Um dos bairros centrais mais antigos de nossa cidade, Campos Elíseos tem um grande número de construções de grande valor arquitetônico, muitas delas originárias do século 19, principalmente em suas duas últimas décadas.

Bastante descaracterizado nos últimos anos, especialmente pelo gradil que se construiu em seu redor, o Largo Coração de Jesus além de ter sido o ponto de encontro do bairro por décadas, teve sua praça como uma das mais elegantes de São Paulo.

É neste largo que encontramos esse magnífico conjunto de sobrados geminados:

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

Construídos em 1898, esses sobrados formam um dos mais belos conjuntos de edifícios antigos que sobrevivem as adversidades do bairro.

Década de 80

Eles servem bem para ilustrar o quanto Campos Elíseos deteriorou-se nas últimas décadas, sob olhos coniventes e incompetentes das autoridades estaduais e municipais. Aquele que foi o primeiro bairro genuinamente de elite da capital paulista, hoje vive a mercê da falência do estado e do município quanto a ações realmente concretas de recuperação social e urbanística do bairro.

Atualmente as únicas iniciativas de sucesso na revitalização do bairro advém de instituições privadas, essencialmente do Sesc e, principalmente, da Porto Seguro.

A foto acima, de meados da década de 1980 já mostra o bairro deteriorado, entretanto na fotografia abaixo, de 1928, é possível ver o quanto o Largo Coração de Jesus era diferente. Para se situar na imagem, o casario deste artigo é o que está na parte inferior da imagem.

1928x

Originalmente de uso exclusivamente residencial, aos poucos os imóveis foram sendo adaptados para novas utilizações com o passar dos anos.

Notadamente no imóvel de número 67, os porões foram transformados em pontos comerciais, alterando sensivelmente a fachada ao nível da rua. Os andares superiores até o presente momento foram preservados.

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

E esta preservação tanto dos andares superiores, tanto na fachada quanto em seu frontispício é que mantém este conjunto arquitetônico como uma das mais importantes preciosidades do bairro. Observem na foto abaixo os detalhes do frontão:

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

Mesmo sabendo que esses imóveis estão tombados como patrimônio histórico de São Paulo, é notório que o estado de conservação não é dos melhores. Fica evidente que a política pública não só é ineficaz para o bairro quanto a situação de moradores de rua e usuários de drogas como também aos prédios centenários que estão na região.

Este conjunto mostrado na fotografia acima pertenceu ao já falecido imigrante português Isolino Gomes Torres. Segundo seus herdeiros ele foi adquirindo os imóveis aos poucos, até que adquiriu a última parte, onde fica a cúpula, em um leilão da Santa Casa de São Paulo em meados dos anos 1970.

Abaixo um pouco de como o imóvel é por dentro:

Apenas uma fração do conjunto é de outro dono:

De todo o conjunto de 1898, apenas o de número 65 não pertence a família de Isolino Gomes Torres. Pertencente ao Liceu Sagrado Coração de Jesus, esta fração apresenta-se restaurada e bastante preservada. Entretanto, ao ser reformado, quebrou a harmonia visual do conjunto. Este tipo de ação deveria, obrigatoriamente, ser feito no conjunto inteiro.

Foto: Douglas Nascimento / São Paulo Antiga

Na foto acima é possível notar uma tendência de restauro que julgamos aqui como um considerável malefício. A pintura em tons não compatíveis com a época da construção, a remoção das venezianas originais (curiosamente preservadas no número 67, cujo imóvel é menos preservado), optando por janelas mais adequadas para o fim comercial do imóvel.

Imóveis geminados, que originalmente e por quase toda sua existência permaneceram no mesmo estilo e cor, não devem ter suas cores alteradas parcialmente. A autoridade pública responsável pela preservação arquitetônica, seja Conpresp ou Condephaat, precisa coibir estas mudanças.

Veja mais foto deste conjunto de sobrados:
Foto: Douglas Nascimento / São Paulo Antiga

Foto: Douglas Nascimento / São Paulo Antiga

clique na foto para ampliar

Foto: Douglas Nascimento / São Paulo Antiga

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

Deixe um comentário!

Comments

  • Elizete 22/07/2016 at 19:43

    Lembranças afloradas, agora, dos tempos que ouvia as estórias dos antepassados sobre a riqueza dos Campos Elíseos, notadamente quando se referiam também ao palácio do Governador Ademar de Barros….Quando cursava Pedagogia, meus avós comentavam sobre as idas de professoras no local para ver se conseguiam “cadeira” não tão distante de suas residências! Belo trabalho Douglas, apenas lastimável pela incompetência geral dos responsáveis pela preservação. Está para nascer ainda o alcaide que conseguirá tirar os adictos e moradores de rua!

    Reply
  • ernani 23/07/2016 at 18:10

    Tudo isso o paulistano deve exigir que seja reformado no original, e, poderão ser usados como algum órgão público em vez de pagarem aluguel para certas repartições.
    Dinheiro o Estado de São Paulo e a prefeitura tem. O que não tem é boa vontade.
    Imaginem que a prefeitura quer demolir todos casarões antigos com tanta beleza arquitetônica no bairro Santa Efigênia e Luz, por causa dos viciados que ali estão!…
    Tomara que isto nunca venha se concretizar.

    Reply
    • danielpardo2015 20/08/2016 at 20:35

      Aqui no Brasil é assim mesmo… se as folhas de uma árvore estão entupindo as calhas de uma casa, em vez de cortarem os galhos da árvore, as “nossas otoridades” preferem meter o trator na árvore e derruba-la inteira.

      Reply
  • Luiz Henrique 24/07/2016 at 13:25

    Eu achei o restauro do imóvel abordado bem legal.Pode não ter preservado as características originais.Porém, dadas as circunstâncias, valeu.

    Reply
  • Emerson de Faria 19/04/2017 at 17:59

    Na foto dos anos 80 é possível ver uma criança brincando tranquilamente na rua. Na época os Campos Elíseos não tinham se convertido na nefasta Cracolândia.

    Reply
%d blogueiros gostam disto: