Localizado na Avenida Paulista, um dos mais importantes e famosos endereços da capital, o Edifício Dumont-Adams é um patrimônio paulistano que há anos encontra-se desocupado e com obras de readequação não concluídas. Vamos conhecer um pouco de sua história ?

O Dumont-Adams em 2006, antes de ser desfigurado

Projetado e construído no início da década de 1950 pelo engenheiro Plínio Adams. Inaugurado em 1958, o edifício consistia originalmente em uma construção com 10 andares e era de uso estritamente residencial.

O nome do edifício, Dumont-Adams, celebra a união de duas famílias a de Plínio e a de sua esposa Adélia Santos Dumont, a mesma do aviador brasileiro Alberto Santos Dumont.

O prédio nunca teve seus apartamentos colocados à venda, sendo na verdade todos alugados para que servisse como fonte de renda à família Dumont-Adams. Assim o prédio permaneceu até meados dos anos 1990, quando começou lentamente a ser desocupado, não tendo novos moradores à medida que os antigos fossem deixando o local.

Vista parcial do edifício em 2008

Nos primeiros anos do século 21 a família decidiu desfazer-se da propriedade, vendendo o edifício para empresa de telefonia Vivo. A partir da aquisição a empresa fechou um acordo com o Museu de Arte de São Paulo (MASP), para ceder o uso do prédio para o que quisesse desde que a empresa pudesse explorar a publicidade externa. Surgia o projeto da Torre MASP-Vivo.

O então presidente do MASP, Júlio Neves, propôs uma completa reconstrução do edifício transformando o Dumont-Adams em uma moderna torre de vidros espelhados com 110 metros de altura. O projeto foi levado à apreciação do Conpresp que deu parecer técnico desfavorável à obra.

Apesar disso o parecer foi desconsiderado e deram início às obras que desfigurou o edifício por completo. A novidade não foi bem recebida pelos paulistanos e também por defensores do patrimônio histórico municipal, que viam no projeto uma desrespeitosa descaracterização do projeto original da construção.

Fachada lateral do edifício antes das obras que o descaracterizaram

Porém o que causaria a paralisação da polêmica obra não seria a disputa em torno do patrimônio, mas a Lei Cidade-Limpa que inviabilizou o envelopamento do prédio com publicidade, deixando de ser interessante para a empresa de telefonia.

Vista área do MASP com o Dumont-Adams à esquerda (década de 1970)

Desde então o projeto anda e para aos trancos e barrancos não finalizando nunca e deixando de atender tanto ao MASP como à municipalidade. Nos últimos anos a empresa Nestlé iniciou participação mas nada de novo tem acontecido.

Seguimos acompanhado e atualizaremos conforme recebermos novidades.

Veja mais duas fotos do Edifício Dumont-Adams (clique na foto para ampliar):

Saiba mais:

*1 – Plínio de Oliveira Adams, responsável pelo projeto arquitetônico do edifício Dumont-Adams, formou-se em engenharia pela Escola Politécnica de São Paulo e teve boa parte de sua carreira desempenhada no setor agrícola, sendo inclusive membro diretivo da Sociedade Rural Brasileira. No setor financeiro foi presidente por anos do Banco de S.Paulo S/A (não confundir com BANESPA). Faleceu em 17 de fevereiro de 1966 e está sepultado no Cemitério da Consolação.

Curiosidade:

A Rainha Elizabeth e, ao fundo, o Edifício Dumont-Adams

A icônica fotografia acima é uma importante demonstração da importância do Edifício Dumont-Adams para a história paulistana e da Avenida Paulista. Em 1968 a rainha da Inglaterra, Elizabeth II, esteve presente a inauguração do MASP. Uma das mais interessantes fotografias tiradas de sua visita é esta acima onde a rainha está acenando para a multidão e vemos ao fundo o edifício, com vários de seus moradores a observando pelas janelas.

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP).

Deixe um comentário!

Comments

  • luiz pinto ferreira 30/01/2009 at 13:08

    Realmente esse edifício é lindo. Imagino como não deva ser os apartamentos.
    Trabalhei na década de 80 no Banco Real (na quadra ao lado) e ainda haviam moradores no prédio.
    Por qual motivo será que ele foi ficando assim?

    Abraços

    Reply
    • rafael 24/10/2010 at 15:06

      caro luiz, tenho algumas fotos dos apartamentos desse imponente edificio. Infelizmente nao são dos áureos tempos, mas sim do abandono e degradação. Mas tem como ver o real tamanho dos comodos, banheiros com banheiras, um tanque enorme na área de serviços, bom se quiser mande um email que eu mando as fotos. rafaelteo@hotmail.com

      Reply
      • Paulo Lavôr 30/05/2012 at 21:55

        Rafael, boa noite.
        Tenho mito interesse sobre prédios históricos, principalmente os de SP. Poderia me encaminhar fotos deste ble prédio, por favor? O interior dele deveria ser lindo em seus áureos tempos.
        Abraço.

        Reply
  • Sandra 16/03/2009 at 08:51

    Todos os dias passo em frente ao edifício e imagino como ele devia ser glamouroso tempos atrás.
    Acho absurdo o projeto da torre imposta pelo MASP.
    Deviam aproveitar melhor esse empreendimento, algumas construtoras poderiam se unir e bancar a reforma dele. Tenho certeza que teriam o retorno financeiro.

    Reply
  • São Paulo Restaurada | Exclusivo: Sem tetos invadem casarão no centro de São Paulo 05/05/2009 at 18:59

    […] projeto, já mostrou alguns prédios vazios que comportariam muitas pessoas sem um lar, como o Dumont-Adams (hoje pertencente ao MASP) na avenida Paulista e o prédio da CIA Nacional de Tecidos na região da […]

    Reply
  • Idal Gass 20/05/2009 at 16:14

    Acho absurda a proposta de querer alojar sem tetos num edifício desse porte e categoria, no local mais valorizado de São Paulo. Peraí meu, eu também quero morar na Av. Paulista!!!
    Creio que o mais correto, após restauração das partes comuns e fachadas, seria a locação ou venda das unidades ou andares inteiros a consultórios médicos ou agências de publicidade ou mesmo um hotel.

    Reply
    • Antonho touxa 08/08/2019 at 16:40

      concordo plenamente com voce Idal Gass, essas associaçoes criminosas que alojam sem tetos, sao na verdade organizaçoes que exploram pessoas pobres colocando- as em edificios abandonados em grandes cidades como Sao Paulo para exploralas com taxas como aconteceu no edificio do largo do Paissandu, com aquele incendio criminoso.

      Reply
    • Valeria fulp 08/08/2019 at 21:32

      Claro que é ridículo cogitarem a possibilidades fazer desse ícone histórico, moradia dos sem,Tetos!!!! Não ha menor chance disso acontecer. iriam criar uma favela na mais Paulista de todas as Avenidas…..além do mais, esse é um centro de muita importância economica da cidade, e não tem nada há ver com os sem tetos….
      Façam um belo hotel, com restaurante no teto, escritórios de gabarito e outras ideias espelhadas na cidade-estado NY.

      Reply
  • Gabriela 21/05/2009 at 20:39

    Um hotel seria maravilhoso nesse lugar…
    Sempre passei na frente desse edifício e nunca havia raparado na sua “beleza”, passando de novo essa semana com um conhecido já de idade, ele estava contando que havia morado ali nas redondezas quando não tinha um prédio sequer na Av. Paulista, disse que a molecada da época alegava ser um prédio mal assombrado e tinham medo de entrar lá dentro. Claro, como toda criança, eles contavam esses boatos que acredito eu não serem verdade. risos.
    Mas quando passei novamente não sei porque, mas ele me instiga demais, foi por esse motivo que decidi procurar saber qual era a história daquele belo edifício.
    Beijos a todos!

    A propósito, abrigar moradores de rua também não concordo…

    Reply
    • Emerson de Faria 09/08/2019 at 00:47

      Dar coisas de graça a quem quer que seja eu também sou visceralmente contrário -estimula o ócio e a vadiagem – no entanto este magnífico prédio desocupado reacende a questão do déficit habitacional que aflige todas as camadas sociais, e o que não falta no centro da cidade são prédios desocupados, que poderiam muito bem serem reformados e revendidos à população, existem prédios desocupados para todos os gostos e bolsos, do pessoal da varanda gourmet aos mais remediados, sem hipocrisia ou gentrificação, ou bem vale para todo mundo ou não vale para ninguém.

      Reply
  • Gabriela 21/05/2009 at 20:40

    Aliás moderação.
    encontrei um site com fotos dele por dentro.
    MARAVILHOSO.
    http://www.giltokio.com/caixa/

    Beijos

    Reply
    • Rafael 18/03/2010 at 21:31

      Oi gabriela, me chamo rafael,
      queria saber como você fez
      para entrar no Edifício Dumont-Adams
      na av paulista, eu sou apaixonado por ele
      é muito lindo, aguardo resposta no meu email.
      menino_deouro18@hotmail.com

      Gtato, Rafael Lorenço amorim.

      Reply
    • Karin Peixoto 28/11/2010 at 12:01

      Gabriela, eu tentei acessar o link que vc Postou más não consegui parece que a pagina ficou fora do ar, por um acaso vc não salvou as fotos né? puxa fiquei muito curiosa.

      Reply
  • rubens ferrazeane mola 25/06/2009 at 13:55

    Parabéns Gabriela

    Visitei o seu site e achei maravilhosa as fotos que você localizou. Estou tirando a minha credencial do Creci e hoje faço captação e fotografo vários imóveis no ABC. Realmente é apaixonante visitar prédios antigos. Trabalhei durante muitos anos na década de 50/70 em São Paulo e me encantava com a imponência, beleza e conservação dêles.
    Espero que outros sigam o seu exemplo
    Abraços

    Reply
    • Wellington Ferraz de Oliveira 26/03/2010 at 21:52

      Caríssimo Mola.

      Por ondse anda você, meu caro. Não te vejo desde 1967…

      Abraços

      Reply
  • Sônia 07/09/2009 at 18:57

    Busquei informação sobre o edifício e encontrei aqui. Agradeço, sempre e sempre, pessoas como Douglas/SPAbandonada e Gabriela (que informa site com fotos internas). Parabéns pela generosidade.

    Reply
  • André 09/09/2009 at 02:48

    este edifício é maravilhoso! há muito me pergunto o que aconteceu para ele estar assim abandonado! concordo que se deveria revitalizar o prédio e mantê-lo como edifício residencial. eu gostaria muito de morar neste edifício!

    Reply
  • Kiko Mendes 14/09/2009 at 22:24

    Se tem um lugar que eu gostaria de morar é aí…
    Quem sabe quando eu voltar pro Brasil.

    Reply
  • Andreza 30/09/2009 at 17:17

    Nossa, sou apaixonada por esse edifício, sempre q passo pela Paulista não me canso de admirá-lo e imaginar como seria vê-lo em sua forma mais bela!
    Agradeço a oportunidade por vc’s terem disponibilizado informações e o link com as fotos internas. Sempre tive muita curiosidade de conhecê-lo por dentro!
    Com certeza seria uma honra poder vê-lo habitável novamente e adoriria poder habitá-lo! 🙂
    Q bom q ainda existem pessoas como vc’s q se importam com a memória desta cidade maravilhosa!

    Reply
  • Nathalia 13/10/2009 at 21:53

    Há sete anos que me interesso muito por este prédio, inclusive procurando, exaustivamente, informações sobre ele. Apenas agora encontrei, com muitas fotos ainda! Muito obrigada!

    Reply
  • gil tokio 19/10/2009 at 10:39

    ola.
    as fotos de dentro do dumont adams no link compartilhado pela gabriela fui eu q tirei.
    entrei por acaso um dia q a porta estava aberta.

    a parte curiosa da historia é q a porta so estava aberta porque estava acontecendo um velorio no piso terreo! isso so ajuda a aumentar as lendas urbanas em torno do edificio.

    Reply
    • Jan 16/11/2009 at 00:00

      OI Gil!!!!!
      que lendas…apesar de não morar em São Paulo esse prédio me fascina….tenho fotos com ele ao fundo…muito interessante
      Interessante também a iniciativa de fotografar e denunciar o abandono!!!!!!
      Abraços

      Reply
  • Susana Requião 05/11/2009 at 11:08

    Sendo arquiteta, sempre me causa uma certa angústia passar por prédios antigos abandonados.
    Na minha opinião, deveria ser restaurado ou para hotel ou residência.Seria o máximo morar lá.

    A iniciativa das fotos foi excelente!
    Parabéns Gil e Gabriela!

    Abraços

    Reply
  • Edson Costa Santos 19/12/2009 at 06:28

    Toda vez que vou ate a avenida paulista admiro tudo que nela ha, mas no caso do Ed. Dumont Adams, localizado na altura do n 1510, meus se materializam, já o imaginei como um edificio de restaurante, onde cada andar tivesse um restaurante de uma nacionalidade diferente. Ja o imaginei como um edificio de movimentos culturais, ja o imaginei como um sede para ONGS, so nao consigo imaginar no estado como esta.

    Obs.: Ontem estive na area aberta do MASP e adimirei a lateral do edificio e imaginei.

    Grato
    Edson Costa Santos
    18/12/2009

    Reply
  • Elcio 12/02/2010 at 13:32

    Um prédio histórico desses, numa localilzação dessas pode ser restaurado para ser qq coisa, desde que aberta ao público. Nada, portanto, de “residência” ou coisa parecida. Isso aí pode ser um museu, um centro cultural… até uma balada noturna (como vi num prédio muito louco em Praga). Mas que todos tenham acesso. Ele é muito do legal!

    Reply
    • Emerson de Faria 09/08/2019 at 00:35

      Não vejo por que não retomar sua função original de moradia, o que não falta no centro da cidade são prédios desocupados que deveriam ser reformados e revendidos à população em geral, há prédios para todos os gostos e bolsos, do pessoal da varanda gourmet aos mais remediados que querem apenas um teto para se abrigarem, sem hipocrisia e gentrificação.

      Reply
  • Milena 18/03/2010 at 11:45

    Olá!
    Excelente matéria! E as fotos então que a Gabriela compartilhou! Acho realmente absurdo vermos um prédio magnífico como esse abandonado, em pela Av. Paulista, o m² mais valorizado do país!
    Me desculpem, mas eu também não concordo com esse projeto de disponibilizarem o local para moradia de sem teto! Eu também quero morar na Paulista!!
    Parabéns!

    Milena

    Reply
  • Daniel Ferreira 19/03/2010 at 14:28

    Sempre quis saber mais sobre esse prédio! Bem legais as fotos do Gil Tokio linkadas nos comentários.

    Reply
  • Bia Montes 19/03/2010 at 15:20

    Agora tenho certeza que esse edifício não encantou somente a mim. Sou do interior de Minas Gerais, e um dia em visita ao MASP, fiquei por um bom tempo na parte externa do museu imaginando como esse edifício deveria ter sido em seu tempo áureo. É realmente uma pena, ele estar da maneira que se encontra. Nosso querido Brasil não valoriza o seu passado.
    Quem tem passado tem história quem não tem história não existe… E assim perdemos memórias que poderiam fazer a diferença no nosso presente.
    Parabéns ao SPA pela iniciativa de mostrar riquezas arquitetônicas de São Paulo abandonadas, infelizmente esse mal atinge a todas as cidades mais antigas de nosso país. Poucas são as comunidades que preservam a sua historia arquitetônica.
    Abraços

    Reply
  • Diego Pollon 10/05/2010 at 01:56

    Olha Gil.. tenho que te dar parabéns por 2 motivos:
    1º por nos divulgar essas fotos da parte interna do prédio, que diga-se de passagem eu sempre me perguntei o que fazia abandonado no meio da Av.Paulista
    2º por ter tido coragem de entrar no prédio, e eu digo com sinceridade que por mais que eu morresse de curiosidade de conhece-lo por dentro (como morro de vontade de conhecer diversos outros prédios de SP, como o Casarão Campos Elisios no centro) eu não sei se teria coragem de entrar e subir aos apartamentos, afina, o que ou quem poderia estar lá dentro? enfim..
    De qualquer forma, se alguém souber COMO esse prédio tão imponente, tão bem localizado e com certeza com uma vida tãoo linda, chegou a esse estado, e o motivo que levou os moradores, que com certeza não eram pessoas sem dinheiro, a sair daí, por favor divulgue! morro de curiosidade!

    Abraços!

    Reply
  • Gabriel 18/05/2010 at 15:45

    Eae pessoal… gostaria de saber onde posso encontrar informações sobre a história deste edificil… pois estou fazendo um trabalho na facul de processo de tombamento… e preciso saber sobre a história deste prédio! valeuuuu! por favor me respondam… grl_mts@hotmail.com

    Reply
    • gerson 26/11/2010 at 22:19

      ei moça…sei que nos tempos aureos eram moradores walmor chagas e cacilda becker, casados,

      Reply
  • Bruno Dantas 09/09/2010 at 04:36

    Esse predio realmente é lindo, sempre a passo por ele nao canso de olhar, ja tentei entrar nele mas nunca consegui ….
    Agora o que me deixa triste é ver gente escrevendo aqui que é contra que esse prédio seja moradia popular o brasileiro é do f… quer ver os pobres longes de seus olhos que coisa mais feia vamos 🙁

    Mas ainda bem que essa reforma nao será para moradia e nem para o comércio e sim para a cultura, cultura a qual eu acho que todos, ricos e pobres devem usufruir !!!

    Parabéns pelo site !!!

    Reply
    • Daniel 03/10/2010 at 19:35

      esse discurso contra a segregação geográfica entre ricos e pobres funciona bem na teoria, mas na prática não é bem assim… embora existam pessoas de bem na composição das classes mais pobres há uns outros tantos que se aproveitam do fato de serem “sem-teto”, “sem-carro”, “sem-qualquer-outra-coisa” como justificativa para ser SEM-VERGONHA… fora isso, o custo de manutenção de um imóvel concebido para ser de alto padrão não é viável para habitação popular… e não seria justo aplicar a política de “coitadismo” dando o imóvel de mão beijada para alguns oportunistas que acabariam por tentar vender sabendo da alta valorização de imóveis na região, lucrando sem investir um mísero centavo…

      Reply
      • Felipe Herculano 10/11/2011 at 15:13

        Concordo com o Daniel.

        Reply
      • Emerson de Faria 10/08/2019 at 11:24

        E quem disse que esse prédio é para ser ocupado por pessoas em situação de rua? O que não falta na região central da cidade são prédios abandonados aptos a suprirem as necessidades habitacionais de todo mundo, do pessoal da varanda gourmet aos mais remediados, há prédios para todos os gostos e bolsos de quem possam pagar por eles, independente de classe social, sou visceralmente contra dar qualquer coisa de graça, numa bandeja de prata e mão beijada a quem quer que seja porque isso apenas estimula o ócio e a vadiagem, antes que estes tenham sua dignidade resgatada e possam andar com as próprias pernas.

        Reply
  • Rodrigo César 29/10/2010 at 15:03

    Passei pelo local recentemente e fiquei bastante surpreso em notar que, depois de todos esses anos, finalmente está a ser restaurado. Resta-nos saber por quem e para quê.

    Reply
  • E a quantas anda o Dumont-Adams, hein? | Dora Ex Libris 06/02/2011 at 02:17

    […] o site São Paulo Antiga, que é muito bom, mas não tem informações recentes sobre o que róla com o prédio. Também não […]

    Reply
  • Rita Ribeiro 13/02/2011 at 19:21

    Sim, este edifício está sendo restaurado para ser o prédio do MASP-VIVO… Passei em frente esses dias e vi… Fico feliz pela iniciativa

    Reply
  • Camila 04/12/2011 at 02:43

    Sempre tive a maior curiosidade de saber a história desse edifício. Quando eu era pré-adolecente tinha uma conhecida minha que morava no prédio e eu cheguei a visitá-lo uma vez. Lembro que ele me pareceu imenso naquela época. Infelizmente não consigo acessar as fotos do link. Alguém teria algum site com fotos internas dos aptos? E a história do abandono do prédio? Alguém sabe alguma coisa sobre o assunto? Foi realmente projeto do Le Corbusier? Caraca… Que bom que tem gente tão curiosa como eu. Kkkkk. Também sou corretora e muito me instiga saber um pouco mais sobre prédios que eu conheço desde criança e que já me chamavam a atenção naquela época!

    Reply
  • karen 24/03/2012 at 21:47

    Cara,até me emocionei com as fotos internas do edifício! Sempre fui apaixonada por ele desde a infanci…Imaginava como teria sido morar lá,a decoração dos primeiros moradores…
    Um amigo q trabalhou de office boy chegou a entra em um dos aptos a muitos anos atras,e me disse q quem morava era uma velhinha,num estilo q já deve ter sido luxuoso,porém já estava meio decadente….
    Ele agora está sendo reformado,a fachada será mantida mas o interior foi completamente destruído….Uma pena!!!

    Reply
  • Karin 31/07/2012 at 11:52

    Acho que todos sempre tivemos curiosidade e imaginamos uma série de histórias sobre este edifício na Paulista.
    São estas memórias que formam a nossa identidade com a cidade.
    Apenas uma cidade que preserva seu patrimonio consegue desenvolver senso de cidadania em seu povo e aprimorar sua cultura.
    Renovar os usos, acrescentar aos projetos faz parte da dinamica da cidade. Mas a cidade precisa manter sua identidade, sua história. Sr. Arq. Julio Neves, o sr. bem que esta au pair destas informações, como arquteto e por bom relacionamento poderia mostrar este caminho aos investidores.
    Nós arquitetos temos como responsabilidade profissional mostrar as pessoas os caminho.
    obrigada

    Reply
  • maria helena 16/11/2014 at 19:11

    que bom que alguem ainda se preocupa com esse predio. Vendi para ser um anexo ao MASP, que achei de finalidade bastante nobre. Mas até agora….2014 ! está tudo parado

    Reply
  • Fernando Figueiredo 10/07/2015 at 13:10

    Quando eu era criança, ainda nos anos 70, mais precisamente de 1974 a 1978, eu e minha família moramos lá, pois meu falecido pai foi zelador deste lindo edifício. Lembro-me muito bem dos belíssimos apartamentos desse prédio que era habitado por famílias de cônsules de vários países, condes e maestros, entre outros. Lembro-me bem também da proprietária do prédio, uma senhorinha já idosa que se não me engano era sobrinha de Santos Dumont. Tenho ótimas lembranças de lá e sempre fico muito chateado com o abandono a que esse prédio foi submetido já há vários anos! Há alguns anos, fiquei muito feliz ao saber que o prédio estava sendo reformado para se tornar um anexo do MASP, mas infelizmente, os anos se passaram e hoje, julho de 2015, vejo que pelo visto a reforma está parada e esse lindo edifício voltou a ficar no abandono.

    Reply
    • Daniel Steinman Martini 03/08/2015 at 22:01

      Concordo com você plenamente, destruíram o prédio destruído a obra paralisada.

      Reply
  • Sergio Pinheiro 28/12/2016 at 19:36

    Fim de 2016 e o prédio continua abandonado em ruínas, é uma pena.

    Reply
  • MARCELO 08/08/2019 at 14:55

    Parece ser o clássico exemplo da especulação imobiliária. Não foi antes no mesmo local a casa que ficou conhecida como Observatório da Paulista?

    Reply
    • Douglas Nascimento 08/08/2019 at 14:57

      Isso mesmo, o mesmo lugar.

      Reply
  • Antonho touxa 08/08/2019 at 16:57

    boa tarde Douglas Nascimento, o que realmente me preocupa e ver um edificio deste historico sem utilidade alguma, correndo o risco de ser invadido por essas organizaçoes criminosas, que se dizem que protegem sem tetos, mais todos nois sabemos que na verdade elas gostam mesmo e de explorar esses pobres que vivem embaixo de viadutos e favelas, para cobrar altas taxas desses infelizes como aconteceu naquele edificio no largo do Paissandu, naquele incendio criminoso onde varias pessoas perderam suas vidas.

    Reply
  • Valeria Fulp 08/08/2019 at 21:42

    Sempre tive muito orgulho dessa área .
    Morei aí por muitos anos, e trabalhei na Paulista por outros tantos….
    Corta meu coração ver essa área primeiramente destruindo os mansões históricas que jamais serão substituídas por qualquer um desses edifícios construídos em seu lugar……
    E agora, o mesmo acontecendo com os antigos edifícios como esse, sendo abandonado pelo descaso de quem deveria proteger a magnitude histórica dessa obra………Vergonhoso !!!!

    Reply
  • Floripes Silveira Serrano Mendes 09/08/2019 at 10:33

    Maravilhoso Edifício, gosto muito das reportagens e informações que você nos passa sobre os prédios da cidade e todos os demais assuntos.

    Reply
  • Luiz 09/08/2019 at 16:35

    Sem entrar na discussão, apenas uma observação: na foto da inauguração do MASP, observando de perto a rainha Elizabeth II, o jovem Abreu Sodré, futuro governador de São Paulo.

    Reply
%d blogueiros gostam disto: