Quem vem da Mooca para o Belenzinho através do viaduto Bresser, na zona leste de São Paulo, sempre se depara com esta linda construção que fica no cruzamento das Bresser e Vinte e Um de Abril.

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar (foto: 24/10/2015)

Apelidado pelos moradores da região e por quem passa pelo local como “Castelinho da rua Bresser” o imóvel é um dos mais belo exemplares do bairro, tendo sido construído em 1925.

Amplo e com inúmeras janelas, possui dois andares e um lindo relógio no alto da sua torre, que infelizmente tem muitos anos que não dá mais a hora certa. Atualmente o imóvel abriga uma loja do ramo têxtil.

O castelinho está em bom estado de conservação e apresenta uma fachada bem cuidada e limpa.

Data da foto: 22/03/2017 – clique para ampliar

Não possuímos maiores informações sobre a construção, quem construiu ou o que foi no passado. Se você dispõe de maiores informações envie-nos um email ou comentário abaixo e contribua com a história da São Paulo Antiga.

Confira outras fotos do castelinho (fotos de 2009):

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

JOIN THE DISCUSSION

Comments

  • Ralph Mennucci Giesbrecht 08/09/2010 at 17:42

    Mas repare que ele já foi construído sem muito capricho nos detalhes… de longe, parece coisa construída nos anos 1980 imitando coisa dos anos 1920…

    Reply
  • Katiúcia 09/09/2010 at 08:03

    Aparentemente, havia uma placa tampando a inscrição “1925”, como pode se notar pela pintura marrom que deixou a marca de um retângulo. Será que a placa foi retirada devido à Lei Cidade Limpa? Acho que sim.

    Reply
  • Danilo 12/12/2010 at 11:54

    Concordo que parece uma construção da década de 80

    Reply
  • luis 11/05/2011 at 18:51

    este castelinho ja existe a mais de 70 anos pois meu pai morava no bras em 1942 e le ja existia naquela epoca sou morador do pari a 35 anos e ja o conheco bem

    Reply
  • aquinaojacare 25/07/2011 at 03:58

    Se hj em dia construissem desse jeito eu estaria feliz… So tem casa feia nos dias de hoje sem nenhum glamour….

    Reply
  • guilherme salles de campos 13/01/2012 at 19:29

    COM CERTEZA ESTE IMOVEL TEM CARACTERISTICAS FABRIS POSSIVELMENTE UMA PEQUENA FABRICA QUE DENOTA PELO RELOGIO NA FACHADA MAIS A ARQUITETURA TEM IMFLUENCIA MILITAR COMO A SEDE DA PM O TOBIAS AGUIAR ,OU ALGUMAS ANTIGAS DELEGACIAS E FORUM DO COMEÇO DO SEC. 20 NO INTERIOR DO ESTADO USAM BASTANTE ESTA TIPOLOGIA DE TORREÕES E PLATIBANDAS DENTADAS MAIS UM MISTERIO URBANO

    Reply
  • Maria José Moraes da Silva 20/01/2012 at 17:07

    Como seria bom se essas contruções voltassem à tona e pudéssemos habitar essas belas casas, palacetes. sobrados. É tudo tão romântico… Porém, não sou engenheira, mas pergunto: será que há mestre-de-obras capaz de fazer construções dessa qualidade? Eu tenho fixação por casarões antigos, já que não posso habitá-los, faço-os em sonhos.

    Reply
  • Nilson Bucci Filho 08/03/2012 at 13:04

    Neste lugar entre os anos 40 e 50 funcionou uma empresa gráfica familiar com muitos funcionários,dentre esses
    minha mãe e duas tias, o proprietário chamava-se Athaide Reis que comandava a empresa juntamente com os filhos.

    Reply
    • Elizabeth G Blanco 23/08/2012 at 13:25

      Você tem maiores detalhes que possa nos passar? Estou buscando apoio pra proteger o imóvel e sua história. Obrigada

      Reply
      • Raphael Lima Vicente 25/08/2012 at 13:56

        Não tenho mais informações. Aliás, a inscrição correta é “TECELAGEM DE SEDA SANTA MAGDALENA”, com “G” em “Magdalena”.

        Reply
      • Raphael Lima Vicente 26/08/2012 at 21:08

        Oi, Elizabeth! Na fachada tinham dois endereços e telefones para contato das antigas lojas que ocupavam o castelinho. São eles:
        Rua Coronel Albino Bairão, 161/177 – 2291-4452
        Rua Manoel Vitorino, 23 – 2291-9200/2291-8214
        Talvez alguém nesses endereços possa te dar mais informações.

        Reply
  • José Carlos Morilla 01/05/2012 at 14:50

    Morei lá perto desde o começo dos anos cincoenta até metade dos setenta.
    A fachada foi sempre assim (já passou por diversas cores).

    Reply
  • Fernando 08/07/2012 at 10:52

    E uma pequena que essa historia deve estar estar prester a desaparecer pois passei essa semana por la e vi a situação que se encontra esse antigo predio

    Reply
    • Fernando de Castro Vieira 19/06/2014 at 22:21

      sim ele se encontra em uma situação de total abandono pois sempre passo por la e vejo como ele se encontra eu queria saber por que o CONDEPHAAT não faz nada para proteger esse patrimonio?

      Reply
  • William de Queiroz “Guarubus” 06/08/2012 at 13:35

    Semana passada passei por ali, e praticamente só as paredes da frente continuam em pé, pois o restante já haviam demolido. Uma parte da nossa história está se acabando, lamentável.

    Reply
  • Raphael Lima Vicente 22/08/2012 at 20:47

    Passei lá em frente hoje e o prédio parece estar passando por algum tipo de reforma. Não será demolido, pois se fosse essa a intenção, já estaria no chão. Está sob reforma há alguns meses…
    O mais curioso foi que consegui identificar um texto gravado na lateral do prédio. Parte do cimento rachou revelando um texto gravado sob ele. Agora é possível ler com muita dificuldade a inscrição “TECELAGEM DE SEDA SANTA MADALENA”. Moro nesse bairro desde que nasci há 29 anos e é muito legal descobrir o que foi. Vou bater fotos amanhã.

    Reply
  • Elizabeth G Blanco 23/08/2012 at 13:23

    Pessoal, o imóvel está sendo DEMOLIDO. Quem pode nos ajudar? Tenho buscado apoio da sub-prefeitura, Conseg, Conpresp e meios de comunicação sem sucesso.

    Reply
  • selma 23/04/2013 at 09:50

    Eu trabalhei neste local.
    Na época era uma fabrica de papel de presente e cartões para as festas…Natal,Páscoa etc.
    Chamava-se EPAG.

    Reply
  • Mari 21/07/2013 at 23:50

    esse prédio é tão historico quanto o castelo da boate kilt na augusta q já foi demolido, claro. Uma pena o que pode acontecer com locais assim. A r Bresser ficou anos estagnada, pq havia um projeto para a via e somente com a nova lei há uns dez anos + ou – o comercio se consolidou e houve melhora dos imoveis, abertura de lojas e muitos cortiços foram demolidos. Preocupante … é preferivel um uso contemporaneo do imovel, de acordo com as necessidades atuais. espero que não vire uma invasão como outras tantas em São Paulo que só causam mais degradação, violencia e sujeira.

    Reply
  • Fernando Castro Vieira 22/07/2014 at 22:32

    eu passei por ele semana passada, ontem e hoje e percebi que tem gente trabalhando na reforma dele foram colocadas portas de aços novas e alguns vitros tomara que ele seja reformado por completo

    Reply
  • Clelia Person Lammardo 28/01/2015 at 12:05

    Depois de ter seu aspecto arquitetônico (original ???) descaracterizado por destruição das janelas, ficando apenas os contornos, ele ficou muito tempo sem ser tocado. No final do ano de 2014 recomeçaram as obras de reforma que agora já estão concluídas. Mas, pasmem, como será utilizado o imóvel? Que decepção! Mais um mini shopping, de lojinhas minúsculas e de venda de artigos de baixa qualidade, com certeza.

    Reply
  • Daniel Pardo 29/03/2017 at 21:01

    Eu estava achando que era a Rua Bresser perto da Moóca, mas é logo depois que desce o viaduto.

    Reply
  • Regina Kalman 08/04/2017 at 08:16

    Um trabalho digno de ser repassado. São Paulo tem uns segredos que ainda estão visíveis. Amei saber que tem gente ativa na luta pela preservação da memória arquitetônica. Eu também tento preservar alguns traços em Jundiaí.

    Reply