No antigo anterior contamos a história da UIPA a mais antiga associação civil do Brasil, fundada em 1895. E mencionamos entre outras coisas que a entidade mantinha além do próprio abrigo, que na época era chamado de asilo, um hospital e um cemitério de animais. Todos estes serviços da entidade ficavam reunidos em um mesmo endereço, no final da rua França Pinto, onde hoje está o Parque do Ibirapuera.

Entrada da UIPA no Ibirapuera na década de 50 (clique na foto para ampliar)

Entrada da UIPA no Ibirapuera na década de 50 (clique na foto para ampliar)

Tão logo a UIPA estabeleceu-se na Vila Mariana, a entidade tratou de arrecadar fundos para tornar realidade a criação do primeiro hospital veterinário de São Paulo, décadas antes do poder público pensar em algo do gênero (o primeiro hospital veterinário público só chegou há alguns anos atrás). Para tanto eram feitos bailes de gala e campanhas arrecadatórias, com seus resultados divulgados nos jornais paulistanos, com o intuito de estimular outras pessoas a doarem ou se associarem a instituição.

Outro hábito da UIPA era divulgar mensalmente nos jornais de São Paulo as atividades da entidade em relação a seu campo de atuação, com os animais recolhidos, multas aplicadas etc, conforme a imagem abaixo:

Correio Paulistano 05/02/1930

Correio Paulistano 05/02/1930

Já o hospital veterinário tornou-se uma realidade no ano de 1929. No local antes até funcionavam atendimentos mas era muito mais simples. A enfermaria geral do então Hospital Zoophilo de São Paulo foi inaugurado no dia 15 de novembro daquele ano. A unidade foi chamada de Pavilhão Dr. Marcello Thiollier e vinha completar as demais instalações da UIPA que correspondiam a administração, área de isolamento, asilo e o cemitério. O total da área toda da UIPA com o novo hospital atingia 13.200 metros quadrados.

Fotos do hospital são bastante raras mas a UIPA, através de sua presidente Vanice Teixeira Orlandi, nos cedeu as imagens antigas que ilustram este artigo:

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

CEMITÉRIO DE ANIMAIS

Quem poderia imaginar que São Paulo já teve um local para enterrar seus animais ? É claro que hoje em dia temos opções disponíveis mas é algo relativamente recente. Entretanto, quando se fala na década de 1920 a realidade era outra.  Vivíamos uma período de dificuldades e prioridades diferentes das atuais onde cemitérios de animais não faziam parte do cotidiano das pessoas.

Mesmo assim na segunda metade da década de 1920 a UIPA instalou em sua propriedade na rua França Pinto o Cemitério Zoophilo, primeiro cemitério de animais da Cidade de São Paulo, e que funcionou até o início da década de 70.

Cemitério de Animais em 1955 (clique para ampliar)

Cemitério de Animais em 1955 (clique para ampliar)

O cemitério funcionava exatamente igual ao funcionário para pessoas, com lápides, túmulos e esculturas dedicadas aos animais que ali estavam falecidos. A grande maioria dos animais que jaziam ali no cemitério da UIPA eram cães e gatos. Não conseguimos obter registros se outros animais foram também sepultados ali.

O cemitério era frequentemente visitado não apenas pelos donos dos animais que estavam ali enterrados mas também por outras pessoas que tinham curiosidade de conhecer. Era bastante comum que algumas lápides apresentassem uma foto do bicho de estimação falecido. Segundo apuramos o maior túmulo do antigo cemitério era uma grande cruz (foto acima) que foi a última morada de um pastor alemão.

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

Tudo foi desativado quando a UIPA foi obrigada a deixar o locarem 1972 por determinação do então prefeito Figueiredo Ferraz. A mudança levou o hospital, abrigo e administração da associação para a Marginal do Rio Tietê, no bairro do Pari. Entretanto, o cemitério de animais não teve a mesma sorte e foi destruído, restando apenas dois túmulos como lembrança no próprio parque do Ibiraquera. A entidade levou para sua nova sede uma escultura que fazia parte do cemitério.

Cemitérios convivendo junto de parques ou jardins são bastante comuns na Europa e até nos Estados Unidos, como na histórica cidade de Boston. Infelizmente, por aqui, nossas autoridades enxergavam diferente.

Abaixo mais fotos do cemitério de animais:

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

Para quem tem curiosidade de saber onde ficava mais ou menos o cemitério de animais (e também as demais dependências da UIPA) a área fica mais ou menos entre os portões 4 e 5.

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

Deixe um comentário!

Comments

  • Luiz Rossi 08/12/2015 at 14:26

    Nossa, interessante! Li os dois textos e já já irei contribuir, amo animais!
    Bom, vendo o Google Maps, dá a entender que onde é hoje o estacionamento do parque podia muito bem ter sido o cemitério dos animais.
    Ah, e interessante também que a associação era muito próxima do antigo Matadouro e do Instituto Biológico.
    Douglas, vocês está de parabéns!

    Reply
  • J.C.Cardoso 08/12/2015 at 15:01

    Quando a palavra “zoófilo” ainda não tinha maldade…

    Reply
  • OSWALDO SANSONE RODRIGUES 08/12/2015 at 15:08

    Salve! estou com 84 anos e lembro-me desse cemitério. Anos atrás o Geraldo Nunes lançou na antiga Radio Eldorado o programa São Paulo de Todos os Tempos” e simultaneamente via Internet o “VIVASP” onde muitos puderam relatar momentos e “casus” vivenciados na São Paulo distante. Participei com vários relatos e entre outros o “Cemitério de Cães e Gatos” “Prefeito Gravata Borboleta” etc… Há grande probabilidade do lançamento de um livro com os relatos mais pitorescos daquele Site. Acesse o blog MNHAS LEMBRANÇAS
    http://www.vooswaldosansoneodrigues.blogspot.com
    onde além dos que mencionei, poderão ler outras narrativas do cotidiano entre 1936 a 2010.
    Oswaldo Sansone Rodrigues.

    Reply
    • OSWALDO SANSONE RODRIGUES 16/12/2015 at 10:36

      Salve! CORREÇÃO No meu comentário mencionei incorretamente o acesso ao meu blog – omiti uma letra –
      favor anotar o correto: http://www.vooswaldosansonerodrigues.blogspot.com obrigado Oswaldo Sansone Rodrigues

      Reply
  • vangreyheart 08/12/2015 at 19:58

    Rica matéria. Gosto muito deste tipo de jornalismo e memórias, obrigada!

    Reply
  • iracema 08/12/2015 at 20:33

    Amei saber que a tanto tempo atrás já existiam pessoas que se importavam com nossos anjos de 4 patas .Parabéns pela matéria .

    Reply
  • Marli S. Moreira 08/12/2015 at 20:37

    O Cemitério para Cães e Gatos ficava na área do já existente na época, Parque Ibirapuera. Com entrada pela Avenida França Pinto, quase esquina com a Avenida República do Líbano, ao lado do Bairro Vila Nova Conceição, onde eu residia. Também dentro do Parque Ibirapuera, bem próximo ao Cemitério havia um grande espaço para treinamento e adestramento de Cães Pastores da Polícia Civil. Passei minha Infância e adolescência por ali e visitava sempre o Cemitério que era muito bonito.( Anos 50/60/70 ).

    Reply
  • danielpardo2015 08/12/2015 at 20:45

    E com esse post contando a destruição do cemitério de animais, constatamos desde sempre que o “Brasil sempre brasiliza”.

    Reply
  • Luiz Antonio Paiga 08/12/2015 at 22:36

    Douglas só ha um pequeno engano. O cemitério e o hospital ficavam na Av. Quarto Centenário, ficou lá até 1972, quando houve uma reforma no Parque Ibirapuera e foi construida a pista de cooper.
    O Prefeito Figueiredo Feraz morava na Praça chamada Largo Mestre de Aviz quase em frente ao hospital.
    Era pintado de verde claro. Eu morava numa travessa dessa praça e ia todos os dias ao Parque e tinha que passar em frente ao cemitério. Fui morar no Jardim Luzitania em 1963 e por isso sei bem da historia.
    Os meus avós moravam na Rua França Pinto 280 e tenho certeza que não havia nenhum hospital veterinário lá. Tinha o DAE (Departamento de aguas e Esgoto de São Paulo)
    Abraços

    Reply
    • Douglas Nascimento 09/12/2015 at 10:53

      O numero 400 que informamos se refere a antes da mudança da contagem de numeração. Não é próximo do 280 que você se refere pois essa numeração 400 é da década de 20 e equivale a 2mil e pouco atual, que não existe mais. Mantemos nossa informação por estar correta. Abraços.

      Reply
    • SavianoMarcio 22/01/2016 at 23:57

      Interessante que eles aparecem em mapas de 1926, bem antes do parque ser criado, até 1957 e era nesse local que você indicou, a 4°Centenário era continuação da França Pinto ante de ter o nome alterado, mas fiquei na dúvida sobre esse n°400 de onde ele começava.

      Reply
  • Paulo Henrique Moreira Araújo 08/12/2015 at 23:05

    douglas , a cruz ainda esta la , e uma piramedezinha ” do pinguim ” tb esta por la se quizer fotos eu vou tirar la para vc postar ai

    Reply
    • Douglas Nascimento 08/12/2015 at 23:52

      Sim, eu sei… estivemos lá e fotografamos. Amanhã, quarta, contaremos sobre eles em outra matéria especial.

      Reply
      • Inês 09/12/2015 at 16:50

        Escondidinho no Ibira ainda a lembrança do pinguim, grata por de novo sanar minha curiosidade sobre quem teria enterrado pinguim lá com tanto carinho e respeito.

        Reply
  • Kletston Campos 08/12/2015 at 23:47

    E os dois únicos túmulos que restaram, fica onde e tem um porque especial?

    Reply
    • Douglas Nascimento 08/12/2015 at 23:50

      Amanhã, quarta, contaremos sobre eles em outra matéria especial.

      Reply
  • SavianoMarcio 09/12/2015 at 10:23

    Só para saber, esse cemitério seria uma aérea quadrada de ficava de frente para a quadra das rua Pedro de Toledo e Av. Sagres? Se for ela aparece no site Geoportal nas imagens aéreas de 1958.

    Reply
  • André Cordeiro 09/12/2015 at 14:29

    Parabéns, as matérias são sempre muito surpreendentes, quanta historia! eu não fazia idea…
    abçs…

    Reply
  • Maria da Graça 16/12/2015 at 07:18

    Parabéns pla matéria, moro no RJ mas adoro conhecer asuntos interessantes do passado. E como amo animais essa reportagem me deixou encantada.

    Reply
  • Os formais e caros funerais de cães e gatos do período Vitoriano – Era Vitoriana 15/02/2016 at 10:42

    […] NASCIMENTO, Douglas. Hospital e Cemitério de Animais no Ibirapuera. Acesso em 26 de Janeiro de 2016. MATTHEWS, Mimi. Cat Funerals in the Victorian Era. Acesso em 26 […]

    Reply
  • UIPA | Hospital e Cemitério de Animais no Ibirapuera -UIPA 17/02/2016 at 15:04

    […] Fonte: São Paulo Antiga […]

    Reply
  • UIPA | Pinguim, o fiel amigo e os remanescentes do cemitério de animais – UIPA 17/02/2016 at 15:39

    […] sobre a história da União Internacional Protetora dos Animais em São Paulo (leia as partes 1 e 2 aqui), vamos falar um pouco mais de um assunto que já abordamos no texto sobre o hospital e […]

    Reply
  • S. Menezes 27/01/2017 at 16:13

    Um dia estava passeando no Ibirapuera lá perto da estátua do leão e quase tropiquei nesse ‘tótem’ do Pinguim! Engraçado que ele está lá no meio, nada de suspeito em volta…Nem sabia dessa história de cemitério de animais.

    Reply
  • Antonio Carlos Pereira de Menezes Filho 28/04/2018 at 20:20

    Que matéria com créditos excelentes. Infelizmente o cemitério foi destruído pela mazela que o ser humano tem. Parabéns pela reportagem.
    Eu enterro meus querido animais quando falecem em nossa propriedade rural, merecem um descanso digno como o nosso.

    Reply
%d blogueiros gostam disto: