A primeira infraestrutura aeroportuária da cidade de São Paulo foi na zona norte, no famoso e até hoje bastante movimentado Campo de Marte. Foi ali que em 1920 construiu-se a primeira pista de pousos e decolagens e o hangar da força pública. A importância estratégica do local foi alvo em 1924 e principalmente em 1932, quando partiu da capital federal ordem para que a área fosse bombardeada durante a revolução constitucionalista.

Os anos se passaram e a aviação foi conquistando cada vez mais espaço no cotidiano mundial e consequentemente também no brasileiro. Em meados da década de 30, especificamente em 1935, começaram os estudos para um novo aeroporto em São Paulo. A área escolhida foi a região que hoje conhecemos como Congonhas.

Assim sendo, em março de 1936 a Auto Estradas S/A iniciou a construção de uma pista de testes no local onde hoje está o aeroporto. Para testar a viabilidade da área e também ouvir a opinião de aviadores, a empresa divulgou em 12 de abril de 1936 a seguinte nota nos jornais da capital paulista:

Fonte: Correio Paulistano / Reprodução

Era a inauguração e primeiros passos daquele que rapidamente se transformaria no aeroporto símbolo de São Paulo. Nos primeiros meses de funcionamento, foi brevemente chamado de Campo da VASP, até que uma vez adquirido pelo governo estadual no mesmo ano foi nomeado oficialmente de Aeroporto de São Paulo.

Para ter uma ideia de quão diferente e simples eram as primeiras pistas de pousos e decolagens iniciais do aeroporto, uma foto área de abril de 1936 mostrando o aspecto da então Villa Congonhas:

Foto: Reprodução

A partir dai o crescimento da cidade ajudou a empurrar o crescimento do aeroporto paulistano que logo passaria por ampliações e transformações. As principais datas foram em 1947, início da primeira grande reforma, 1955 o novo  terminal de passageiros, e 1959 com a inauguração da ala internacional.

Terceiro mais movimentado aeroporto do país, Congonhas é um símbolo da cidade e cartão postal. Era tão charmoso e moderno que foi até destaque de um filme americano, de 1959, chamado Holiday for Lovers. O filme brinda o telespectador com imagens de Congonhas e segue por inúmeros belos locais da capital, como Monumento às Bandeiras, Parque do Ibiraquera, centro e avenida Higienópolis.

Este trecho do filme pode ser assistido a seguir:

Para celebrar a importância de Congonhas, fizemos uma seleção de 12 fotografias antigas que mostram como desde sua inauguração o aeroporto está no coração dos paulistanos. São cenas externas, das pistas, do café que tinha uma vista espetacular, etc. Desfrute!

Fonte: Infraero

Vista aérea na década de 1990 (clique para ampliar)

Foto: DIvulgação

O colorido dos carros diante do aeroporto no início dos anos 70 (clique para ampliar)

Foto: DIvulgação

Na pista, aviões da Varig (clique para ampliar)

Foto: DIvulgação

Congonhas sem aeronave da VASP (esquerda) não é a mesma coisa! (clique para ampliar)

Foto: DIvulgação

Vamos embarcar na pista! (clique para ampliar)

Foto: DIvulgação

O charme do café e mirante do aeroporto (clique para ampliar)

Foto: DIvulgação

Aeronave da Varig (clique para ampliar)

Foto: DIvulgação

Aeronave da Varig, comissárias e um Viscount (clique para ampliar)

Foto: DIvulgação

O caminhão verde na avenida era da Estrada de Ferro Sorocabana! (clique para ampliar)

Foto: DIvulgação

De boa, observando os pousos e decolagens (clique para ampliar)

Foto: DIvulgação

Final de década de 70 (clique para ampliar)

Foto: DIvulgação

(clique para ampliar)

Tem alguma lembrança ou história do Aeroporto de Congonhas para compartilhar conosco ? Deixe seu comentário!

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

Deixe um comentário!

Comments

  • Luiz Henrique 03/12/2015 at 17:49

    Matéria e fotos excelentes!
    Douglas, eu não recebi o aviso no e-mail sobre este novo post.Será que fui excluído da lista?

    Reply
    • JORGE ROBERTO COELHO FERREIRA 03/12/2015 at 22:31

      Também não recebi. Ainda bem que vim direito ao site.

      Reply
    • Douglas Nascimento 04/12/2015 at 08:55

      Não sei dizer Luiz, a lista é automática e os sites não tem acesso a ela para evitar o envio de spam.
      Quem gerencia é o próprio assinante da lista. Abraços

      Reply
      • Luiz Henrique 04/12/2015 at 14:06

        Estranho, né?

        Reply
  • Sixto José Parollo 03/12/2015 at 20:12

    A primeira vez que viajei de avião foi num Avro, bimotor turbo-hélice, da Varig, com destino a Joinville, em janeiro de 1971. Como engenheiro de projetos de sistemas de saneamento básico, viajei por todo o Brasil até 2010, quando encerrei minhas atividades profissionais. Utilizei muito a Ponte Aérea São Paulo-Rio. Ah que saudade do Electra II, com quatro turbinas, de hélices. que atuou nesse percurso durante 20 anos, sem nenhum acidente fatal. De Congonhas, nos velhos tempos, dentro do avião, taxiando para a decolagem, eu via meu prédio na av. Jurema, no bairro de Moema. Nesse período viajei em todos os tipos de avião da Varig, Cruzeiro, Vasp, Transbrasil, Tam, Gol e Pantanal. Mesmo com a entrada em operação do Aeroporto de Cumbica, em 1985, continuei a me utilizar do querido Aeroporto de Congonhas.

    Reply
  • vynysto 03/12/2015 at 22:13

    Qual era o tamanho da pista nessa época ?

    Reply
  • JORGE ROBERTO COELHO FERREIRA 03/12/2015 at 22:39

    A primeira vez que eu vi um avião de perto foi lá. Nos anos sessenta as escolas promoviam excursões para as crianças visitarem o aeroporto. Na juventude ia ao café, de vez em quando. Será que hoje em dia ainda há alguém que vá observar pousos e decolagens ?

    Reply
    • Mauricio Medeiros Mardirous 26/04/2016 at 15:45

      Se alguém ainda vê é a pessoa que vos fala. Toda vez que embarco lá fico observando de lá de dentro do embarque. Mas não é como dos tempos da varanda do restaurante. E a angustia de esperar alguma aeronave pousar. Naquela época demorava. Hoje não tem graça, a cada 3 min há uma operação de pouso e decolagem. E naquela época havia vários modelos de aeronaves, diferentemente de agora.

      Reply
  • Celso Fukuhara 03/12/2015 at 23:04

    Em 1971 meu pai me levou para conhecer esse aeroporto. Tínhamos acabado de mudar para SP e estávamos conhecendo a cidade. Ficamos na sacada vendo os aviões chegando, decolando, outros ligando e se preparando para decolar. Os aviões a hélice, Viscount, Electra, Samurai, os jatos One Eleven, Boeing 707. Comecei a ver e admirar os aviões.

    Reply
    • Goytá 28/01/2017 at 04:50

      Boeing 707 eu garanto que você não viu em Congonhas, pois nunca pousou um 707 lá. A pista é curta demais para ele. Os 707 só operaram em Viracopos, e mais tarde em Guarulhos.

      Reply
  • antonio Machado 03/12/2015 at 23:29

    Esse aeroporto era considerado a paia dos paulistas, Pois em finais de semana ver os aviões subir e descer, era o prato favorito.No antigo restaurante vc saboreava uma comida de primeira com uma vista de toda a pista.Minha primeira viagem de avião partiu daí com destino a Itajaí, em um DC-3 e na volta em um Viscont da Vasp com 4 turbo hélice.

    Reply
  • William Dos Santos 03/12/2015 at 23:36

    em 69 meu primo me levou para passear neste aeroporto gostei muito, minha prima foi aeromoça,,,,,, nunca viajei de aviao….estou morando a 21 anos em tubarao sta catarina e tem uma cidade vizinha a mais ou menos 15 km . perto do mar ,chamada ja guaruna…………e, foi construida na mesma um aeroporto. recem inaugurado,com voos direto para o de congonhas…me parece que com dois voos por dia…..interessante…..que o pessoal daqui do sul ,gostou da ideia e estao pedindo mais;o bom e que o de congonhas estara sempre aberto para os primos poderem se vizitar…………quem sabe embarco nessa tambem…..o aeroporto de jaguaruna e o humberto bertoluzi……

    Reply
  • Laudicéa nogueira Rucco 03/12/2015 at 23:56

    Ah!!!!! Quantos cafezinhos na madrugada depois das Boites. Minha formatura de 4a série Ginasial foi no Salão de Baile do Aeroporto de Congonhas, E os Bailes de Carnavais…..famosos, acho que era Aratans !!! Em 1957, era passeio nosso aos domingos, ver as decolagens….acho que era o barulho que gostávamos. Quando fecharam o nosso Belvedere, fiquei muito indignada.

    Reply
  • Roseli Aparecida Ferro fabrício 04/12/2015 at 12:34

    Tenho uma saudade muito grande por esse aeroporto…Na década de 60, eu com 6 anos na época, fui com meu pai, minha mãe, minha irmã(1 aninho) e minha avó paterna passear no Zoológico e terminamos o dia no aeroporto de Congonhas…Imaginem vcs duas crianças pequenas no meio daquele barulho todo, vendo aqueles monstros de aviões, pela primeira vez
    ….INESQUECÍVEL!!!

    Reply
  • Ana Cristina Pereira Cardoso 04/12/2015 at 13:38

    Passei minha infancia dentro do Aeroporto de Congonhas. Meu pai trabalhou na Varig por 40 anos. Foi representante comercial e seu escritório era dentro do Aeroporto, quase ao lado da pista. Fui, várias vezes , olhar alguns modelos em manutenção (Electra) nos angares, todos as consultas médicas fazíamos por lá, tinha uma cooperativa de alimentos que também fazia parte da estrutura do Aeroporto. Na ala da Companhia, lembro bem, existiam dois restaurantes o ‘ SAI DURO” e o “CAI DURO”….um ótimo barbeiro Sr. Carmelo, muita alegria, profissionalismo e preocupação única e exclusivamente com o cliente, que sempre tinha razão. Até hoje o Aeroporto de Congonhas me encanta….sempre que posso, passo algumas horas tomando um café e observando as pessoas que chegam e vão….Um lugar encantador!

    Reply
  • Isabela Monteiro 04/12/2015 at 17:31

    Meu pai era comandante da VARIG e desde criança frequentávamos Congonhas. Quando adolescentes íamos de madrugada tomar o sagrado café depois dos “bailinhos”. Adoro esse aeroporto ❤

    Reply
  • Arnaud dos Santos Arruda 04/12/2015 at 18:12

    Minha primeira viagem de avião f oi em julho de 1948, com destino ao Rio de Janeiro. O avião era um DC3 da REAL, de prefixo PP-YPL (o primeiro vôo vc nunca esquece) e saiu de Congonhas.

    Reply
  • joão martins 04/12/2015 at 21:19

    Trabalhei na Viação aerea Riograndense, nesse aeroporto, no Departamento de Engenharia e Manutenção de 1979 a 1992. Durante o tempo em que a Ponte aérea era operada apenas pelos Electras. Melhor época da Empresa.

    Reply
  • Roberto Mascarenhas Braga 06/12/2015 at 19:23

    À época o Viscount era chamado popularmente de Viscate da Vasp. Voei muito!!!

    Reply
  • Daniel 08/12/2015 at 08:41

    Resolvido o problema do barulho que incomoda a vizinhança: o aeroporto chegou lá primeiro; quem foi morar na zona de barulho chegou lá com seus próprios pés, sabendo onde estava construindo. Os incomodados, literalmente, que se DESmudem…RS
    Ah, se fosse tão fácil.. Rs

    Reply
  • marlene pasqual 08/12/2015 at 15:15

    Nossa que saudades da epoca que eu saia do Baile de Formatura e corria para o aeroporto tomar um cafe na madrugada….

    Reply
  • Adelino Pellegrini Filho 08/12/2015 at 17:37

    Douglas, parabéns pelo trabalho sobre Congonhas, onde tive o prazer de operar como despachante de voo entre julho e novembro de 70, depois transferido para o Depto de Promoções da Cruzeiro. O Aéroclube de Praia Grande , onde morei, segundo comentários local, pertence ultimamente ´aviação do Exército. Não tenho como comprovar

    Reply
  • danielpardo2015 08/12/2015 at 20:29

    Eu só fui conhecer Congonhas depois de crescido e ainda assim só vi avião de longe porque nunca viajei com um.

    Mas o legal das fotos da década de 70 é ver os carros hoje antigos todos novinhos.

    Reply
  • Dan 09/12/2015 at 21:42

    Passei algumas vezes do lado do aeroporto e felizmente vi, mesmo a distância, algumas aeronaves decolando ou pousando.

    Se as autoridades tivessem proibido desde os primeiros anos de funcionamento as construções num raio de alguns quilômetros ao redor do aeroporto, o mesmo poderia ser ampliado muitas vezes e até seria desnecessário o de Cumbica. E até algumas tragédias, como a do airbus da TAM alguns anos atrás que devido a problemas mecânicos, não se chocaria com o hangar, pois teria uma área de escape satisfatória…

    Infelizmente é um aeroporto fadado a ter que fechar os serviços para aeronaves de médio a grande porte daqui alguns anos, mas ainda poderia ser usado como um excelente heliporto, e pequenas aeronaves que nem o Campo de Marte.

    O próximo grande aeroporto paulista será na região do município de Caieiras (o terreno já tem, mas só falta aval federal pra tocarem a obra, que será feita pela CCR), uma região bem servida das rodovias Anhanguera e Bandeirantes e bastante próxima da capital. A fonte dessa informação é o G1:
    http://g1.globo.com/economia/noticia/2015/10/ccr-assume-projeto-para-construir-novo-aeroporto-em-sp.html

    Reply
  • Renan Lopes de Almeida 13/12/2015 at 00:02

    Belíssima matéria muito nostálgica, esta era São Paulo de verdade!!!…

    Reply
  • joaozinho menininho 20/05/2016 at 10:00

    Lembro muito bem quando fui levado pelo meu pai à visitar o Aeroporto… além de ver os aviões subindo e descendo, ele mostrou o quanto o preço das coisas eram diferentes, a estrutura do local e o que fiquei mais fascinado foi ver “Airport TimeTable” que na minha época eram uma plaquinhas que ficavam girando com o itinerário dos vôos e hoje são “borders/telões” digitais… até hoje quando vou aos aeroportos instintivamente fico esperando os timetables ficarem “girando” ai caio no ridículo e lembro que é tudo digital, gostava mais do antigo…!!!

    Reply
  • vitorino fonseca cardamone 01/09/2016 at 18:27

    saudade mesmo trabalhei nesse terceiro andar ai de janeiro de 1967 ate maio de 1969 saudades tinha la um pretinho manco que conhecia todo mundo e vi o dr.Ademar de Barros abraçar ele uma vez era muito conhecido e carregava as malas das pessoas conhecidas que por la desembarcavam e …///quando roberto carlos chegou da italia onde esteve no festival eu tava de trabalho e la do 3 andar vi o erasmo carlos com um jeep que tinha um peneuzao de mais de um metro de altura e entraram la dentro perto da pista e hoje nao pode mais…saudades de congonhas…///tinha la uma buate, uma casa noturna do nosso amigo que faziam carnaval chamada ARACAN..só alegria saudades…abração Douglas…brigadu pelas lembranças…

    Reply
  • Ruy Natividade 30/10/2016 at 11:22

    Douglas você saberia me dizer quem é o autor da foto aérea de abril de 1936? Até onde sei essa foto pertence ao arquivo do estadão, porém isso não significa que foi tirada por um fotografo do estadão. Ela pode ter sido comprada ou fazer parte do arquivo de outro jornal que foi absorvido pelo estadão. Abraços.

    Reply
  • Roberto 27/01/2017 at 00:24

    Muito bacana, só um detalhe, na foto onde o pessoal está embarcando, a legenda está “Vamos embarcar na pista!”, apesar de ser só um detalhe, eles estão na verdade no pátio de aeronaves, embarcar na pista seria um perigo tremendo!

    Reply
  • Goytá 28/01/2017 at 04:59

    Curiosidade: no vídeo de “Holiday for Lovers” (“Amantes em Férias” aqui), a mulher de vestido cinza e luvas pretas é a Jane Wyman, que tinha sido a primeira esposa e mãe de dois filhos de Ronald Reagan, que mais tarde foi presidente dos EUA. Mas em 1959 ela já estava divorciada dele – já tinha até tido outro marido, de quem também se divorciou.

    Reply
  • Hugo V. Cagnoni 28/01/2017 at 16:32

    No aeroporto tinha o famoso salão de baile onde se realizava bailes de formatura.
    Dancei muitas madrugadas lá
    Boas lembranças!!

    Reply
  • Edson Borcato 29/01/2017 at 22:06

    Que saudades, para nós da periferia era passeio de final de semana.

    Reply
  • Jorge De Vicién 30/01/2017 at 15:57

    A voz da Iris Lettieri chamando os vôos, o teto pintado cor de céu e a loja de brinquedos no primeiro andar.

    Reply
  • Paula 30/01/2017 at 16:05

    Adorei a reportagem sobre o nosso Aeroporto!! Me lembro quando era criança e vínhamos ao aeroporto ver os aviões e, quando vínhamos buscar/levar minha tia que sempre vinha de Belém passar uns dias conosco. Gostaria muito que ele fosse restaurado. Ele deveria ser um dos nossos cartões postais.

    Reply
  • Bernardo.herz 22/05/2017 at 16:49

    Temos que dar valor ao que tem Valor, e para quem da valor.Numa época distante onde eramos felizes.

    Reply
  • Márcia Caetano 20/10/2017 at 02:47

    Eu tinha quatro aninhos e meu pai me segurou nos braços defronte à balaustrada para mostrar um avião que estava parado na pista e me disse então: “Olhe aquele avião como é gde, parece uma casa”. Jamais irei esquecer esse dia. Papai faleceu seis anos depois, mas o aeroporto, os aviões que ele tanto amava e pilotava e esse dia guardarei no coração para sempre.

    Reply
  • Roberto Guerra 06/01/2018 at 22:39

    Meus amigos e eu tivemos o previlégio de frequentarmos os bailes de formatura que se realizavam no Aeroporto de Congonhas, animados por verdadeiras orquestras, no salão ao fim da escadaria do hall de entrada deste eterno e saudoso aeroporto.São lembranças eternas de quem pode viver o Anos Dourados !

    Reply
  • Jose Ricardo Ribas 20/02/2018 at 10:39

    Já estive no deck de observação com meu pai lá nos idos dos 70. Tinha Viscount, Dart Herald, Electra, BAC 111, 727, 737, DC3, Samurai, Caravelle, Convair, etc. Não tinha monotonia.

    Reply
  • João de Carli neto 01/06/2018 at 07:24

    O AEROPORTO DE CONGONHAS , NASCEU , NUMA ÁREA DESAPROPRIADA DO SENHOR DOLOR BERNARDINO DO CARMO , UM OFICIAL DA GUARDA DO GOVERNO

    Reply
  • João de Carli neto 01/06/2018 at 11:56

    A história , não é escrita , por registros oficiais , e sim por interesses políticos comercias…

    Reply
  • Jacimar 14/06/2018 at 09:09

    Meu Pai mudou para São Paulo, vindo de Vitória-ES em 1969, tive o prazer na minha adolecência de ficar naquela varanda ( Deck ) vendo os pousos e decolagens. Sou apaixonado por aviões, viajo muito. Tempo muito bom. Observe nas fotos que as grades em torno do Aeroporto não eram altas, não precisava de cerca elétrica, as pessoas eram educadas! Saudades!

    Reply
%d blogueiros gostam disto: