A preservação em São Paulo é algo bem incipiente, principalmente quando os proprietários são os encarregados da tarefa. Há um série de razões que impõem dificuldades aos donos de imóveis históricos ou simplesmente antigos, que vão desde a falta de condições financeiras dos donos destes referidos imóveis até a total falta de apoio e incentivo por parte das autoridades.

Mesmo assim, há casos de construções que não são tombadas mas que são absolutamente preservadas e enchem os paulistanos de orgulho e de esperança, como este imóvel a seguir:

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

Localizado no número 300 da rua Capitão Cavalcanti, em Vila Mariana, este belíssimo palacete é para mim um dos mais belos exemplares antigos não só deste bairro, mas de toda a cidade.

Construído na primeira metade do século 20, o imóvel possui uma arquitetura bem diferente dos tradicionais casarões paulistanos, com uma entrada monumental ladeada por duas grandes colunas. Passando por elas tem se acesso a porta principal da residência e pode se observar uma charmosa sacada.

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

Os detalhes que constituem a fachada são de um bom gosto ímpar. Tudo é muito harmonioso e até mesmo itens de segurança da residência, como as grades, são feitas de modo a ornar com o imóvel.

O muro baixo, feito em pedra, é completado com um belo e discreto gradil, cujo padrão se repete nas grades da sala e na porta de entrada. No chão do jardim e do quintal, o tradicional piso de caquinhos que tanto nos acostumamos a ver nos lares paulistanos, não importando se são residências humildes ou nobres.

Detalhe da entrada (clique para ampliar).

Detalhe da entrada (clique para ampliar).

Casas como esta são de uma preciosidade rara e estar bem preservada é um motivo de orgulho não só para seus proprietários como para todos os paulistanos. Honestamente não consigo imaginar a Vila Mariana um dia sem este palacete. Na época em que o imóvel foi construído pertenceu a família Travaglia.

Abaixo, mais duas imagens:

Crédito: Douglas Nascimento / São Paulo Antiga

Crédito: Douglas Nascimento / São Paulo Antiga

Seu bairro tem algum imóvel bacana que ainda não está aqui no São Paulo Antiga ? Deixe o local nos comentários e iremos visitar.

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

JOIN THE DISCUSSION

Comments

  • Silvana 04/02/2015 at 13:38

    Lindo!

    Reply
  • Nariane 04/02/2015 at 13:43

    Ja passei em frente e sempre me encantei com ela e nesta rua tb a várias casas antiga e fico ali imaginando suas histórias…..

    Reply
    • Maria Yolanda Barros Cunha 13/01/2018 at 13:10

      Na verdade gostaria de dizer q. morei na Rua Capitão Cavalcanti em 1955,e tb. q. existe um casarão na Rua Cunha entre a Rua Mairinque e Domingos de Morais.Parece q. está abandona ,tem muito lixo.Se puder entre em contato com o Douglas Nascimento,obrigada. d. Yolanda. 13-01-18

      Reply
  • elisabete garcia 04/02/2015 at 13:55

    eu amo muito essas casas antigas fico fascinada

    Reply
  • SALVADOR MAS 04/02/2015 at 14:29

    LINDA E IMPONENTE, PENA QUE NÃO TEMOS FOTOS DO INTERIOR, DEVE SER ALGO DIFERENCIADO,

    Reply
    • Geraldo 09/02/2015 at 14:25

      No andar de baixo ela tinha 1 sala de jantar, um amplo living cuja entrada é pela porta-balcão da varanda e um salão de inverno lateral, com aquela janela lateral frontal.
      No andar de cima, o quarto de minhas irmãs é aquele que tem uma sacada-balcão, o meu o do lado direito com uma pequena sacada.
      Um longo corredor e à esquerda o quarto de meus pais, com um belo terraço anexo e ao final desse corredor, apenas um banheiro para a área dos quartos.
      Em baixo, uma bela copa, um lavabo, uma amplíssima cozinha, bem ao estilo das casas de fazenda do interior, dando acesso a um quintal muito gostoso, com 2 jabuticabeiras frondosas que carregavam todo o ano e traziam muitos sabiás e bem ao final do terreno um gramado aonde eu jogava bola e um galinheiro, aonde minha mãe sempre tinha ovos frescos e seus franguinhos para os almoços de domingo.
      Tinha quarto de banheiro de serviço e uma pequena área para tanque e máquina de lavar.
      Uma garagem para um carro grande.
      Morávamos em 5 nessa casa: meus pais, eu e minhas e irmãs.
      ela foi construída em 1945 pelo meu avô, como presente de casamento para a minha mãe.
      Ficamos lá até 1962.
      Abs,
      Geraldo

      Reply
      • maria aparecida pereira 12/02/2015 at 09:23

        Parabéns ….amo muito casas antigas me senti como voltando no tempo com vc mesmo sem sequer conhece -lo. Maravilhosa narrativa….me emocionou…..

        Reply
      • André Furtado 07/07/2015 at 15:45

        você morou lá? Faço arquitetura e amo casas antigas, ainda tem algum conhecido que more lá? Gostaria de visitar, será que é possível?

        Reply
  • Dulce M.M. Teixeira 04/02/2015 at 14:42

    esse palacete é maravilhoso! (Há uma casa antiga, estilo inglês, no Alto da Lapa….rua Duarte da Costa, em frente a um hospital (não lembro o nome e nem se ainda existe),Pertence a alguém da família Meirelles).

    Reply
    • chris 04/02/2015 at 17:11

      Dulce, dá uma olhada se é algum desses:
      http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=414589

      Reply
    • Gloria Bach Goncalves 04/02/2015 at 21:07

      Dulce,fui criada no Alto da Lapa e ruas como Tome de Souza, Duarte da Costa, aquele fantasmagorico hospital que ainda esta cai nao cai, temos que admirar aqueles palacetes os quais sendo de familia menos afortunada ficava imaginando como era por dentro. Hoje muitas viraram consultorios medicos,advocaticios etc.Realmente gostaria muito em ver historias e residencias de nossa epoca, as quais nao voltam mais.

      Reply
  • Rosi 04/02/2015 at 14:58

    Boa tarde…casa maravilhosaaaaaaaaaaaaaaaa…Trabalho em um escritório onde a casa tb é bem charmosa e antiga,mas infelizmente já foi vendida a uma construtora, e será demolida em breve,por favor se puderem façam uma visita aqui na frente e fotografem,vale a pena,mas se puderem se apressar,pois estamos de mudança no carnaval,e a casa será entregue no msm dia…Rua Gandavo,99,estou muito triste por ver mais uma arquitetura tão bela virar ruínas.abç,

    Reply
    • Douglas Nascimento 05/02/2015 at 10:26

      Olá Rosi, conheço a casa… uma pena saber que irá abaixo.
      Vou tirar umas fotografias nos próximos dias, obrigado pelo seu alerta.

      Reply
  • Roberto Kerr 04/02/2015 at 16:51

    Temos uma casa na mesma rua, no número 95, que é tão bonita e interessante quanto esta. A nossa foi construída pelo meu avô engenheiro, inaugurada em 1931 e está tão conservada quanto esta!

    Reply
    • vanialacerda2013 07/02/2015 at 20:13

      Parabéns por conservar o imóvel, Sr. Roberto!

      Reply
      • Roberto 09/02/2015 at 15:01

        Conversando com minha tia fiquei sabendo que está casa da foto foi inspirada na casa de fazenda do filme “O Vento Levou”!

        Reply
    • Jéssica Genaro Faro 14/01/2018 at 15:02

      Que legal Roberto Kerr!! Essa casa também sempre me chamou a atenção! Costumo passas por ela e há alguns anos ouvia alguém tocando piano 🙂

      Reply
      • Roberto Borges Kerr 15/01/2018 at 10:05

        É verdade, Jéssica. Minha mãe, falecida em 2011, era pianista. Então muitas pessoas que passavam em frente à casa dela (número 95) a ouviam tocar!

        Reply
        • Jéssica Faro 16/01/2018 at 18:03

          Era muito agradável passar e ouvir o piano!! Sempre me perguntava: “Quem será que mora aí? Quem está tocando piano?”

          Reply
  • Luiz Henrique 04/02/2015 at 17:13

    Meu,gostaria de entender o desleixo das pessoas para com as casas nos dias de hoje!
    É simplesmente incrível o cuidado,o capricho com que as casas de antigamente eram erguidas.Definitivamente,nasci em época errada.Só lamento…

    Reply
  • Aparecida 04/02/2015 at 20:27

    \amo imoveis antigos. Obrigada

    Reply
  • Luciana Candido 04/02/2015 at 22:35

    Tem uma casa aqui na Rua Isidoro Dias Lopes que eu gostaria que vocês fotografassem, na verdade são duas casas bem antigas e na placa esta escrito Vila Antonina ou é Antonieta algo assim as casas estão na esquina da Isidoro com a Avenida Parada Pinto e em frente delas estão construindo um prédio.

    Reply
    • Douglas Nascimento 05/02/2015 at 10:21

      Olá Luciana, como vai ?
      Acabei de ver este local que você sugeriu, pelo Google Maps. Realmente bastante curioso.
      Irei lá muito em breve, obrigado pela sugestão.

      Reply
  • Claudio Cardoso Saddi 04/02/2015 at 23:52

    Muito Lindo !!!

    Reply
  • luis a. f. de arruda miranda 05/02/2015 at 09:45

    Beleza, beleza, beleza, sem dúvida nenhuma. O primeiro proprietário, provavelmente aquele quem mandou edificar esta belíssima casa, com certeza era um 33 da Maçonaria e muito devoto à Ciência e à Arte da sagrada Ordem. Salve Jachim, salve Boas! Parabéns por mais esta preciosidade, querido amigo e irmão Douglas. Abração. Shalom Aleihem! Paz Profunda!

    L. Lafam.

    Reply
    • Geraldo 09/02/2015 at 14:16

      O primeiro proprietário não era maçon não, era meu avô, Edgard Nogueira Guedes, que contratou o arquiteto Luiz Muzi para construir essa casa como presente de casamento para minha mãe em 1945. Português, católico e devoto de N.Sra. de Fátima.
      Abs,
      Geraldo Travaglia Filho

      Reply
  • Nat SS 05/02/2015 at 09:45

    Que saudades!
    Eu passava nessa rua todos os dias!
    Ha casas lindas na Vila Mariana.

    Reply
  • Pedro 05/02/2015 at 14:28

    Quem está fazendo isso são os especuladores mineiros.

    Reply
  • Gustavo Cardoso 05/02/2015 at 14:52

    Esperemos que esse casarão permaneça em pé para sempre. Belíssimo, tenho vontade de conhecer, esse e muitos outros que existem nessa cidade, são um dos principais motivos que me fazem ter vontade de conhecer São Paulo. Torço para que outros proprietários sigam esse exemplo.

    Reply
  • MILER DE MARCHI (@MILERDEMARCHI) 05/02/2015 at 20:30

    Que pena que isso não existe mais hoje. Palmas para os construtores da época. Verdadeiros artesãos !!!

    Reply
  • Rodrigo 05/02/2015 at 22:34

    Cresci na vila mariana na década de 80 e fico abismado de como tantos imóveis iguais a este foram demolidos para dar espaço a tantos edifícios…

    Reply
  • SavianoMarcio 06/02/2015 at 12:03

    Parabéns pela matéria, realmente ela merece estar no site!

    Ainda existem centenas de belíssimas residencias antigas escondidas no interior dos bairros paulistanos longe dos grandes corredores de trafego, nas minhas andanças e pedaladas por aí sempre encontro gratas surpresas!

    Tem 5 que me vem na memória nesse momento, 2 no Jabaquara onde trabalho e 3 perto de casa que sempre quis saber a história.

    Uma fica na Rua das Perobas, 410 (http://goo.gl/maps/UsReg) e lembra uma pequena chácara com uma casa térrea nos fundos e um belo e frondoso bosque na frente, tudo muito bem cuidado e conservado. Confesso que é uma das casas do meus sonhos, queria ter uma igual!

    Outra fica na Rua dos Cambuís, 239 (http://goo.gl/maps/AiU9A) perto da primeira e como a 1° tem um belo jardim e está em ótimo estado de conservação. Ela está ou estava a venda, só espero que não seja demolida para erguerem um blocão feioso e árido.

    Uma fica na Rua Castro Alves altura do n°300 (http://goo.gl/maps/1RvLu), uma pequena casa térrea que me chamou a atenção pela bela arquitetura apesar de mal cuidada se comparada com a casa vizinha, imagino que daria um belo restaurante ou comércio se restaurada.

    As duas últimas, uma ao lado da outra ficam na Rua Pirapitingui, altura do n°150 (http://goo.gl/maps/FxqZB), não sei se alguma delas já foi citada mas são um ótimo exemplo de boa prática na conservação e uso de imóveis antigos, ambas usadas por empresas, uma delas por uma editora em excelente estado merecem uma visita.

    Existem outras também em muito bom estado de conservação nas própria rua.

    Abraços!

    Reply
  • Pedro 07/02/2015 at 21:13

    Tenho saudade das casas da Rua Fabricio Vampre, perto do metro Ana Rosa. Tinha uma casa linda de esquina que guardo na memória. Alguém teria uma foto dela para recordarmos?

    Reply
  • Geraldo 09/02/2015 at 14:08

    Eu nasci nessa casa.
    Foi construída pelo meu avô como presente de casamento para minha mãe em 1945.
    Eu e minhas 2 irmãs temos lindas recordações de uma infância muito feliz nessa bela casa.
    Meus pais a venderam em 1962.
    O proprietário seguinte não teve cuidado com ela, mas estranha e surpreendentemente o 3o. proprietário a restaurou completamente e posso assegurar, está praticamente igual ao seu estado original.
    Meu pai, ainda vivo e muito lúcido com seus 93 anos, ficou muito emocionado em ver esta matéria.
    Agradeço, em nome de toda a família Travaglia, as gentis referências à residência que nos abrigou nos anos mais felizes de nossas vidas.
    Por um capricho delicioso do destino, as roseiras que minha mãe plantou ainda estão lá, garbosas e floridas, após 60 anos!!!
    Geraldo Travaglia Filho

    Reply
    • Sergio Sgarbi 15/02/2015 at 22:08

      Olá Geraldo,

      A casa foi total mente restaurada pelos meus pais, Luiz Sgarbi e Anna Yolanda Sgarbi. Assim como você, eu passei minha infância e adolescência nessa casa e guardo ótimas recordações desse tempo. Minha mãe vive lá até hoje e ficou muito feliz com a matéria e com o seu comentário.

      Sergio Sgarbi

      Reply
  • George Luiz 10/02/2015 at 16:23

    Morei na R: Duarte da Costa, em frente a Praça Senador Jose Roberto, este Hospital era do médico de nossa famiíia, Dr. Esterling, não sei se assim que se escreve, lá meu avô foi operado e eu levei 3 pontos na testa depois de um queda, até hoje me lembro como foi. Morei no numero 1942.

    Reply
  • Sergio Sgarbi 15/02/2015 at 21:33

    Douglas, fiquei feliz ao ver as fotos. Essa casa pertence à minha família desde 1976.
    Eu morei lá dos 7 aos 24 anos e minha mãe vive na casa até hoje… A “charmosa sacada” ficava no meu quarto.

    Sergio Sgarbi

    Reply
    • Rosana E. M. Ungefehr 27/02/2018 at 21:40

      Meu pai e minha mãe eram amigos do seu pai e da sua mãe. Minha mãe comentou que visitou seus pais logo depois que eles compraram a casa e achou grande, bonita. Gostou muito de ver a matéria e ficou contente em saber que sua mãe ainda estava lá quando você fez este comentário.
      Lembro que seu pai foi no crematório quando meu pai morreu.

      Reply
  • Miriam Simao 18/02/2015 at 20:14

    O hospital Iguatemi da rua Duarte da Costa foi vendido e demolido logo em seguida, só restando uma terreno vazio que esta a venda. Nas ruas da City Lapa tem casas antigas fantásticas, vale e pena dar uma olhada.
    Miriam

    Reply
  • Aninha 14/03/2015 at 18:47

    Parabéns Douglas pela matéria publicada, eu estudo próximo a essa rua e me encanto em ver essas casas preservadas, mesmo que não estejam tombadas por esses órgãos incompetentes. Em uma rua próxima, a Humberto I do 1021 até o 981 aproximadamente, tem algumas casas na qual eu não conheço a história, mas parece que infelizmente estas serão demolidas para dar lugar a algum edifício em forma de “palito”……. mto triste mesmo….

    Reply
  • eliana 03/04/2015 at 07:31

    Showww

    Reply
  • Thais 02/10/2015 at 14:30

    Sou da família Travaglia, adorei saber um pouco mais de minha história. Obrigado

    Reply
  • Isabel Cristina Pollesi 21/02/2016 at 15:13

    Douglas, como posso falar com vc???? é sobre uma propriedade histórica belíssima do séc XIX, que os leitores vão amar ver aqui…

    Reply
  • Jéssica 13/04/2017 at 00:26

    Eu adoro essa casa!!! Moro perto e sempre que passo em frente fico encantada com a beleza e conservação que apresenta. Ah… Se todos os donos de casas preciosas como essa fossem assim, ainda teríamos muitos tesouros por aí…

    Reply