A cidade de São Paulo está repleta de atrações culturais gratuitas durante o ano todo e nem todos os paulistanos aproveitam estas oportunidades. São peças de teatros, exposições fotográficas, museus, palestras e workshops dedicados aos mais variados e assuntos.

E existe na cidade de São Paulo alguns museus gratuitos especialmente destinados a Revolução de 1932. Todos eles espaços impecáveis, com acervos exclusivos e organizados com muito esmero pelos seus mantenedores. O blog São Paulo Abandonada & Antiga visitou e apresenta ao leitor três museus totalmente dedicados à Revolução Constitucionalista de 1932 que merecem uma visita, seja para conhecer um pouco mais sobre o acontecido ou seja para se aprofundar em suas pesquisas. Dois deles são tão próximos que podem ser visitados no mesmo dia! Vamos conhecê-los ?

Memorial 32 – Centro de Estudos José Celestino Bourroul

Localizado no prédio do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, o Centro de Estudos José Celestino Bourroul é um excelente lugar não só para conhecer melhor a Revolução de 1932, como também uma excelente pedida para estudantes e pesquisadores interessados em estudar ainda mais sobre o tema e sobre a história de São Paulo. O belíssimo museu possui um acervo vasto e rico que chama a atenção pela organização primorosa e pela atenção e dedicação dos funcionários em atender os anseios de quem visita o memorial.

O museu leva o nome do Engenheiro José Celestino Bourroul, que foi doador de grande parte do acervo disponível no local e que desde jovem foi divulgador da causa constitucionalista. Bourroul também foi vice-presidente do São Paulo Futebol Clube e presidente da COHAB.

No espaço é possível ver medalhas, pinturas, armas antigas, documentos, fotografias e também pesquisar na hemeroteca e nos mais de 4mil livros disponíveis. Pode-se pesquisar o catálogo da biblioteca pela internet.

Serviço:
rua Benjamim Constant, 158 – 4o andar – Sé
Telefone: (11) 3104-5050
Horário de funcionamento: segunda à quinta das 12:00 às 18:00hs
Site: http://www.memorial32.org.br

Galeria Jorge Mancini


Também muito pouco conhecida pelo paulistano em geral, a Galeria Jorge Mancini é uma grata surpresa na região central da cidade. O excelente espaço dedicado à Revolução de 1932 está localizada dentro da sede da Associação dos Funcionários Públicos do Estado de São Paulo (AFPESP) , na rua Venceslau Brás.

A galeria leva o nome do Capitão Jorge Mancini (1900-1993) um dos seis valorosos irmãos da família Mancini que se incorporaram voluntariamente ao Exército Constitucionalista. Jorge Mancini também foi fundador e presidente da Associação dos Ex-Combatentes de São Paulo. Todo o acervo inicial riquíssimo desta galeria foi doado ainda em vida por Mancini para a AFPESP com o forte desejo, segundo ele,  de: “…perpetuar o ideal democrático que inspirou a Ação de 32”.

Na galeria é possível conhecer toda a trajetória da Revolução desde os primeiros momentos até o seu término através de fotografias, quadros, material de propaganda militar, uniformes, títulos de tesouro, moedas, medalhas e muitos documentos raros, além de imagens dos próprios membros da família Mancini.

Uma excelente pedida não só para visitas solitárias mas também para grupos de estudantes e excursões escolares. O local está totalmente preparado para receber o público interessado. Se estiver passando pelo centro de São Paulo, o passeio é imperdível.

Serviço:
rua Venceslau Brás, 206 – 1o andar – Sé
Telefone: (11) 3293-9581 / (11) 3293-9588

Museu do Colégio Santo Ivo / Museu Maria Soldado

Melhor do que ir em um museu é ir em dois ao mesmo tempo. E é esta facilidade que você consegue ao ir visitar o museu da Revolução de 1932 que está no Colégio Santo Ivo, no bairro da Lapa. O local possui o seu museu próprio, inaugurado em 2006, com um rico acervo exclusivo, com fotografias, estátuas, numismática, livros , cartazes e muitas outras atrações curiosas. Além disso, o museu do colégio oferece para apreciação algumas belas pinturas de temáticas revolucionária do artista plástico Vicente Caruso (1912-1986), que principalmente entre 1932 e 1954 pintou excelentes quadros simbolizando o orgulho paulista.

Além do museu próprio, o Colégio Santo Ivo abriga também, há dois anos, o Museu Maria Soldado, cujo acervo é da Sociedade dos Veteranos de 32 e que fica originalmente no Obelisco do Ibirapuera. Desde que o local fechou para reformas o acervo encontra-se a disposição nesta instituição, temporariamente. Entretanto, apesar de provisório, a sensação é de que você está no local oficial, tamanho é a organização do espaço.  Por ser o principal acervo da Revolução, no local é possível encontrar raridades exclusivas, como uma carta escrita por Santos Dumont, fotografias do combate em diversos pontos de São Paulo, matracas, capacetes, medalhas e uma das hélices do avião de combate que, nos céus, teria influenciado Santos Dumont a suicidar-se. No local há também a biblioteca da Sociedade dos Veteranos de 32 que possui inúmeras fichas e documentos e que é constantemente visitado por pesquisadores, estudantes e militares em busca do passado histórico. O local dispõe de uma área especialmente destinada a pesquisa de documentos.

Apesar de localizado dentro de uma escola, o acesso é livre a todos os interessados em conhecer os dois museus, inclusive grupos de outras escolas, além de pesquisadores e público em geral. Basta agendar a visita por telefone.

Serviço:
rua Duarte da Costa, 1246 – Lapa
Telefone: (11) 3837-0566 / Email: info@santoivo.com.br

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

Deixe um comentário!

Comments

  • Neuza Guerreiro de Carvalho 08/07/2010 at 17:38

    Embora não me ligue muito em pesquisas sobre essa revolução – acho mais importante para a cidade a revolução de 24 – conhecer detalhes dessa época sempre amplia conhecimentos.
    Sou leitora assídua de seus textos.

    Reply
    • luiz pellegrino 08/12/2010 at 14:50

      Te GARANTO QUE PRA QUEM LUTOU E MORREU ESSA REVOLUÇÃO FOI MUITO IMPORTÂNTE; PARA AMBOS OS LADOS!!!!

      Reply
    • Antonio Prado 10/07/2012 at 13:54

      Prezada Senhora
      A revolução de 1924 foi dos tenentes e foi carioca.
      Comunista.
      A de 1932 foi dos paulistas que queriam do ditador Getulio Vargas uma Constituição.
      Por essa razão, vale a de 32 e não a de 24.
      Antonio A Prado

      Reply
      • Douglas Nascimento 10/07/2012 at 14:53

        Antonio as duas foram trágicas e importantes para São Paulo, não se valoriza uma memória depreciando a outra. Não é ? Abraços

        Reply
        • Olinda Barros 11/11/2015 at 17:43

          Oi, Douglas. Meu pai foi ex-combatente na Revolução de 32, Sebastião Saturnino de Barros, e eu preciso muito de alguma informação que possa constar o nome dele. Tenho uma xerox do Diário Oficial de 22.10.1968, mas não consigo original. Pode me ajudarde alguma forma? Obrigada.,

          Reply
      • Regina Helena Gronau 09/07/2013 at 02:25

        A Revolução de 1924 foi paulista (não carioca). A Revolta Paulista de 1924, também chamada de a Revolução Esquecida, a Revolução do Isidoro ou de “Segundo 5 de julho”, foi a segunda Revolta Tenentista e maior conflito bélico já ocorrido na cidade de São Paulo. (fonte: Wikipedia)

        Reply
  • Pedro Paulo Penna Trindade 08/07/2010 at 18:34

    Douglas

    Parabéns pelo excelente trabalho que o blog São Paulo Abandonada & Antiga vem apresentando, onde relata-nos fatos e lugares de interesse sócio/cultural, além de divulgar parte da nossa história pátria, num pleno exercício de cidadania! Fico feliz em ver a divulgação que você está fazendo dos museus que contam e preservam a memória do valoroso Movimento Constitucionalista de 1932, que não só serve para ensinar e dar exemplo às novas gerações, como também para ressaltar o patriotismo dos que lutaram em prol de uma constituinte. Foi a maior revolução que o Brasil teve em todos os tempos de sua história e até hoje simboliza a grandeza, o brio e a dignidade de um povo que tem sede de liberdade e justiça!

    Pedro Paulo Penna Trindade

    Reply
    • Liana Leporace 14/08/2012 at 14:58

      Douglas, estou pesquisando por documentos que comprovem que meu pai (Vicente Leporace) lutou na Revolução de 32. Voce sabe de alguma coisa, fotos, documentos, qualquer coisa?

      Reply
      • Olinda Barros 11/11/2015 at 17:39

        Oi, Liana. Estou na mesma situação faz 2 anos, você conseguiu alguma coisa? Se sim, gostaria de obter alguma dica. Obrigada.

        Reply
      • maria madalena santos 11/02/2018 at 17:22

        puxa meu pai foi pracinha ele sempre falava sobre comandante Salgado e se escondia no cemiterio p dormir nome do meu pai era Carmino dos santos .revoluçao de 32

        Reply
  • Wilson Natale 08/07/2010 at 19:25

    Douglas,
    Se você puder, vá conhecer o Museu do Tribunal de Justiça, no palacete da Rua Conde de Sarzedas. No subsolo há uma ampla sala com documentos, fotos, relíquias da Revolução Constitucionalista de 1932. E a visita é grtuíta.
    Abração,

    WILSON NATALE

    Reply
    • rosangela salgado 04/07/2011 at 19:12

      obrigado pois tenho orgulho de ser descendente de um deles…obrigado pelos seu comentário

      Reply
    • marcos ferreira johas 28/02/2014 at 09:33

      Ai Douglas obrigado, estou tentando fazer o levantamento de meu pai Mauro de Oliveira Johas como combatente em 32

      Reply
  • MAGALÍ BARROS DE OLIVEIRA 09/07/2010 at 19:07

    PREZADO DOUGLAS NASCIMENTO,

    PARABÉNS! FICOU EXCELENTE A MATÉRIA SOBRE A GALERIA JORGE MANCINI – AFPESP.
    9 DE JULHO – DATA ESSA, QUE NÓS PAULISTANOS, JAMAIS PODEMOS ESQUECER…A LUTA DOS BRAVOS HERÓIS DA REVOLUÇÃO DE 32, QUE DESEJAVAM A DERRUBADA DO GOVERNO PROVISÓRIO DE GETÚLIO VARGAS, COMO TAMBÉM, UMA NOVA CONSTITUIÇÃO, QUE FELIZMENTE EM 1934 SURGIU.
    VISITEM A GALERIA JORGE MANCINI – RUA VENCESLAU BRÁS 206 – SÉ – SÃO PAULO.
    MAGALÍ BARROS DE OLIVEIRA – COORDENADORA DE EDUACAÇÃO E CULTURA – AFPESP – OBRIGADA!

    Reply
  • Ediney Prado 15/01/2011 at 01:25

    E eu que, arquiteto, me vanglorio de conhecer a cidade e sus museus!! Nunca soube da existência destes locais!! Muitíssimo obrigado por me dar a chance de resgatar estas valiosas informações!!

    Reply
  • Paulo Amadei 16/01/2011 at 15:32

    Infeliz esse seu comentário,Sra Neusa Guerreiro de Carvalho.
    Informe-se melhor sobre a história de S.Paulo e do Brasil e o que nos levou a Revolução de 1932 .

    Reply
    • Cristiano Barbosa 25/12/2014 at 15:13

      Reforço o comentário da Sra. Neusa Guerreiro de Carvalho: enquanto há toda uma propaganda em torno da “Revolução de 1932”, a “Revolução de Isidoro” foi praticamente esquecida, tanto que é confundida como movimento de outra cidade…

      Reply
  • clodoaldo 15/02/2011 at 15:02

    Olá amigo gostaria de me conta quitar com alguém que conheça e saiba me falar das obras em nu de Vicente caruso e seus valores hoje no mercado suponho eu que a obra que tenho seja demais ou menos 1845 agradeço deste já .
    UM abraço
    clodoaldo

    Reply
    • maria 15/10/2011 at 13:18

      Oi clodoaldo, recebeste resposta a tua pergunta? Fiquei curiosa, pois tbem tenho um quadro pintado por V.Caruso. Obrigado

      Reply
  • Memorial de 32 – Centro de Estudos José Celestino Bourroul | Museus Brasileiros 21/04/2011 at 13:55

    […] Fonte: São Paulo Antiga […]

    Reply
  • Galeria Jorge Mancini | Museus Brasileiros 21/04/2011 at 14:08

    […] Fonte: São Paulo Antiga […]

    Reply
  • Museu Maria Soldado | Museus Brasileiros 21/04/2011 at 14:31

    […] Fonte: São Paulo Antiga […]

    Reply
  • Chris 08/07/2011 at 22:54

    9 de julho! Parabéns aos paulistanos, parabéns para mim… pois, além de ser paulistana, 9 de julho é meu aniversário.
    Ah, sim! Parabéns pelo Blog… simplesmente, fantástico!

