Rodovia Presidente Dutra, divisa de São Paulo com Guarulhos sentido Rio de Janeiro. Quem passa em frente a esta localização encontra um estacionamento de uma transportadora e não imagina que neste terreno, existiu uma grande fábrica de biscoitos e que continua no imaginário de várias pessoas, a Duchen.

A fábrica, nos anos 1950 – Clique para ampliar

Esta memorável empresa foi fundada em 1903 no tradicional bairro da Mooca. Com o seu crescimento, a Duchen mudou-se para a então recém inaugurada Rodovia Presidente Dutra, ponto estratégico para transportar sua mercadoria com mais agilidade para o interior do Estado de  São Paulo e Rio de Janeiro.

Sua nova fábrica foi projetada por Oscar Niemeyer em 1949. Sua construção iniciou-se em 1950 e foi finalmente concluída em 1951. A fábrica sinuosa, comprida e estreita e com suas colunas à mostra lembravam uma espinha de peixe.

A Duchen, em 1953 pela lente de Hans Günther Flieg

A Duchen encerrou suas atividades no local na década de 1980 e a premiada construção ficou a própria sorte. Com o tempo, a transportadora vizinha comprou o terreno com a finalidade de transformar em estacionamento para os caminhões, mas não contavam que a antiga fábrica de biscoitos estava em processo de tombamento pelo CONDEPHAAT.

Interior da fábrica – Crédito: Divulgação

O Conselho de Patrimônio Histórico consultou o arquiteto Oscar Niemeyer para ele dar um parecer e assim justificar tombamento da Duchen, mas o arquiteto supreendentemente se mostrou indiferente com a demolição.

Publicidade Antiga dos Biscoitos Duchen

Assim sendo, máquinas e tratores invadiram a Duchen e sua demolição foi inevitável.

Duchen foi a única obra industrial de Niemeyer e ganhadora de um prêmio na categoria Construção Industrial na 1a Bienal de São Paulo.

Do que foi considerando um marco na arquitetura, apenas uma mureta e um pedaço de ferro retorcido com concreto conseguiram sobreviver à demolição. Um pequeno pedaço de história que ainda tenta resistir.

Apenas esta “mureta” de concreto restou da antiga Duchen – Clique para ampliar

Veja pelo mapa, a área da antiga fábrica:

Exibir mapa ampliado

About the author

Licenciada em História, é pesquisadora e professora da rede pública e particular em Guarulhos. É co-fundadora da Associação Guarulhos tem História e Associação Brasileira de Estudos Cemiteriais (ABEC). Co-autora dos livros "Guarulhos tem História" e "Guarulhos: espaço de muitos povos".

Deixe uma resposta

Comments

  • Tweets that mention Biscoitos Duchen: História e Demolição — São Paulo Antiga — Topsy.com 04/11/2010 at 16:32

    […] This post was mentioned on Twitter by Douglas Nascimento and Frederico Sosnowski, São Paulo Antiga. São Paulo Antiga said: Biscoitos Duchen: História e Demolição – http://vempra.ca/v7 […]

    Reply
  • Renata 04/11/2010 at 17:49

    Uma pena que foi demolida. Essa marca ainda existe?

    Reply
    • Glaucia Garcia 04/11/2010 at 22:27

      Hoje a marca pertence ao grupo Parmalat. Existem alguns produtos com o nome de Duchen Parmalat, sinônimo de qualidade.

      Reply
    • Gilson Santos 18/08/2013 at 15:24

      Existe sim. A empresa esta no RJ e entre o que produz esta a famosa goiabadinha e o salgadinho em forma de balão.

      Reply
    • Felipe Duchen 31/03/2014 at 16:22

      Claro que sim éra do meu bisavô

      Reply
      • marco antonio 25/05/2014 at 00:27

        Minha mãe,meu Pai,e meu tio,tiveram a honra de trabalhar nesta Grandiosa Empresa.

        Reply
      • Keila Araújo 13/06/2014 at 21:35

        Vc sabe me dizer onde encontro os documentos de ex funcionarios

        Reply
      • Ivone Leiko Kobashigawa 25/02/2018 at 21:18

        Me lembra da pobre infância, q de vez em quando entrava em casa as bolachas nas latas, maravilhosamente estampadas com os tipos. Amava só de ver os biscoitos . Sinto uma saudade enorme dessa época . Feliz por ter feito parte dessa geração

        Reply
    • Pedro Gaioski 02/11/2015 at 16:07

      Não foi demolida, parte de sua estrutura desabou, eu vi desmoronando enquanto transitava na rodovia Presidente Dutra, numa tarde; Depois lógico terminaram de por á baixo.Quando Eu tinha Sete, Oito anos levava a lata da Duchem na portaria da fabrica pra encher de biscoitos de diversas variedades a um preço simbólico pois tratava-se dos biscoitos quebrados que não eram comercializados. Dá muita saudade.

      Reply
    • Halley Losho – moderadora da pan 08/06/2016 at 14:55

      nao consigo parar de chorar amada!

      Reply
  • Felipe Castro 05/11/2010 at 21:37

    O Brasileiro diferente do povo Europeu, é um povo sem memória, pois ele não sabe valorizar a sua própria história, pois seu descaso permite que partes de sua história sejam dilapidadas, demolidas e jogadas para o limbo do esquecimento e descaso com o patrimonio historico, seja ele comercial, residencial e ou industrial.

    Reply
    • Renato 19/11/2010 at 22:30

      Os europeus já demoliram antes muitas coisas. As cidades foram reformadas e refeitas. Só que para os nossos padrões isso não entra na memória, pois as cidades européias são muito mais velhas do que a história das cidades brasilerias.
      Londres foi refeita depois do incêndio no século XVII, Lisboa foi reconstruída após o terremoto no século XVIII, e Paris foi rasgada de alto a baixo durante o Segundo Império (barão Haussmann).
      Isso sem falar Berlim, destruída pela II Guerra e cicatrizada com o Muro, que se renova todos os dias.
      Nem tudo o que parece velho o é, de fato. Muitas vezes é só um estilo.

      Reply
      • alison f 04/10/2012 at 13:22

        Sua explicação foi excelente! Obrigado pelas informações!

        Reply
      • Guilherme 23/04/2013 at 09:43

        E qual foi a catástrofe ocorrida por aqui mesmo? Você realmente comparou a história da arquitetura centenária de cidades do velho mundo com a nossa? Com essa fábrica de 50 e poucos anos? Já foi mesmo pra Itália? França? Portugal? Foi essa a impressão que você teve?

        Por causa de gente que pensa assim, no século próximo o que o que sobrou da nossa cidade vai ser mais ou menos o que sobrou dessa fábrica. Um pedaço de concreto armado. Nosso povo não entende da própria história porque não tem uma memória física para contemplar. E meu caro, gente quem não sabe de onde veio, não sabe pra onde vai, nem onde quer chegar.

        Reply
        • Gilson Gomes 26/03/2016 at 19:55

          Ah meu amigo nossa cidade esta cheio de catastrófes….
          Maluf e seu minhocão – eu quando guri um dia fui entregar umas fotos para um cliente, um executivo da Shell que morava num predio na Av. São João, na esquina aonde ficava o Cinerama, o predio um luxo só, tapetes vermelhos, lustres finissimos na entrada do predio, nas escadarias, pois na volta tinha pressa e não quis aguardar os elevadores, os seguradores eram de metal que parecia ouro, e brilhavam fantasticamente, um ano atrás passei em frente e só vi degradação e bolivianos em estado de perdição, coitados…-
          Erundina que transformou Sampa num paraiso paraguaio de tantos ambulantes com contrabando protegidos pela PM, que não cumpre a lei.
          Martaxa que esburacou e acabou com muitas avenidas;
          Pitta que literalmente pitou Sampa com obras que nada agregaram;
          E finalizado com Mhaldad, para não esticar muito,que liberou Sampa para pixadores, vandalos, e suas vias de ciclistas que ou a tinta desaparece ou é super faturada como a que estão fazendo de tijolinhos super caros em frente ao Center Norte.
          Só isso em 50 anos…
          Gente se sou prefeito desta cidade faria coisas que me elevassem a posteridade, e não como estes idiotas que para mim e muitos foram elevadas a mediocridade.
          Imagine no futuro os netos de determinados prefeitos serem questinados: quem foi Mhaldade? Tal como num comercial da Pepsi de 85 ou 86, cujos alunos descem de um onibus espacial com seu professor de história e cavocando o solo acham uma lata de coca e um olhando para o outro incredúlos, pois ….não há registro.
          Diferentemente de Prestes Maia.

          Reply
      • Armando 25/02/2015 at 04:56

        Não ligue para eles.

        Você está certo.

        Meu primo visita a Europa desde os 17 anos de idade.

        Ele ficou impressionado como lá eles mantém até mesmo o que não teria valor histórico ou arquitetônico.

        Aqui quebram tudo.

        Não estou focando no caso dessa construção em particular, mas no geral.

        O centro de São Paulo, por exemplo, está descuidado e descaracterizado, o que é lamentável, já que o paulistano se esforçou tanto para construir uma cidade do porte dessa.

        Reply
    • marcio 18/04/2011 at 15:59

      Bom se formos pela visão de vcs , logo o pais inteiro está tombado! vcs querem alimentar o saudosismo de vcs as custas do prejuizo dos verdadeiros prorpiretários!
      me digam ai qual é a vantagem que um prorpiretário de imóvel tombado tem? vou começar a pedir tombamento dos bens dos arquitetos também eles vãop ver o quanto é bom! pagar imposto pros outros ficarem olhando pra sua propriedade!

      Reply
      • Rosa 09/02/2012 at 04:55

        Nossa! O Sr. Márcio está de mau humor, hein? Contra o tombamento de alguma propriedade sua, talvez… Mas, a história é nossa necessária memória. Não é para ir se tombando a torto e a direito, qualquer coisa. Mas, há o que é preciso permanecer, para que nós e nossos descendentes não esqueçamos quem somos… precisamos ter, Sr Márcio (é: o Sr. também!), PARA ONDE VOLTAR!

        Reply
      • Raquel 20/02/2012 at 15:05

        Sr. Marcio
        eu moro em um pais que da muito valor a historia e tenta sempre renovar os predios antigos… os donos dos predios tombados daqui eles so pagam uma pequena taxa anual. acho que esta na hora dos brasileiros se unirem e lutar por novas leis e saberem respeitar mais a historia e os patrimonios de todos. Tenha um otimo 2012!! 🙂

        Reply
        • gil Gomes 18/08/2013 at 15:32

          Pois eu conheci um estado que os casarões antigos estão caindo aos pedaços esperando o poder público reforma-los. Este estado Maranhão, sim do Sarney, aquele que fez pacto com o capiroto, que não quer mais ele, devido ao que ele esta fazendo com São Luíz(s)?.
          Lá para não pagar impostos os proprietários dos imóveis, sobretudo no centro da cidade deixam os mesmos em estado de miséria. Depois o “amigo” governo, pega o imóvel, reforma, fica um ano no mesmo para justificar junto ao povo a reforma e depois devolve pro dono. Puta negócio. Deixa apodrecer uns dois anos, ganha uma big reforma em seis meses, depois fica um ano na mão de um órgão público e depois recebe o imóvel novinho em folha para alugar por uma nota preta. Só não sei se tem isenção por ter ficado um ano na mão do governo.

          Reply
      • Antonio 23/04/2013 at 12:48

        Tá certo Márcio, se não tem serventia, pra que tombar? Derruba e faz algo mais útil no lugar. Essas bestas falando que tem de preservar e tal, por que não fizeram isso com o Carandiru? Ia ser lindo uma cadeia sem ninguem dentro, uma maravilha.

        Reply
        • A. Vandelay 24/04/2013 at 13:59

          Um exemplo esdrúxulo não serve para corroborar um ponto-de-vista.

          Reply
      • paulo 08/02/2015 at 20:19

        Marcio, não precisa demolir um predio com historia e arquitetura unica é so´alugar sem mexer nas caracteristicas externas, podendo até mexer internamente, como fazem na Europa.

        Reply
    • Lua 04/10/2012 at 13:16

      O povo brasileirO não é sem memória. O que acontece é que não temos esse sentimento de resguardar o patrimônio cultural e material. Esse descaso que você se refere, é fruto da própria construção da identidade brasileira, é muito mais complexo. Então de acusar estude.

      Reply
      • Carlos 24/10/2012 at 12:44

        É vamos quebrar tudo e nem tirar do caminho assim o povo esquecido acaba de esquecer de uma vez.

        Reply
      • Rosa 25/10/2012 at 01:10

        Ao Sr. (Srª?) Lua, que parece tão empenhado em mandar as pessoas,cujo comentário não lhe é agradável, estudar. Recomendo que assista ATENTAMENTE ao filme “Quanto Vale ou É Por Quilo?” (primoroso por seu uso de argumentos de autoridade, maravilhosamente documentados). Então pode-se repensar este “sentimento de resguardar (ou não…) o patrimônio cultural e material”

        Reply
  • Elmi Omar 06/11/2010 at 20:07

    Senti falta da notícia em seu site sobre a demolição do Casarão histórico (Casa Saraceni). Então ai vai. Espero ter contribuido.

    Por volta da 1H da madrugada da última quinta-feira, o prédio foi demolido. Um dos marcos da primeira industrialização do município foi derrubado pela vontade dos proprietários da Shopping Internacional.

    Reply
  • marcio manoel 06/11/2010 at 21:01

    adorei saber um pouco da historia desta marca que deixou lembranças marcantes na minha vida meu padrinho Jaime Jose dos Santos era motorista desta empresa e quando vinha ao RJ passava em minha casa e me colocava no bau do caminhão e mandava eu escolher qual caixa queria, eu saia daquele caminhão com o biscoito mais gostoso do mundo seja qual fosse o sabor pois o carinho fez com que eu tenha saudade ate hoje desta marca,hoje tenho 38 anos de vida e trinta e dois de saudades. valeu

    Reply
  • Marcelo 07/11/2010 at 22:37

    Me lembro muito de passar em frente a essa fábrica qdo a gente vinha pra minas, antes de pegar a fernão dias. Muito triste saber que terminou assim.

    Reply
  • Eduardo Britto 13/11/2010 at 19:02

    Demoliram a Duchen? Sacanagem!

    Reply
  • Sônia 14/11/2010 at 18:12

    Muito bom. Um registro do passado, estimula a lembrança, informa aos mais jovens e denuncia o descaso com a arquitetura. Parabéns.

    Reply
  • edison ama 03/12/2010 at 09:16

    Quando eu passava pela dutra na portaria da duchem tinlha um relogio e eu via as horas

    Reply
  • Viktor 07/12/2010 at 02:58

    Via essa fabrica todo dia da minha infancia, pois meus pais eram feirantes em Guarulhos. Me surpreendi por ser do Neymayer, nao sabia disso, mas desde pequeno admirava muito as linhas dela.. achava q era uma nave pousada. Me instristeceu mesmo de ver ela derrubada. A empresa perdeu uma grande chance..

    Reply
  • Luciano 13/12/2010 at 00:23

    O mais engraçado e triste da história. Pela foto do google earth da pra ver que os caminhões estão estacionados justamente no piso da antiga fabrica. Ora pois… porque não deixaram o antigo prédio e parassem os caminhões dentro deles, inclusive abrigados do sol e chuva??? Vai entender a mentalidade desse povo que só pensa com uma retro-escavadeira…

    Reply
    • MB1620 11/03/2011 at 13:58

      A transportadora comprou o terreno para construir sua ampliação e derrubou a construção sem saber que a mesma era tombada pelo patrimônio historico. Ai a obra foi embargada e só serve de estacionamento mesmo.

      Reply
  • LUIZ 24/12/2010 at 02:34

    Essa fábrica pertencia a família de meu pai.

    Grato por poder vê-la, algo que eu não faria sem esse artigo. Tenho 37 anos, e não vivi essa época de “glória” famililar. Minha esposa é arquiteta e disse saber antes que fora a única fábrica de Niemeyer!

    Luiz Henrique Duchen Auroux

    Reply
    • Flavio Vieira 10/04/2012 at 10:48

      Luiz Henrique , Bom dia!!!

      Será que vc poderia me ajudar,pois minha mãe trabalhou na Duchen na epoca dos anos 60 é ela precisa muito de alguns documentos para se aposentar.Neste caso vc poderia me passar um contato do escritorio que estão os documetos antigos.

      Att

      Flavio Vieira

      Reply
      • Keila Araujo 05/06/2013 at 14:23

        Flávio vc obteve sucesso a respeito da sua pergunta pq o mesmo acontece com minha mãe e não sabemos onde irmos. ..grata

        Reply
  • VITO FUMAGALLI 01/01/2011 at 11:01

    Bra il – Do j ito qu vai daq i a po co nao ter mos mais hist ria.

    Reply
  • marcelo juliano 02/01/2011 at 16:51

    infelizmente mais uma parte da história indo para o chão,glaucia vc sabe o por que do fechamento? curso história e gostei da matéria,fiquei triste pela e pelos seus donos e funcionários.

    Reply
  • sonia afonso fogaca 04/01/2011 at 15:14

    Tenho muita saudades desta empresa meu pai trabalhou lá
    muito tempo eu também trabalhei , mas eu era criança ficava no
    portão da minha casa esperando meu pai voltar do trabalho ,Quantas
    lembranças boas ,uma pena terem demolido esta empresa era muito
    bonita e diferente .

    Reply
    • sonia afonso fogaca 26/01/2011 at 14:13

      muitos da minha família trabalharão nesta fabrica , ela faz parte da minha historia, todo final de ano tinha festa para os funcionarios e os filhos ganhavam presente de natal.

      Reply
      • Ângela Bonacci 05/10/2012 at 18:13

        Sonia Afonso Fogaça
        Eu também, quando criança, participava das festas de natais lá na Duchen da Dutra. Tenho saudade daquele tempo e dos presentes que recebíamos. Minha mãe trabalhou no escritório da 24 de maio, no Centro.
        Abraço,

        Reply
        • Orlando S C Nardi 05/12/2012 at 11:22

          Muita coincidenciam pois meu pai trabalhos na Duchem por pelo menos 40 anos, alias, desde antes da construção da fabrica e até depois de quando ela foi vendida ao grupo Arapuã-Fenicia, se sua mãe trabalhou na 24 de maio com CERTEZA ela conheceu meu pai, iamos as vezes la no escritorio ficar com ele…..e todo natal eles mandavam presentes para os filhos dos funcionarios e toda sexta-feira davam 2 kg de biscoitos aos funcionarios tb…….comi bolacha a vida toda…direto da lata…..e até direto do forno, numa visita que fizemos à fabrica……

          Reply
          • oswaldo monteiro 16/02/2013 at 10:13

            trabalhei no escr 24 de maio e na fab rod pres dutra entre as decadas de 60 e 70 (seculo 20)econheci o sr.orlando nardi,de cabelos grisalhos mas deveria estar na faixa dos 40 a 50 anos de idade.Conversamos varias vezes (acredito tratar-se do seu pai) sds. oswaldo monteiro 16/02/2013

  • Miguel Cardoso 27/01/2011 at 19:10

    Esta fabrica foi dinamitada pelos donos da
    transportadora Atlas…Cadeia neles…

    Reply
  • Carlos R. Ananias 31/01/2011 at 02:24

    Trabalhei nessa empresa 1 ano e 7 meses (Ago/1972 a Mar/1974). Como nessa terra ninguém obedece às leis, ela foi demolida pela Atlas Transportadora por uma briga judicial.

    Reply
  • RUBENS ROSA 21/02/2011 at 20:51

    MORAVA NA POENHA PRATICAMENTE NOS FUNDOS DA FABRICA EM UMA LINHA ETA, FUI MUITAS VEZES BRINCAR NO TERRENO DA EPOCA DA CONSTRUÇÃO, A TV RECORD NA ÉPOCA DAVA DE PREMIO UMA RÉPLCIA DA FÁBRICA, UMA PENA TUDO ACABOU

    Reply
    • Benjamin Avelar 04/10/2012 at 12:24

      Na época eu morava na Penha, e ia com alguns amigos de infância comprar bolacha na Duchen ( a gente ia à pé ) A gente comprava bolachas, tipo wafer. Bons tempos aqueles.

      Reply
  • Diene 28/04/2011 at 23:12

    Como funcionária mirim da época, quero deixar registrado o quanto fui feliz em trabalhar na Duchen.
    Hoje observo o quanto ela era moderna com seus funcionários, conforme ao relato acima, participei das festas de final de ano, até teatro era organizado entre os funcionários, e como todos, lamento profundamente a demolição, onde eu a conheci do laboratório à mecânica, a arquitetura era linda, divina e bem dividida pelo nosso grande ARQUITETO OSCAR NIEMEYER. Lamento pela falta de atenção dos novos proprietários.

    Reply
  • sonia afonso fogaca 06/05/2011 at 08:52

    Eu trabalhei na DUCHEN ainda menor de idade e perdi minha carteira de trabalho e gostaria de saber onde posso encontrar o escritorio que tem todos os registros dos antigos funcionarios , pois eu preciso provar que trabalhei lá a fim de aposentadoeia se alguem puder me ajudar agradeco

    Reply
    • Branca 09/07/2011 at 11:05

      Eu preciso saber onde está localizado o escritório com todos os registros dos funcionários ,pois estou precisando um documento que meu marido trabalhou na empresa para fins de aposentadoria,pois o mesmo perdeu a carteira de trabalho, preciso o mais rápido possivél ,pois ele teve um AVC e estamos tentando aposenta lo se alguém poder me ajudar agradeço muito

      Reply
    • flavio vieira 01/08/2011 at 12:49

      Sonia ,boa tarde!!!!vc por um acaso conseguiu alguma informação,pois estou na mesma situação.Se puder me passar algo agradeço.

      Reply
      • SONIA AFONSO FOGACA 19/08/2011 at 08:58

        BOM DIA FLAVIO EU ENTREI EM CONTATO COM A PARMALAT E ME DISSERAM QUE OS DOCUMENTOS DESSA EPOCA SE ENCONTRA NA EMPRESA GENERAL BISKUI DO BRASIL QUE FICA NA AV. MARIA COELHO DE AGUIAR 215 BLOCO D 8º STO AMARO
        SE VOCE TIVER MAIS ALGUMA INFORMACAO POR FAVOR ME AJUDE CBRIGADA

        Reply
        • Flavio Vieira 19/04/2013 at 13:40

          Sonia , Boa tarde!!! teve algum exito sobre o escritorio,pois não tive exito nenhum!!

          Reply
          • Flavia Lima 31/03/2014 at 14:26

            Oi, sou filha de uma ex funcionária e gostaria de saber se alguem sabe algo sobre o escritório.

        • Gilvani Gomes Martins 28/07/2014 at 11:02

          Por favor, gostaria muito que alguem de vcs me informassem se sabem sobre o escritório ou outra empresa que se encontra a antiga Duchen, pois o meu esposo trabalhou lá por uns dois anos e perdeu a carteira e precisa para efeito de aposentadoria. Por favor se alguém souber de alguma informação a respeito nos ajude, desde já ficamos muito grato!

          Reply
          • edmilson torres dos santos 28/07/2014 at 15:52

            alguns documentos se encotram,na r.conselheiro furtado,747 liberdade prox.ao metro sao joaquim

      • Keila Araujo 05/06/2013 at 11:20

        Flávio e Sônia vcs conseguirão a documentação a minha mãe tb trab e perdeu a carteira agradeço

        Reply
  • Rogerio 15/05/2011 at 20:20

    É assim que os paulistas tratam sua mãe memória: total indiferença.

    Reply
  • José Luis amrante de oliveira 24/08/2011 at 21:10

    devia fazer essa porcaria de transportadora pagarem pra erguer a fabrica nova mente tomara que um dia isso acontece

    Reply
  • druca fate 31/08/2011 at 23:05

    Lamentável a atitude de Oscar Niemeyer. Aliás, em minha impressão bem pessoal, acho que sua atitude é um reflexo de sua ideologia. Não é à toa que a sua concepção arquitetônica é do jeito que é: sem a mínima relação com qualquer passado. Quanto à Duchen, na minha infância, em Fortaleza-CE era de bom tom levar produtos especiais da Duchen como agrado às pessoas. Vinham em latas muito bonitas e, em seu interior, os produtos eram separados por um papel sanfonado. Quando se esvaziava a lata, permanecia o cheiro no papel por um bom tempo. Eram saborosíssimos. Saudades…

    Reply
  • SERGIO ANTONIO LOPES 04/09/2011 at 12:00

    QUANDO CRIANÇA IA COM MEU PAI E TIOS ENTREGAR MEL PARA
    A DUCHEN, A MARCA DO MEL ERA IRMÃOS BERNARDO LOPES LTDA,E O FANTAZIA ERA MEL ARARAQUARA,IDOS TEMPOS QUE HOJE NÃO OS TENHO MAIS E FICOU A SAUDADE.
    PARA MIM IR ENTREGAR MEL NA DUCHEM ERA UMA CONSAGRAÇÃO
    PELO FATO DELA SER MUITO GRANDE,E O PREDIO MARAVILHOSO
    E O MAIS RECONFORTADOR, É QUE GANHAVAMOS BISCOITOS DOS
    GERENTES E PROPRIETARIOS DA DUCHEN, FICOU A LEMBRANÇA,
    FELISMENTE SOU MUITO SAUDOSISTA.

    Reply
  • FABIO 11/09/2011 at 22:54

    ALGUEN FOI PUNIDO???
    HEIN???

    BRASIL!!!

    Reply
    • Miguel Oliveira….. 01/09/2017 at 12:12

      Ninguém foi punido…………

      Reply
  • José Luis amrante de oliveira 13/09/2011 at 18:50

    adorei a foto de cima da fabrica dar pra ver o nome esc
    rito duchem.gostaria quem tivesse mais foto da fabrica podia colocar deis de já agradeço quem colocou.
    as fotos pelomenos deu pra lembrar um pouquinho da fa brica de biscoitos duchem.

    Reply
  • Edson G.Bezerra 04/11/2011 at 14:07

    Foi o meu primeiro emprego.Trabalhei lá de março/74 à julho/75. Não tem como não ficar emocionado ao rever os comentários de ex-funcionários, admiradores da marca, e dos protetores da história desse país.
    A demolição do prédio por parte dos proprietários da Transportadora, já se explica por si só a mentalidade de uma grande parcela desse povo, de uma grande parte do empresariado e de uma grande maioria das autoridades desse país !

    Reply
    • oswaldo monteiro 21/04/2012 at 11:13

      apos a duchen,voce foi para a toga? sds o.monteiro

      Reply
  • paulo stefanelli 03/12/2011 at 21:13

    Eu não sei se conheci essa fábrica, pois sempre a vi em fotos e era fácil de reconhecê-la. Passei algumas vezes pela via dutra no rumo sp-rio-bahia. Mas, houve um tempo muito especial em que eu fazia o trecho sorocaba-sp-beagá, e eu observava todas as paisagens e construções pelos caminhos!
    Uma fábrica fantástica!
    Eu queria ver fotos da fábrica Duryea que havia na beira do tietê, ela fedia demais, mas hoje o cheiro geral é como se fosse a duryea! A helmman’s hoje fede lá em pouso alegre!

    Reply
  • Oscar « quando a cidade era mais gentil 08/12/2011 at 16:47

    […] fotos e informações em http://www.saopauloantiga.com.br/biscoitos-duchen-historia-e-demolicao/) Share this:TwitterFacebookGostar disto:GostoBe the first to like this post. ← Previous […]

    Reply
  • druca fate 22/12/2011 at 13:07

    O comentário do internauta Márcio faz muito sentido. O problema é que há casos em que a necessidade de tombamento de um determinado prédio histórico faz-se necessário. Assim, deveria haver um meio termo: o Patrimônio Histórico ou Arquitetônico seria preservado, mas, o seu legítimo proprietário teria que ter sua compensação. Ele não pode nem deve ter prejuízo, mesmo em favor da coletividade. Reconheça-se a importância de um tombamento, mas, o ônus desse investimento não deve recair em seu proprietário. O interesse é público, então que o Poder Público assuma-o. E olhe que eu sou um ardoroso defensor do tombamento de prédios históricos ou especiais.

    Reply
  • Mânio Britto 01/03/2012 at 23:23

    Foi uma fábrica que deixa saudades ,é uma pena ter sido demolida.

    Reply
  • Manoel Carlos 25/03/2012 at 18:37

    Meu pai foi representante da Duchem no final dos anos 60 em Santos, nunca me esqueço da pasta (catálogo) com as amostras de bolachas, nesse mesmo tempo meus tios abriram quatro lojas da Casa dos Biscoitos em Santos, como todos ja se foram, não tenho mais nenhuma referencia destas lojas, mesmo sendo as mesmas famosas na época. Pena..

    Reply
  • Lidia Correa 01/04/2012 at 21:00

    Olá, entrei aqui por acaso, pois estava assistindo a um filme no Youtube chamado “São Paulo, Sociedade Anônima” de 1965 que mostra uma cena no finalzinho (1:45:49)a fábrica da Duchen. Como meu marido não se lembrava, fui procurar uma foto para ele ver. Fica como curiosidade!

    Reply
  • oswaldo monteiro 20/04/2012 at 22:00

    e lamentavel que tenham destruido um grande patrimonio historico cultural pois a duchen era citada em livros de geografia como simbolo de industria moderna na decada 1950(geog.brasil-aroldo de azavedo).trabalhei na duchen por mais 8 anos entre as decadas de 1960 e 1970 a duchen produzia biscoitos finos elaborados c/mat.prima primeira qual.um dos comentaristas acima edson g.bezerra,talves tenha trabalhado comigo no mesm

    Reply
  • Elizabeth Soares 24/04/2012 at 18:34

    Sim, ela foi comprada pela Parmalat, agora é Duchen Parmalat;

    Reply
  • elizabeth soares de souza 24/04/2012 at 19:27

    trabalhei na duchen de 1971 a1973 amei muito aquela empresa, tenho muita saudade,estou feliz por essa pessoa linda ter aberto esse site, O MEU MUITO OBRIGADA,gostaria de contactar com colegas da época.

    Reply
    • Jose Alberto Augusto 26/05/2012 at 08:01

      Eu tive oprevilegio de trabalhar nesta empresa chamada Duchen ( Empresa Paulista de Alimentação no ano de 1973.
      Trabalhava na area que fazia o biscoito champanhe, que saudades daquele tempo, éra muito bom.

      Reply
    • Jose Alberto Augusto 26/05/2012 at 08:07

      Elizabeth, tudo bem com você? por acaso você morava na Vila Sabrina?

      Reply
  • oswaldo monteiro 12/05/2012 at 11:03

    elizabeth’trabalhei no almoxarifado.em que setor voce trabalhva?sds.oswaldo monteiro.

    Reply
  • Robson 17/06/2012 at 21:38

    Hoje dia 17/06/2012 encontrei uma de lata do biscoito champanhe em bom estado de conservação fiquei curioso
    pois ate o papel que envolvia o biscoito ainda estava dentro da lata e nela estava datado de 1950 e fiz uma busca no Google e conheci a historia da duchen muito legal sera que esta lata interessa a alguém.

    Reply
  • Carlos Jerônimo Fabbris 04/07/2012 at 08:25

    Trabalhei no setor de faturamento na Duchen no período de 83 a 85 data que foi vendido o nome fantasia. Neste tempo conheci pessoas que nunca mais encontrei. Hoje moro no Pará. Tempo bom aquele!!!!!!!!!!!!!

    Reply
  • Carolina Campos 07/07/2012 at 18:11

    Tenho uma lata de biscoito da duchen, vermelha com os dizeres: Sortidos Duchen. Consta como endereço da fabrica a Rod. Presidente Dutra E escritorio 24 de maio 250 3º andar, telefone 35.3916. Gostaria de saber a data de fabricação desta embalagem…. Alguém saberia me responder? Esta lata era da minha falecida avó!!

    Reply
  • Silas 09/07/2012 at 23:14

    tive o prazer de ver esta fabrica ainda em pé,achava bonita demais,achei uma pena quando começaram a demoli-la, hoje fiquei mais triste ainda pois não sabia que tinha sido projetada pelo Oscar Niemeyer. verdadeiramente uma perda irreparável.

    Reply
  • Manoel Lorena 14/07/2012 at 17:52

    Sou Lorena no vale do paraíba e sempre que vinha a São Paulo tive durante toda minha infãncia o prazer de ver essa fábrica como referencia visual da cidade grande …. a fábrica da Toddy também – essa está lá ainda!

    Nos anos 2000 volto ao mesmo trajeto como professor de faculdade e vejo apenas o arco da recepção e lá no fim do terreno uma ultima parede com a característica curvatura que durou apenas um pouco tempo. Discussões a parte sobre o valor de um patrimonio industrial ou não, nesse país não se discute de modo sério esse assunto e por isso e outras estamos condenados a sermos medíocres culturalmente infelizmente …..

    Reply
  • antonio machado 19/07/2012 at 22:15

    se nao me falha a memória,essa empresa antes de seu fechamento foi adquirida pelas indústrias carlos de
    brito detentora da marca peixe.eram empresas tradicionáis e que as famílias paulistana confiavam.a marca duchem ficou muito conhecida gracas a uma música que dizia.-la vai o trenzinho camarada dos biscoitos duchem,é um trenzinho camarada……..
    pobre povo que nao tem memória.viva o mcdonald

    Reply
  • paula 17/09/2012 at 23:05

    minha avó tem uma lata de biscoito Duchen q ela guarda há mais de 60 anos… A lata tem desenho de rosas vermelha e amarela. Foi o primeiro presente q ela ganhou do meu avô. Pelo q consta na lata ainda nao era fabricada na rod.pres.dutra. Parabéns pela matéria e pelo site! Abraços

    Reply
    • MOACIR 05/12/2012 at 23:51

      Oi paula, tinha sim uma fabrica na Rod. Pres. Dutra em +/- 2003 trabalhava na Atlas, fica do lado do terreno da antiga Dunchem e ela comprou o terreno da Dunchem, pra fazer galpão, e fui la onde ficava essa fabrica, em 2003 tinha ruinas desse predio, mas acho que hj a atlas demoliu tudo tem um estacionamento de carretas dela lá.

      Reply
  • Thomas 06/11/2012 at 11:10

    Dois pontos: Primeiro, tombar um imóvel só porque foi feito pelo Niemeyer… vem pra Brasília, tem centenas deles, tudo tombado.
    Segundo, essas famílias tradicionais paulistanas tiveram tudo na mão – hoje não adianta chorar o leite derramado. Se as empresas fecharam foi por pura incompetência, principalmente no amadorismo do planejamento da sucessão, p. ex., passando pro primogênito

    Reply
  • nilton josé 30/11/2012 at 22:11

    eu tenho uma lata de rosas vermelhas e amarelas nelas

    estão escrito Companhia paulista de alimentação rua borges de figueiredo,623-São Paulo Brasil.biscoutos Duchen…

    Reply
  • nilton josé 30/11/2012 at 22:17

    eu tenho também uma lancheira de lata da são luiz.

    com desenho do mapa do Brasil rua fernando alterio e cia

    alguem pode me disser o ano em que ela foi ao mercado…

    muito obrigado…

    Reply
  • MOACIR 05/12/2012 at 23:47

    Que obra de Niemeyer, que morre hj 05-12-2012, trabalhei na transportadora Atlas de 2002 a 2008, quando entrei lá em 2002, fui onde ainda existia ruinas da fabrica, a Atlas comprou o terreno da Fabrica, pra fazer galpão, mas na epoca rolava tombamento historico do local. Tinha um encarregado meu, bem mais velho que eu, que contava historia do tempo em que ele via as funcionarias entrando e saindo do trabalho. Tinha um escada la no local que dava acesso ao subsolo, parecia uma espécie de vestiário, com alguns corredores, fiquei muito impressionado.

    Reply
    • Maria de Lourdes Pereira 23/04/2013 at 10:35

      Sabe, eu trabalhei lá no ano de 1973 a 1974. Comecei na fabrica e depois passei para o escritorio. Realmente tinha um subsolo, onde funcionava a parte administrativa . O predio realmente era muito bonito.

      Reply
  • oscar alves dos santos 07/04/2013 at 10:19

    a todos que responderam sobre a derrubada da noss querida Duchen so desejo muitas felicidades a todos
    eu não sei se voces sabem quanto era o custo da linda
    obra do nosso arquiteto Oscar Niemeyer que deus levou
    ele vai elabrar projetos ao nosso grande arquiteto nosso “Deus” em 1950/51/53 essa obra custou R$350.mil cruzados ou a moeda da epoca ,se formos construir hoje
    uma area contruida de 23333.m2;…,,gastariamos R$ 5333.333,33 aprox. em terreno com 50000.mil m2 aprox.
    quando trabalhava na Phillips em Guarulhos sp. apreciavamos muito a Duchen km.221 os daudades não sabem respeitar as boas memorias e tombamento…..;
    Oscare Veronica de Osasco Sp. cel.99745-2050 e so ligar em 07-04-2013…..;….! ?;

    Reply
  • Paulo 23/04/2013 at 22:12

    Isso se resume numa só palavra; Cultura!

    Reply
  • nelson weiss 25/04/2013 at 18:03

    Firam os primeiros biscoitos decentes do Brasil. A fabrica era linda, aliás no meu entender a unica obra util feita pelo Oscar. O mais espantoso é que nem ele deu valor.

    Reply
    • Gualberto Cappi 25/04/2014 at 08:52

      Olà Nelson, sou arquiteto italiano e acho, como a maioria dos meus colegas, o Niemayer um dos mestres do XX sec. A atitude dele ao respeito da sua propria arquitetura nao deve nos maravilhar, ela na verdade pode ter uma explicaçao muito simples: o arquiteto realiza uma obra por um fim, para uma utilizaçao, a obra nao è concebida para servir desde jà como “futura memoria”. Alem disso, a sua obra è paga pelo comitente e portanto pertence a ele e a sociedade ao seu redor; entao, a vida da obra do arquiteto nai fica nas suas maos, mas justamente na mao da sociedade que a recebeu.
      Sendo assim, a atitude de saber valorizar a propria memoria, de saber conservar formas e arquiteturas do tempo passado, ou faz parte da cultura do povo que com elas vive, ou nao se possibilita.
      Finalizando, certo que a conservaçao representa um custo (que nao pode de jeito nenhum recair em cima dos proprietarios) mas tambem representa um otimo investimento: na propria cultura principalmente (o principal investimento que uma sociedade pode fazer, lembre-se sempre), que recai tambem na vivibilidade das cidades, e na renda turistica consequentemente.
      Essa “consciencia” nao se forma de um dia para outro e precisa de estabilidade de moradia, de “sedentarismo” (termo que sempre è conotado negativamente …), de sedimentaçao de vida de geraçoes.
      Gente que muda de continentes, que depois muda de estados e que depois muda de cidades, na maioria dos casos, e è atè comprensivel, nao favorece o aflorar de uma cultura de carinho e atençao pela historia do lugar onde reside.

      Reply
  • Olegario Jose 26/05/2013 at 16:48

    Trabalhei na decada de 70 a 85 na oficina mecanica – era muito bom conheci varios amigos, minha esposa tambem trabalhou na Duchen e jamais esqueceu dessa empresa tras muitas saudades

    Reply
    • Roberto José Romanelli 01/02/2015 at 13:46

      Hoje sou idoso, mas quando menino comia os biscoitos Duchen e cantava o jingle do “trensinho camarada” de cuja letra não consigo me lembrar totalmente. Caro Olegário José, se você ou alguma pessoa que você conheça souber a letra do jingle peço que informe pelo e-mail roberto.romanelli.@ig.com.br , pelo que agradeço antecipadamente.
      Roberto José.

      Reply
  • José Henrique Almeida Marques 29/05/2013 at 12:00

    Oi Gláucia Garcia,
    Adorei esta verdadeira relíquia de nota sobre a DUCHEN.
    Tomei a liberdade de compartilhar imagem e link em meu álbum do facebook OSCAR NIEMEYER – ARQUITETO, BRASILEIRO, CIDADÃO, dentro de minha página PANCOLECIONISMO TEMÁTICO NO FB, que solicito a você e a todos que visitem e, ao acessá-la, cliquem em CURTIR PÁGINA à direita da tela para receber as atualizações.
    Obrigado. José Henrique / Campinas.
    https://www.facebook.com/pancolecionismo

    Reply
  • Carmen lLorente Morales 13/07/2013 at 21:37

    Que pena!Adorava ver a fábrica quando ia para para Guarulhos!

    Reply
  • Ricardo Guedes 03/09/2013 at 13:20

    Também trabalhei no Transporte Atlas de 1997 a 2010., ficava indignado vendo parte que havia restado da estrutura em demolição.

    Reply
  • Sueli 27/09/2013 at 19:27

    Gente, não fiquem responsabilizando Oscar Niemeyer pela demolição. Ele projetou a fábrica, recebeu para isso, mas a obra não lhe pertence. A empresa Duchen vendeu a fábrica para a transportadora. Na minha visão, quem foi mais indiferente a essa demolição foi a transportadora, que estava pouco se lixando sobre o valor arquitetural e histórico da fábrica.

    Reply
  • Fernanda Costa 21/10/2013 at 15:53

    Boa tarde a todos. Lamentável o que foi feito com a fábrica, mas a marca Duchen continua existindo, hoje os biscoitos são comercializados pela empresa Pérola Alimentos S/A da qual eu sou coordenadora comercial. O portfólio Duchen é composto por biscoitos Cream Cracker, Àgua e Sal, Maizena, Maria, Recheados e Wafer. Temos distribuição em todo o território Nacional, sendo 80% no Sudeste. Os biscoitos Duchen também são exportados para o Paraguai e Angola.
    Procurem o ponto de venda mais próximo e poderão constatar que a Duchen, essa marca centenária, continua oferecendo muita qualidade para nossos clientes e consumidores. Abraços

    Reply
  • edmilson torres dos santos 17/11/2013 at 12:57

    minha esposa trabalhou,no ano de 69 ate final de 1971,mais nao consta no inss,como que eu faço,para localizar,essa empresa.alguem pode me ajudar

    Reply
  • Cristiane 22/01/2014 at 15:43

    SRS, meu pai também trabalhou na Duchen e não consta no INSS, alguém teve sucesso de como resgatar a informação referente à contribuição ??? Se sim, por favor envie informações . Muito Obrigado

    Reply
  • JANET 26/02/2014 at 15:43

    MI NOMBRE ES JANET DUCHEN YO ESTOY INVESTIGANDO MI GENEALOGIA FAMILIAR VIVO EN ITALIA PERO SOY ARGENTINA CON MUCHA FAMILIA EN BOLIVIA,ES INTERESANTE SABER QUE UN FAMILIAR PASO POR BRAZIL PARA INICIAR ESTA INDUSTRIA QUE LAMENTABLEMENTE CERRO ,YO ESTOY MUY INTERESADA EN MIS ANTEPASADOS QUE FUERON DESDE EUROPA HASTA SUD AMERICA ,PODRIA DARME ALGUNA INFORMCION POR FAVOR MI TATARABUELO ERA BERNARD DUCHEN ESTARE MUY AGRADECIDA POR LA INFORMACION QUE ME PUEDA PASAR .
    ATTE. JANET DUCHEN

    Reply
    • Orlando 13/03/2014 at 16:28

      ola…Janet….estou escrevendo em portugues, talves=z vc não entenda…mas o que posso te dizer sobre a Duchen, é que não se trata de um nome de familia……não posso te dizer exatamente como chegaram a esse nome, mas como meu pai trabalhou por mais de 30 anos nessa empresa, posso te garantir que não era o nome do proprietario…….não sei agora como ele se chamava , mas sei que não era DECHEN, nem algo parecido!!!!!………meu pai ja morreu, por isso não tenho a quem consultar…mas como ja disse, ele não era um ”DECHEN”……

      Reply
  • JANET DUCHEN 11/03/2014 at 09:57

    AJUDAR,NIMGUEM PARA ME RESPONDER?

    Reply
    • Paulo Peres 22/12/2014 at 22:11

      Janet, lamento informar que de fato a marca Duchen não era um nome de família. O fundador da Duchen, que tinha como razão social “Cia Paulista de Alimentação – Duchen”, foi a família Britto, o mesmo fundador da marca Peixe (extrato de tomate). Lembro-me perfeitamente da placa de bronze afixada próximo ao restaurante, que homenageava os fundadores “Francisco Pitta Brito” e “Carlos Alberto de Nóbrega Brito”. Na década de 70 a empresa foi vendida para o Grupo Fenícia, e na década de 80 foi desativada. Apenas a marca foi vendida para o grupo Hersheys, o terreno para Atlas e as máquinas para Aymoré.
      Trabalhei por mais de 10 anos nessa empresa e só tenho boas recordações.

      Reply
  • Dan 19/03/2014 at 19:05

    Uma pena que demoliram um prédio tão moderno até para os tempos atuais… poderia virar centro cultural, centro de exposições ou até um museu…

    Reply
  • marli coimbra 20/03/2014 at 10:46

    Lamentável postura da Atlas. Muito legal ver os comentários a interação entre as pessoas sobre o assunto. Por isso que na Europa existem muitos museus, a postura foi mudada a séculos. Se não seguirmos o exemplo nossa história se restringirá apenas nos jesuítas e índios. abraços.

    Reply
  • sonia 09/05/2014 at 23:26

    Alguns documentos da Duchen estao neste endereço : Rua: Conselheiro Furtado, 747 Liberdade sp ( próximo a estaçao de metro sao joaquin ). .Espero ter ajudado Boa sorte.

    Reply
    • Keila Araújo 13/06/2014 at 21:54

      Sim ja vai qjudar hoje estive em sto amaro e de la eles mudaram alguem tem o tel ou vc sonia desse endereço obrigada

      Reply
  • Marcos 06/07/2014 at 08:43

    Trabalhei na Empesa de Transportes Atlas Ltda ( nome na época ) de 1989 a 1993 e me recordo que o prédio da Duchen ainda estava de pé, mas sendo usado como galpão de armazenagem das mercadorias da transportadora , denominado “setor de importação ” .Eu trabalhava no setor de expedição e várias vezes tive o prazer de entrar nesse prédio para levar documentos e “saborear” com os olhos cada espaço e canto ,cada pisada no assoalho de madeira rangendo aos pés , imaginando aquela fábrica em funcionamento .Não me recordo direito o ano ( acho que em 1991/92) , foi quando começaram a demolição . Os demolidores tiveram muito trabalho , pois a construção (segundo me falou o encarregado do setor que eu trabalhava ) era de construção da antiga Matarazzo . Lembro-me que que usavam explosivos tão fortes que chegavam a “voar ” pedras até a Dutra . Num jornal da época estava a foto do advogado da Atlas com a maior cara de pau dizendo que o prédio estava em ruinas e caindo sozinho ( absurdo ) . Não sei o porque da autorização dessa demolição, mas os donos da Atlas ( Os Megale de Borda da Mata-MG) sempre arrogantes, poderiam muito bem manter o prédio , ou adequá-lo ao uso do dia-a-dia , aproveitando o resto do espaço do terreno( que não era pequeno não ) .Infelizmente , nesse país, tudo gira em torno do ($$$$$$$$$$) . Mas o bom dessa lamentável história, é que recordações ninguém pode tirar da gente . Saudades daquela época boa .

    Reply
  • Marcos 06/07/2014 at 08:53

    Outro comentário : Quando criança, tive a honra de saborear os biscoitos Duchen originais . Apesar de a Parmalat estar utilizando o nome em alguns de seus biscoitos, não significa que sejam os mesmos . Quem teve o mesmo privilégio que eu de conhecer os originais, sabe que não tem nem comparação ! ( É claro que sem desmerecer a Parmalat, é claro, pois a mesma faz ótimos produtos !)

    Reply
  • Gilvani Gomes Martins 28/07/2014 at 11:12

    Eu estou tentando localizar a antiga Duchen, pois o meu esposo trabalhou lá e perdeu a carteira de trabalho e precisa para efeito de aposentadoria, pedimos por favor quem souber nos informar a respeito ficamos muito agradecidos!

    Reply
    • edmilson torres dos santos 28/07/2014 at 16:01

      alguns documentos,se encontram na R.conselheiro furtado 747 liberdade prox. ao metro sao joaquim

      Reply
      • Gilvani Gomes Martins 28/07/2014 at 17:01

        Muito obrigada pela atenção Edmilson Torres dos Santos, vamos até lá!

        Reply
  • Gilvani Gomes Martins 28/07/2014 at 11:22

    Keila Araújo, vc já encontrou alguma informação onde se encontra a antiga Duchen??

    Reply
  • Gilvani 22/09/2014 at 13:19

    Comentário: Gostaria de saber onde está incorporada a extinta fábrica de biscoitos Duchen, pois o meu esposo trabalhou lá por volta de 1978 a 1980, infelismente ele não se recorda de quando foi exatamente em que ano ele saiu da empresa, o fato é que ele perdeu a carteira a muitos anos atrás e agora ele está precisando para efeito de aposentadoria.
    Não sabemos onde ir. Por gentileza se puder nos informar eu agradeço desde já!

    Reply
  • paulo rogerio rodrigues 24/09/2014 at 10:38

    Fica mais fácil saber para onde ir quando sabemos de onde viemos.

    Reply
  • genivaldo gomes 12/10/2015 at 08:01

    meo nome e genivaldo gomes estou huge com 56 anos e meda tristeza quando nao vej o predio da fabrica mas linda do brasil e minha famlha quaze todas trabalharao nela samos a familia gomes foi uma impresa importante na minha vida fio um cartao postal pelo seu modelo de construçao nosso amigo oscar maia e gostabia de ter todas a fotus desta impresa pra mim e bem importante fui criado pem pertinho dela e comendo os melhores biscoito

    Reply
  • genivaldo gomes 12/10/2015 at 16:06

    zelial a gomes fonsionaria quando jovem foi o melhor tempo de trabalho maquina 4 encarregada iraci entrei em 74 e sai 27 de junho de 76 podem nesta empresa nao podia trabalha parente mas por presta um bom trabalho aminha familha entro quaze todos avo zaquej apelido paijoao zelino zedequias juderci os primos jacira joge joel miriam adelia anita

    Reply
  • Sonia Duchen Auroux 24/03/2016 at 14:27

    Com certeza o nome era realmente dos fundadores, eram 3 irmãos homens, vindos da França casados com 3 irmãs, e assim formou-se a famila Duchen Auroux q com capital e ideia iniciaram essa grande industria q na epoca era a única no Brasil, a familia morava reunida na rua Haddock Lobo, posso falar com propiedade pois faço parte da família.

    Reply
  • Sonia Duchen Auroux 24/03/2016 at 14:37

    Sou casada com um neto de um dos fundadores e ainda possuímos 3 latas originais dos biscoitos compradas de antiquários, que guardamos com muito carinho.

    Reply
  • Andre Gomes Pereira de Oliveira 05/09/2016 at 00:52

    Alguém teve acesso ou possui o processo de tombamento para verificação? Sou estudante de história e iniciando uma pesquisa sobre imóveis demolidos após negativa de tombamento.
    Agradeço caso exista alguém.

    Reply
%d blogueiros gostam disto: