Monumentos

Monumento a Olavo Bilac

Comments (30)
  1. João Guimarães filho disse:

    Muito bom…muito bom mesmo essa matéria…parabens.! !

  2. Adriano disse:

    BRASIL, UM POVO SEM HISTÓRIA . Obrigado a “São Paulo Antiga” que faz esse resgate da nossa história ,fantastico.Porque se esperarmos algo de nossos governantes…

  3. francisco garcia pereira junior disse:

    muito boa a reportagem,porque não reunir todas as peças junto?poderia ser em frente a usp largo são francisco.

  4. heitor felippe disse:

    Parabens Douglas. Muito bom trabalho. Como é bom rever São Paulo por este angulo. Toda vez que é possivel, procuro ver no Google o local onde ficam as obras citadas por voce. Parabens, continue assim

  5. Sergio Massaro disse:

    Nos meus mais de setenta anos não me lembro de ter tanto aprendido e gostado da aula que tive ao ler a postagem! Parabens ! Fica a “dica” para professores: essa história é ótimo pretexto para levarem seus alunos a conhecerem os atuais locais onde os segmentos da obra se encontram … e assim circularem pela urbe …

  6. Liliana Rizzo Piazza disse:

    História muito interessante. Somente um senão, foi instalada no fim da Av. Paulista, na altura da rua Minas Gerais, e não no começo.

  7. Roberto disse:

    Linda matéria, parabéns.

  8. reinaldo policarpo disse:

    Tenho a mesma idéia do Francisco , reunir as partes da obra na sua forma original. Assim reparariamos parte do êrro…

  9. miltonralves disse:

    GRande matéria. Parabéns!

  10. Quando eu era menininho, na escola, ficava impressionado, com a poesia poderosa de Bilac!Foi um dos nomes mais emocionantes da minha infância!

  11. Claudia Agostino disse:

    Parabéns Douglas Nascimento pela matéria, fotos, texto explicativo e pelo resgate desse monumento. A arte e história brasileira agradece!

  12. Carlos Gama disse:

    O descaso com o patrimônio cultural e artístico brasileiro, é uma das mais tristes facetas de um povo desmemoriado e desculturado, que tende a continuar regredindo.
    Sorte a nossa, contarmos com um cidadão consciente e interessado na preservação dessas informações. Um cidadão imbuído da importância de seu papel no mundo, esforçando-se por fazer o que deveria ser obrigação de todos e especialmente do poder público.
    Parabéns, Douglas Nascimento!
    São Paulo e a cultura nacional serão sempre devedoras da colheita desses frutos do seu inegável espírito cívico.

  13. José Márcio disse:

    Parabéns! Bela matéria. No entanto, há uma outra obra pública, que eu saiba, que também foi decomposta em partes. Se refere ao Arco do triunfo que ficava na Av. Tiradentes, projeto de Ramos de Azevedo, e que hoje, uma parte do arco com escultura e frontão, está dentro do campus da USP. As outras partes do grande monumento, não faço ideia de onde estejam.

    1. José Márcio já está adivinhando uma de nossas próximas matérias !!! 😀

  14. Orlanda Maria Grespan de Faria disse:

    Parabéns Douglas, pelo belo trabalho, pena que o Brasil não dá muito valor a antiguidade, e a cultura, ela não atrai votos, mas seu trabalho é lindo.

  15. Gostaria de assistir ao musical sobre Olavo Bilac que está sendo apresentado em São Paulo!

  16. GILSON disse:

    Parabéns Douglas por nos revelar fatos importantes desta cidade que não sabiamos. Suas matérias estão cada vezes melhores e dignas de louvor por trabalho tão sério e competente.. Abs.. Gilson

  17. Sergio Massaro disse:

    Gosto da idéia de reunir os pedaços, como Francisco e Reinaldo apoiam, mas acho difícil … O que deveria ser lembrado em cada um dos “pedaços” é a prévia existência do conjunto coisa que só uns poucos sabiam antes do Douglas pesquizar e nos contar. Ao ler pela primeira vez pensei que a praça do “fim da paulista” se chamasse “Olavo Bilac” … na verdade como Liliana esclareceu, confundi fim e começo e Olavo Bilac com Oswaldo Cruz; mas perto da outra ponta da Avenida Angélica, lá para os lados da Pça Marechal Deodoro e do Castelinho da Rua Apa tem uma Praça com o nome Olavo Bilac, por onde andei na juventude; para lá poderia ir algum dos pedaços restantes, talvez ainda hoje enrustido em algum depósito da prefeitura; assim uma visita aos pedaços em Pinheiros, Ibirapuera, Ipiranga, Tatuapé e túnel da 9 de Julho fecharia didaticamente uma volta pelo centrão paulistano. Fica a proposta de desejo de novo passeio turístico paulistano que o Douglas nos ensinou …

  18. MARCOS disse:

    PARABÉNS , EXCELENTE

  19. A propósito… a frase: “Vivendo e aprendendo, morrendo e não sabendo.” não é do Bilac???

  20. Na realidade “o homem de chapéu” é um garoto Escoteiro. Bilac foi um dos maiores propagadores do Movimento que surgia em 1910 realizando uma série de palestras sobre o assunto. Infelizmente esquecido por muitos….

  21. Ana Lucia S. N. Morellato disse:

    Ex-aluna do colégio Fernão Dias Pais, fico feliz por ter encontrado as informações que eu buscava sobre a estátua. Muito obrigada! Parabéns pela matéria.

  22. Elaine Morrone disse:

    Willian Zadic foi um dos professores de escultura do escultor Luiz Morrone , também monumentalista , com várias obras em São Paulo, Brasil e exterior .
    Imagino o quanto Zadic ficaria triste em ver sua obra desmembrada desta forma ! O que terá sido da pedra fundamental ? Uma pena que ainda haja tanto desrespeito com monumentos no Brasil !
    É graças que tenha havido algumas pessoas que conseguiram resgatar o monumento , ainda que desmembrado !

  23. Parabéns pela Matéria, fascinante a trajetória dos nossos monumentos, a cultura das pessoas, sua visão do mundo, do todo, e a proximidade da época fazem dela importante, ou apenas um mero monte de pedro ou metal amontoado.

  24. Marcelo Carvalho disse:

    Não sou de São Paulo, mas quero lhe agradecer pelo artigo sobre esse monumento. Parabéns!

  25. Ótima reportagem estão de parabéns como sempre, quem sabe não aparece algum empresário é reúnem essas obras em um único monumento como um presente para São Paulo, fica a dica.

Deixe uma resposta

Publicidade:

SP ANTIGOS

Nosso Instagram: @saopauloantiga
Something is wrong. Response takes too long or there is JS error. Press Ctrl+Shift+J or Cmd+Shift+J on a Mac.