    Reply
    • jose carlos 10/07/2014 at 19:24

      parabéns

      Reply
  • Chris 09/07/2011 at 22:29

    Errata: Parabéns a todos os PAULISTAS!

    Reply
  • Theodorico A. Bessa Fº 24/10/2011 at 19:13

    Parabens!
    Não fazia idéia de tais museus. Só agora eu só soube de existência ao procurar, pela internet, a quem destinar objetos relativos à revolução de 32.
    Sou filho de quem comandou a colocação de um canhão sobre um vagão de estrada de ferro. Pelo que tenho, escutei de meu pai que o canhão foi retirado do Forte de Itaipú. Para despistar, em seu lugar foi colocado um tronco de madeira. O trabalho de colocação do Canhão foi feito em Osacao na então existente SOMA – Cia. Sorocanbana de Matrial Ferroriário, empresa não ligada à empresa ferroviária Sorocabana. Tenho fotografia de uma capsula do canhão. Meu pai fez outros trabalhos ligados à revolução. Não morreu em um acidente havido em Osaco, por ter ficado doente o que o fez ficar em casa. Morando em Vila Pompeia, escutou o ruido da explosão. Oportunamente farei as doaões.

    Reply
    • Eric Apolinario 09/01/2013 at 22:59

      Olá! Gostaria de falar sobre seu pai e a Revolução

      Reply
  • Rubens Caruso Jr. 16/12/2011 at 16:01

    Olá. Referências sobre o pintor Vicente Caruso podem ser obtidas em http://www.pintorescaruso.com.br .
    Obrigado.

    Reply
  • celso aluisio Graminha 07/01/2012 at 14:28

    por favor alguem tem informacoes sobre as maiores batalhas que ocorreram durante a Rev.32?

    Foi realmente em Cachoeira Paulista ou foi em Buri? Existem relatorios sobre numero de baixas, equipamentos utilizados? Parece que na frente de Cachoeira Paulista houve ate bateria antiaerea, confere esta informacao?

    Aguardo contato

    Reply
  • Strider 18/05/2012 at 15:58

    Acho que o Museu Paulista (Ipiranga) também dedica uma sala à Revoluçao de 1932. Me lembro de uma peça de morteiro com o tubo quebrado, capacetes, bandeiras, muniçao de artilharia.

    Reply
  • Marcia Santos 09/07/2012 at 21:49

    Todos nós descendentes da Revolução de 1932, deveríamos sempre fazer uma justa homenagem de gratidão a todos que dela participou; recordo de relatos de meus avós, das dificuldades materiais e do sofrimento que muitas pessoas vivenciaram naquela época de intensos conflitos políticos.

    Reply
  • Fredson 20/08/2012 at 20:58

    Gostaria de estar doando um livro do tenente coronel. Paes de Andrade
    Noções de topografia de campanha. De 1927.

    Reply
    • Carlos Vinícius 02/04/2013 at 00:47

      Conseguiu doar ?

      Gostei muito da pagina, sou militar e estou cursando o técnico em museologia, adoro a historia militar paulista. Pena que esta sendo esquecida, não ensinam na escola o que é uma pena pois é rica.
      Obraços

      Reply
  • 09 DE JULHO – FERIADO EM SÃO PAULO | AGENDACULT 02/07/2013 at 16:31

    […] site São Paulo Antiga há mais […]

    Reply
  • Elaine A. Menotti 08/07/2013 at 20:49

    Engraçado que ninguém comentou sobre os museus em Itapira, palco importante da revolução… apesar de não estar localizado na cidade de São Paulo, é parte importante nesta história.

    Reply
  • José Carlos Ferraz Semmler 09/07/2013 at 00:07

    Pouco se comenta a respeito da Revolta Paulista, que estourou em 5 de julho de 1924. Consta que foi o maior conflito armado na cidade de São Paulo, caraterizando-se por ser uma Revolta tenentista, liderada pelo general Isidoro Dias Lopes e tinha o objetivo de tirar do poder o presidente Artur Bernardes.
    http://www.historiabrasileira.com/brasil-republica/revolta-paulista-de-1924/

    Reply
  • marcos ferreira johas 22/11/2013 at 02:45

    gostaria de poder fazer um levantamento sobre meu pai Mauro de Oliveira Johas ex combatente do batalhão pães lemes , tenho um manuscrito do que seria um livro que nunca foi terminado, sera que o museu tem enteresse.

    Reply
    • R. Drigo 01/05/2018 at 23:13

      Senhor Marcos, acredito que esse manuscrito possa ser oferecido ao Arquivo Público do Estado de São Paulo que, certamente, terá grande acolhida para ele já que se trata de um documento de grande valor histórico. Se quiser, podemos conversar: mr.cooper@bol.com.br

      Reply
  • Luiz Henrique de Souza Alineri 21/02/2014 at 07:58

    Para a pergunta do sr. Clodoaldo,apertem tela “SAP”…

    Reply
    • marcos ferreira johas 25/02/2014 at 01:03

      poderia me ajudar a fazer o levantamento de mauro de oliveira johas ex combatente batalhão Paes lemes revolução de 1932

      Reply
  • NELSON CASTALDELLI 09/03/2014 at 19:23

    Fiquei emocionado ao ler estas páginas sobre a Revolução Constitucionalista .Sou filho de ex-combatente e muito orgulhoso disto.
    Sempre quis saber detalhes dos acontecimentos,mas meu pai,com certa
    razão esquivava-se de maiores comentários.,com certeza por ter presen-
    ciado fatos horríveis que ocorrem em um combate,mesmo estando prepa-
    rado para tudo.Meu pai combateu na frente mineira(traidores de ultima hora) ,nos pegaram pela retaguarda! Transferido mais tarde participou da terrível batalha do Tunel.(quem esteve lá sabe o que quero dizer..Voltou
    depois do fim das hostilidades para Ribeirão Preto onde partiu junto com
    seu regimento no dia 10 de julho(Batalhão Marcondes Salgado).
    NAO FALTOU A CORAGEM ! TALVES UM POUCO DE COLABORAÇÃO.
    COMPAREÇO TODOS OS ANOS NA SOLENIDADE JUNTO AO OBELISCO NO IBIRAPUERA EM LEMBRANÇA A MEU PAI E A TODOS QUE COM
    BRAVURA DEFENDERAM UM IDEAL.e VISITO O MAUSOLÉU TAMBÉM.
    UM ABRAÇO A TODOS OS EX.QUE LEREM ESTE TEXTO.

    NELSON CASTALDELI–SÃO PAULO-CAPITAL.

    Reply
  • Rodolpho Neto 13/10/2014 at 23:19

    O Que mais gosto de Ver é Espirito de Honrra e Virilidade Paulista que tentou se Livrar do Jugo Varguista mesmo entrando em Guerra Civil Gosto de Ver Armas Usadas as Fardas a tão conhecida Matraca São Paulo é mais que um Estado é um Pais

    Reply
    • Pedro Sales 16/09/2015 at 15:25

      É isso aí Rodolpho! Nunca podemos deixar morrer esse sentimento que fez SP ser o único estado a se rebelar com o ditador Vargas. Temos honra, história e pujança! Não me considero brasileiro, e sim um nativo da Pátria Paulista! Viva 32!

      Reply
  • Italo Beserra 15/07/2018 at 05:52

    Ontem fiquei o dia me aprofundando sobre a revolução de 32, pois sou nascido no dia 9/Julho. E em pesquisando fotos na internet, dei um zoom em uma que me chamou muito a atenção, até agora estava procurando saber se tem registro com nome e fotos de cada soldado paulista, um deles tem a mesmo rosto que o meu, achei muita coincidência nascer nessa data histórica pra minha cidade e parecer muito com um guerreiro. O que fica mais fácil de ver tal semelhança é comparando minhas fotos com a farda da banda marcial que faço parte, o quepe usado pelo tal soldado é parecido com o meu.

    Reply
%d blogueiros gostam disto: