Vizinha da capital paulista a atual Cidade de Guarulhos, até início de 1880, foi uma freguesia de São Paulo. Tudo indicava que esta condição de bairro paulistano ainda permaneceria por anos e anos, possivelmente entrando no século 20. Entretanto um golpe político alterou completamente este cenário.

Catedral de Guarulhos no início do século 20 (clique na foto para ampliar)

Distante 3 léguas¹ do centro de São Paulo, Nossa Senhora da Conceição dos Guarulhos² era um local bastante esquecido dos paulistanos. Com muitas chácaras e fazendas e um centro urbano minúsculo, a região era quase um deserto de pessoas, com um número de habitantes que mal chegava a mil almas.

Contudo, em 1880, a localidade tinha particularidades políticas que faziam dela um grande problema para os políticos de São Paulo pertencentes ao Partido Liberal: A maioria dos eleitores na freguesia de Guarulhos eram conservadores.

Ali havia entre toda a população 360 eleitores, quase todos conservadores, e entre esse número de votantes cerca de 60 eram aptos a serem elegíveis, ou seja, a serem candidatos.

Imagem ilustrativa: Guarulhos em 1927 (clique na foto para ampliar)

Isto representava um entrave aos interesses liberais em São Paulo e os membros do Partido Liberal da Assembleia Provincial, que naquele momento eram maioria, decidiram colocar em pauta uma ousada manobra política, que aos olhos de hoje seria visto como um golpe: Emancipar freguesias de São Paulo cuja população fosse de perfil conservador.

A ideia parece absurda nos olhos de hoje, mas em tempos de bipartidarismo e com eleições frágeis era algo fácil de se fazer.

Pensando nisso os liberais levaram à discussão no plenário da Assembleia Provincial um projeto de lei que elevava Guarulhos, então uma freguesia da capital, a categoria de vila, ou seja, uma cidade independente.

Mas o golpe político não para por ai. Os liberais foram além e ao traçar os limites para a cidade de Guarulhos, resolveram incorporar ao novo município duas outras freguesias da capital que também tinham maioria conservadora: Penha de França e Juqueri (hoje conhecidas como as cidades de Mairiporã, Caieiras, Francisco Morato e Franco da Rocha).

Com essa engenhosa manobra, deixariam de votar na capital provincial (São Paulo) cerca de 500 eleitores destas três freguesias, número irrisório nos dias de hoje porém gigantesco naquela época.

Assim, mesmo sob protestos de moradores destas regiões que seriam desgarradas da capital, especialmente os penhenses – que odiaram deixarem de serem paulistanos para se transformarem em guarulhenses – em 24 de fevereiro de 1880 a Assembleia Provincial aprovou, em apertada maioria,  a elevação da Freguesia de Guarulhos à condição de Vila, levando consigo as freguesias de Penha de França e Juqueri.

A medida causou indignação da minoria conservadora e de muitos populares mas acabou sendo rapidamente assimilada. Não sem muitos protestos no principal jornal da época, o Correio Paulistano. Este periódico, em longo artigo contrário ao novo município expõe suas ressalvas. Abaixo selecionamos três fragmentos destas críticas:

Sem as freguesias de eleitorado conservador, o Partido Liberal teve caminho fácil para manter sua maioria na Assembleia Provincial nas eleições seguintes, uma vez que os bolsões conservadores tinham sido praticamente eliminados da capital.

Assim, em 24 de março de 1880, exato um mês depois da votação em plenário, Guarulhos oficialmente deixava ser freguesia para se transformar em mais uma cidade paulista.

A criação às pressas deste novo município criou inúmeros transtornos tanto para os anexados à marra (Penha e Juqueri), como para os próprios já guarulhenses, que viram subitamente o local se transformar.

A cidade quase não tinha edificações e apenas 92 habitantes sabiam ler e escrever. Sem polícia e sem muita ordem a nova cidade passou a presenciar distúrbios e assassinatos envolvendo posses de terra e propriedades com casos que até hoje, mais de um século depois, não foram devidamente esclarecidos.

A independência de Guarulhos seguiu passos similares a outros movimentos importantes da história do Brasil, como a Independência e a Proclamação da República, movimentos ausentes de participação popular.

Saiba mais:

2a Parte – Como e quando a Penha e Juqueri se desmembraram de Guarulhos ?

Anexo:
1 – Três léguas equivalem aproximadamente a 14,5 quilômetros.
2 – Apenas em 1906 a denominação da cidade foi alterada de Nossa Senhora da Conceição dos Guarulhos para apenas Guarulhos.

Bibliografia consultada:

  • Fotos – Arquivo Histórico Municipal
  • Correio Paulistano – Edição 6975 de 25/02/1880 – pp 1
  • Correio Paulistano – Edição 6983 de 05/03/1880 – pp 1
  • Correio Paulistano – Edição 7015 de 15/04/1880 – pp 2
  • Correio Paulistano – Edição 7260 de 21/01/1881 – pp 3

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

JOIN THE DISCUSSION

Comments

  • Jorge Hidalgo 08/12/2017 at 15:16

    A “nossa” História vem, então, desde os tempos de antanho, recheada de golpes, falcatruas, etc… não me admira que estamos onde estamos!!!! parabéns, brasil!

    Reply
    • Daniel Pardo 23/12/2017 at 21:05

      O Brasil já vem “brasilizando” desde 1500, colega…

      Reply
  • Marina de siqueira pozzoli 11/12/2017 at 13:05

    Interessante, isso explica muita coisa em Guarulhos. Sempre achei uma cidade sem história ou sem apreço por sua história. E olha que lá existem Universidade e Faculdades provavelmente com cursos de História e esta pobre cidade continua sem identidade, só lembrada por um aeroporto que não acrescentou nada lá, sequer gerando empregos qualificados na região.

    Reply

Comunicado importante aos leitores e leitoras do São Paulo Antiga

Neste momento estou enfrentando um período de muitas dificuldades para manter o site no ar, com a possível saída de nosso patrocinador institucional.

 

Preciso da sua colaboração para que o site não encerre suas atividades em 1 de julho de 2018.

 

Faça uma doação ou assinatura mensal no site São Paulo Antiga, através da plataforma APOIA.SE

 

Desde já muito agradecido,

Douglas Nascimento, autor e editor