Adoniran Barbosa foi um mestre na arte de cantar a cidade de São Paulo. Com letras que retratavam coisas simples e cotidianas da cidade de São Paulo, ele foi um especialista em apresentar para os paulistanos os mais distintos bairros de nossa metrópole.

Passaram por suas canções não só o eternizado bairro do Bexiga, mas também Jaçanã, Vila Esperança, Brás, Mooca, Vila Ré e muitos outros. Mais paulistano, impossível.

Em 1982, Adoniran Barbosa faleceu, deixando para nós um legado valiosíssimo de músicas e um eterno carinho para com a nossa cidade. Mas será que nós soubemos retribuir esse carinho ?

A rua Adoniran Barbosa, na Bela Vista

Depois que Adoniran foi cantar seu samba no céu, com os anos passando, inúmeras homenagens foram feitas ao grande sambista paulistano. E foram, entre estas, criadas três ruas que celebram o cantor: as ruas Adoniran Barbosa (são duas),e a rua Trem das Onze.

O blog São Paulo Abandonada & Antiga aproveitou o dia do centenário e percorreu duas destas ruas e constatou que as ruas que deveriam ser homenagens acabam parecendo uma punição.

Não é apenas o Dr. Arnaldo Vieira de Carvalho que é agraciado em São Paulo com duas ruas em seu nome (avenidas Vieira de Carvalho, na República e Dr. Arnaldo na Consolação) o nosso saudoso sambista também é beneficiado com duas ruas em seu nome, uma bastante conhecida no bairro da Bela Vista e outra não tão famosa no Jardim Pantanal, região de São Miguel Paulista.

O que se vê na rua do centro, que visitamos, é um pouco triste para a memória de Adoniran. A estreita rua que termina na rua Jaceguai, bem próximo do Teatro Oficina, tem lixo nas esquinas todos os dias, restos de entulho e um cheiro muito forte de urina. Segundo um morador desta rua, à noite muitos moradores de rua dormem na esquina (o blog presenciou pelo menos 10 deles já se acomodando na rua Jaceguai em plena luz do dia) que fazem dali um banheiro a céu aberto. O acúmulo de lixo se deve a coleta irregular e também a moradores que não fazem sua parte, deixando sacos de lixo na rua muito antes da hora da coleta, como manda a lei.

A rua Trem das Onze, no Jaçanã, passa despercebida.

Já no bairro do Jaçanã, na zona norte de São Paulo, é quase impossível encontrar a rua que leva nome a uma das canções mais famosas do repertório de Adoniran Barbosa, a rua Trem das Onze. O local é uma pequena travessa que liga a avenida Guapira até a rua Eugênia Bresser.Ali apenas os carros de seus moradores passam por ela e grande maioria deles ficam estacionados na rua, devido ao pouco espaço para manobrar na via.

Tal qual a rua da Bela Vista, o descaso também passa por este endereço. Afastada do centro, a rua sofre com lixo acumulado de ponta a ponta e à noite, é uma travessa com iluminação muito ruim, com apenas dois postes de luz que nem sempre estão com lâmpadas em ordem. Para muitos, passar pela rua Trem das Onze, no horário do famoso trem pode significar um assalto.

A rua fica próxima de dois locais muito importantes na trajetória de Adoniran Barbosa: a antiga estação do Jaçanã do Trem da Cantareira, e os antigos estúdios da Cinematográfica Maristela, onde participou de alguns filmes.

O estado destas ruas mostram que não basta lembrarmos de Adoniran Barbosa somente em seu centenário ou em eventos que marcam sua trajetória. As homenagens feitas a ele estão ai todos os dias, nas ruas que levam seu nome e na rua que leva o nome de sua canção. Que tal a prefeitura dar uma maior atenção a estas ruas ? Ou melhor, a todas as ruas, tal qual fazia o célebre sambista que cantava maravilhosamente todos os cantinhos de nossa São Paulo.

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

Deixe uma resposta

Comments

  • Ralph Giesbrecht 06/08/2010 at 18:22

    Douglas

    Como eu conheçco muito pouco o Jaçanã, não dá para ter certeza disto. Mas é muito provável que essa rua Trem das Onze tenha sido o leito da ferrovia. A conferir indo lá, ou por algum morador.

    Reply
    • Adauto Dip 24/07/2012 at 17:19

      A rua não era o leito da ferrovia, o trem passava entre as ruas Sacadura Cabral e rua da Estação, hoje rua Manoel Gaya,Benjamin Pereira e Abilio Pedro Ramos, a rua da matéria na realidade não é bem uma rua é quase um beco, até poucos anos era uma passagem que nem nome tinha, fica quase em frente a depredada e desaparecida placa de bronze que homenageava o engenheiro que projetou a Av. Guapira, mas fica um pouco próximo dos antigos estudios da extinta Companhia Maristela que ainda resistem.

      Reply
      • Sandra 02/06/2013 at 18:57

        Esta placa não está mais lá já faz um tempo, parece que estava na sub e o pessoal do Museu do Jaçanã estava tentando resgatá-la.

        Reply
  • Tweets that mention São Paulo Abandonada & Antiga » Arquivo » As ruas esquecidas de Adoniran Barbosa — Topsy.com 06/08/2010 at 18:41

    […] This post was mentioned on Twitter by Alexandre Inagaki, Leandro Caracciolo, Elis Marchioni Rojas, Douglas Nascimento, LDC Comunicação and others. LDC Comunicação said: RT @inagaki: RT @elismarchioni: As ruas esquecidas de Adoniran Barbosa: http://zapt.in/Mzi /via @piratininga […]

    Reply
  • Celso Alderighi 06/08/2010 at 19:26

    Ou Douglas voce realmente merece os parabens pelo seu trabalho incansavel atraz das maravilhosas recordaçães da nossa São Paulo “que os tempos não trazem jamais” Abraços

    Reply
  • Pedro Paulo Penna Trindade 10/08/2010 at 23:52

    Muito boa a homenagem do São Paulo Abandonada & Antiga falando das ruas que levam o nome e a música de maior sucesso de Adoniran Barbosa, alem de conclamar a Prefeitura a dar um jeito no lixo e na falta de segurança aos pedestres que por elas transitam. Além da música que celebrizou a sua imagem como símbolo paulistano, também as ruas que o homenageiam deveriam ser conservadas constantemente, bem como oferecer segurança aos transeuntes que por elas passam, pois caso contrário a homenagem se converterá numa enorme agressão a figura carismática deste notável artista, que tão bem soube interpretar a música e o jeito de viver do paulistano. Um povo sem memória é um povo sem história!!!

    Reply
  • GeraldoNunes 12/08/2010 at 18:55

    Pelo menos Adoniran Barbosa virou nome de rua, esquecida é verdade, mas presente no guia da cidade. Assim quem vasculhar o guia de ruas irá deparar com o nome dele e se lembrará pelo menos por algunms instantes do compositor de tantos sucessos que todo momento nos vem à lembrança, por algum motivo. Quanto à João Rubinato, seu nome verdadeiro, este não dá nome a nada e ficará para sempre no anonimato como alguns personagens de suas músicas.

    Reply
  • Eduardo Britto 19/08/2010 at 19:30

    Parabéns pelo valioso trabalho de registro, homenageando o mais genial dos bardos paulistanos, cantor único de nossas periferias,

    Reply
  • Tulio 01/02/2013 at 18:07

    Doutor Arnaldo, Arnaldo Augusto Vieira de Carvalho, era médico. Joaquim José Vieira de Carvalho é a avenida na Vila Buarque. Pessoas diferentes. http://www.dicionarioderuas.prefeitura.sp.gov.br/PaginasPublicas/ListaLogradouro.aspx

    Reply
  • Daniel Pardo 12/04/2017 at 21:29

    Há anos atrás, houve um denúncia parecida nos tele jornais sobre a Praça Altemar Dutra que fica no Sacomã, margeando a Via Anchieta, abandonar logradouros públicos é de lei aqui no “Reino da Bananolândia”.

    Reply
%d blogueiros gostam disto: