Se existe uma avenida que entristece o olhar do paulistano, com certeza é a Avenida Celso Garcia.

Ela que já foi uma das mais belas e elegantes vias paulistanas, com um cenário único de chácaras, casarões, residências simples e fábricas, hoje é um conjunto de construções antigas abandonadas, outras desfiguradas e um asfalto de qualidade sofrível.

Mesmo assim sobrevivem nesta decadente avenida alguns exemplares do passado charmoso que ela já teve, abaixo apresento dois exemplos:

clique na foto para ampliar

Construídas no início do século 20, estas duas residências vizinhas estão na altura do número 1964 da Celso Garcia. Na verdade trata-se de uma casa (a direita) e um salão comercial, que foram bastante descaracterizados ao longo dos anos.

O imóvel da esquerda é o que mais sofreu. Perdeu duas portas originais, que eram separadas, por outra única e mais larga. Sua fachada também foi sensivelmente alterada com a abertura de uma diminuta janela.

Enquanto isso o imóvel à direita é o mais preservado dos dois. Sua fachada (foto abaixo) pode ser facilmente recuperada, uma vez que as duas únicas alterações foram a remoção da porta original de madeira por outra menor, e a remoção de uma das janelas do porão, que deu acesso pela rua a esta parte da casa, onde agora funciona um pequeno comércio.

Será que um dia veremos alguma dessas casas restauradas ? Eu não tenho muitas esperanças quanto a isso.

Conheça outros imóveis e monumentos desta avenida clicando aqui.

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

JOIN THE DISCUSSION

Comments

  • Jose Carlos Mota Recacho 04/10/2017 at 16:33

    Em 1935 meus avós tinham uma joalheria na av. Celso Garcia 721, no local já teve uma agencia bancária, entre outros, e agora é uma loja de utilidades domésticas.
    Na época tiveram que sair as presas devido a revolução constitucionalista, quando voltaram encontraram marcas de bala na porta de entrada do estabelecimento.
    Mas é isso, os bairros do Brás e do Belém infelizmente possui vários imóveis abandonados e para piorar esses bairros não possuem áreas verdes, av. celso Garcia não possui árvores, faltam praças, etc.

    Jose Carlos Mota Recacho

    Reply
  • Clarice Spoladore Ferreira dos Reis 04/10/2017 at 19:14

    José Carlos Mota, seu comentário é um relato ilustrativo e complementa c informações de vivência. Muito bom isso, pra quem, como eu, não conhece muitas regiões da cidade de SP, seus bairros…

    Reply
  • Paulo Clístenes Vieira da Silva 04/10/2017 at 19:40

    É lamentável, mas quem sabe algum dia, por alguma iniciativa séria de preservação?

    Reply
  • Jose Carlos Mota Recacho 05/10/2017 at 07:56

    Clarice, São Paulo é uma cidade fantástica, vale apena conhece-la, seus bairros suas historias.
    É difícil imagina como era a cidade a 130 anos atrás, mesmo vendo fotos antigas, quase da mesma forma que os habitantes daquela época poderiam imaginar a cidade hoje.

    Reply
  • Helen Sylvia 05/10/2017 at 20:32

    Boa noite! Quanta saudades sinto do meu Brás querido, fui morar na Rua Bresser, no nº 1842 – (onde hoje é a estação Bresser), na época eu tinha apenas 8 anos, vivi ate os meu 16, mas foi o melhor momento da minha vida. Nunca mais tive coragem de voltar, as vezes vejo pelo Google Maps, e não localizo minha casa, fico triste, mas faz parte!!
    ,

    Reply
  • Daniel Pardo 28/10/2017 at 20:46

    E devido a Celso Garcia ser o que é hoje, se esse imóvel for habitado, fatalmente ele serve de cortiço.

    Reply

Comunicado importante aos leitores e leitoras do São Paulo Antiga

Neste momento estou enfrentando um período de muitas dificuldades para manter o site no ar, com a possível saída de nosso patrocinador institucional.

 

Preciso da sua colaboração para que o site não encerre suas atividades em 1 de julho de 2018.

 

Faça uma doação ou assinatura mensal no site São Paulo Antiga, através da plataforma APOIA.SE

 

Desde já muito agradecido,

Douglas Nascimento, autor e editor