Em Guarulhos, a hoje intensa Avenida Presidente Humberto de Alencar Castello Branco, também conhecida popularmente como Anel Viário, foi até 1965 uma linha de trem. Era o saudoso Tramway da Cantareira, Ramal de Guarulhos.

Por este ramal, era possível sair do centro de São Paulo e chegar até o centro de Guarulhos de trem, vindo pela zona norte da cidade de São Paulo, passando por estações como Parada Inglesa, Tucuruvi e Jaçanã.

A linha não terminava no centro de Guarulhos, ela prosseguia – apenas para militares – até a base aérea de Cumbica. Antes de chegar na estação principal da cidade, ela passava por outras parada como Vila Galvão, Torres Tibagi  e Gopouva e Vila Augusta.

A estação de Vila Augusta, aproximadamente em 1920 (clique para ampliar).

A estação de Vila Augusta, aproximadamente em 1920 (clique para ampliar).

Na foto acima, a Estação de Vila Augusta. Ela começou a ser construída em 1915 e foi inaugurada em 1916 (algumas fontes apontam a inauguração para 24/12/1915, mas esta informação não foi confirmada) e servia para os poucos moradores da região na época e, posteriormente, para os trabalhadores da antiga Indústria Fracalanza que foi construída um quarteirão acima da estação e que foi completamente demolida no final de 2008.

A Estação de Vila Augusta, permaneceu ativa até maio de 1965 quando foi desativada e seus trilhos removidos. A última viagem de trem deste ramal foi bastante triste e testemunhas da época contam que a locomotiva foi levada embora da cidade de Guarulhos com a caldeira ainda quente. A fotografia abaixo, de um jornal da época, mostra uma das locomotivas deixando a cidade em um caminhão.

Clique para ampliar

A estação no entanto permanece no local e, segundo vizinhos, foi ocupada e adaptada para ser moradia pouco tempo depois de desativada. A fotografia a seguir mostra como está a estação atualmente, bem diferente do que era em 1915, mas praticamente idêntica ao seu estado no ano de 1965, quando foi desativada.

Crédito: Douglas Nascimento / São Paulo Antiga - Clique para ampliar.

Atualmente, o Governo do Estado de São Paulo vem estudando implementar uma nova linha de trem ligando a Estação da Luz ao Aeroporto Internacional de Cumbica. Era exatamente isso que este ramal fazia até 1965, quando ia até a base aérea de Cumbica onde hoje também está o aeroporto. Uma evidência de que as autoridades não sabem gastar o dinheiro do contribuinte, destruindo o que existe e funciona bem para depois fazer tudo de novo.

A importância de preservar:

A Estação de Vila Augusta, uma das últimas a resistir, poderia ser rapidamente recuperada e transformada em algum memorial para o Tramway da Cantareira pela prefeitura de Guarulhos.

O bairro de Vila Augusta está crescendo rapidamente com diversas novas torres residenciais recentemente erguidas somente no entorno da antiga estação.

Um pólo de cultura ali, serviria para trazer ao cidadão um pouco mais de conhecimento sobre sua própria cidade e ainda ajudaria a manter viva a memória deste inesquecível ramal ferroviário. Mas em Guarulhos a cultura não é levada a sério. O que esperar de uma prefeitura que há anos não dá qualquer passo em prol do patrimônio histórico local ?

Mapa da região em 1943 (a seta indica o local da estação):
Clique para ampliar

Veja mais fotos do que restou da Estação Vila Augusta (clique na foto para ampliar):

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

JOIN THE DISCUSSION

Comments

  • Cibelle 25/09/2009 at 14:09

    Gostaria de parabenizar primeiramente o escritor do texto. É preciso lembrar que o projeto desenvolvimentista proposto por Kubitschek durante seu governo tinha como ponto de apoio a construção de grandes rodovias. A necessidade de trocar o fluxo de passageiros do trem pelos de ônibus, levou a instinção da linha férrea, que segundo a empresa contratada, não dava mais lucros.
    Guarulhos não tem nenhuma opção de acesso a São PAulo que não seja por seu tumultuado trânsito, tanto ao longo da via Dutra, como na região Vila Galvão/Tucuruvi, quanto ainda na Av. Guarulhos.
    A desativação da linha de trem foi uma perda irrevogável aos cidadãos da cidade, e sua nova estrutura poderá contribuir para o fluxo de passageiros que todos os dias fazem o trajeto São Paulo/Guarulhos. Gostaria de fazer a seguinte questão a MArio Amaya: Como ele justifica a existência das linhas de trem em cidades como Osasco, Franco da Rocha, entre outras?

    Reply
  • Gilberto Tetsuo 12/10/2009 at 13:34

    Senhores, agradeço muito as fotos, a história. Fiquei muito emocionado ao ver as imagens postadas neste site, e as declarações com a história acima. Compreendo que não podemos viver o passado, ou dele. Porém, enquanto existirem estes imóveis, deveríamos poder saber a história existente. Certos deles poderiam fazer parte de uma exploração turística da cidade, que quase tão antiga quanto a capital, guarda tesouros tais como a capela de Bonsucesso, a casa de fazenda com senzala, a estação de trem da praça IV centenário, o Hospital Padre Bento (tem lindas construções na sua área parecendo alamedas). Espero que continuem agregando novas fotos de outras construções. Parabéns a todos os envolvidos.

    Reply
  • Carlos R. 30/01/2010 at 22:36

    Lembrando também a famosa Paranapiacaba que hoje explora exatamente isso, sua preservação da historia, Trem Turístico muito lindo o local.Guarulhos e o restante desta ferrovia deveria estar preservados até hoje, realmente um desperdicio.

    Reply
  • Galli 05/05/2010 at 23:09

    Brilhante! Parabéns pelo comentário.

    Reply
  • Yuri 03/06/2010 at 22:49

    Oi amigo, onde vc conseguiu esse mapa de 1943, eu pesquiso tudo sobre meu bairro e esse eu ainda não tenho.
    Valeu!

    Reply
  • Vanderlei Antonio Zago 06/12/2010 at 17:09

    Bom… até hoje não entendo a ânsia que as prefeituras têem em remover trilhos e ferrovias de sua municipalidade, para exibir como um troféu… tá certo que cada época deve se adequar às necessidades viárias e de espaço físico para se desenvolver, mas apenas achar que a ferrovia é um estôrvo para a cidade, acho o cúmulo! Afinal, a maioria das cidades começaram seu desenvolvimento no entorno das estradas de ferro, e o erro foi não se adequarem, tempo a tempo, para conviverem razoavelmente: trem & cidade.

    Reply
  • Gilberto Góes 22/01/2011 at 17:25

    Gostei muito da reportagem e dos esclarecimentos dos comentários do Sr. Mario Amaya. Será que alguem sabe o destino das locomotivas. Quantas existiam?

    Reply
  • João 15/03/2011 at 23:12

    Agora sofram com gasolina e diesel, parados em seus carros de ar condicionado porém gastando vários minutos p/ se locomover num trânsito tão caotico que é Guarulhos… cidade sem grandes obras… cidade sem trem e metro… cidade de prefeitura péssima em engenharia de trânsito.

    Reply
  • Rodrigo Carvalho 07/06/2011 at 01:22

    Não foi o poder publico que abandonou? foi a população? hahaha
    é sempre assim o poder publico qd não tem competencia pra algo coloca a culpa na população
    ja que são viciados em gosolina e diesel pq fizeram metro e tren em SP ??
    vc ja imaginou SP sem metro? mesmo com o vicio da gasolina?
    vc ja imaginou SP sem o aeroporto de cumbica? ahh o aeroporto vc pode dizer que foi meritos do poder publico e não da popullação ” concordo que alguem ha 30 anos atraz pensou em fazer um aeroporto
    não diga bobagens e não coloque obstaculos
    é obvio que deveria ter mantido a linha, e claro modernizado de acordo com as novas tecnologias e novas necessidades que surgiram ao longo do tempo.
    então nos EUA e Europa não tem carro ou as pessoas não usam? hahaha qt desculpa meu Deus
    enquanto o trageto seria facilmente adequado a quilometragem e qq outra coisa se tivesse competencia do poder publico claro
    e na epoca era usado pra transpotar materiais? e qual o problema de adequar pra transportar pessoas? questão de investimento? para com isso
    e vc disse equivoco em não ter mantido a linha? pra min isso tem outro nome que começa B…

    Reply
  • anaaya kristemp 01/04/2012 at 13:28

    a reportagem é otima adore,

    Reply
  • Alvarina 21/01/2013 at 16:28

    Preciso de ajuda pessoal,por favor!!!!!alguem sabe me dizer se a empresa cantareira era uma empresa puplica ou privada?ja procurei em varios lugares e não consigo encontrar.É muito importante,pois eu moro no anel viário e estão desapropriando a area onde moro e se for uma area puplica não terei direito que me paguem,ja se for uma area privada poderei receber pelo valor do terreno.fico no aguardo de uma ajuda de vcs.obrigada.

    Reply
  • carlos 05/02/2013 at 20:55

    Repararam no mapa o bairro Parque Estrela? Ele tem o desenho das ruas com o formato de um diamante. Procurei no Google e o que vi é que esse bairro parece ter sido engolido pela Via Dutra quando da construção.

    Reply
  • Waldir 05/02/2013 at 22:36

    Muito boa a sua reportagem, mostra como conhecemos pouco o lugar aonde moramos, sabemos pouco de sua história, passo quase todo dia perto da antiga estação e não sabia da sua história, como pros nossos governantes história não vale voto, a gente vê ela ser destruída e se deteriorando cada vez mais, não temos patrimônios históricos pois eles não são cuidados com o respeito que eles merecem

    Reply
  • JUNIOR DOMINGOS 28/08/2013 at 06:52

    Foi um dos melhores bairros em que ja morei.Eu sinceramente não sabia que aquela antiga casa era a antiga estação Vila Augusta,e olha que passava por ela varias vezes pra ir até o shopping.É uma pena ela estar se perdendo ao passar do tempo e a prefeitura local nem dando a minima pra isso.

    Reply
  • Fernando Fonseca 16/01/2014 at 22:55

    FERNANDO FONSECA – ACHO UMA ÉPOCA TÃO CHARMOSA , ERA UM TEMPO DE PESSOAS MAIS HUMANAS, MAIS TRANQUILA, HOJE É MUITO PROGRESSO,QUERIA TER UMA MAQUINA DO TEMPO PRA PASSEAR NOS ANOS 70 DA MINHA VILA AUGUSTA

    Reply
  • Felipe 25/04/2014 at 11:56

    Nossos antepassados com a cabeça no futuro.
    A ligação capital-Guarulhos que tanto se discute hoje, já estava pronta e fizeram o fazer de destruí-la.

    Reply
  • Maria Antonia Silva 25/04/2014 at 12:17

    Emocionante rever essas fotos , na verdade eu acho q foi o lobe de empresas de ônibus q jogaram no lixo a ferrovia, Dinheiro, muito dinheiro tirou dos Guarulhenses a melhor opção de mobilidade.

    Reply