A avenida Paulista, centro financeiro do Brasil, está no coração de todos os paulistanos. Nesta avenida encontramos também muita cultura disponível para a população em locais consagrados como o MASP, Casa das Rosas, Itaú Cultural e até o Conjunto Nacional. Destes a Casa das Rosas nos remete para a arquitetura paulistana do início do século XX que ainda sobrevive. Eram grandes palacetes onde famílias tradicionais residiam com o todo esplendor que esta avenida proporcionava.

Construção da Mansão Matarazzo em 1945.

A partir da década de 1960, a avenida Paulista se transformou. Casarões e palacetes começaram a dar lugar a grandes empreendimentos e assim, a selva de pedra paulistana se fortaleceu cada vez mais. A especulação imobiliária da avenida fez crescer uma tendência arquitetônica que estava prontamente presente na cidade: o brutalismo.

Palacetes virando prédios, árvores dando lugar ao concreto. A paisagem singular da avenida Paulista começou a dar espaço a novas edificações e, definitivamente, a mais paulistana das avenidas morreu e renasceu como outra mais moderna, com novas tendências arquitetônicas que favoreciam a especulação imobiliária. Daquela época, poucos exemplares sobreviveram como a já citada Casa das Rosas, último projeto arquitetônico assinado por Ramos de Azevedo e destinado para ser a moradia de uma das suas filhas, alem do Palacete de Joaquim Franco de Mello. Em 2,8 km de avenida, a Paulista possui apenas 5 imóveis tombados.

A Mansão Matarazzo em 1977 / Foto: Laura Serpa (clique para ampliar)

A Mansão Matarazzo em 1977 / Foto: Laura Serpa (clique para ampliar)

A realidade poderia ser diferente. A Paulista comportava alguns imóveis antigos até a década de 90 como a casa de René Thiollier. Conhecida como Vila Fortunata, foi palco de grandes acontecimentos históricos. Nesta Vila nasceu o famoso paisagista Burle Marx e também era muito freqüentada por vários modernistas. A trajetória de René Thiollier nesta avenida foi totalmente apagada já que a casa foi demolida e em seu terreno foi implantado recentemente o Parque Mário Covas. O respeito à memória de Thiollier passou longe aos olhos da população.

Você sabe o que é esta construçao na avenida Paulista ? Clique para ampliar.

Outro grande exemplo é o da Família Matarazzo que residiu na Paulista da década de 1920 até os anos 1970. A trajetória desta família está ligada ao desenvolvimento econômico do Estado de São Paulo remetendo a cidade de Sorocaba, a primeira residência de Francisco Matarazzo. Lá ele iniciou sua grande trajetória e chegou a ser o maior empresário do nosso país. A decadência das Indústrias Reunidas Francisco Matarazzo (IRFM) começou a ocorrer na década de 1970. Vários patrimônios industriais estão abandonados até hoje.

Na década de 1990 a mansão da família Matarazzo estava fechada. A prefeita da época, Luiza Erundina decidiu criar o Museu do Trabalhador, pois o local era adequado, as salas eram espaçosas e o local de fácil acesso. Uma singela homenagem para aquele que foi o pioneiro industrial de São Paulo.

Crédito: Divulgação

Contudo, em 1996, mais um ataque brutal ao patrimônio histórico ocorreu aos olhos das autoridades que nada puderam fazer. A célebre mansão da família Matarazzo foi dinamitada e sua demolição tornou-se inevitável, já que a estrutura ficou abalada. O pedido de tombamento que tinha mais de 20 anos foi oficialmente cancelado este mês pelo CONPRESP (Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico).

Demolição da Mansão Matarazzo em 1996. Clique para ampliar

O terreno foi transformado em um amplo estacionamento que estão com os dias contados. Seu local abrigará uma torre comercial com shopping center e estacionamento. Entretenimento, comércio, cinemas darão continuidade ao progresso da cidade que não dorme. Sem contar o caos que ficará na região.

Sujo e esquecido, este lindo banco foi usado pelos Matarazzo. Clique para ampliar

A belíssima sauna da Mansão Matarazzo ainda resiste. Clique para ampliar.

No terreno ainda resiste o jardim de inverno e uma sauna abandonada. Bancos que serviram de descanso para a família Matarazzo ainda persistem nadando contra o fluxo do progresso. As árvores certamente estão com os dias contados.

A sauna e a piscina da mansão quando ainda funcionavam.

Existem dois tipos de tombamento. O tombamento total do imóvel e o parcial que destina a preservação de algumas partes do imóvel. Observe o que ainda resta da mansão do Matarazzo e responda: Será que existe a potencialidade de tombamento parcial? Secretaria Municipal de Cultura afirma que “não haveria mais nada a ser preservado naquela área”. Será mesmo?

Porque não preservar o pouco que restou ? Clique para ampliar.

Há espaço para a nova construção preservando o que restou. Clique para ampliar.

Atualização 24/05/2011:

O pouco que ainda restava da belíssima mansão foi abaixo, infelizmente a cidade perdeu um pouco mais de suas referências históricas para dar lugar a mais um empreendimento imobilário, que faz sangrar ainda mais a memória paulista.

No link abaixo, as fotos derradeiras do que ainda restava da mansão:

About the author

Licenciada em História, é pesquisadora e professora da rede pública e particular em Guarulhos. É co-fundadora da Associação Guarulhos tem História e Associação Brasileira de Estudos Cemiteriais (ABEC). Co-autora dos livros "Guarulhos tem História" e "Guarulhos: espaço de muitos povos".

JOIN THE DISCUSSION

Comments

  • Tweets that mention Mansão Matarazzo – O que ainda resta ? — São Paulo Antiga — Topsy.com 06/10/2010 at 15:55

    […] This post was mentioned on Twitter by Marcelus G. Z., Douglas Nascimento and Hamilton K, São Paulo Antiga. São Paulo Antiga said: Entramos no terreno da Mansão Matarazzo – O que ainda resta para preservar ? Confira: http://vempra.ca/q7 […]

    Reply
  • Gustavo Moreira 07/10/2010 at 01:53

    Glaucia, concordo em todos os aspectos com você. Infelizmente a sede foi demolida, resta manter o que está de pé, algo tão importante para a história de SP e o Brasil.

    Outro assunto delicado são as árvores, a região já é carente de verde e será mais ainda, uma pena.

    Reply
    • santiago botelho 18/01/2012 at 18:17

      Eu nasci em sao bernardo moro na bahia e estou passando alguns dias na bolivia com minha noiva carol e estavamos assistindor a miniserie ” maisa” que esta passando agora aqui e achei tao interesante a vida e toda a obra dos matarazzo que decidimos que quando voltarsimos ao brasil iriamos a sao paulo ver a massão dos matarazzo mas so agora descobrir que nao existe mais ficamor muito tristes. como nao se preserva uma coisa dessa!

      Reply
      • cesar 18/01/2013 at 00:50

        assiste um só coração, que esta passando no canal a cabo. chamado viva.

        Reply
      • Tonze Carvalho Silva 16/02/2013 at 12:23

        A manso usada na mini serie da REDE GLOB existe sim, fica em Petopolis e funciona la um hotel de charme chamado SOLAR DO IMPERIO e e tombado pelo IPHAN Patrimonio historico nacional,
        infelizmente a verdadeira mansao Matarazzo da Paulista nao existe mais.

        Reply
      • Rodrigo Swanson (@rodrigo82) 06/11/2014 at 11:14

        Existem alguns resquícios da história marcante dos Matarazzo espalhados por São Paulo.

        Os que me veem à cabeça são:

        – Estátua em homenagem ao conde, numa praça em frente ao Shopping West Plaza. A praça é bem bonita e arborizada, apesar de degradada.
        – Mansão de Ermelino Matarazzo, empresário brasileiro e primeiro filho brasileiro de Francisco. Encontra-se no bairro, de mesmo nome que o empresário, localizado na região leste da cidade.

        Provável que tenham outros mais monumentos, obras e locais históricos relativos à esta família que fez parte da história da cidade!

        Qualquer coisa me contate no Twitter @Rodrigo82

        Reply
    • marcos 25/06/2012 at 23:43

      sim adorei o depoimentos de voces nao e so voces que estao indignados com a historia da familia matarazzo eu tambem estou porque nao preservar uma parte dos muro do casarao e mansao deles eles querem derrubar eo que resta vou ser sincero com voces mora na pompeia perto do palmeiras tudo o que era matarazzo industrias shopping na lapa a fabrica da petybom deles na pompeia a casa da caldeiras tudo no chao o que restou desse homen fabuloso que deu emprego pra tanta gente o que sobrou o nome de uma avenida da vila pompeia com muita briga a cassa das caldeiras preservadas e as estatua com a imagem dele so o que rstou oresto virou demoliçao sera que ainda existe o hospital que ele construi hospital samaritano matarazzo ele fica atras do antigo predio da paulista que era do banco real sera que esta de pe ainda esse hospital abandonado na paulista ele fica voces podem pesquisar sobre esse monumento ainda existe

      Reply
      • Joaninha Aguilar 04/11/2014 at 14:53

        até outro dia estava …até chorei quando vi o abandono ……tive minhas duas filhas lá 1960 1965……nascidas pela DRA. MARIANGELA MATARAZZO muito querida…..

        Reply
  • Bruna Rienda 07/10/2010 at 13:46

    Não adianta, será demolido… é triste saber que todo o patrimônio da familia Matarazzo está virando pó, moro no bairro da Moóca e todos os dias vejo que em um futuro próximo essas obras de arte ficarão só em retratos, pois estão demolindo todas as casas antigas, principalmente as da década de 20 e 30, e construindo no lugar 4 ou 5 sobrados germinados.
    É impressionante, pessoas vão à Europa para ver Art nouveau, Art Deco, e inúmeros outros estilos que ninguém nem sabia a pouco o que significavam, e continuam destruindo esses mesmos que temos tão próximo de nós…
    Na Mooca tem uma oficina elétrica que foi construída no estilo ART DECO, nunca vi nenhum turista por lá.

    Reply
    • Vinicius Campoi 08/10/2010 at 13:26

      Bruna, tb moro na Mooca e compartilho suas ideias sobre o que está acontecendo com o bairro, fiquei curioso para saber onde fica a oficina que vc menciona? meu email vinicius.rosa@ig.com.br abs

      Reply
    • Vinicius Campoi 08/10/2010 at 14:28

      Por acaso vc é a Bruna que trabalhou na GM?

      Reply
  • Ralph Giesbrecht 07/10/2010 at 19:34

    Glaucia, v. tem certeza que a mansão estava em construção em 1945? Se não me engano, essa mansão era de 1937. Enfim, não fui conferir nos meus dados… ainda.

    Reply
    • Tonze Carvalho Silva 16/02/2013 at 12:28

      A mansao original ja existia ha muitos anos, o Conde Chiquinho, filho do Conde Matarazzo ficou com o casarao da Paulista e em 1945 fez uma grande reforma ou literalmente um palacio novo, inspirado na Villa Borghes de Roma com projeto doa arquiteto predileto de Mussolino, Piancentini que ja havia projetado o Edficio do Patriarca ou edificio Matarazzo, onde se encontra hoje a sede da Prefeitura de Sao Paulo,
      com certeza essa foto e da obra de 1945

      Reply
  • Felipe Gustavo 07/10/2010 at 22:46

    Mais uma parte da história de São Paulo, foi perdida para sempre.

    Reply
  • Roberto Racciatti 10/10/2010 at 17:56

    Já que tudo vai mesmo virar poeira, que seja reservado um pequeno espaço para relembrar a trajetória do Conde Francisco Matarazzo, dono do maior império que o Brasil já conheceu.

    Reply
  • Bruna Rienda 11/10/2010 at 14:29

    Sim sou a Bruna que trabalhou na GM!
    Bruna.rienda@gmail.com

    E a oficina fica na Rua dos Trilhos, próximo a Tobias Barreto, já esta com a fachada bem deteriorada, porém ainda podemos ver os traços em Art Deco.

    Reply
  • Daniel Cavalcante 19/10/2010 at 22:45

    Glaucia
    Concordo plenamente com suas afirmações. num dia destes estive passando de carro pela paulista e parei em frente ao que restou da mansão matarazzo, fiquei olhando e lamentando-me de como o nosso país é cruel com sua própria história.Estas casas ou mansões representam o que foi são paulo naquele tempo, tempo em que se podia passear tranquilamente sem se preocupar com assaltos e coisas assim.Um país que apaga suas lembranças simplesmente está apagando suas raízes, sua memória!.Ainda bem que temos as fotos para mostrarmos aos nossos filhos e netos o que foi nossa cidade um dia………..Abs.

    Reply
  • Diego Pollon 27/10/2010 at 18:44

    Sabe o que mais me revolta? É que além de tudo isso, da demolição de um patrimônio tão importante quanto a casa dos Matarazzo era, com certeza será erguido mais um prédio sem graça, afinal não se constrói nada de espetacular aqui quando se trata de arquitetura moderna, e mais um shopping, igual a todos, um bloco de concreto com ar condicionado e luzes dentro! Afinal o mais próximo que temos aqui de um novo conceito de shopping é o Cidade Jardim, que é feito pra poucos..
    Vergonha de quem ignora o que restou ai!

    Reply
  • Diego Pollon 27/10/2010 at 18:45

    E outra coisa, será que seu eu pedir, os funcionários do estacionamento deixam entrar nessa construção que restou?

    Reply
  • Eduardo Britto 30/10/2010 at 17:35

    Na época se alegou que esse casarão dos Matarazzo não tinha valor arquitetônico expressivo. E como certamente é das maiores áreas em metragem em plena av. Paulista, foi para o chão sem maiores tristezas. Porém, lendo exatamente hoje o texto do Roberto Pompeu de Toledo, na Vejinha, sobre a importância das insdústrias Matarazzo para a cidade (e para o Brasil), e que a Paulista foi o berço residencial da elite industrial (assim como os Campos Elíseos e Higienópolis foram para a turma do café), então historicamente se justificaria a sua preservação.

    Reply
  • Áurea Regina Amaral 11/11/2010 at 22:32

    Olá a todos os colegas admiradores das obras da nossa São Paulo, sejam elas quais forem.

    Respondendo ao Diego Pollon.
    Sim você pode ir até o estacionamento e caminhar até os fundos para admirar o que sobrou da Mansão dos Matarazzo.
    Não sabia que era uma sauna, descobri aqui neste site, com a informação da Gláucia.
    Sempre tive curiosodade de ver se havia sobrado algo após a demolição, estacioneu meu carro lá e fui.
    Não pedi autorização e não fui advertida por nenhum funcionário, também admirar algo não é crime e eu estava dentro do estacionamento como cliente….
    Mesmo dentro desta construção existe a degradação, mato está alto, telhas em determinados lugares não existem mais.
    Com a construção que eles vão iniciar, poderiam restaurar o local e mantê-lo por lá.
    Nada custa, de verdade….Eles (empresários) ganham horrores, verdadeiros rios de dinheiro com estes empreendimentos.
    Sendo assim deveriam ser obrigados a restaurar, manter e divulgar o espaço, garanto que não será um décimo do valor de lucro com o empreendimento.
    A exemplo do que fez o prédio que fica nos fundos da Casa das Rosas.
    Uma curiosidade, muitas vezes ouvi falar que a família (herdeiros) implodiram “escondido”, durante a madrugada, a mansão.
    Um dia antes de ser tombada ou algo parecido, alguém sabe me emplicar se isto é verdade ?

    Um abraço a todos !!

    Reply
    • José Roberto 25/04/2011 at 00:50

      Eu gostaria de informar que além de sauna, naquele espaço também era a piscina coberta e ala dos empregados. Eu tenho fotos da antiga mansão principal já em ruinas e se alguém tiver interesse posso mostrar. Com relação à implosão, eu sei que a casa estava em processo de tombamento, o que desagradava a família que tentou implodir a casa colocando dinamites na calada da noite. Contudo a tentativa foi frustrada porque a casa era uma verdadeira fortaleza, com paredes muito grossas e as bombas não foram suficientes para derrubar o imóvel. Após a explosão, a então prefeita Luiza Erundina declarou o imóvel de utilidade pública e ninguém podia ter acesso ao mesmo.

      Reply
      • Denis Santos 03/05/2011 at 01:35

        Olá José!!! fiquei interessado ns fotos q vc disse q tem! se puder me mande por e-mail tenho uma imensa curiosidade nessa mansão denis.nick@hotmail.com
        desde já obrigado.

        Reply
        • José Roberto 03/08/2011 at 01:07

          Prezado Denis

          Desculpe, mas só vi hj sua msg. Bom, eu tenho vários livros sobre os Matarazzo e inclusive o livro Matarazzo 80 anos, livro este comemorativo dos 80 anos das Indústrias Matarazzo. São muitas fotos, o que inviabiliza o envio por email. Mas se vc quiser, podemos marcar e eu terei o maior prazer em te mostrar os livros, as fotos nos livros, inclusive quando a mansão estava habitada, além das medalhas comemorativas….é muita coisa.
          Me escreva jrbernardez@hotmail.com
          Abraço

          Reply
          • Tonze Carvalho Silva 16/02/2013 at 12:35

            vou sempre a SP, estarei ai no dia 27
            se nao for incomodo gostaria de ver esses arquivos sobre os Matarazzo, claro que alem do interesse historico pela dinastia industrial dos Matarazzo,
            tenho um interesse muito grande pela arquitetura, sou arquiteto e procuro plantas da Mansao Matarazzo e do palacet da Usina Amalia e fotos de ambas as casas.
            se possivel me escrva tonzecarvalho@hotmail.com

          • Mitchels Santo 13/01/2015 at 17:45

            por favor, me diga onde acho os livros que vc possui sobre a familia matarazzo, se possivel mande-me os nomes por email. obrigada

        • Mitchels Santo 13/01/2015 at 17:41

          eu tbm me interessei pelas fotos. deixo aqui meu email mmsanto6@hotmail.com

          Reply
      • Eliane 01/06/2011 at 20:18

        Olá! José roberto gostaria de ter acessos à essas fotos. Poderia enviá-las, por e-mail. Tenho muita curiosidade sobre essa antiga mansão. Obrigada!

        Reply
      • romano 09/10/2011 at 18:25

        José Roberto.
        Tenho algumas fotos da antiga casa, sim tenho interesse nestas fotos.
        romanobernardi@bol.com.br este é meu endereço.
        Grato

        Reply
      • valdeci alves costa 14/08/2013 at 16:59

        eu gostaria muito de ver as fotos,por favor quando puder mostre obrigada

        Reply
  • Karin Peixoto 17/11/2010 at 13:21

    Nem acredito que aqui neste site encontrei pessoas que como eu tem o coração machucado com o abandono e esquecimento da historia de São Paulo.
    Principalmente aqueles que como eu nasceram no bairro da Mooca e o ve morrendo todos os dias dando lugar aos grandes empreendimentos.
    Sou neta de imigrantes que trabalharam no cotonificio Marina Crespi, nas fabricas Alpargatas e e as historias que ouvida de meus avós eram uma volta ao passado. Hoje quando vejo todos os edificios destas historias demolidos e abandonados é como se essas historias morressem para sempre!
    Somos um povo sem historia sem passado.E viva o progresso!

    Reply
    • Janice 22/12/2011 at 23:45

      OI Karin
      Nem sou de SP e fico muito triste com tanto descaso…quando vou a SP me delicio com a arquitetura, fico imaginando a vida de antigamente com era, o que as pessoas viveram..mas infelizmente como você disse a história vai morrendo aos poucos….uma pena

      Reply
  • marcelo luz 20/11/2010 at 09:47

    É MUITO TRISTE SABER QUE UM PAÍS QUE PRETENDE SER DO FUTURO NÃO CONSEGUE NEM PRESERVAR O PASSADO . A MANSÃO MATARAZZO ERA UMA CONSTRUÇÃO SINGULAR PRA CIDADE , ALÉM DE REPRESENTAR TODO UM PERÍODO DE GRANDEZA E PROGRESSO. LAMENTÁVEL , POIS A GANÂNCIA POR DINHEIRO DESTRUIRÁ EM POUCO TEMPO O QUE AINDA RESTAR DE MEMÓRIA DE SÃO PAULO.

    Reply
  • Alcyr Souza 24/11/2010 at 20:25

    Triste é a falta de memória do brasileiro, Pessoas inescrupulosas que só visam dinheiro e leis brandas demais que protegem esses verdadeiros assassinos do patrimonio cultural brasileiro

    Reply
  • Vanderlei Antonio Zago 06/12/2010 at 16:48

    Infelizmente, o poder econômico e especulação imobiliária sobrepõe aos interesses históricos e culturais, na grande maioria dos casos.

    Reply
  • alexandre 11/12/2010 at 03:39

    Talvez essa imagem do país do futuro faça com que esqueçamos o passado ou ao menos com que não tenhamos apreço, e assim o Brasileiro se torna um povo sem história.

    Reply
  • Danilo 12/12/2010 at 12:09

    Realmente um absurdo esta casa estar assim.

    Reply
  • Danilo 12/12/2010 at 12:20

    Dinamitaram pra arrumar uma desculpa pra demolir a mansão, acho que a pelo menos a sauna deveria ser restaurada.

    Reply
  • Junior 24/12/2010 at 13:27

    O casarão que a Maysa Matarazzo tanto sonhava em morar!

    é uma pena mesmo, passei ontem pela paulista e pude ver a beleza da casa das rosas, e qdo vejo akele estacionameto, uma coisa tão fria, vazia, dó na alma, saber que nossa cidade está perdendo o valor de uma época tão nostalgica!

    Reply
  • allan 05/01/2011 at 15:01

    chorei tanto quando vi as fotos da mansao demolida por favor quem tiver as fotos da planta projeto arquitetonico me enviem por favor agradeço

    Reply
  • allan 05/01/2011 at 15:03

    meu e-mail allanbarbuio@hotmail.com

    Reply
    • daniel 01/03/2011 at 18:37

      se alguem tiver fotos ou plantas mandem pra mim tb por favor
      faço arquitetura e acho q fou fazer meu tfg neste terreno
      meu email eh daniel4skt@hotmail.com
      obrigado

      Reply
  • Maria Fernanda Filardi Ferreira 23/01/2011 at 18:09

    Moro na frente do terreno e as árvores existentes no local são o meu refúgio e de muitas espécies de pássaros e bichinhos, que as vezes, me visitam… Moro em uma região onde,para muitos, é um local de barulho, trânsito e poluição. e na verdade, com essas árvores que restam, minha vista e meus ouvidos, são agraciados todos os dias, mais do que pra alguns que moram em regiões mais longe do centro… NÃO a retirada do verde que existe!

    Reply
  • Marcelo Savoia 12/02/2011 at 15:01

    Infelizmente faz parte da cultura do Brasil destruir história. Na Europa, por exemplo, são conservados prédios históricos. Registrados em livros ou não, são “antigos” então faz parte da história. Eu tenho um parente na Itália que mora em uma casa construída em 1600. Uma casa pequena, simples e toda restaurada. Na Europa, a cada passo que se dá pisa-se na história. No Brasil deveria ser assim. Mas não com lei obrigando, por consciência.

    Reply
  • Cristiane Carbone 26/02/2011 at 21:12

    Uma incoerência,a história de um grande visionário e grande empresário se perdendo na própria própria história. Ou seja, todo o império que ele construiu fazem questão de destruir.

    Reply
  • Denis Santos 03/05/2011 at 01:31

    è mto triste ver as imagens hj em dia,me emociono ao saber de cada informação de ver algumas fotos é mto prazeroso ao mesmo tmpo poder saber de histórias de São paulo,sei q sou novo tenho 22 anos mas saber de histórias como as dos Matarazzo sinto um enorme prazer.

    Reply
  • Marina Medici 06/05/2011 at 00:11

    Ricardo Cardim tem um site espetacular, que é muito semelhante a este, mas defende as areas verdes da cidade.
    Veja a materia sobre as arvores importantissimas que restam no local:

    – Antigo terreno da Família Matarazzo. Avenida Paulista esquina com a Rua Pamplona.

    Área de 13.000 m² na região mais frequentada e turística de São Paulo, conserva em seu interior árvores raras nativas da Mata Atlântica paulistana, descendentes da Mata do Caaguaçú, que há pouco mais de um século cobria toda a região. Velhas canelas (Nectandra sp.), tapiás, embaúbas, alecrins, jerivás e muitas outras vivem na área. O terreno já está repleto de equipamentos para a edificação de shopping e torre de escritórios. Com isso, perde a cidade uma chance histórica de mellhorar o verde da região central e toda a população, tanto a atual quanto futuras gerações.

    http://arvoresdesaopaulo.wordpress.com/verde-ameacado/

    Reply
  • Marina Medici 06/05/2011 at 00:12

    Vamos fazer um abaixo assinado pedindo a conservação do restante das edificações e das árvores???

    JUNTOS CONSEGUIREMOS ALGUMA COISA!

    Reply
  • Marina Medici 06/05/2011 at 01:03

    ASSINE PARA TENTAR MANTER A MEMORIA E O VERDE VIVO:

    http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=P2011N9560

    Reply
  • Antonio Carlos Morselli 18/05/2011 at 16:33

    Já foi,completaram a destruição.
    Os malditos derrubaram tudo e ja cortaram quase todas as arvores (18 Máio 2011).
    O Caetano Velloso tem razão.
    Estou desapontado, desolado e irritado com tanto descaso com nossa história.
    Quem manda é o poder económico, quem tem mais tem razão.

    Reply
  • Aqui jaz a Mansão Matarazzo — São Paulo Antiga 24/05/2011 at 12:58

    […] Relacionados Mansão Matarazzo – O que ainda resta ?Casarão – Rua Cincinato Braga, 434Sobrado – Rua Vinícius de Moraes, 2787Classes […]

    Reply
  • aquinaojacare 25/07/2011 at 05:59

    Marina Medici, ja assinei! E que belo sobrenome vc tem! Alguém reparou no contraste? Na foto logo se vê, atraz um prédio feio de chorar… EU JA DISSE E REPITO: Ainda bem que Florença não fica no Brasil!

    Reply
  • José Roberto 03/08/2011 at 00:59

    Só para esclarecer, a primeira foto refere-se a grande reforma que a mansão sofreu em 1.945, e não à construção, já que a mesma foi construída no final do século XIX. Com a reforma, segundo alguns comentários, a mesma passou a ter ares fascistas, pois o Conde Francisco Matarazzo era fascinado por Mussolini, o ditador italiano. Basta verificarem no prédio sede da Prefeitura de SP, antiga sede das empresas Matarazzo, acima das portas balcão, a presença de tres M, ou seja, MMM que representa Matarazzo, Mussolini e Marcelo Piacentini, o arquiteto do fascismo contratado pelo conde.
    Qualquer dúvida perguntem. Abç

    Reply
  • fioravanti 20/09/2011 at 18:52

    Ola José Roberto que bom que es apreciador da familia
    Matarazzo gostaria que me enviase algumas fotos do
    casarao.
    obirgado Fioravanti

    Reply
  • romano 09/10/2011 at 19:00

    A antiga abadia beneditina de Santa Maria, que ficava atras da mansão dos Matarazzo na Alameda Santos, data da fundação 24 de novembro de 1911 do Mosteiro de Santa Maria, aconteceu a mesma coisa.
    Era considerada área de utilidade, pois no grande terreno, alem da abadia, possuía um grande bosque, que em uma madrugada foi todo cortado. Vendeu-se o terreno dividindo-o em três partes. Foram construídos onze prédios no terreno inclusive um grande Hotel.
    Até a ganancia ataca as santas religiosas.

    Reply
  • Daniela Ares 01/11/2011 at 15:02

    Olá, também quero receber fotos da mansão Matarazzo. Quem puder encaminhar, meu e-mail é daniela_ares@ig.com.br.
    Até mais.

    Reply
  • Eric 09/11/2011 at 23:07

    Gente tudo bem que é uma obra de arte, mas não se esqueçam por mais de 30 anos, os governantes tentaram tirar a Mansão da fammilia, até desapropriar o imóvel, isto é um absurdo, principalmente porque é uma propriedade privada! Se o governo quisesse tombar prédios, que tombe os dele! Pensem nas suas famílias, se o governo tentasse tirar um patrimonio deixado pelos seus antepassados, acho LOUVÁVEL que a família conseguiu se desfazer desse problema, virou PÓ, CULPA DOS GOVERNOS QUE TENTARAM ROUBAR ESSE PATRIMÔNIO DA FAMILIA MATARAZO.

    Reply
  • marcello barros gomes 12/11/2011 at 18:08

    O Brasil deveria estar mais atento ao que acontece com o seu patrimonio historico. E este olhar se estende ao setor publico e privado. O que aconteceu com a mansao Matarazzo, e o que ocorre com outros tantos predios historicos, e um exemplo de que, muitas vezes, o dinheiro vai parar, generosamente, em maos insensiveis, incapazes de transmitir um legado importante a seus filhos.

    Reply
  • Claudia Guimaraes 09/12/2011 at 00:56

    O BRASIL É UMA VERGONHA!!!!! País sem cultura e história, vão demolindo tudo sem pudor, por causa do dinheiro.
    É triste permitirem demolir, destruir um patrimonio cultural como esta mansão, pura história. País sem memória, que tristeza!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Reply
  • André Gomes dos Santos 11/03/2012 at 00:33

    Ignorância, ganância, mesquinhez, hipocrisia… levaram ao fim esse patrimônio de todos nós!

    Reply
  • André Gomes dos Santos 11/03/2012 at 00:36

    É revoltante! Chega a doer de tanta indignação.

    Reply
  • Guilherme Portugal 16/03/2012 at 03:51

    Olha a mansão MATARAZZO não era só um sonho de Maysa morar nela, mais sim de muitos de nós.
    Fico imaginando quantas festa, bailes e comemorações a casa recebeu.
    Quantas pessoas historias pisaram por lá.
    Bem essa e a consideração do poder publico e de seus representantes como a família e a historia não só de São paulo como do Brasil.
    E triste saber que uma casa como essa que poderia ser referencia do Brasil lá fora e nada mais nada mesmo que passado.

    Enfim estava marcando de ir a São Paulo para tentar ver o que restou da mansão, porém tenho uma duvida tem alguma coisa lá ainda?
    A sauna ainda existe ou foi para o chão também?
    Se alguém tiver fotos da mansão ou mais historias gostaria que me enviassem guilherme.portugal@bol.com.br

    Reply
  • mauro 04/04/2012 at 15:11

    destruiram uma linda mansão pra fazer um estacionamento ? só tem louco neste pais,pq não fizeram um centro cultural ,ou uma loja diferente ou até mesmo um predio de 100 andares,não tiveram que fazer um estacionamento

    Reply
  • Peterson Henrique Freitas 10/04/2012 at 23:20

    Maldita Camargo e Correa! E eles ainda vem falar em sustentabilidade e apoio a cultura. Uma verdadeira gentalha.

    Reply
  • kevin matarazzo 09/06/2012 at 14:07

    quanti anni di storia, perché succederà ora!

    Reply
  • marcos 26/06/2012 at 00:02

    ainda a tempo de preservar um monumento historico da familia matarazzo a casa das caldeiras no bairro da pompeia perto do palestra italia uma parte da industria s as estatua dele jogada como lixo preservar e nao se esqueça galera tem um hospital samaritano matarazzo que ele contruiu atras dos edificos na paulista onde funcionava o banco real agora desativado fica na rua jose carlos dos pinhais e na mesma rua da mansao matarzzo so que e na direcao nesa rua jose carlos dos pinhais e ai esse hospital e dos matarazzo o que resta sera que ainda a ttempo de preserva r esse monu,mento ja passei na frente olha galera vou ser sincero ainda a tempo o que tem de estatua dele nesse hospital desativado que virou estacionmento tem uma 1o ou 5 estatua dele gente corre atras de preservar esse antigo hospital que salvou muita gente na decada 70 60

    Reply
  • antonio machado 23/07/2012 at 17:32

    a ilustre prefeita da época,por pertencerr so pt achou que poderia transformar aquele imóvel em espaco para trabalhadores,quando o melhor seria homenagear os trabalhadores que fizeram essa obra.impossível dinamitir parcialmente um imóvel, sem que ninguem se dese conta.tenho serteza que esse ato teve aprovacao das autoridades pois se fosse feita a retomada via judicial demoraria bastante.nao levaram em consideracao a quantidade de mármore importado de carrara que revestia o imóvel.tudo virou entulho.os janeloes existentes e a imponencia do imovel dava à av.paulista um charme especial.
    em sao paulo, no museu do emigrante existe em exposicao maquinários pertencentes as indústrias matarazzo,bem com um acervo da história da família desde a chegada ao Brasil.vale conferir

    Reply
  • alexandre 07/08/2012 at 01:05

    a cultura do nosso pais esta no bolso de quem tem mais dinheiro ,isto e uma vergonha. uma obra de arte como essa mansao ser dinamitada claro que nesse pais ,o que importa e odinheiro e nao a cultura ,eles acham que as pessoas nao tem cultura ,e uma vergoha

    Reply
  • Wilson 20/12/2012 at 13:42

    Quem lê hoje a notícia, não tem noção e nunca terá o valor de todo esse processo. Valor ao qual me refiro, não é dinheiro e sim, sentimental. Quando eu passava pela calçada daquela mansão, por várias vezes presenciei a chegada de alguem que adentrava pelos enormes portões de ferro trabalhado. Era ofice Boy e adorava quando eu tinha que ir na Av. Paulista, eu ficava imaginando o que haveria por detrás daquele imenso muro, como seria a vida daqueles ricaços, enfim: Um sonho que se realizou, quando já adulto, fui trabalhar na Av. Paulista, contemplando todas aquelas minhas perguntas da adolescência. Com a reviravolta da história e decadência familiar. Perdemos sim uma história fantástica, que poderia terminar com um final feliz. Mas como tudo na vida é passageiro, não temos do que reclamar. O mundo acaba a cada dia, para uns de forma lenta e sofrida, para outros de uma só vez.
    Feliz 2.013 a todos.

    Reply
  • Julia 22/12/2012 at 13:13

    que do da mansao matarazzo tao bonita e agora ficou velha e ficou feia

    aunt

    Reply
  • Michael 28/02/2013 at 00:11

    E ESSES SÃO NOSSOS “BRASILEIROS”, QUE DESTROEM A MEMÓRIA DE UMA NAÇÃO, ESQUECIDA PELO TEMPO, PELO VENTO E SOTERRADA PELO CONCRETO CINZA E GELADO. UMA LÁSTIMA.

    Reply
  • William Dante 24/04/2013 at 11:42

    Os responsáveis pela demolição da Mansão Matarazzo foi a própria familia, a prefeitura de São Paulo quando soube da negociação para vender o imóvel fez o tombamento histórico para preservar o patrimônio, porem a Maria Pia Matarazzo para conseguir vender para saudar dividas pediu para implodir as colunas de sustentação da mansão, com isso não teve jeito teve que demolir, foi aberto um processo juridico que levou muito anos e nesse tempo o terreno foi usado como estacionamento, com esse ato a própria familia acabou com a mansão e com o próprio nome familia.

    Reply
  • João Carlos de Souza. 27/05/2013 at 20:40

    A PRESERVAÇÃO DO PASSADO É PARA QUE EM UM FUTURO,TODOS TENHAM O DIREITO DE CURTIR A VERDADEIRA HISTÓRIA,QUEM PENSA O CONTRÁRIO É IGNORANTE.O Estado tem a obrigação de fazê=lo,porem,nunca deixar de levar em consideração o respeito a quem lutou para ter um patrimônio que garanta o futuro de sua família,para tanto as leis deveriam contemplar seus proprietários,lhes oferecendo condições para venda ou locação nos valores de mercado.Sou proprietário,juntamente com minha esposa e filhos do imóvel na Av.Conselheiro Nebias, 586,em Santos,onde desde 2004,passamos por uma situação constrangedora.Sem consulta prévia,por notificação feita pelo correio,fomos notificados que a partir daquela data,não poderíamos fazer nenhuma reforma,demolição,pintura ou qualquer alteração no imóvel,passível de sermos. indiciado,a polícia é avisada antes,para que fiquem de guarda para que nada seja feito no imóvel.Este imóvel foi adquirido,com muito sacrifício,pelo meu sogro,com muito sacrifício o preservei.Nos só temos este imóvel.Já houveram propostas de compra,pois como estava ‘TOMBADO’,os valores foram irrisórios,bancos nos procuraram para locação,ao consultarem o CONDEPASA,lhes foi informado que não poderiam descaracterizar o imóvel,o muro frontal não poderia ser demolido (o original era mais baixo e os portões de madeira)o atual nada lembra o original,inclusive os portões são de alumínio,que não haviam na época,obviamente não houve interesse.Há restrições no entorno do imóvel em 300 metros.Dentre tantos absurdos que ouvimos,algus se fazem destacar “vocês não são proprietários do imóvel,vocês tem a concessão de uso’PALAVRAS DE UM ARQUITETO DO CONDEPASA.Concessão é quando o MST invade uma fazenda,o govêrno desapropria e repassa para os invasores,concessão é quando Os sem tetos invadem im imóvel,o govêrno o desapropria e repassa para os invasores,concessão,creio eu,ser em CUBA,onde o Poder é do Governo e a ele se dá o direito de conceder aos apadrinhados as concessões.Quando a família Real Portuguesa,fugindo de Napoleão,veio ao Brasil,antes de aportar,os assessores,batiam às portas das casas e diziam aos proprietários que eles teriam a HONRA de abrigar a Corte Portuguesa e que deveriam disponibilizarem os mesmos.Quem viu o período onde mandava quem podia e obedecia quem tinha juizo,lembra que o termo ‘DITADURA’nunca mais,o que aconteceu comigo e minha família,foi uma situação constrangedora e ditatorial que todas as pessoas que entendem que a base de uma sociedade democrática é sustentada pela FAMILIA deveriam antes de expor suas opiniões,deveriam se colocar no lugar daqueles que estão sendo agredidos e casa queiram se inteirar do assunto,está disponível em meu FB,parte da história nebulosa pela qual passamos.ACREDITAMOS QUE A JUSTIÇA MAIOR,SEMPRE PREVALECERÁ E DELA NINGUEM ESCAPA,POIS A DOS HOMENS,LAMENTAVELMENTE DEIXA M UITO A DESEJAR.ABRAÇOS FRATERNOS,INCLUSIVE ÁQUELES QUE OPINAM CONTRA.

    Reply
  • Luciano 07/09/2013 at 16:26

    Glaucia, boa tarde
    Interessante seu relato, mas o que eu sei, é que os Matarazzo, destruíram a mansão na calada da noite para que jamais fosse feito um museu dos trabalhadores e pelo partido dos trabalhadores, por motivos óbvios para a família nobre em questão. Se fosse um pedido de um nobre, para se fazer o museu dos Matarazzo ou dos Italianos, ou dos empresários e ainda dos industriais e empreendedores, poderia até ser. Enfim, me parece que eles, Matarazzo disseram com a implosão algo do tipo: isso; e aqui não! E a Prefeita daquela oportunidade ficou bem brava, porque perdeu a guerra, o que é óbvio tb dada a capacidade dela.
    De toda forma e uma pena o que se faz com a história e as empresas no nosso país.
    Obrigado

    Reply
  • marcel 02/05/2014 at 14:28

    O poder econômico sempre fala mais alto, sempre. Qual a intenção em ver preservado apenas”um pedaço” do que restou? Pegue o banco, o detalhe e leve consigo. Odeio ser dono de imóvel tombado: antes que isso ocorra sempre tomei minhas providências para desvalorizar o imóvel afim de que ele nunca seja tombado. Quando o bem não é nosso fica fácil falar que “devia conservar”.Quero ver você com a possibilidade de embolsar milhões, impedido por conta de um tombamento. Isso mesmo: ponham fogo, detonem, explodam, implodam, antes que seja tarde.

    Reply
  • Maria 22/05/2014 at 20:17

    Gostaria de saber se alguém tem ideia de onde encontrar resquícios da empresa METALURGICA METALMA NA RUA DOS TRILHOS S/N (MOOCA) dos Matarazzo.Estou a procura, pois minha amiga trabalhou lá e agora precisa encontra-la com fim de encontrar documentos para aposentadoria. Por favor ajude-nos.
    Obrigada

    Reply
  • Rolando Rosa Jr, 04/11/2014 at 14:21

    Com certeza a decisão de instalar um “Museu do Trabalhador” na Mansão Matarazzo não era uma homenagem, mas uma afronta aos empreendedores. A estória que correu na época, era o revanchismo da nordestina Erundina, com a colaboração da ovelha negra Eduardo Matarazzo Suplicy, ressentido e vingativo.

    Reply
  • Danilo Chaves 04/11/2014 at 19:22

    É realmente triste ver a história sendo enterrada sem mais nem menos! Aqui em Boston eles fizeram uma lei que proíbe derrubar ou implodir monumentos e casarões, igrejas… Enfim a história da cidade! Mesmo que queiram construir um prédio ou seja lá o que for no locar eles (empreendedores e construtoras) são obrigados a deixar a fachada original do antigo prédio no local. Vários prédios foram construídos novos mas se passar pela frente vcs verão as fachadas antigas! É bem interessante é assim não acabam com a história local 🙂

    Reply
  • joana darc gonsalle carnaúba 11/07/2015 at 18:27

    eu acho lindo esses casarões com arquitetura francesa ou italiana seja lá qual for,isso significa que ainda as pessoas se preocupem em saber quem foi familia matarazzo e tantas outras na época do café,isso tudo é muito interessante ,porque ainda podemos responder algumas perguntas as crianças que possa vir a querer saber mais a respeito dessa cultura rica e com muitos detalhes interessantes.

    Reply
  • daiana 05/09/2015 at 20:31

    Pois é a culpa disso tem nome e sobrenome #dinheiro #ganância……onde já se viu demolir um patrimônio cultural desse porte pra construir um “estacionamento“ só no Brasil mesmo…….não dá nem pra prolongar meu comentário aqui ….. Sei la …. Minha alma doi pelo o que nós como seres humanos nos tornamos :/

    Reply
  • Mariana 09/06/2016 at 18:35

    Sou de BH e cheguei aki nesse blog por causa da série do History Channel Gigantes do Brasil e foi meio triste saber que a mansão nem existe mais.Mas no fim convenhamos que é preciso abrir espaço pro novo e a demolição com certeza foi vontade da família afinal dinheiro pra manter a mansão restaurada e com impostos em dia eles tinham e têm de sobra.
    Adorei o blog,muito top já li quase tudo

    Reply