Considerado o Patriarca da Independência, José Bonifácio de Andrada e Silva faleceu em Niterói, foi velado por quase 20 dias em uma igreja no Rio de Janeiro e enterrado na cidade de Santos.

Porém, muitas pessoas que visitam o Cemitério da Consolação, aqui em São Paulo, entram em contato com o Blog São Paulo Antiga intrigados com o fato de que, encontraram no cemitério paulistano um outro túmulo de José Bonifácio. Como isso pode acontecer ?

José Bonifácio de Andrada e Silva, Patriarca da Independência

Antes de explicar, vamos falar brevemente sobre o nosso Patriarca da Independência:

A história do Brasil passa por este nome: José Bonifácio de Andrada e Silva. Importante figura de apoio ao Imperador D. Pedro I quando este proclamou a independência do Brasil, foi Ministro do Reino e dos Negócios Estrangeiros. Com o tempo, desentendeu-se com a figura polêmica de D.Pedro I e acabou por exilar-se na França por seis anos. Reconciliado com a coroa, regressou ao Brasil e tornou-se o tutor de D. Pedro II até ser demitido pela Regência no ano de 1833. Afastado do poder, abandonou por completo a vida pública e passou a viver recluso em sua casa na ilha de Paquetá, na Baía de Guanabara.

Pobre e esquecido, Bonifácio viria a falecer aos 75 anos no ano de 1838 em Niterói. Seu corpo foi embalsamado e levado para a cidade do Rio de Janeiro, ficando exposto na Igreja Nossa Senhora do Carmo durante 19 dias.

Como ele nasceu em Santos, nada mais natural ser enterrado em sua cidade natal. Sua filha, Gabriela Frederica Ribeiro de Andrada, foi a responsável pelo translado do corpo de seu pai para a capela-mor da Igreja do Convento de Nossa Senhora do Carmo, no litoral paulista.

Na foto, a Igreja da Ordem Primeira do Carmo e o Panteão dos Andradas, à direita.

Seu túmulo permaneceu sem nenhuma identificação por mais de 30 anos. Uma modesta homenagem veio de um artista circense, Antonio Carlos do Carmo. Em visita a igreja no ano de 1869 se indagou com a situação do túmulo do Patriarca da Independência e mandou fazer uma lápide de identificação. Este gesto simples soou como um alerta para as autoridades pois afinal, a memória de José Bonifácio estava sendo esquecida. Decidiu-se então erguer um panteão em sua homenagem.

Foi ai que a então capela-mor acabou tornando-se o Panteão dos Andradas. Iniciada sua construção em 1921, este panteão não foi só para homenagear José Bonifácio, mas também os seus irmãos Antônio Carlos Ribeiro de Andrada Machado e Silva, Martim Francisco Ribeiro de Andrada e Patrício Manoel de Andrada e Silva que também tiveram participação na história do Brasil. O renomado Rodolpho Bernadelli foi o escultor contratado para representar José Bonifácio em seu leito de morte.

Vista geral do interior do Panteão dos Andradas.

Aqui repousam os restos mortais de José Bonifácio (clique para ampliar).

E aquele túmulo encontrado no Cemitério da Consolação ?

Muitas pessoas quando vão visitar o mais importante cemitério paulistano, deparam com um interessante túmulo com o nome de José Bonifácio de Andrada e Silva e tornam como fato ele estar sepultado ali. Mas quem está ali é outro familiar dele, também muito importante para a história do Brasil.

Trata-se do túmulo do Senador José Bonifácio de Andrada e Silva, mais conhecido como “José Bonifácio, O Moço”, sobrinho do Patriarca da Independência. O nome idêntico ao tio, foi uma homenagem feita por seu irmão e pai de “O Moço”, Martim Francisco de Andrada. Embora tenha convivido muito pouco com o tio famoso, seguiu seus passos e teve brilhante carreira política sendo deputado geral, ministro da marinha  e também senador do Império do Brasil de 1879 a 1886 ano em que veio a falecer.

O túmulo de José Bonifácio, O Moço, (à direita) no Cemitério da Consolação (clique para ampliar).

Como na época ainda não havia sido erguido o Panteão dos Andradas, José Bonifácio, O Moço, foi sepultado no Cemitério da Consolação ao lado de sua primeira esposa, Adelaide Eugênia de Aguiar Andrada e um casal de filhos.

A confusão poderia ser resolvida facilmente com uma pequena placa de explicação diante do túmulo.

Colaborou neste artigo: Douglas Nascimento

About the author

Licenciada em História, é pesquisadora e professora da rede pública e particular em Guarulhos. É co-fundadora da Associação Guarulhos tem História e Associação Brasileira de Estudos Cemiteriais (ABEC). Co-autora dos livros "Guarulhos tem História" e "Guarulhos: espaço de muitos povos".

Deixe uma resposta

Comments

  • Claudio 28/12/2010 at 09:27

    Muito bom !
    Nada como conhecer as muitas histórias da nossa cidade de São Paulo. Parabens.

    Reply
  • Rubens Janes 04/01/2011 at 23:14

    Conhecer a historia do Brasil é tão importante como respirar; pena que as escolas de hoje não ensinam mais o amor que devemos ter para com os homens de bem que fizeram a história acontecer. Homens como José Bonifácio de Andrada e Silva e seus irmãos Antonio Carlos e Martin Francisco, assim como Dom Pedro II e tantos outros que passaram pela vida pública deste País sem uma pequena nódoa a manchar suas vidas deveriam ser melhor estudados até para servirem de exemplo à esta juventude que, infelizmente, não têm encontrado muito em quem se espelhar ultimamente.

    Reply
  • Elton 06/01/2011 at 11:35

    Vale citar que José Bonifácio, o Moço, tinha tinha uma espécie de casa de veraneio em Salto/SP, às margens do rio Tietê. Ver: http://leituraspossiveis.blogspot.com/2008/08/das-denominaes-e-de-dois-prdios.html

    Reply
  • EDSON 08/01/2011 at 01:24

    Desprezar a História é como jogar no lixo as nossas raízes.

    Reply
  • Luiz Bresciani 14/03/2011 at 09:48

    Registro aqui sugestão para visita ao Museu do Ipiranga / Paulista!!

    Reply
  • jose antonio barros freire 02/10/2012 at 16:58

    A P L A U S O S !!!!

    Reply
  • Jefferson Eduardo 11/01/2013 at 12:42

    Eu já sabia que o Patriarca jazia em Santos, mas ignorava o túmulo de seu sobrinho. Bem haja pelo trabalho!

    Reply
  • Ricardo C. Amaral 13/01/2013 at 16:35

    Otima pesquisa de Glaucia Garcia investigando o que aconteceu ao corpo de Jose Bobifacio de Andrada e Silva depois que ele faleceu.

    Ela so nao conseguiu fazer uma conexão óbvio que Jose Bonifacio de Andrada e Silva (O Moço) tambem era neto de Jose Bonifacio de Andrada e Silva (O Patriarca da Independencia).

    Ela mencionou no artigo, informacao correta que: “Sua filha, Gabriela Frederica Ribeiro de Andrada, foi a responsável pelo translado do corpo de seu pai para a capela-mor da Igreja do Convento de Nossa Senhora do Carmo, no litoral paulista.”

    A autora tambem escreveu nesse artigo: “Trata-se do túmulo do Senador José Bonifácio de Andrada e Silva, mais conhecido como “José Bonifácio, O Moço”, sobrinho do Patriarca da Independência. O nome idêntico ao tio, foi uma homenagem feita por seu irmão e pai de “O Moço”, Martim Francisco de Andrada.”

    Jose Bonifacio de Andrada e Silva “O Moço” era sobrinho do Patriarca por parte de pai, mas Martim Francisco de Andrada irmão do Patriarca era casado com uma filha de Jose Bonifacio de Andrada e Silva (O Patriarca) como ela mencionou no artigo o nome dela era Gabriela Frederica Ribeiro de Andrada – e por parte de mae Jose Bonifacio de Andrada e Silva “O Moço” era neto do Patriarca.

    http://josebonifaciodeandradaesilvafamily.blogspot.com/2012/06/josebonifacio-de-andrada-e-silva_03.html

    *****

    A autora do artigo tambem escreveu: “Embora tenha convivido muito pouco com o tio famoso, seguiu seus passos e teve brilhante carreira política sendo deputado geral, ministro da marinha e também senador do Império do Brasil de 1879 a 1886 ano em que veio a falecer.

    Biografia de Jose Bonifacio de Andrada e Silva (“O Moço”)

    http://josebonifaciodeandradaesilvatheyoung.blogspot.com/

    Reply
  • joão luiz portolan galvão minnicelli 17/03/2013 at 12:03

    gostei das informações. A título de colaboração e para completar as informações gostaria de lembrar que José Bonifácio, “O Moço”, não era apenas sobrinho de José Bonifácio, “O Patriarca”: era também neto! A mãe do “moço” era filha do “Patriarca”. Se chamava Gabriela Frederica Ribeiro de Andrada e foi responsável pelo traslado do corpo do pai da ilha de paquetá (R.J.) para Santos. Para se ter uma ideia da importância do “Patriarca”, basta saber que seu corpo foi embalsamado. Gostei do “site” de vocês. abraço

    Reply
  • FCML22 31/07/2014 at 15:04

    Em Santos, se você não conhece ainda existe a casa dos Bonifácio, ou melhor palacete, fica na Rua XV de Novembro, 103, Centro pertinho da Bolsa do Café se não me falha a memória, está escrito na fachada. Visitem antes que venham a demolir.

    Reply
  • Fabio Deus 09/03/2015 at 13:23

    Um fato curioso, é que logo ao lado do Panteão dos Andradas (já dentro da igreja, ou melhor, nos fundos da mesma), existe ainda a entrada para a antiga “catacumba”.

    Sim, existe uma catacumba na igreja do Carmo (a qual já pude visitar pessoalmente, isso ainda nos anos 90, em minha época de faculdade). – A entrada da mesma ficava já dentro da área onde os padres (frades) ficavam reclusos.

    Na época, a construção estava sofrendo algumas reformas, e a entrada para este porão, acabou sendo achada. (Hoje em dia, nem sei ao certo se a mesma voltou a ser lacrada). – Mas na época, pela boa camaradagem de um dos padres, acabei visitando a entrada da catacumba.

    Bom, não cheguei realmente a andar mais do que 5 ou 6 metros, já que o túnel descia, e boa parte dele já estava em baixo da água (do oceano, acreditem)… Mas pela direção da catacumba, creio que ela se prolongava até onde hoje, existe um ponto de ônibus (logo a frente da igreja). – E pouco depois, já saia no oceano.

    Dizem que a catacumba era uma rota de fuga no caso de ataque de piratas. E também foi muito usada para esconder escravos fugidos (apesar que tudo isso, não passam de meras suposições). – Mas que a catacumba existe, isso existe! Pena que quase que totalmente na obscuridade.

    Reply
%d blogueiros gostam disto: