O dia domingo em Bananal, extremo leste do Estado de São Paulo, prometia. O sol estava escaldante e a ladeira que ligava o centro histórico desta aprazível cidade ao nosso local de destino não era fácil de se vencer. Mesmo assim, enfrentamos a desanimadora subida como que se escalássemos um dos vários morros da maravilhosa Serra da Bocaina que envolve a cidade.

Ao chegar no topo, além do cansaço deste escriba fora de forma, nos deparamos com o melhor lugar do mundo para se alegrar e se deprimir. Se por um lado o verde das montanhas mistura-se com o azul ecantador do céu, do outro lado fiquei chocado ao observar um osso humano, branco como a cor das nuvens, esquecido, repousando ao chão, próximo de uma sepultura destruída. O local é o Cemitério Bom Jesus, ou simplesmente Cemitério do Alto.

O incrível contraste da Serra da Bocaina e a sepultura (clique para ampliar).

O incrível contraste da Serra da Bocaina e a sepultura (clique para ampliar).

Construído no final da primeira metade do século 19, o Cemitério Bom Jesus foi a primeira necrópole de Bananal. No local há sepulturas cuja idade se quase confundem com a idade do Brasil independente. O local serviu de última morada para muita gente da região até o final do mesmo século, quando um outro cemitério, próximo à Santa Casa de Misericórdia foi criado. Mesmo assim, nunca parou de receber mortos, mesmo que em menor escala.

Ao subir na parte mais alta do cemitério, temos uma visão desoladora do que era para ser um local de paz e respeito

Crédito: Douglas Nascimento / São Paulo Antiga

Clique na foto para ampliar.

O descampado que abriga o velho cemitério apresenta quase a totalidade de seus túmulos completamente destruídos. Muitos deles com as entranhas das sepulturas completamente abertas. Chega-se ao cúmulo de que alguns jazigos estarem parte no chão, parte no ar, como que se sustentadas por um milagre divino. E não se trata de um cemitério arqueológico com alguns milhares de anos, mas de um local que ainda não completou dois séculos de existência.

Foi bombardeio de 1932 ?

Crédito: Douglas Nascimento / São Paulo Antiga

Se ocorreu realmente um bombardeio, parece ter sido ontem (clique na foto para ampliar).

Algumas pessoas mais antigas da cidade com que conversamos, alegam que este cemitério está assim desde 1932.

Eles afirmam que o cemitério foi bombardeado por aviões leais ao governo federal durante os combates. Em um morro muito próximo a este onde há o cemitério, havia uma trincheira de paulistas e que os aviões teriam errado a mira, acertando e destruindo, parcialmente, o cemitério. O resto da destruição o descaso entrou em ação.

Crédito: Douglas Nascimento / São Paulo Antiga

Muitos túmulos datam entre 1856 e 1860 (clique na foto para ampliar).

Segundo a pesquisadora local e vice-presidente do IPHAR (Instituto de Pesquisa Histórica e Ambiental Regional), Maíra Cheminand, ainda é preciso estudos para comprovar que o local foi realmente bombardeado durante a Revolução Constitucionalista. Entretanto ela confirma que os habitantes mais antigos da cidade garantem que o local foi realmente um alvo.

Ela também crítica o fato de que apenas o centro histórico de Bananal é tombado como patrimônio histórico, o que poderia também ser estendido ao Cemitério Bom Jesus, que é parte integrante da história da cidade. Enquanto nada é feito para preservar o local túmulos, cruzes e os tradicionais “berços de ferro” que adornavam as sepulturas mais antigas vão se estragando a céu aberto.

Crédito: Douglas Nascimento / São Paulo Antiga

Uma vista espetacular, que muitos não tem o privilégio de apreciar em vida (clique na foto para ampliar).

Apesar do aspecto de abandonado, o cemitério não está desativado. Segundo Maíra Cheminand o local ainda recebe alguns sepultamentos. Apesar disso o cemitério, que pertence à Igreja Católica, não recebe qualquer atenção seja por parte dos religiosos, seja das autoridades municipais.

Um descaso antigo e um profundo desrespeito com a memória daqueles que há muito já partiram, não importando se quem está ali sepultado seja uma figura importante ou um desconhecido. Cabe ao ministério público local tomar uma providência, antes que seja tarde demais.

Aqui jaz o respeito aos mortos.

Nossos sinceros agradecimentos a Ludmila Fuzzi, Maíra Cheminand e ao IPHAR, instituto que desenvolve um excelente trabalho na região, e que colaboraram com a nossa reportagem.

Confira nossa galeria com outras 12 imagens do Cemitério Bom Jesus (clique na foto para ampliar):

Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento
Foto: Douglas Nascimento

Conheça outro cemitério abandonado:

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

Deixe um comentário!

Comments

  • Ludmila Pena Fuzzi 10/07/2013 at 17:29

    Sim Douglas, realmente foi devido a revolução constitucionalista de 1932 que ocorreu essa destruição, o mesmo fato que levou a destruição do cemitério de são josé do barreiro….As bombas de eram soltadas pelos vermelinhos, aviões dos legalistas, contra pontos estratégicos de resistência dos soldados paulistas e este cemitério foi exatamente um destes pontos

    Reply
    • Carlos Felipe Do Nascimento 26/08/2013 at 01:26

      Dia 16 de julho de 1932 as fronteiras da cidade de Bananal são tomadas pelo Capitão Manoel de Freitas Novaes Neto (Capitão Neco) 2 Batalhão 5 R.I. do dia 16 ao dia 18 os ataques foram maciços e so acabarão no dia 16 de setembro

      Reply
  • Danilo Pelissari 10/07/2013 at 19:04

    Matéria muito legal cara!!! coisas assim são mágicas!!!
    Parabéns!!

    Reply
  • Nilton Divino D’Addio 10/07/2013 at 19:48

    Excelente reportagem; excelentes fotos, mas o sentimento que fica é o de revolta diante de tanto descaso com a preservação de m=nossa memória e respeito aos nossos mortos.

    Reply
  • ralphgiesbrecht 10/07/2013 at 20:05

    Familias falidas, tumulos arruinados. Uma pena. Se houvesse alguma associação de familias para manter tudo isso… mas essas coisas não aontecem aqui na terrinha. Quando acontecem, viram reporrtagem do Fantastico. Douglas, v. iria adorar o cemiterio alemão de Joinville…

    Reply
  • Frida Ryvera 10/07/2013 at 21:53

    Este cemitério só enterra pobre, por isso se encontra abandonado. Os ricos da cidade tem sepultura bonitas no cemitério da Santa Casa.

    Reply
  • valeria fulp 10/07/2013 at 22:40

    O que deveria se preservado com orgulho por ser parte da nossa historia e cultura, entrou no descaso dos governantes.
    Por isso que eu quero ser cremada. Nao quero seu ultrajada pelas geracoes futuras.

    Reply
  • GUILERME SALLES DE CAMPOS 10/07/2013 at 23:04

    PARABÉNS NOVAMENTE DOUGLAS AS FOTOS FICARAM LINDAS,SUCESSO SEMPRE AO SÃO PAULO ANTIGA!

    Reply
  • Fabiano Barros da Silva 11/07/2013 at 09:06

    Bom dia Douglas …sou um admirador de seu trabalho, e gosto muito de coisas antigas e de histórias antigas também assim como vc ,Belissimo trabalho sobre a cidade de bananal .
    Parabéns .

    Reply
  • Jefferson 11/07/2013 at 09:13

    Parabéns Douglas a essa nova publicação. Parabéns pelo texto e pelas magníficas fotos. Em uma determinada foto é possível ver o que aparentemente se parece com restolhos de fogos de artificio no chão… Engraçado como as pessoas não respeitam um local como esse, onde repousam diversos corpos, independente se é um cemitério antigo ou não, ali existem pessoas enterradas e que merecem respeito. O Brasil realmente é um país sem memória e sem respeito algum ao passado.

    Reply
  • Ezã Magda Mendes Cardozo 11/07/2013 at 11:16

    Parabéns Douglas.
    Mantenha seu amor e entusiasmo em continuar escrevendo, tão belas matérias, apesar de algumas dificuldades, no meio do caminho. Acredito que sua satisfação em vê-las publicadas, não tem preço.
    Boa sorte !!

    Boa sorte !!!

    Reply
  • Marly Mafalda de Oliveira 11/07/2013 at 11:33

    Douglas, mais uma vez você lutando pela nossa história, provavelmente após esta sua reportagem, alguém vai tomar uma providência, fico feliz em saber que vc. preocupa realmente com tudo isso.Parabéns e meu abraço carinhoso.

    marly mafalda

    Reply
  • solange 01/08/2013 at 19:30

    Olá Douglas fui criada em bananal tenho 41 anos e posso te dizer que esse cemiterio só é enterrados os que não tem posses e se vc for a bananal vera atras da capela mortuaria o que é tumulos dignos de fotos é o cemiterio dos ricos como é falado lá encontrara tumulos historicos e de muitos ricos com relação a destruição dos tumulos a mais descaso que ataque como lhes foi dito pois a cidade faz um carnaval que pelo tamanho dela é esuberante fatura horrores e não custa a prefeitura da uma ajuda e uma reforma mesmo porque a altura que é o cemiterio não me admiro se derepente uma chuva forte levar ossos humanos para a cidade além de poder contaninar as aguas com certeza é uma materia que merece ser averiguada com mais firmesa e obrigada por mostrar a todos o descaso que Bananal sofre e o adinanta falar que é so pelos politicos não é pelo proprio povo que não cobra uma atitude. exemplo se vc perguntar a um estudante a historia de bananal e se o mesmo sabe que bananal teve sua propria moeda cunhada lá eles vão te responder não sei.

    Reply
    • Douglas Nascimento 02/08/2013 at 10:39

      Oi Solange, como vai ? Estivemos por lá também! 😉

      Reply
  • Osni Monteiro Campos 04/08/2013 at 09:58

    É lamentável o total descaso e abandona do cemitério Bom Jesus pela Prefeita Mirian.

    Reply
  • Profª Ludmila Pena Fuzzi 10/08/2013 at 05:08

    É válido lembrar que as próprias ruinas deste cemitério são belas! Considerando o descaso, ressalto novamente,a destruição foi gerada a partir de bombardeios da Revolução Constitucionalista de 1932….

    Reply
  • MARIO FONSECA VENTURA 30/08/2013 at 05:40

    CARO DOUGLAS -vamos divulgar para os associados do MMDC. Muito elucidativa a matéria. MEUS PARABÉNS!

    Reply
  • Rogério Rodrigues Rocha 03/07/2015 at 23:37

    Provavelmente, Pedro Luís Pereira de Sousa falecido em 16/07/1884 foi sepultado aí nesse cemitério, O conselheiro Pedro Luís, foi Advogado, Jornalista, Orador, Poeta, Deputado em duas legislaturas, Ministro dos negócios estrangeiros, Presidente da província da Bahia, Ministro da Agricultura comercio e obras publicas, Conselheiro do Império, Patrono da Cadeira 31 da ABL. veja seu magnifico, encantador, lindíssimo, Poema
    “LÁGRIMAS DO PASSADO” no YOU TUBE. Autor de muitas outras belas poesias.
    Rogério Rodrigues Rocha.
    Belo Horizonte. MG.

    Reply
%d blogueiros gostam disto: