A região central de São Paulo é de longe o ponto da cidade com maior número de construções antigas.  O exemplar que apresentamos hoje é uma jóia, carente de manutenção na fachada, localizada no número 329 da rua Conselheiro Crispiniano.

Edificio – Rua Conselheiro Crispiniano

O edifício, situado em frente ao antigo e saudoso Cine Marrocos, é ocupado no térreo por um estacionamento de veículos (fechado no dia da foto pelo fato de ser um domingo) e escritórios comerciais nos andares superiores. A fachada, que notamos ser quase centenária, ainda está muito bem conservada, apesar de sofrer com o vandalismo, um problema crônico da região.

Porque não darmos incentivos para pequenos empresários ou profissionais liberais ocuparem e/ou manterem prédios como este a partir de descontos em seus tributos? É bom para o locador, bom para o locatário, para o poder público e principalmente para a cidade que com isso fica mais bonita.

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

Deixe um comentário!

Comments

  • Ralph Giesbrecht 05/08/2011 at 19:43

    Sehr gut!

    Reply
  • j.jose 05/08/2011 at 21:50

    Precisamente nesse local, no fim dos anos 60, existiu no terreo o Restaurante Central, que nos apelidamos de “sujinho” visto servirem o cafezinho nos mesmos copos em que eram servidos os aperitivos. Esse é o meu quarteirão preferido da cidade. Trabalhei alguns anos no edificio Rex (nº404) na esquina da Sao Joao. Após, fui para o nº 317 – predio que tem a placa vermelha -(tinha o Banco Nacional do Comercio no terreo hoje é um estacionamento). O ex- QG do II exercito, hoje projetado para a praça das artes; o cine marrocos, hoje desativado; o extinto restaurante Pelicano no andar terreo do nº 398; a desaparecida Real Aerovias e seu “corcundinha” no terreo do n. 379; A abolida livraria “ediçoes de Ouro” na portaria do predio de nº 403; A suprimida mansão Trocadero, na esquina com praça Ramos ao lado do Municipal. Todos estes fizeram parte desse trecho da Conselheiro, hoje uma rua de passagem, resumida a bares, lanchonetes e inumeros estacionamentos.

    Reply
    • Renor 14/03/2015 at 12:52

      José, estou fazendo uma pesquisa histórica sobre os endereços que você diz ter trabalhado. Por favor, entre em contato comigo. E-mail: renorof@yahoo.com.br

      Reply
  • Peterson Henrique Freitas 19/11/2011 at 01:01

    Um advogado que tivesse sala em edificio como esse certamente teria muito prestigio. Tudo isso se houvesse um esforço de requalificação da região.
    Monteiro Lobato, neto do Visconde de Tremenbé morava nesses arredores! Essa região tem vocação para ser chique. O que acontece agora é um acidente de percurso.

    Reply
  • Marcelo 19/11/2015 at 14:50

    Quando eu fiz o curso superior de música aí em São Paulo, quase sempre ia ao Restaurante Pelicano, tanto para complemento do café-da-manhã, quando chegava com o ônibus executivo de Campinas no Largo do Paissandu com a Capitão Salomão, depois no almoço e às vezes até mesmo o lanche da tarde. Lembro-me até hoje do excelente cozinheiro que havia lá, o Gilberto, um pernambucano de Garanhuns que parece ter estudado a arte a fundo: fazia de tudo um pouco e sempre com o devido esmero. Lamento apenas não ter provado o bacalhau dele, que tinha muita saída nas sextas-feiras assim como o filé de peixe com molho de camarão. As massas eram caseiras, com especial destaque à de lasanha, verde (de espinafre) e com queijo parmesão nela incluído. Depois ele saiu de lá e veio um primo dele, o Severino, que não possuía o mesmo talento do outro: fazia apenas uma cozinha comum, mas que de modo algum é ruim. Depois os portugueses resolveram aderir à moda do self-service, remodelando o local (infelizmente foram tirados os azulejos portugueses verdes com desenho em dourado), batizando o estabelecimento de Kilo Chic.

    Reply
  • João Francesconi 08/09/2018 at 12:02

    É com grande espanto e incredulidade que vejo por mero acaso esta postagem na internet, com uma informação inverídica, e que necessita ser feito um esclarecimento, o prédio a que você se refere e posta uma foto na internet, não estava e não está apenas com o térreo ocupado por um estacionamento que como diz a postagem estava “fechado no dia da foto pelo fato de ser um domingo”, e provavelmente se você tivesse ido em um dia útil da semana, e não no domingo, dia de folga, ou ainda, tivesse falado com o responsável pelo prédio e perguntado qual era a real situação, teria obtido a informação correta. O prédio está ocupado em todo seu interior com meu escritório de advocacia, o qual tenho há 47 anos, e no qual trabalham também outros advogados, porém, de domingo o escritório, assim como o estacionamento, está fechado por ser dia de folga. Se o visual externo não está da forma como almejo, é pela crise econômica que todos passam há vários anos em nosso país, que dificulta grandes reformas, pois a manutenção do prédio esta sendo feita, como a própria postagem constata ao dizer que “ A fachada, que notamos ser quase centenária, ainda está muito bem conservada”; pelos obstáculos impostos pelo poder público e pela deterioração e vandalização que passa todo o centro de São Paulo. A informação não é correta, nem na época da postagem e nem no presente momento.

    Reply
    • Douglas Nascimento 10/09/2018 at 16:39

      Prezado Sr. João, lamento isso. À epoca nos disseram isso que reportamos aqui.
      Já alteramos as informações.

      Reply
%d blogueiros gostam disto: