos.

    Reply
    • Emerson de Faria 23/05/2015 at 22:51

      No caso do metrô, Fábio, as obras se arrastam há 127 anos para ser exato.

      Reply
      • SavianoMarcio 05/06/2015 at 13:18

        A realidade não é tão simples(ista) quanto parece.

        Reply
  • Gustavo Campos 23/05/2015 at 02:15

    Sempre passo pela Rangel Pestana quando vou à Zona Leste, e nem suspeitava que, no passado, já era tão complicado ir para lá. Se hoje, com Marginal, metrô e Radial, ainda é caótico, imagino nessa época.
    O curioso é que, segundo reportagem do Estadão, quando as porteiras foram retiradas em 1977 para a construção do metrô, ainda tiveram moradores protestando pela manutenção das mesmas porteiras que tanto transtorno causaram. Diziam que eram patrimônio do bairro e que deveriam ser mantidas. Pelo visto, já foram tarde.

    Reply
  • Reginaldo Galuzzi 23/05/2015 at 07:05

    Parabéns pela matéria!
    Moro bem próximo da estação do Brás e gostaria de acrescentar um detalhe sobre o assunto:
    Mesmo depois da construção do viaduto, em 1968, as porteiras continuaram em atividade por pelo menos dez anos.
    Eu tenho 43 anos (nasci em 1972) e por muitas vezes na minha infância passei pelas porteiras com meu pai e minha irmã por volta de 1978, eu acho.

    Uma outra observação: Na frente do Hotel Sul América, atualmente em péssimo estado de conservação, como mostrado em uma das fotos da matéria, saíam os ônibus da Viação Cometa S/A com destino a Santos há décadas atrás.

    Reply
  • Leandro 23/05/2015 at 08:52

    Muito legal a reportagem!! Parabéns

    Reply
  • MARIO CUSTÓDIO 23/05/2015 at 10:59

    Bom dia DOUGLAS
    PARABÉNS pela excelente reportagem. Eu também era um dos que aguardava, nas mãos dos meus pais e avós, a porteira se abrir. Não foi só essa porteira que gerou transtornos. Lembro-me claramente das porteiras de UTINGA, SANTO ANDRÉ e CAPUAVA, de tempos idos que não voltam mais.
    Saudações,
    MARIO CUSTÓDIO

    Reply
    • Ana Dominici 23/05/2015 at 17:28

      Vi apenas a porteira de São Caetano do Sul, que foi substituída por um túnel subterrâneo. Se lá já era uma confusão para passar, imaginem no Brás!

      Reply
  • ernani 23/05/2015 at 13:36

    Era bem melhor o tempo em que não existia o viaduto que passa sobre os trilhos da CPTM na Rangel Pestana.
    O viaduto que hora existe, serviu para enfeiar a paisagem e em seus baixos serve para moradores de rua dormir e fazer suas necessidades e Aliás chega de tantos viadutos nesta cidade!

    Reply
    • Emerson de Faria 23/05/2015 at 22:54

      Ernani, então você é um órfão da porteira, você tem saudades dela, é isso?

      Reply
  • Leonardo Santos 23/05/2015 at 14:46

    Muito boa a matéria, é a história viva da nossa cidade e um problema crônico e ainda atual o descaso dos governantes quanto à coisa pública. Desde sempre governando em prol deles mesmo e de costas para a população!

    Reply
  • Su 23/05/2015 at 22:26

    Nasci na maternidade do Brás, morei no Brás até 76, mas não lembro da porteira. Eu era muito pequena.

    Reply
  • André Luiz Mazzaropi 24/05/2015 at 10:02

    Foi exatamente aqui na PORTEIRA DO BRÁS, meu pai AMÁCIO MAZZAROPI começou sua carreira de artista de muito sucesso, começou como assistente de FAQUIR, o faquir FERRY, ou SILK como Mazzaropi o chamava, aos 17 anos de idade; em 1.929, e foi ai na porteira do BRÁS que AMÁCIO MAZZAROPI conheceu o ator caipira e irmãos Genésio Arruda irmão do conhecidissimo Sebastião Arruda, e dali nasceu o JECA na vida de MAZZAROPI, ali nasceu o JECA DO BRASIL; André Luiz Mazzaropi – O Filho do Jeca – 24-05-2.015.

    Reply
    • danielpardo2015 24/05/2015 at 21:56

      Pelo que eu entendi você é o filho do Mazzaropi… aquele comediante que fazia o Jeca, certo???

      Mas enfim…pelo visto desde aquela época se cobrava uma cidade não só feita para os carros, mas sim para os pedestres e destaque: PELO MENOS NAQUELA ÉPOCA HAVIA POLITICOS CONSCIENTES DISSO, hoje no entanto nem isso temos mais. No geral, posso dizer que desde sempre o Brasil sempre “brasilizando”.

      Reply
  • Fernando Teixeira da Silva 25/05/2015 at 10:00

    Não tenho coragem de criticar as coisas que me fazem lembrar minha mocidade, porque hoje tudo virou saudades que não voltam mais. E André, os filmes do Mazzaropi também é parte deste sentimento.

    Reply
  • Doris Pinheiro 25/05/2015 at 16:05

    Lembro perfeitamente de atravessar as porteiras de mãos dadas com meus pais. Embora muito pequena, lembro que já havia o viaduto por cima das porteiras. Era realmente demorado, mas as crianças amavam ver os trens tão de perto.

    Reply
  • Caio Alexandre Bezarias 27/05/2015 at 03:16

    Douglas, como sempre, parabéns pela matéria bem escrita e pela grande pesquisa. Sobre esse tema das porteiras, recomendo ler um ótimo livro de um dos cronistas supremos de São Paulo, o mestre Lourenço Diaféria: em Brás -sotaques e desmemórias (editora Boitempo), em alguns trechos ele, nascido e criado no bairro, relembra as porteiras e os problemas que elas causavam até mesmo com singeleza, como é regra nos ótimos textos em que ele proclama o amor problemático que todos temos por esta cidade. Abraço

    Reply
  • Dr José Carlos Baptista Dal Farra 27/05/2015 at 09:25

    Bela matéria histórica.
    Enquanto para se melhorar a mobilidade urbana demora-se mais de um século, um Prefeito petista, eleito em 2013 em apenas dois anos e sem fazer planejamento estatístico adequado e consistente, está metendo os pés pelas mãos, emperrando o transito citadino ao projetar obras de custo vultuoso, de difícil acompanhamento e comprovação. E nós pobres cidadãos da megalópe é que arcamos com os prejuízos.

    Reply
    • SavianoMarcio 05/06/2015 at 13:25

      Isso é o que você deseja acreditar, sem provas é claro. Ele, com seus erros e acertos não está administrando uma barraca de pastel na feira, só uma das maiores cidades do mundo com uma dívida pública monstruosa.

      Reply
      • Antonio Klein Neto 20/06/2015 at 14:59

        Desculpe-me, ele não tem nem mesmo capacidade para administrar essa “tal barraca de pastel” a qual Você se refere.

        Reply
      • Rose 19/08/2015 at 09:03

        Então para que gerar mais dívidas com ciclovias inúteis…

        Reply
  • Fabio 27/05/2015 at 10:22

    Um “minhocão” de 100 anos atrás, acho que em 2066 o problema do minhocão será solucionado, e depois de vermos mil projetos, será adotada a solução mais simplista e estúpida.
    A história sempre se repete em ciclos.

    Reply
  • Marilia Borelli 28/05/2015 at 16:45

    Apesar dos transtornos que causaram na época, as Porteiras do Bras estão até hoje em minhas lembranças… como era demorado trajeto para quem precisava se locomover para ´”o lado de lá”,

    Reply
  • Simone de Marco Rodrigues 31/05/2015 at 17:48

    Minha mãe trabalhou de 1944 a 1949 em uma indústria que era próxima às porteiras, a metalúrgica Peter Murani. Uma das entradas da fábrica era situada na rua da Cruz Branca. Ao sair do trabalho, ela aguardava as porteiras se abrirem para poder pegar o bonde sentido Pça da Sé. Ela e a colega Tomazina colavam rótulos em caixas. Cumpriam 5 milheiros por dia. E quando tinham chance faziam extra para ganhar mais!

    Reply
  • Simone de Marco Rodrigues 31/05/2015 at 22:29

    Minha mãe trabalhou de 1944 a 1949 numa fábrica que ficava bem próxima à porteira do Brás, a metalúrgica Peter Murani. Ela lembra bem da porteira, que esperava abrir quando saía da fábrica, porque o bonde que tomava para ir no sentido da Praça da Sé vinha por ela. A fábrica dava para 3 ruas, uma delas era a rua Cruz Branca. Mamãe conta que ali colava rótulos, junto com a colega Tomazina, e outras funcionárias. Elas tinham de cumprir 5 milheiros por dia e saíam com cola até nos cabelos. Mas diz que ela e Tomazina gostavam mesmo assim e que todas as vezes em que era possível faziam mais para ganhar extra. Por isso, foi muito legal encontrar essa reportagem, que lhe trouxe as boas recordações.

    Reply
    • Simone de Marco Rodrigues 31/05/2015 at 22:46

      A fábrica era a seguinte: Peter Murányi Empresa Industrial e Comercial

      Reply
  • Danilo Dias 04/06/2015 at 00:57

    Na figura da travessia da avenida Rangel Pestana em meados da década de 60, avistei aquele anúncio da Aveia Ferla que estava até pouquíssimo tempo no mesmo local. Infelizmente, passei esses dias pela região e notei que eles colocaram agora uma placa anunciando uma loja de roupas. Depois de tantos anos, o anúncio da Ferla também sucumbiu. No restante, excelente matéria novamente Douglas. Um abraço!

    Reply
    • Reginaldo Galuzzi 04/06/2015 at 11:35

      A Aveia Ferla mudou-se para Itapevi-SP já faz uns três anos. O local ficou vazio por um tempo até que readaptaram o local para ser uma extensão da Feirinha da Madrugada do Brás, funcionando a todo vapor.

      Reply
      • Danilo Dias 15/07/2015 at 05:14

        Boa!

        Reply
  • CARLOS ROBERTO 10/08/2015 at 20:06

    QUE SAUDADES ,CARA TENHO 63 ANOS. TANTO PASSEI POR ESTA PORTEIRA, COMO ANDEI NOS BUZÃO DA FOTO UM DA ANTIGA CMTC OUTRO DA VIAÇÃO ALTO DO PARI

    Reply
  • LÊDA RICCIARDI 14/08/2015 at 16:24

    Eu morei da rua do Hipódromo, 116 desde 1956 a 1963 e a porteira que ficava nesta rua faz parte das recordações da minha infância. Meu avô era o cantor Paraguassú, ídolo na década de 30. Ele tinha um grande sucesso de sua autoria “PORTEIRA VELHA”,música linda que retrata uma época!!!

    Reply
    • leo 28/08/2015 at 23:15

      Leda, tudo bem?
      Você é irmã do Marcus?
      Abs!

      Reply
  • Roberto Candido Pontes 27/09/2016 at 00:10

    A lembrança que tenho é que quando ia buscar algum mantimento no armazém secos & molhados e voltava para casa minha mãe me dizia “Que isso menino quando você vai comprar algo demora mais que a porteira do Brás”. São Paulo tudo de bom na época.

    Reply

Comunicado importante aos leitores e leitoras do São Paulo Antiga

Neste momento estou enfrentando um período de muitas dificuldades para manter o site no ar, com a possível saída de nosso patrocinador institucional.

 

Preciso da sua colaboração para que o site não encerre suas atividades em 1 de julho de 2018.

 

Faça uma doação ou assinatura mensal no site São Paulo Antiga, através da plataforma APOIA.SE

 

Desde já muito agradecido,

Douglas Nascimento, autor e editor