O Trem! Este excelente meio de transporte coletivo que São Paulo e o Brasil, mesmo sabendo de suas vantagens, deram as costas pra valer na segunda metade do século 20. Sempre que escrevo sobre alguma estação desativada ou demolida, tenho um misto de indignação e descrença em nossas autoridades, sempre tão desatentas as verdadeiras necessidades da população.

E não é diferente quando nos lembramos que a segunda maior cidade paulista, Guarulhos, já teve seu ramal ferroviário. E é da principal parada deste município que vou abordar aqui: A Estação Guarulhos.

A Estação Guarulhos em fevereiro de 1915, quando foi inaugurada (clique para ampliar)

Embora não fosse a enorme cidade que é hoje, Guarulhos já tinha certa relevância. A região de Vila Galvão já oferecia aos paulistanos um excelente refúgio “interiorano” para os finais de semana e a região de Cumbica servia de excelente área para treinamentos militares, como mostra a foto abaixo:

Acampamento militar em Cumbica, no ano de 1920

Acampamento militar em Cumbica, no ano de 1920

Como a região prometia desenvolver-se ainda mais um ramal do Tramway da Cantareira, que partia da estação paulistana do Areal  seguiria até o centro de Guarulhos, passando pelas futuras estações de Vila Galvão, Torres Tibagy, Gopouva e Vila Augusta também naquele município. Posteriomente ainda seria construída mais uma estação, a da Base Aérea de Cumbica.

E foi na manhã do dia 4 de fevereiro de 1915, com muita pompa e presença de diversas autoridades, que deu-se a inauguração da Estação Guarulhos do Trem da Cantareira. Em trem expresso que saiu da estação Mercado em São Paulo estava o prefeito paulistano Washington Luís, diversas autoridades municipais e estaduais, além do Dr. Torres Tibagy, engenheiro chefe do Tramway da Cantareira. Na outra extremidade da linha férrea aguardavam na plataforma da estação diversas personalidades guarulhenses além do prefeito de Guarulhos, Gabriel José Antonio e do presidente da câmara municipal daquela cidade, Felício Marcondes.

Nota de inauguração no jornal Correio Paulistano

Nota de inauguração no jornal Correio Paulistano

A Estação de Guarulhos serviria para trazer um grande desenvolvimento para a cidade, cuja ligação com a capital ficava mais ágil, proporcionando em 1931 a inauguração do Hospital Padre Bento na região de guarulhense de Gopouva.

Apesar de todos estes benefícios trazidos pela linha o ramal de Guarulhos duraria apenas 5 décadas. O principal motivo para a extinção da linha seria seu déficit, que existia desde a inauguração do serviço. Em 1963, dois anos antes do fim, o prejuízo do Trem da Cantareira foi de 328 milhões de cruzeiros.

O prenúncio do fim definitivo do tramway se daria em novembro de 1964 com a extinção da Estação do Areal. A partir dai o tráfego do trem se dava entre Guarulhos e a Estação Tucuruvi. E o final deste ramal se daria no ano seguinte, em 31 de maio de 1965, cinquenta anos após sua abertura.

Estado de S.Paulo 01/05/1965

O Estado de S.Paulo 01/05/1965

Mesmo sendo deficitário, ultrapassado e bastante lento, o ramal de Guarulhos ainda possuía muitos adeptos, que protestaram contra seu fim. Mesmo assim, seu fim foi inevitável.

Os funcionários da ferrovia foram todos realocados e nos últimos dias de vida da linha eles fizeram uma faixa em agradecimento a população com os seguintes dizeres: “Os funcionários do Trenzinho da Cantareira desejam ao comércio e ao povo em geral muitas felicidades, por um adeus saudoso de despedida do velho e inesquecível trenzinho”.

Era o fim da linha para o Tramway da Cantareira.

A ESTAÇÃO DE GUARULHOS HOJE:

Vista atual da Estação Guarulhos (clique para ampliar).

Vista atual da Estação Guarulhos (clique para ampliar).

Enquanto quase a totalidade das estações paulistanas foram destruídas, a Estação de Guarulhos sobrevive até os dias hoje. Apesar disso, está  pouco descaracterizada da época que servia de como plataforma de embarque, uma vez que nos quase 50 anos que se passaram desde sua desativação, a velha estação já serviu para diversas atividades, entre elas uma escola municipal. O local hoje é a praça IV Centenário (referência aos 400 anos de Guarulhos).

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

Na praça além da estação, de madeira, existe um anexo em alvenaria onde por muitos anos funcionou o Arquivo Histórico Municipal de Guarulhos, atualmente funciona ali uma unidade da Guarda Civil Metropolitana. Quando a praça foi remodelada, um trem foi instalado no local (foto abaixo) mas ele não tem qualquer relação com o extinto Tramway da Cantareira (saiba a história desta locomotiva clicando aqui).

Crédito: Douglas Nascimento / São Paulo Antiga

Na véspera de celebrar 100 anos da inauguração da Estação de Guarulhos, em 2015, o município vizinho da capital paulista vive uma ironia: Os principais candidatos a deputado da cidade em 2014 (um deles foi inclusive eleito) usaram como tema de campanha eleitoral a volta do trem para Guarulhos. Não teria sido melhor em 1965 ter se modernizado e eletrificado a linha, servindo a população tanto desta cidade como dos bairros da zona norte de São Paulo? Parece que planejar o futuro nunca foi uma grande habilidade de nossos governantes.

Veja mais fotos da Estação Guarulhos atualmente (clique na imagem para ampliar):
Crédito: Douglas Nascimento / São Paulo Antiga

Crédito: Douglas Nascimento / São Paulo Antiga

Saiba mais sobre o Trem da Cantareira:

Você chegou a utilizar este trem, tanto em São Paulo quanto em Guarulhos ? Tem alguma foto ou recordação ? Deixe um comentário.

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

JOIN THE DISCUSSION

Comments

  • gracinha oliveira 18/11/2014 at 19:23

    nossa adorei as fotos antigas , muito lindas obrigada e parabéns ,Boa noite

    Reply
  • João Marcos Carvalho 19/11/2014 at 00:09

    Bela história. Na Base Aérea de Cumbica, a estação, transformada em lavanderia, ainda resiste.

    Reply
  • paulogoya 19/11/2014 at 07:36

    Caríssimo Douglas….. não há o que dizer desta vez. Quer dizer aceite meus parabéns….. e como sempre meu muito obrigado. Realmente é de ficar com ódio e irado de certas coisas. Por favor, insista nisso, neste momento em que se quer apagar toda a história ferroviária de São Paulo. A Mooca está fadada. Importantíssimo pelo menos falar, que é o que nos resta.

    Reply
  • Ercilio 19/11/2014 at 11:30

    Parabéns pelo excelente trabalho.

    Reply
  • elton nabeshima augusto 20/11/2014 at 23:13

    Atualmente há uma grande obra viária de transporte urbano em Guarulhos: um corredor de onibus ( com faixa exclusiva) exatamente no trajeto da antiga linha de trem da Sorocabana, o qual nós guarulhenses chamamos de ” Anel viário ” . Isso demonstra a total falta de planejamento em mobilidade urbana uma vez que se mantida a linha férrea teríamos uma ligação entre o aeroporto internacional/base aérea com a zona norte de São Paulo. Aproveito para parabenizá-los pelo excelente trabalho e dedicação à essa árdua tarefa de lutar pela preservação da nossa história e memória. Um grande abraço.

    Reply
    • SavianoMarcio 21/11/2014 at 10:19

      Mantida a linha férrea do jeito que estava, defasada tecnologicamente, ineficiente, lenta e deficitária? Não foi por esse motivo que ela foi extinta?
      Guarulhos precisa de corredores de ônibus e sistema de trilhos modernos e bem planejados baseados nas necessidades da cidade, se no eixo do antigo trem for melhor um corredor que o façam, criar um ferrorama caro sem necessidade só por saudosismo é besteira, a época do trem da cantareira acabou e o que sobrou do seu patrimônio histórico deve ser preservado.

      Pesquise mais sobre os corredores da EMTU, linhas 13, 19 e Guarulhos-ABC.

      Reply
  • Claudio 09/05/2015 at 11:03

    A verdade é que não se justifica a falta de investimento em todas as áreas em nosso Brasil, seja no transporte, seja na educação, seja na saúde etc., o nível de corrupção é altíssimo e nós (o povo) é que pagamos caro, quando se investe em alguma coisa, não se leva em consideração o que realmente precisa ser feito e sim o quanto um cartel pode ganhar com isto, as riquezas assim ficam concentrada nas mãos de poucos e o preço que pagamos por isso é muito caro, no fim mesmo aqueles que acham que não serão afetados sofrerão também as consequências.
    A população é que faz a nação, se a população é miserável então temos uma nação miserável e fraca, e todos no fim vão pagar por isso.

    Reply
  • Bruno gonçalves 07/08/2015 at 15:42

    Minha mae fikow com vontade d ver foto antiga de guarulhos…. vi tbm adorei ver um poko da historia e foto de guarulhos….

    Reply
  • Suely de Oliveira Cabral campos 31/05/2017 at 20:55

    Eu morei na casa da estação de guarulhos, hoje casa amarelo. Meu pai Sr Irany CabrAl era o chefe da estação.

    Reply
    • Douglas Nascimento 31/05/2017 at 21:44

      Que bacana Suely!!

      Reply
  • Iolanda 01/04/2018 at 16:44

    Tempos bons pois viajei neste trem suas brasas queimavam nossas roupas mais era muito bom mesmo assim

    Reply

Comunicado importante aos leitores e leitoras do São Paulo Antiga

Neste momento estou enfrentando um período de muitas dificuldades para manter o site no ar, com a possível saída de nosso patrocinador institucional.

 

Preciso da sua colaboração para que o site não encerre suas atividades em 1 de julho de 2018.

 

Faça uma doação ou assinatura mensal no site São Paulo Antiga, através da plataforma APOIA.SE

 

Desde já muito agradecido,

Douglas Nascimento, autor e editor