Já dizia o refrão da canção “Vila Esperança”de Adoniran Barbosa:

VILA ESPERANÇA ·
FOI LÁ QUE EU PASSEI
O MEU PRIMEIRO CARNAVAL
VILA ESPERANÇA,
FOI LÁ QUE EU CONHECI
MARIA ROSA, MEU PRIMEIRO AMOR

E eu me identifico muito com esta música pois foi lá que passei meu primeiro carnaval, ainda no colo de minha mãe, por volta de 1978 ou 1979, já não tenho tanta certeza do ano.

Divulgação

Foi na Vila Esperança também o local de meu primeiro lar, logo quando nasci, em uma rua chamada Heloisa Camargo. Tanto a rua como a casa parecem paradas no tempo e não tiveram tantas alterações, mesmo já se passando quase 4 décadas.

Neste tempo, embora eu não lembre direito, pois era muito pequeno, a vida era bastante difícil para meus pais, que dava um duro danado para pagar aluguel, me dar conforto e pagar uma boa escola, ali perto, o Colégio São José de Vila Matilde. A coisa só iria melhorar em 1980, quando meus puderam comprar uma bela casa em São Miguel Paulista.

Mas enquanto os anos 80 não chegavam, se tinha um momento em que todas as dificuldades do cotidiano eram esquecidas, tanto pelos meus pais como por seus vizinhos, era a época do carnaval. Um período de muitos festejos, folia em que todo o bairro de Vila Esperança se unia para participar daquele que foi, sem dúvida, um dos mais emocionantes e divertidos carnavais de rua de São Paulo.

Folia no encontro das ruas Maria Carlota e Padre Olivetanos

Folia no encontro das ruas Maria Carlota e Padre Olivetanos

E este grande evento, embora ainda aconteça sem a força de antes, era muito grande e muitas vezes não perdia em nada para o carnaval oficial, que naquela época era realizado na Avenida Tiradentes. Eram outros tempos onde a principal intenção dos festejos era alegrar e divertir, diferente de hoje que parece ser mais comercial e artificial.

Divulgação

Pachoal Bianco, era um dos apoiadores dos festejos do bairro

Iniciado possivelmente em 1932, o Carnaval de Vila Esperança começou modesto e logo se transformou em um fenômeno de diversão popular, trazendo não só muita gente todos os anos mas também atraindo anunciantes e patrocinadores que fizeram o carnaval do bairro cada vez mais famoso.

Escola de Samba do Nenê (hoje Nenê de Vila Matilde), R.U.V.E, Sociedade Amigos de Vila Matilde, Estrela D’Alva Futebol Clube, C.A. Guarani, Bloco do Morro e A.A. 5 de Julho eram alguns dos participantes do carnaval da Vila Esperança. Destes todos, pelo menos as três primeiras entidades ainda existem e são bastante tradicionais.

Na foto, a TV Tupi cobrindo o carnaval de Vila Esperança

Na foto, uma homenagem a TV Tupi no carnaval de Vila Esperança

A folia acontecia por ruas como Padre Olivetanos, Maria Carlota e Atuaí. E uma verdadeira multidão acompanhava os carros alegórios e as brincadeiras.

Os festejos eram no sábado e domingo de carnaval e atraia pessoas de todos os cantos de São Paulo e não apenas moradores locais.

Réplica do Trem da Cantareira em carro alegórico de Vila Esperança

Réplica do Trem da Cantareira em carro alegórico de Vila Esperança

Até hoje eu frequento, e muito, o bairro. Depois de cursar até a 8a Série no São José de Vila Matilde, fiz o colegial na Escola Gabriel Ortiz e minha avó mora ali perto, na Vila Granada. Porém já se vão muitos anos que eu não passo para observar as festividades carnavalescas do bairro. Creio que atualmente seja realizado nas proximidades da Estação Vila Matilde do Metrô.

Divulgação

Sempre achei que nenhum outro bairro tem um nome tão legal como esse. Em uma cidade grande, caótica e cheia de problemas nada melhor que morar em uma região onde o nome é Vila Esperança.

Abaixo segue uma seleção com as melhores fotografias do carnaval deste bairro extraídas de uma revista chamada “Arte Revista” edição de fevereiro de 1960. É a maneira que o São Paulo Antiga encontrou para festejar o carnaval 2015 e também homenagear o carnaval da Vila Esperança.

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

E não poderia faltar aqui a música de Adoniran Barbosa, não é mesmo ?

Crédito das imagens: Augusto Gallera – Arte Revista

Você é do bairro ou frequentava o carnaval de Vila Esperança ? Conte para nós!

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

Deixe um comentário!

Comments

  • Emerson de Faria 14/02/2015 at 15:47

    A Vila Esperança foi um dos celeiros do carnaval paulistano, e as fotos antigas da matéria mostram o quanto a festa era popular e despretensiosa, não apenas ela mas também as quermesses e as festas juninas, que até meados dos anos 80 eram o acontecimento social do ano, sobretudo nas escolas.

    Reply
  • Carla Silva 14/02/2015 at 19:55

    Ontem passei pela Vila Esperança e a avenida ao lado do metrô Vl. Matilde estava interditada para a passagem dos blocos de carnaval.

    Reply
  • Joao Marcos Turnbull 17/02/2015 at 12:59

    Só uma correção… na foto, não mostra a TV Tupi cobrindo o Carnaval, mas como a própria descrição da foto diz, trata-se de um carro alegório homenageando os pioneiros.

    Reply
  • danielpardo2015 08/03/2015 at 21:21

    Essa foi uma época em que o Carnaval era uma festa ingênua e sem (com o perdão do palavrão) a putaria que temos hoje, vejam bem… eu não sou moralista e muito menos contra a putaria, porém, eu acho que se tem ambientes fechados e específicos para a prática da mesma, aliás, antigamente ERA assim. Hoje no entanto ela ocorre até a céu aberto nessas épocas, a impressão que temos é que os homens estão atirando pedra em avião para ver se cai a aeromoça e as mulheres, atirando pedra em avião pra ver se cai o piloto e agora com o tal de “funk” a coisa desandou.

    Reply
  • Roberto Carlos Barrocal 14/03/2015 at 09:49

    Época saudosa, que acabou quando tiraram o desfile destas rua para o metro, pois agora o desfile acontece em menos de 1000 metros e não tem mais o esplendor de antigamente, parece que as pessoas em vez de melhorar só estragam o que era bom

    Reply
  • luisa 02/01/2016 at 13:31

    naci e morrei 49 anos ai hoje moro no litoral de mongagua desfiei 5 anos noclube dos corujas na vila maltide gostaria de saber se tem fotos pois eu nao tenho mais perdi e o dono do clube que era se micola ja e falisido bjs

    Reply
  • Marco Aurélio Defanti 18/01/2016 at 18:25

    Estou muito feliz de encontrar este espaço e relembrar um pouco do maravilhoso Carnaval da Vila Esperança.
    Também estudei no Gabriel Ortiz, talvez uns dez anos antes de vc, uma vez que sou da década de 60.
    desfilei na Nenê de 79 (tinha 12 pra 13 anos) até 2010. Sou apaixonado por samba, carnaval e principalmente pela nossa querida Nenê. Muito bacana seus comentários e fotos, mesmo nós que nascemos e vivemos a maior parte da vida no bairro nunca tinha visto essas imagens antigas. Muito obrigado por nos brindar com isso.
    Parabéns pelo trabalho,
    abs.

    Reply
  • Claudemir Silva 02/02/2016 at 11:34

    Meus parabéns pelo belo trabalho, da para notar que foi feito com muito amor. Sua paixão pelo bairro é indiscutível, não nasci nele, mas moro nele a dezessete anos na rua Atuaí. Não imaginava que a Vila Esperança quardava tanta coisa boa. Mais uma vez: Parabéns

    Reply
  • Sandra 03/02/2016 at 12:04

    Meu pai foi presidente da AA 5 de julho. Eu e minha irmã ainda bem pequenas, participávamos dos desfiles e dos concursos de fantasia. Sou da Vila Esperança, estudei no Dom João Maria Ogno, meus avós tinham uma casa na Padre Olivetanos quase em frente da igreja. Talvez minha mãe tenha algumas fotos daquela época. Abçs e obrigado pelas lembranças.

    Reply
  • Mauricio de Curtis 24/08/2016 at 19:54

    Muito boa a matéria, e para mim também foi o primeiro carnaval. Nasci e fui criado até os 6 anos na Vila, e depois mudei pro Jd. Popular. Estudei no Olivetanos, Passalaqua, Theodomiro e Gabriel. Toda minha família é da Vila, tanto é que ainda moram lá. Eu assistia os desfiles na década de 70 e 80, e lembro que os últimos desciam a Evans e depois subiam a Olivetanos. Hoje quando posso vou com minha sobrinha na Vila Matilde, claro que não é igual, mas pelo menos ainda se mantém a tradição dos carnavais da Vila. Parabéns por manter viva a historia deste bairro e de tantos outros, pois um povo sem historia é um povo sem memória. Abraços a todos.

    Reply
  • Elaine Alba 09/01/2017 at 09:57

    Olá!! muito bacana esse trabalho… nasci e me criei na Vila Esperança…. Sai de lá quando me casei..Eu sai, mas a Vila não saiu de mim… tanto que não consegui ficar longe e já a alguns anos sou voluntária do Bloco Chorões da Tia Gê, que neste acaba de completar 43 anos de existência… não desfilamos mais na Vila … Somos bloco especial da UESP, e por pura burocracia não nos deixam desfilar lá… Estamos montando um documentário do bloco e consequentemente do carnaval da Vila Esperança.. Sendo assim, se você morou, curtiu os carnavais, mora ainda e tem uma história para contar, fotos etc.. entre em contato conosco, estamos no facebook, como Bloco Chorões da Tia Gê, ou podem me contatar pelo email: elaine@albutti.com.br

    Reply
  • Ivone Gallinaro Torquato 30/01/2018 at 17:51

    GOSTEI MUITO DE VER O LUGAR EM QUE EU NASCI E VIVI DURANTE 25 ANOS

    Reply
  • cleide 04/02/2018 at 13:15

    Carnaval de rua, matinê no Ruve, depois de 16 anos carnaval a noite no Ruve, spray de água , etc…
    Morava na rua Otília x tobiaras.
    Esperávamos pelo carnaval ansiosamente!
    Nos divertimos com simplicidade e sem medo!
    Nossa escola de samba do Nenê vinha encerrar o carnaval como presente para todos.
    delícia de época!

    Reply
  • Maga Ares 07/02/2018 at 16:15

    E se eu te disser que desde 2015 estamos nos reunindo com moradores da V Esperança e adjacencias para resgatarmos esse carnaval
    Não sei se voce lembra. Mas no domingo uma semana antes do carnaval faziamos a batalha de confetes.
    E aí juntamos os blocos e partimos de onde moramos até nos juntarmos na rua Atuaí e continuarmmos a festa todos juntos.
    Uma delícia.
    Juntamos familis 3° idade e as crianças.
    É muito bom.
    Juntem se a nos no proximo ano.
    Precisamos resgatar nossa historia

    Reply
  • FABIO RICARDO ZAFALON 07/02/2018 at 21:47

    Fala Douglas é do Fabio (Banana) que estudou contigo no São José !!! Parabéns pelo texto, eu ainda moro na Vila Esperança e sempre acompanhei o carnaval da laje da minha avó na Rua Evans. Eram tempos mágicos !!!

    Reply
    • Douglas Nascimento 08/02/2018 at 09:10

      Grande Fábio, como vai meu chapa ? Legal saber de você.
      Um abraço!!!

      Reply
  • ROSEMEIRE Rocha 08/02/2018 at 22:31

    Nasci, me criei e ainda moro nessa Vila …. sou da Travessa Centenário …..meu pai e outros homens da nossa rua faziam as festas mais iradas na rua …… eles eram : Rubens, Tatu, João Espique, João Barba, Basilio , Miguel e outros que nao me lembro o nome.
    Tempo inesquecível

    Reply
  • Alessandra Flandes Soares 08/02/2018 at 23:53

    Nasci na Vila Esperanca e lá vivi até meus 23 anos,quando casei , meus pais moraram na Vila até a 2 anos atrás , lembro muito dos carnavais , os bailes na matinês do RUVE e no Guarani , dos nossos blocos Chorões da Tia Ge e nossa querida escola de samba Nené de Vila Matilde , adoro nossa Vila . Eu saí da Vila mas ela nunca vai sair de mim

    Reply
%d blogueiros gostam disto: