Nos bairros, diferentemente do centro dinâmico das cidades, é possível identificar as residências de uma maneira um pouco mais simples e humanizada. Bastante comum antigamente, e ainda usual nos dias de hoje, dar nomes as casas ou apelidá-las para melhor identificação.

Era assim que surgia a “casa do geladinho”, “casa da costureira” ou ainda a “casa da benzedeira”. E também surgiam as casas identificadas pelo seus donos, como a “casa do fulano” ou o “palacete de sicrano”.

O leitor do São Paulo Antiga Claudio Bucci, nos enviou a foto de uma casa muito simpática conhecida com “A casa de Dona Dora”.

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

Localizada na rua Viveiros de Castro de esquina com rua Amoroso Costa, a antiga residência chamada de casa da Dona Dora não existe mais. Foi demolida em algum momento já distante para dar lugar a um sobrado.

Observe que a foto (de meados dos anos 40 ou 50) mostra um Jardim São Paulo muito diferente do que hoje estamos acostumados a ver. Ruas sem pavimentação, e o entorno da casa com poucos imóveis, sendo possível enxergar ao fundo até mesmo a região da Serra da Cantareira. Por fim, uma cena bem interessante no muro da casa na parte que se estende pela rua Amoroso Costa: três pessoas jogando o que parece ser uma partida de dominó.

A fotografia abaixo, mostra o cenário atual (2015):

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

O cenário da cantareira ao fundo desapareceu por completo, escondida pelo grande número de construções que hoje estão no entorno. A casa de Dona Dora se foi e hoje no lugar existe um sobrado.

Os muros baixos de uma vizinhança tranquila deram lugar a muros altos com cerca elétrica, fruto da violência e insegurança dos tempos atuais. Por fim, a presença de algumas árvores na calçada.

É bem possível que a casa de hoje seja mais confortável que a residência antiga que ali existia, entretanto os muros altos e eletrificados mostram claramente que, infelizmente, hoje somos prisioneiros de nossos lares.

E você, se pudesse escolher moraria em qual casa ? Na antiga ou na atual ? Comente.

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

JOIN THE DISCUSSION

Comments

  • Cláudio Sergio Contro 22/04/2015 at 11:24

    Caro Douglas, mais uma BELA reportagem, parabéns.

    Reply
  • ralphgiesbrecht 22/04/2015 at 11:32

    Na antiga, desde que eu pudesse manter o muro baixo (dificil hoje em dia) e mudar o interior dela.

    Reply
  • vanialacerda2013 22/04/2015 at 11:36

    Olha, esse é um caso em que a mudança não foi ruim. A casa antiga era mto simpática, sem dúvida, mas a casa atual também é. Espaçosa, visualmente agradável, preservando algum verde, a construção atual está honrando o bairro, e respeitando o espaço comum… Duro mesmo é qdo no lugar da casa antiga constróem 4 sobradinhos estreitos e apertados, ou pior ainda, um edifício sem nenhum recuo, enfeiando a cidade.

    Reply
  • FLORIPES S.S.MENDES 22/04/2015 at 11:50

    COM CERTEZA EU ESCOLHERIA MORAR NA CASA ANTIGA POR TODOS OS MOTIVOS, PELO MURO BAIXO PELA RUA SEM ASFALTO PELA ARQUITETURA DA CASA E ATÉ MESMO PELA SEGURANÇA.

    GOSTO MUITO DE RECEBER OS E MAIL’s SOBRE ESSE TIPO DE ANTIGUIDADE, DOUGLAS VOCÊ JÁ TENTOU FAZER FOTOS DA CASA DA DONA VERIDIANA, E A CASA DA DONA YAYA????

    Reply
    • Maria Célia Guimarães Rosset 27/04/2015 at 09:14

      Caro Floripes S.S. Mendes, a casa antiga é muito pitoresca eu moraria tbm., mas tem que considerar a rua sem asfalto e quando chovia isso virava uma lama só e não se podia nem passar, pois no passado eu já morei em casas assim e sem falar dos ratos que entravam. Eu moraria mas com uma reforma total na casa e asfalto na rua. É bonito de se ver mas no passado quem morava nestas casas sofria e só eles sabem o que passaram, pois a casa é muito humilde e sem nenhum conforto., mas valeu recordar.

      Reply
  • Paulinho Fusca 22/04/2015 at 13:40

    Moraria não só na casa antiga, como no antigo bairro também.

    Reply
  • ageasbrasil 22/04/2015 at 14:00

    Legal poder ver estas fotos. Observando a casa da Dona Dora, notamos uma chaminé ao fundo, o fogãozinho a lenha era imprescindível… o portãozinho de madeira tão caprichado e parece que a luz estava desligada e sem lampada na lanterna, estaria já naquela ocasião o imóvel desocupado ou somente sem energia? Só especulação… Legal outra coisa que nessa época não tinha… pichação! Uma casa de esquina estaria toda rabiscada… O pessoal que estava ao fundo (menino e dois adultos) ainda usava paletó no dia a dia.. é mole?! Deduzimos que naquela ocasião era jogo de dominó, mas se fosse hoje seria ponto de tráfico. rsrs Não dá pra terminar sem observar que as casas nem tinham garagem tal o luxo que era um veículo naqueles tempos… Linda foto. Parabéns.

    Reply
    • Silvio 22/04/2015 at 16:48

      Provavelmente sem energia pois ao lado da luminária vê-se o fio enrolado sem ir de encontro a nenhum poste.

      Reply
    • Leila Benedetti 22/04/2015 at 19:20

      A foto foi tirada de dia,outro motivo da luz da casa estar apagada. 🙂

      Reply
  • Patrícia Rocha 22/04/2015 at 14:58

    Que saudade da casa da dona Dora… rs….

    Reply
  • Wagner Paulo dos Santos 22/04/2015 at 16:35

    Parabéns pelo trabalho de pesquisa e bem belo texto histórico. Achei isso maravilhoso apesar de ser de Campinas. Como historiador admiro quem à história se dedica.

    Reply
  • fernando 22/04/2015 at 17:01

    Certamente desejo morar em uma casa bem conservada, limpa e arrumada por mim…próximo a uma linha de trem turístico…Anhumas ou jaguariuna…paranapiacaba….tudo de bom ……,um pequeno fogão a lenha, uma lareira,….um quintal cheio de arvores frutíferas…jaboticaba por exemplo…uma caminhonete 1951 na garagem.. com portões de madeira.. casa toda avarandada…

    Reply
  • Sueli Mendonça 22/04/2015 at 18:02

    Morar em uma casa com muro baixo, sem grades nas janelas e ainda pode colocar cadeiras na calçada e sentar-se tranquilamente…. não tenha dúvidas: moraria na antiga!!!!!!

    Reply
  • Edgar Rodriguez Beltran 22/04/2015 at 20:21

    Casa linda. E sim a casa da Dona Dora ( aliás minha maezoca se chama assim) tava de parabéns!.

    Reply
  • Dora da Dengue 22/04/2015 at 21:42

    EU ESCOLHERIA COM CERTEZA A CASA ANTIGA, POR TRAZER LEMBRANÇAS DE MINHA INFÂNCIA !!!!!!!!!!!!

    Reply
  • olivia marcos 22/04/2015 at 21:57

    é o preço do progresso

    Reply
  • Andre 22/04/2015 at 23:04

    Essa casa foi demolida se eu não me engano em 2005/2006. Os antigos proprietários tinham variant e fusca ainda, muito bem conservados. Uma pena. Assim como o casarão português recentemente demolido na esquina da rua padre Azevedo com a professor Fábio Fanuchi. ( rua de cima)

    Reply
  • Silvia Calçada 23/04/2015 at 01:39

    A casa nova ainda é um bálsamo perto do horrível prédio atrás.

    Reply
  • Alexandre Fontana 23/04/2015 at 11:34

    Embora a casa atual seja muito bonita, sem dúvida, a antiga era mais agradável. Poder jogar dominó, sentar na calçada e bater papo, isso é impossível hoje em dia, Essa casa e as outras da região são tomadas por muros altos e cercas eletrificadas e nas ruas do bairros quase não se vê ninguém.

    Reply
  • danielpardo2015 23/04/2015 at 20:41

    Violência + Insegurança + Noção equivocada de que progresso é destruir o antigo para construir o novo = ISSO.

    Reply
  • Maria do Carmo Vargas madureira 23/04/2015 at 21:00

    Que luxo poder morar em uma casa em um lugar sossegado com muro tão baixo e ainda de quebra conviver com vizinhos.

    Reply
  • Emerson de Faria 24/04/2015 at 20:29

    Mesmo com toda a precariedade e falta de recursos do passado, eu gostaria de ter nascido e vivido naquela época. E morrer no ano em que nasci. Teria assim histórias para mais de metro para contar para meus netos.

    Reply
  • Claudio Bucci 30/04/2015 at 10:34

    Observem uma casa grande ao fundo . Essa casa está situada na Rua Fabio Fanuchi ( antiga rua jardim S.Paulo) com a rua Capitão Rabelo . Essa casa existe e ainda está la exatamente como nessa foto .

    Reply
  • Gui DSG 28/10/2015 at 10:10

    Moraria na antiga. Bem legal a imagem da rua e da casa.

    Reply
  • Gabriel Ribeiro 07/08/2016 at 22:49

    Sou vizinho desta casa!! Douglas tirou a foto bem em frente a minha casa rs.
    Seguinte, moro aqui no Jardim São Paulo há tempos e vi essa casa verde ser construída. Era essa casa mesmo que foi vendida e enfim, demolida em 2003, dando lugar a este sobrado. O sobrado atual é muito confortável, uma vez que foi construído a critério da familia que lá hoje vive. Tem piscina, uma grande sala, é muito bom.
    Mas assim como todas as casas aqui no entorno (inclusive a minha) a maioria é gradeada, com central de alarme, cerca elétrica enfim, tudo por que o índice de criminalidade aqui é muito alto, aqui não se vive sem no mínimo, central de alarme.
    A mesma casa da foto já foi invadida 3X.

    Reply
  • SIlvia Silva 04/10/2016 at 15:36

    A antiga certamente, porém com as modernizações necessárias para o momento em que vivemos

    Reply
  • Augusto Cesar Sarrea 09/08/2017 at 17:53

    Sensacional a reportagem! Fui morador do Jardim São Paulo por 14 anos e me lembro perfeitamente dessa casa na esquina da Rua Viveiros de Castro com a Amoroso Costa! Gostaria somente de fazer uma ressalva quanto à localização : a rua onde os homens estão jogando dominó é a Viveiros de Castro. E, como bem lembrado pelo comentarista Claudio Bucci acima, a casa grande ao fundo da foto na esquina das ruas Fabio Fanucchi com a Capitão Rabelo existe até os dias de hoje, uma benção em vista do progresso que ocorreu no bairro, uma vez que demoliram a casa de esquina da Padre Azevedo com a Antonio Guganis (a “casa dos leões”) para construírem um prédio!

    Reply
  • Nilce 10/10/2017 at 18:48

    Moraria na antiga…

    Reply