Artigos

O incêndio do Andraus como nunca visto antes

Em 1972 o Edifício Andraus, localizado na Avenida São João em São Paulo, foi palco de um incêndio de terríveis proporções.  Na época, uma sobrecarga no sistema elétrico no segundo pavimento fez com que o fogo rapidamente se alastrasse consumindo o prédio por completo.

No total houveram 16 mortes e 330 feridos. Entre os mortos executivos e funcionários das multinacionais Henkel e Siemens.

A tragédia do Andraus foi , na época, uma das primeiras tragédias transmitidas ao vivo pela televisão brasileira e as cenas horríveis de pessoas se jogando das janelas do edifício chocaram o mundo.

Até hoje as imagens que mais costumamos ver são aquelas geradas pelas emissoras de TV brasileiras que cobriram a tragédia, e poucos são os relatos de outras imagens. Entretanto, recentemente tive contato com uma pessoa que me forneceu um filme em 16mm de um incêndio em São Paulo. Tratava-se do incêndio do Edifício Andraus. Este curta metragem catástrofe foi realizado na ocasião do incêndio por uma empresa chamada “Produções Cinematográficas Souza Lima”. Com duração de aproximadamente 7 minutos e totalmente mudo, o curta impressiona pelas terríveis imagens do incêndio por um ângulo totalmente diferente aquele das emissoras de TV.

Coloquei o vídeo no Youtube e compartilho-o com vocês a partir de agora, para que assim tenhamos uma nova visão deste que foi um dos mais trágicos incêndios da história e que infelizmente seria superado em 1974 pelo então jovem Edifício Joelma.

Obs 1: Jamais encontrei qualquer informação sobre a produtora deste curta se alguém souber de algum dado a respeito peço que me contate.

109 Comentarios

  1. Mario Amaya says:

    Não é que o filme fosse mudo, e sim que essa cópia não traz trilha sonora.

    • Gilson Cláudio dos Santos says:

      Mário, bom dia!

      Você poderia me enviar este e outros vídeoas sobre Incêndio para que eu possa estar apresentando em um treinamento de Brigada de Incêndio ?

      Desde já lhe agradeço.

      Gilson

  2. laercio - guia da caminhada noturna says:

    Douglas,
    estava passando pelo centro da cidade.e vi a hora em que o helicoptero tentava fazer o resgate.
    Foram várias tentativas,quando conseguiu,o povo apludiu como num filme, estava na Rua Barão de Itapetininga com República.

    Soube depois que o piloto era civil, prestando serviço para o Palácio do Governo.
    Recebeu homenagens até no exterior, mas aqui no Brasil, por ser civil foi ofuscado, nem passagem para receber premio no EEUU conseguiu.

    Soube por intermédio de um participante da caminhada,
    seria legal tentar resgatar esse assunto, quem era o piloto, o que faz hoje. se ainda está vivo,
    Foi um herói, ninguém tinha feito isso antes, nem havia nada a respeito.
    Foi emocionante, inesquecível.
    Haviam muito poucos helicopteros,
    parece que só uns 2. o outro era da Pirelli, que tinha heliponto na rua Barão de Piracicaba.
    para lá eram levadas as pessoas, e depois, se necessário, com ambulâncias para os hospitais.
    Os helicopteros(2) faziam uma ponte aérea.

    Qualquer coisa me ligue

    ou mande e-mail

    tel 2292 9509
    cel 9837 4063

    OBS meus pesâmes pela Portuguêsa.

    Apareça na Caminhada

    • pela legislação brasileira os pilotos são considerados oficiais da reserva da força aérea brasileira… se o piloto acabou “ofuscado” provavelmente foi por algum outro motivo relacionado à falta de interesse da população brasileira em preservar a memória………

    • genaro says:

      caro amigo, por acaso entrei neste site so por curiosidade. e posso t dizer quem era o piloto do helicoptero q tanto pilotou o helicoptero no caso Andraus e no Joelma. seu nome era GERALDO MAJELA WERMELINGER. bem, este Wermwlinger nao sei se é escrito assim. ele era amigo do meu pai, q tb era piloto, só q de aviao. eu acredito q o comandante Wermwlinger ja tenha falecido, pq ele era da mesma epoca do meu pai e teria a mesma idade do meu pai hj, se ambos estivessem vivos. 98 anos d idade.
      abraços

      • Carlos Donto says:

        Naquele dia o Comandante Wermelinger, estava de folga, e foi seu companheiro o Comandante Souza o grande responsavel por tal feito. Ambos eram da então Vasp Executiva,que pilotavam os helicopteros do Governador de São Paulo.

        • Nilton Divino D'Addio says:

          Olendino Francisco de Souza, esse o nome completo do super competente Comandante Souza, infelizmente já falecido.

    • jackson lopes says:

      gostaria de saber o endereço do edificio hoje,o numero,e se è o mesmo nome ainda do edificio Andraus.agradeço des de jà.

      • Continua o mesmo, tanto o endereço como o nome do edifício. Hoje lá funcionam repartições da prefeitura de São Paulo e no térreo opera uma agência dos Correios.

        • Luciano de Assis says:

          Olá Douglas, apesar de muito triste esse epsódio entrou para a história geral do Brasil, tal como o incidente no Joelma, deixei diversos comentários sobre uma obra em que trabalho atualmente, referente a estas e outras tragédias no vale do Anhangabaú, caso queira, tenho o filme Joelma, 23° andar, entre em contato se desejar trocar informações sobre tão terrível tragédias.

    • Antonio Augusto says:

      Tenho um amigo que trabalhamos juntos e na época o incendio ele pilotava o Helicóptero da Cesp e sobrevoou o prédio incendiado, não sei se foi ele quem fez o pouso, como ele esta vivo vou entrar em contato e perguntar, o nome dele ë Masaki Ueeki, irmão de um ex ministro das Minas e Energias Shigiaki Ueki.

  3. Camargo e Silva says:

    Prezado Douglas

    Acabo de rever essas dolorosas cenas que tanto me impressionaram na infância.

    Eram aproximadamente 15h15, eu estava em em casa, de férias, assistindo meu adorado seriado “Perdidos no Espaço”.Minha avó estava na cozinha, tomando lanche com minha mãe.

    De repente, a TV anuncia: “- interrompemos essa programação para mostrar cenas do maior incêndio já ocorrido em São Paulo (…)”

    Corro, e chamo minha mãe e avó, para verem a notícia inédita!.

    Mal sabia que esse prédio que ardia era o local de trabalho de meu tio, e de imediato minha mãe e avó entram em desespero, começam a chorar, enquanto o locutor anunciava, ao vivo, que um jovem de 25 anos acabava de se atirar de um dos andares….

    Cenas que revivo como se continuassem a acontecer, no cômodo ao lado deste de onde lhe escrevo,

    Cerca de 20 anos depois, meu pai iria trabalhar no mesmo andar onde meu tio trabalhara antes, no quinto andar, logo acima dos andares privativos da Pirani.

    Bem, se você não se importar, gostaria sim de receber o arquivo do video.

    Muito obrigado.

    Ayrton

    • Nilton DAddio says:

      Prezado Ayrton

      Pertenço ao Corpo de Bombeiros e estamos empenhados em realizar um encontro entre sobreviventes e pessoas que de uma forma ou outra, participaram daquela ocorrência, como é o seu caso.
      Se puder, por favor entre em contato comigo.

      Nilton D’Addio
      memoriabombeiros@policiamilitar.sp.gov.br
      nildaddio@gmail.com

      • Luciana Reis says:

        Nilton, bom dia!!
        Apesar de ja fazer muito tempo que vc postou as palavras acima, gostaria de saber se vc ja realizou o encontro. Sou neta de um dos bombeiros que trabalhou no resgate das vitimas, não temos nenhuma foto e nem contato com os companheiros do meu avô.
        Meu avô ja é falecido, mas o desejo da familia é de ter alguma informação, foto…desta época.

        obrigada..aguardo um possivel contato…Luciana Reis

        • Nilton D'Addio says:

          Olá Luciana
          Aquele encontro a que me referi acabou não saindo, mas entre os bombeiros,temos inúmeras oportunidades de nos encontrar e estamos sempre rememorando os bons e graves momentos que vivemos juntos.
          O ano passado fizemos um grande encontro de veteranos e seus familiares na nova escola dos bombeiros em Franco da Rocha e foram mais de 800 pessoas participando.
          Este ano o encontro não se repetiu mas é possível que se repita no ano que vem.
          Outra oportunidade de nos encontrarmos é no sábado mais próximo do 10 de março. Todo ano, no quartel do Cambuci, sede do antigo e tradicional “Salvamento”, é feito um grande encontro da família de bombeiros, onde sempre acontece uma disputa entre veteranos e atuais e é claro que sempre são os veteranos que vencem (hahaha).

          Neste ano de 2014, pretendíamos organizar um encontro entre bombeiros e sobreviventes do Joelma, para recordarmos dos 40 anos desse trágico incêndio, mas tudo que conseguimos foi realizar uma missa em memória dos falecidos e um encontro entre bombeiros que participaram daquela ocorrência e o corpo de alunos da Escola Superior de Bombeiros.

          Se você puder, mande-me mais informações sobre seu pai, tais como unidades onde trabalhou, nome completo, RE, posto ou graduação, etc. Assim poderei fazer uma pesquisa sobre ele e se você e seus familiares quiserem, poderemos marcar um encontro no Nucleo de Preservação da Memória do CB, lá na Pç Clovis.

          Coloco-me à disposição.
          Nilton Divino DAddio

          • Luciana Reis says:

            Nilton..boa tarde!!
            Obrigada por responder…
            Meu avô ( Severino Raimundo da Silva). Participou do salvamento.
            Gostaria muito de participar do encontro, gostaria muito que tivesse algo sobre meu avô, pois minha avó ficou muito emocionada. Por favor entre em contato pelo meu email.
            aguardo ansiosamente por maiores informações.
            Agradeço atenciosamente sua estimada atenção..forte abraço.

          • Luciana Reis says:

            Meu avô era combatente do quartel do cambuci.

    • Rosana says:

      Lendo o seu depoimento parece a mesma história que a minha. Lembro-me que estava em casa com minha mãe quando soubemos do incêndio. Logo descobri que lá era o local que meu tio tabalhava. Na casa de minha avó e tia a televisão fora desligada para ela pelo menos não saber. Meu tio foi uma das últimas pessoas a ser retirada. Fora levado para o Campo de Marte, que por coincidência era aonde meu pai, seu irmão. trabalhava. Infelizmente meu tio acabou falacendo uns cinco anos depois. Teve um mal súbito na piscina de um hotel.

  4. wagner patrick says:

    Olhaa douglas estou pra fazer um trabalho daqui a dois dias..é q vou falar sobre prevenção contra incêndios em edifícios e gostaria de pedir sua compreensão para me mandar o video do andraus q vc tem..
    agradeço desde já.

  5. Fernanda says:

    Ola Douglas

    Estou fazendo um trabalho escolar e seria muito interessante esse video mostrar esse video para colegas e para os meus professores.

    Atenciosamente.

    Fernanda

  6. edvania says:

    ola Douglas tenho 22 anos até essa data não tinha conhecimento algum sobre essa tragédia até ver no Balanço Geral a matéria sobre o incêndio fiquei chocada com o depoimento do bombeiro que trabalhou no dia e uma sobrevivente, então vim na net fazer uma pesquisa sobre a tragédia e encontei seu site parabéns com isso mais pessoas novas como eu que não são da época da tragédia ficam sabendo dos fatos. bjs Ed

    • Uma coisa eu digo,esse incendio foi criminoso e o do Joelma tambem assino o q eu digo.

      • Nilton DAddio says:

        Criminoso sim. Tanto é assim que ao final dos processos, pessoas foram condenadas, mas em ambos os casos, por crime culposo.
        Você por acaso se refere a dolo?
        Por favor, explique-me e nem precisa assinar em baixo.

  7. SUELISOARES says:

    EU TINHA NA EPOCA SO 2 ANOS NAO LEMBRO DE NADA MAS SEI TUDO SOBRE ESTA TRAGEDIA…FICO IMAGINANDO O PANICO DAS PESSOAS…E SE FOSSE HOJE EM 2009 AS COISAS SERIAM DIFERENTES.

  8. Daniela says:

    Eu asisti uma reportagem hoje na Rede Record no Programa Balanço Geral e resolvi pesquisar sobre o incêndio.
    Foi mesmo uma tragédia,mesmo depois de tanto tempo ainda é muito triste.

  9. silmara cristina says:

    Oi douglas!
    td bem.
    meu nome é silmara,estou esrevendo um livro sobre o edificio andraus.
    gostaria de saber se vc tem mais informações sobre essa tragedia
    eu ia agradecer mto se vc ajuda-se a me passar informações
    meu orkut é sil_lokynha@hotmail.com
    msn é a mesma coisa
    obrigada.

  10. Euu assisti no balanço geral a reportagem do edificio Andraus
    e me interecei…
    e comecei a escrever um livro sobre ele…
    Pois achei legal…
    mas eu ao mesmo tempo acheii terrivel
    por que morreram muitas pessoas…
    mas eu vou seguir em frente…
    quem sabe eu não me torno uma autora famosa??
    tchau..

  11. viiu meu msn tá errado é lili_gata_100@hotmail.com
    me add quem quiser…
    bjO
    tchauu

  12. Euu assisti no balanço geral a reportagem do edificio Andraus
    e me interecei…
    e comecei a escrever um livro sobre ele…
    Pois achei legal…
    mas eu ao mesmo tempo acheii terrivel
    por que morreram muitas pessoas…
    mas eu vou seguir em frente…
    quem sabe eu não me torno uma autora famosa??
    tchau..

  13. miriam says:

    oi doglas
    gostei muito de ver o seu video.
    Felizmente eu sou uma sobrevivente dessa tragedia. Eu trabalhava no oitavo andar e sai de elicópetro.
    Já faz muito tempo que tento reencontrar algumas pessoas que trabalhavam lá comigo.
    Infelizmente eu não consegui ver o programa Balanço Geral, se alguem viu ou gravou, eu gostaria de poder ver, pois eles deram um numero de telefone para entrar em contato com as pessoas que estiveram lá.
    obrigado

    • Mirian,eu estava lá no momento do incendio,trabalhava no oitavo andar,Mundo Novo seguros de vida individual,
      sai pelo 13 andar, por uma janela, em escada do corpo de bombeiros,para um prédio menor na Rua Aurora.
      Nunca reencontri nenhum colega.

      • MIRIAM says:

        OI, ENIDE, FAZ TANTO TEMPO QUE PROCURO ALGUEM PARA COMPARTILHAR AS MESMAS LEMBRANÇAS, EU ETAVA LÁ E TRABALHAVAMOS JUNTAS, NA MESMA SEGURADORA NOVO MUNDO DO 8 ANDAR, EU SAI DE HELICOPTERO. NUNCA CONSEGUI ESQUECER AQUELES MOMENTOS.EU TRABALHAVA NA CONTABILIDADE E O MEU CHEFE ERA O SR TEXEIRA… VC LEMBRA?

        • Pedro Candido says:

          Miriam, li o seu relato, meu nome é Pedro Candido e trabalhavamos juntos na contabilidade com o Teixeira Paulo Bueno , Pinheiro , Neide , Rita e mais, a minha saida do incendio foi um pouco diferente da sua (foi por uma corda tiroleza alçada pelos nossos anjos salva vidas atravez do edificio Paladio que fica ao lado do ediicio Andraus. Neste periodo somente uma vez a serviço tive que entrar no predio, pois as lembranças não me atraia, mais a necessidade me vez voltar, e pude ver que embora o escopo externo não mudou muito internamente éra muito diferente da nossa epoca. que bom poder retomar esta lembrança, com alegria de poder saber que muito de nós estamos aqui, mais nunca esquecendo de nosso copero (Francisco) que não teve a mesma sorte e faleceu neste dia. Espero que você retor-ne a esta saite e possamos algum dia falar-mos. meu endereço “pedro.can1950@yahoo.com.br), afinal no proximo ano completara 40 anos de nossa triste esperiencia.

          • Nilton DAddio says:

            Ao Pedro Candido

            Veja por favor, o recado que postei para a Miriam.
            Ele vale para você também, bem como para todos aqueles que de alguma forma estiveram envolvidos no incêndio do Andraus.

      • ivan sergio m almeida says:

        oi enide, li seu relato e só para confirmar a tragedia gostaria que vc soubesse que fui um dos policiais que estava nessa escada ajudando. Sem pensar em aparecer viu, só lembrando pois gostaria de um dia encontrar a garota na epoca a qual eu ajudei

      • walter luiz sperandio says:

        Oi Enide,faz muito tempo que quero encontrar alguém,entrei neste site hoje,consegui encontrar o Ivan mas faz muito tempo e não tenho mais como acha-lo, mas gostaria muito de encontrar vc pessoalmente.
        Não sei se vc vai ver este comentário que também serve para a Miriam. Meu apelido da época (warteco, ou téco)
        e-mail sperandiovalter@gmail.com
        cel.(11)82250753

        • Ricardo says:

          Pois é Wal!!!
          Foi uma experiência horrível, mas fico feliz que tenha sido apenas um susto e vc está aqui hoje para contar essa história!!!
          Grande Abraço!!
          Ricardo

      • Ana Maria says:

        Oi, Enide, sou esposa do Cesar, que trabalhava na sua empresa de seguros, tb no oitavo andar, e que saiu de helicótero do predio. Se quiser fazer contato, responda pelo meu e-mail. Abraços,

        Ana Maria

    • Nilton DAddio says:

      Prezada Miriam
      Pertenço ao Corpo de Bombeiros e estamos empenhados em realizar um encontro de pessoas que tenham sobrevivido a essa tragédia.
      Se tiver interesse em participar, o que seria muito importante para nós, por favor entre em contato.
      Pretendemos realizar esse encontro e registrar os diferentes depoimentos, ainda no mês de janeiro de 2011.
      Cel D’Addio – Nucleo de Pesquisa da Memória do CB
      nildaddio@gmail.com

    • Nilton DAddio says:

      Olá Miriam
      Pertenço ao Corpo de Bombeiros e pretendemos realizar um encontro dos sobreviventes daquela tragédia.
      Sua presença será muito importante e se puder, por favor entre em contato comigo.

      Nilton D’Addio
      memoriabombeiros@policiamilitar.sp.gov.br
      nildaddio@gmail.com

    • Ana Maria says:

      Oi, Miriam, sou esposa de um outro sobrevivente, que tambem trabalhava no oitavo andar (na empresa Novo Mundo Companhia de Seguros Gerais).O nome dele é César. Se pudermos ajudar, entre em contato com a gente através do meu e-mail.
      Abraços,

      Ana Maria

  14. CELSO COSTA says:

    oi caro douglas,
    tudo bem, é vi sua materia sobre o andraus e me emocionou muito , pois fui vitima não do andraus mas sim do edificio joelma , se vc tiver algum video sobre o mesmo mande para mim ou contato de pessoas que trabalhavam no 10 ( decimo andar) obrigado , consegui sair pelo telhado com resgate de elicoptero

    • Osorio Gonçalves says:

      Sou um sobrevivente do Joelma e terminei de escrever um livro sobre a tragédia. Pretendo fazer um documentário e para isso pretendo entrevistar sobreviventes ou familiares de sobreviventes.
      Quem tiver informações favor me contatar.
      Gostaria de receber o email do Celso Costa.
      Meu email: osoriogon@gmail.com

      • Vinicius Reis says:

        Osorio, poderia relatar como se salvou nesse dia ?
        como foi antes, durantes e depois do incendia
        Obrigado pela atenção

    • Luciano de Assis says:

      Oi Celso, que feliz sorte a sua, foi justamente no telhado que morreu a jovem Volquimar, por asfixia pela fumaça no incêndio do Joelma, você a conheceu? poderia enviar-me o relato de como se salvou? sou escritor em meu terceiro livro, escrevendo sobre as tragédias do Vale do Anhangabaú, ocorridas desde o ano de 1937.
      Meu e-mail : alpharrabio-ns@hotmail.com

    • Raphael says:

      Prezado Celso, sou jornalista e estou organizando uma matéria sobre os incêndios do Joelma e Andraus para uma revista da editora Abril.

      Gostaria muito de conversar com você e ouvir o que você tem a dizer sobre os acontecimentos daquele dia e como você conseguiu sobreviver. Pelos relatos que ouvi, o resgate de helicóptero naquele dia foi de fato, heroico.

      Se tiver interesse, por favor me contate em raphael@soeiro.me

      Muito obrigado desde já.

  15. sergio ricardo ferreira lima says:

    eu morava na rua aurora esquina com barão de limeira e vi todo hoje tenho 45 anos e ainda não esqueço minha sisma ate hoje é que as autoridades não divulgaram o numero certo de vitimas isso poruqe eu e minha familia e todos do meu predio bem como do quarteirão ficamos 4 dis sem poder dormir em casa so podemos retirar roupas dos apartamentos e so meu pai e que foi alturizado acompanhado de um bombeiro e um pm quem morou la na epoca vai confirmar tudo que digo espero que isso não se repita nunca mais
    !

  16. Luiz Antonio Mattos says:

    Como eu consigo o filme do edificio Andraus, o joelma.

    Atenciosamnete,
    Luiz Antonio Mattos.

  17. Oi Douglas meu nome é Nallyson e tenho 21 anos de idade. É óbvio que não estive na trajédia do Andraus e do Joelma. Moro em Manaus-AM e conheço esta histórias há muito tempo e ao relembrar dessas histórias eu decidi me aprofundar mais sobre elas. Seu Blog está muito bacana e vc soube infatizar bem a história do Andraus.

    Abraços.

  18. Alexandre says:

    Só nao entendo uma coisa: fora esse video Mudo, nao consigo achar nenhum registro de imagens do incendio,nem reportanges,cobertura jornalistica na TV, nada.E Olha que na época a Globo ja era uma potencia, e ainda haviam emissoras de Grande Porte como a Tupi e a Record, fora a Bandeirantes e a Tv Cultura.

    • Nilton DAddio says:

      Alexandre

      Não é bem assim. As TVs ainda tinham enormes dificuldades em captar imagens externas e a Globo acabava de adquirir o Canal 5 em SP. antes, pertencia à Fundação Vitor Costa e era um Canal bem modesto. Esse filme, que rodou o mundo, foi feito por acaso, pois a Equipe Souza Lima funcionava nas imediações do prédio incendiado e as cenas foram gravadas em filme de 16mmm, preto e branco, usando uma única câmara e na base do improviso.
      A partir desse incêndio o Sebastião de Souza Lima iniciou uma forte amizade com muitos bombeiros, especialmente os da 2ª Cia, que funciona ainda hoje na rua Barão de Piracicaba.
      Foi assim, que ele foi imediatamente avisado quando do incêndio do Joelma e Grande Avenida, permitindo filmagens mais competentes e coloridas.
      A partir daí, Souza Lima começou a se especializar em filmes dedicados à segurança, importando, traduzindo e comercializando muitos filmes que marcaram uma época. Foi ele quem trouxe por exemplo, os primeiros filmes sobre técnicas de respiração de socorro.
      Nilton DAddio – Cel Veterano do CB

      • Wanderley says:

        Sr.Coronel Nilton DAddio , é com todo o respeito e admiração à sua pessoa, que eu lhe dirijo este comentário. Eu nasci em 1970 e nao me lembro desse incêndio e nem o do Joelma , porém sempre ouvi falar destas terríveis tragédias através do meu pai que teve a má sorte de acompanhar de perto as duas . Segundo o meu pai , no Andraus ,o incêndio iniciou-se logo nos primeiros andares onde funcionavam as lojas Pirâne , se eu nao me engano, em pleno horario de expediente e alastrou-se para os andares acima…Se no Joelma , o incêndio começou do 12 andar para cima , quem estava abaixo consegiu se salvar; e mesmo assim morreram 187 pessoas , como no Andraus morreram somente 16 pessoas ? Será que este número é verdadeiro realmente , eu acho difícil acreditar , será que a falta de imagéns , ao contrário do Joelma , nao facilitou a omissão do verdadeiro número de mortos no Andraus ? Essa é uma dúvida que o meu pai acabou falecendo com ela, e que acabou deixando para mim também… Desde já lhe agradeço a atenção , e mais uma vez com o maior respeito pelos verdadeiros herois , que são os senhores bombeiros.

        • Nilton DAddio says:

          Prezado Wanderley

          A sua dúvida, que era a dúvida de seu pai bem como a de muitas outras pessoas é perfeitsamente válida, mas relativamente facil de ser explicada, mas talvez dificil de ser compreendida.
          Realmente o incêndio do Andraus foi violentíssimo. Em pouco mais de 3 horas (começou por volta das 16.20h e praticamente terminou – o incêndio – por volta das 20h). O prédio tinha 31 andares e foi totalmente queimado. A loja Pirani era uma das maiores de SP, ocupava 4 andares do edifício e devia estar lotada de clientes. Os andares tipo eram ocupadas por grandes empresas mas também por pequenos escritórios, sendo muitos deles de seguradoras e corretoras de seguros, Consequentemente, além de funcionários, havia também, muitos clientes dessas empresas.
          A situação do Joelma era totalmente diferente. Tratava-se de um prédio novo, todo ele ocupado por uma única empresa e o incêndio ocorreu muito cedo (pouco depois das 9.ooh).O incêndio começou no 12º andar, que era o 2º andar de escritórios, pois os outros 10 eram ocupados por garagens. Isso nos permite deduzir que havia muito pouca gente no prédio (prédio novo – ainda bem organizado – ausência de visitantes, pois o atendimento ao público da financeira ficava no térreo – muito cedo; há muitos depoimentos de funcionários que alegam que quando chegaram, o prédio já estava se incendiando).
          Então, como explicar que um prédio lotado, tomado por um violentíssimo incêndio, tenha tido muito menos mortes que outro prédio, que queima apenas 12 andares (do 12º ao 24º) em muito mais tempo (teoricamente menos vioento) e envolvendo muito menos gente?

          A razão fundamental é que o Andraus estava submetido a intenso e constante vento que soprava da Pça da República para a Av. S. João. Esse vento é que fez com que o incêndio fosse violento, levando o fogo até os prédios localizados do outro lado da larga Av. S. João.
          Mas foi também esse forte vento que manteve a escadaria do prédio (toda ela dotada de enormes vitrôs) razoavelmente ventilada e protegida das áreas comuns dos diferentes andares. Nessas escadas, se acredita que mais de mil pessoas permaneceram por várias horas, aguardando as diferentes formas de resgate que foram empregadas.
          Foi também esse vento, que possibilitou o resgate por helicópteros, algo extremamente arriscado e inusitado para a época.
          No Joelma não havia vento. Observa-se isso perfeitamente, nos diversos filmes postados na Internet, onde se vê que os 2 blocos distintos, um voltado para a Av. 9 de Julho e o outro para a Pç das Bandeiras. Se o fogo foi lento, a fumaça foi intensa, de forma que a maioria das pessoas foram vítimas da fumaça e não do fogo propriamente. Essa falta de vento, associada à falta de uma laje de cobertura, foram os principais responsáveis pela impossibilidade de atuação de helicópteros no salvamento de pessoas.
          Há muitos detalhes que poderiam ser analizados, mas não dá pra fazer isso neste espaço.
          Mas e os corpos que a Ditadura escondeu? Pelo menos foi isso que já li por aqui.
          Bem, nos tempos atuais, costuma-se pintar essa tal de ditadura, de verdadeira comedora de criancinhas e eu não tenho nenhum tipo de procuração para defendê-la, apesar de achar isso tudo uma tremenda bobagem.
          Acontece que eu (eu mesmo) fui o encarregado de na 6ª feira dia 25, liderar um grupo de bombeiros com a finalidade de buscar corpos. Diziam que existiam aos montes, especialmente em um elevador que estaria lotado de corpos.
          Subimos os 31 andares do prédio, vasculhando o flanco direito do prédio e na descida, vasculhando o flanco esquerdo, onde se localizam alguns banheiros.
          Não me lembro exatamente em que andar foi, mas ao descermos, encontramos 2 corpos e mais 3 corpos e mais um corpo, perfazendo 6, todos no mesmo andar e do mesmo lado esquerdo. Mais nenhum corpo nós encontramos. Eu te digo portanto, sem nenhum medo de erro e sem enhuma motivação para defender a Ditadura, que em todo o trabalho de busca por corpos e eventuais sobreviventes(ninguem acreditava nessa hipótese), realizado ao longo de todo o dia seguinte ao incêndio, sòmente 6 corpos mortos por queimadura foram encontrados.
          Vendo toda a documentação posterior, relativa ao incêndio, fala-se em 7 mortos queimados ao que concluo que esse cospo deve ter sido retirado ainda no dia 24. Os demais mortos, mão morreram por queimadura, mas pela queda decorrente de tentativas desesperadas de fuga.

          Finalizando, queria lembrá-lo que não houve no Andraus, nenhum registro de desaparecido, que é o que acontece quando todos os indícios apontam para que uma pessoa estivesse naquele local (isso vale para todo tipo de acidente), mas o corpo não aparece. Nesses casos, a família é a principal interessada em noticiar o desaparecimento, pois é uma forma de cobrar dos orgaos de segurança, a localização do desaparecido. No Andraus não houve registro de desaparecidos, ou seja, ninguém reclamou ninguem, da mesma forma que não houve corpos não identificados.
          No Joelma, pelo menos de início, havia o registro de desaparecidos e de corpos não identificados.
          Conclusão: Pra Ditadura sumir com mortos no incêndio (PRA QUÊ?) e não haver registro de desaparecidos seria necessário que esses pobres coitados fossem ao mesmo tempo rejeitados pela família e procurados pela dita dura, que afinal, nem era tão dura assim, afinal…

          • Wanderley says:

            Sr Coronel, achei bastante esclarecedora a sua explicação , acredito que se meu pai estivesse aquí também ficaria satisfeito com a sua colocação. Meu pai contava que no dia que ocorreu o incêndio no Andraus, ele viu uma das cenas mais desesperadoras de sua vida ,quando uma pessoa tentava descer pelo cabo de para-raios do prédio , talvez acreditando que este fosse até o chao ,mas quando percebeu que seria impossível descer por alí, a pessoa nao aguentou e acabou soutando-se e despencando prédio abaixo.Dali mesmo ele foi emborara arrasado. Dois anos depois, como ele era motorista de taxi na época , ele ficou parado no transito na av. 9 de julho , e foi obrigado a assistir às cenas terríveis do Joelma , onde ele deixou o seu DKW no meio da avenida, e foi como voluntario doar sangue…Era com muita tristeza que ele contava estas historias, mais ele também sempre exaltava o trabalho heróico dos senhores bombeiros ,e se emocionava ao lembrar das cenas de salvamentos que os senhores fizeram , por isso, eu herdei todo este carinho e respeito por essa corporação maravilhosa da qual o senhor fez parte. Coronel; muito obrigado por suas explicações e fico muito feliz por ter tido esta possibilidade de me comunicar com o senhor , que Jesus o bençoe sempre !

  19. Carlos Soares says:

    Caro Alexandre eu adquiri este filme, documentado, junto com o filme do Joelma na http://www.cipanet.com.br/loja. É realmente impactante, no filme do Joelma mostra as vítimas caindo do alto do edifício.

  20. Fernanda Cortese says:

    Celso tudo bem meu nome é fernanda maria cortese e residente em sp capital e na época do incêndio eu tinha 12 anos de idade!eu gostaria que vc se pudesse me informar do paradeiro da família da jovem de 21 anos! a Volquimar que trabalhava no 23; andar do JOELMA! e atraves dela com sua morte e de mais 5 colegas de trabalho é que se deu origem ao filme joelma 23 andar e ao livro psicografado de chico xavier “Somos Seis” e se vc tiver reportagens e fotos da época me avise meu e-mail é fernandacortese@bol.com.br obrigada”!

  21. Fátima Moreiras says:

    Nessa época, meu irmão, já falecido, andava pela cidade de São Paulo com uma maquina fotográfica nas mãos, procurando imagens que pudessem fazer com que ele ingressasse no cinema nacional e por acaso, foi com as fotos desse incêndio que ele conseguiu o que queria. A partir daí iniciou-se sua carreira como diretor de fotografia do cinema nacional, das antigas.

  22. Fátima Moreiras says:

    Em tempo: Essas fotos encontram-se com a viúva dele, até hoje.

    • Raphael says:

      Prezada Fátima, sou jornalista e estou organizando uma matéria sobre os incêndios do Joelma e Andraus para uma revista da editora Abril. Você poderia entrar em contato comigo via e-mail? Nós estamos em busca de imagens inéditas do incêndio e creio que estas fotos feitas por seu irmão seriam muito interessantes para o público.

      Se tiver interesse, me contate em raphael@soeiro.me

      Muito obrigado.

  23. Anselmo says:

    Parece que algumas cenas desse filme foram usadas no longa Joelma 23° Andar, feito nso anos 70. Veja o link aqui e confira se as imagens sao as mesmas: http://www.youtube.com/watch?v=0QH3FCiSXsg&feature=related

  24. Me recordo até hoje daquela tarde cinzenta de 1972 com meus 8 anos de idade, para mim a ação heróica e sem recursos dos bombeiros parecia um filme de super-heróis.

  25. Vou lhes contar uma historinha:
    Eu tinha dez anos quando essa tragédia aconteceu. Meu tio tinha um restaurante famosésimo alí pertinho, na Praça Julio Mesquita, o Restaurante do Papai. Ali perto haviam outros restaurantes, era um ponto gastronômico interessante, e haviam também cinemas, lojas e tal. Era um outro tempo.
    Bem, mas veja só, meu pai resolveu visitar o cunhado justamente naquele dia, e lá fomos nós dois. Na Av. São João, mais ou menos na altura da Rua Ana Cintra, estava tudo interditado. Não passava ninguém. Imagine um sujeito com uma criança a tiracolo… Pensamos que fosse algo com o Restaurante do Papai, e então vimos os rolos de fumaça negra que cobriam os céus, e meu pai falou que não podia ser do restaurante, porque era muita fumaça. Devia ser um prédio e bem grande. Era aterrador. Meu pai, sujeito ladino, deu a volta no quarteirão, (comigo a tiracolo, claro), e então vimos o Andraus de frente. Era horrível. Mas o que me impressionou e ainda me lembro muito bem, foi o gesto de alguns funcionários dos restaurantes vizinhos: eles juntavam água e farinha de trigo num balde (ou coisa assim) e com vassouras escreviam no chão -NÃO PULE-bem grande, para que as pessoas parassem de se jogar do prédio em chamas. Era realmente assustador. Dava desespero, imagino que dava vontade de pular também, porque morrer por morrer, pelo menos que fosse rápido. Não que eu defenda isso, estou só te dando a dimensão do desespero. Mencionei esse fato (os escritos no asfalto), porque tenho certeza de que muita gente vai se lembrar.Aliás, é bom não se esquecer, porque só assim evitaremos tragédias como essa e a do Joelma, pouco tempo depois. Isso não pode se repetir… Um abraço carinhoso a todos, Jane_darcke@hotmail.com.

  26. Vinicius Reis says:

    Como disseram acima, escreveram na calçada para as pessoas não pularem, acredito que o numero de vitimas do Andraus, foi pior do que do joelma, pelo que parece, as autoridades, não divulgaram, o numero real de mortes para não chocar a população e demosntrar que so houve perdas materiais
    nessa epoca do regime militar acredito que eles deixaram em segredo essa informação.

  27. Karin Peixoto says:

    A história do Andraus e o Joelma sempre me fascinaram, e acho que a todos que ouvem, foram dois incendios como nunca vistos antes em SP. E para aquela época deve ter sido um xoque para todos.
    Seria interessante Douglas se você se aprofundasse mais no assunto desses incendios, tenho certeza de que muitos iriam se manifestar. Abçs.

  28. Cris Pires says:

    Olá Douglas,
    vendo as imagens e lendo os depoimentos, não há como não se comover…
    Sabe, foras as mais realistas a que assisti, de todas as outras.
    Tive um amigo, o Wanderley, resgatado por um dos helicópteros. Eu era muito pequena e só soube-o muito mais tarde quando, coincidentemente, fui morar num prédio, na Praça Júlio Mesquita, em frente ao Andraus…
    De minha pequena sacada, tão próxima, ficava olhando e imaginando todo o inferno daquele dia.
    O prédio foi reformado, apagando todas as evidências do ocorrido.
    O porteiro do prédio contava histórias de rangidos estranhos que, para os supersticiosos, eram os sons do que pereceram na tragédia.
    A você, parabenizo pela iniciativa de postar essas imagens que contam a história de São Paulo.
    Abraços

  29. Eu tambem sou sobrevivente do Andraus, trabalhava no 10 andar, na Companhia de Seguros Varejistas, eu e meus amigos ficamos presos no prédio durante 4 horas até podermos sair por uma escada dos bombeiros que atravessava um vão horrivel e dava para um predio da rua Aurora, passava uma pessoa de cada vez juntamente com um bombeiro, desciamos depois por uma chapa encostada na parede no topo do prédio e eramos atendidas por outros bombeiros, dando leite e acompanhamento pelas escadarias do predio, depois levados para hospitais, eu fui para Hospital das Clinicas, fiquei durante dois dias sem poder abrir os olhos direito, ardia muito. Mas na terça feira seguinte ao incendio já estava de volta ao trabalho em outro local que a Companhia tinha e assim graças a Deus nao aconteceu nada com nenhum de nossos funcionarios.

    • Nilton DAddio says:

      Luiza

      Pertenço ao Corpo de Bombeiros e estamos tentando reunir alguns sobreviventes do incêndio do Andraus e a sua participação seria muito importante.
      Por favor, entre em contato comigo.
      Nilton D’Addio
      memoriabombeiros@policiamilitar.sp.gov.br
      nildaddio@ gmail.com

      • Arnaldo Negreiros says:

        Prezado Coronel: participei desta operação como piloto de helicoptero. Caso eu possa ajudar a resgatar a memoria estou as ordens. Cordial abraço

        • Raphael says:

          Prezado Arnaldo, sou jornalista e estou organizando uma matéria sobre os incêndios do Joelma e Andraus para uma revista da editora Abril. Inclusive, uma de minhas fontes é justamente o Coronel D’Addio, que muito já me ajudou.

          Gostaria muito de conversar com você e ouvir o que você tem a dizer sobre os acontecimentos daquele dia.

          Se tiver interesse, por favor me contate em raphael@soeiro.me

          Muito obrigado desde já.

      • Márcio says:

        Bom dia Prezado Coronel…
        Cresci ouvindo falar desta tragédia, meu pai é um sobrevivente do incêndio do Andraus, trabalhava na Siemens, hoje em dia com os recursos da internet pude ter melhor contato com os relatos à respeito do assunto pois sempre me chamou muita atenção, detalhes que ouvia de meu pai são narrados nos textos de publicações na internet,hoje trabalho centro-SP e dificilmente ao fazer o trajeto da Biblioteca Mario de Andrade (presto serviço la), rua Aurora e imediações da Santa Ifigênia (shopping de informatica, curto muito), não paro a olhar este imponente edifício imaginando que antes que eu existisse nesta terra meu meu pai estava naquele terraço,perigando a morrer, é estranho paro por alguns momentos olhando o Andraus… meu pai hoje com 67 anos, mora na região de Cotia, pode me contatar se for necessário, para possível ajuda dele no assunto… Grande abraço…

      • ACHEI MUITO BOM SEU COMÉNTARIO SOU ESTUDANTE DE SEGURANÇA DO TRABALHO MUITO LEGAL.OKKKK

    • Raphael says:

      Prezada Luiza, sou jornalista e estou organizando uma matéria sobre os incêndios do Joelma e Andraus para uma revista da editora Abril. Inclusive, uma de minhas fontes é justamente o Coronel D’Addio, que muito já me ajudou.

      Seria muito interessante ouvir o que você tem a contar sobre os acontecimentos daquele dia e como conseguiu sobreviver.

      Se tiver interesse, por favor me contate em raphael@soeiro.me

      Muito obrigado desde já.

  30. Ney Santos says:

    Que realidade inesquecível !!! eu tinha 9 anos na época. Morava na Freg. do Ó, era um dia nublado, muito feio parecia que já era propício a tragédia. No meu bairro atravessavem diversos helicópteros. E só ouviam os comentários que iria faltar leite naquele dia. Me parece que todos os comerciantes, teriam que doar uma porcentagem de sacos de leite. Do meu quintal e próx. a TV. Parecia que o mundo estava acabando. Que tempo feio naquele dia (fev. 1972). E neste tempo de 2011, meu convênio mudou p/ o Andraus p/ o 16º andar. UBB. Tenho pavor daquele prédio. Esperamos que os prédios estejam bem equipados e supervisionados p/ que não ocorra mais isto. Mesmo assim eu não confio. Parabéns as postagem aki sobre o assunto.
    Ney Santos – 06/2011

  31. Yuri Anderson says:

    Cara (com todo respeito), meu nome é Yuri e tenho só 16 anos, fiquei impressionado com tudo isso que aconteceu. Eu nunca tinha ouvido falar sobre essa(s) tragédias (Andraus e Joelma), até que meu professor pediu para fazermos uma pesquisa e uma apresentação, então começei a olhar sites e bastantes informações me deixaram muito chocado. Devo o devido respeito a todos que presenciaram o acontecimento e peço que enviem-me informações a respeito disto, tanto sobre o edifício Joelma quanto o Andraus. Meu email é yuriavs@hotmail.com, ficaria agradecido e peço que se possível envie-me também alguns vídeos inclusive o curta metragem. Muito obrigado. E elogio-os por serem vencedores e poderem repassar essas incríveis histórias assim como eu repassarei. Obrigado.

  32. Pingback: Hotel Pão de Açúcar — São Paulo Antiga

  33. Adriana Gonçalves says:

    Olá!! Sou uma pessoa que ama histórias antigas…e os casos dos incêndios do Andraus e Joelma me fascinam, não pela tragédia em si, mas pelo fato das pessoas se comoverem num momento como esse…eu tinha apenas 1 ano e meio, mas durante minha infância, vi inúmeras vezes na TV as imagens dessas tragédias….sobre os barulhos, os fantasmas, acredito sim que possam estar ali alguns espíritos ainda perdidos e presos à matéria…mas uma coisa que ninguém nunca se lembra nessa hora é de orar por essas almas tão sofridas, pedindo auxilio aos nossos irmãos de luz que ajudem nossos irmãozinhos que foram tão tragicamente para outra vida…pois a vida continua…não se acaba simplesmente com a morte! Um grande abraço á todos e bom trabalho Douglas!!

  34. anderson says:

    É realmente foi um fato que chocou muitas pessoas. Desejo que nunca mais aconteça mais iso e com ninguém! Imagina como é a situação de várias pessoas num prédio pegando fogo, realmente é uma agonia!

  35. Eu saí da Companhia de Seguros Novo Mundo localizada no Andraus porque fui chamada pelo Banco Itaú. Trabalhava no 9• andar do Andraus na Novo Mundo. UM DIA ANTES DO INCÊNDIO estive lá pegando meus documentos. NAO ERA MINHA HORA!!!! Rosangela Bimonti 61 81228159

  36. Edson Luiz says:

    Em 1972 eu tinha 14 anos e era um Guarda Mirim, passei em frente ao predio e entreguei um exemplar do jornal que eu fazia a distribuição para o porteiro, mas quando deixei o edificio e já me encontrava próximo a Avenida Ipiranga, percebi que muitas pessoas corriam em direção contraria a minha, qual foi a minha surpresa, quando olhei para trás e vi aquele fogo consumindo o prédio que eu havia passado em frente e até adentrado no mesmo.
    Este episódio marcou muito a minha adolescencia.

  37. Julia Carrilo says:

    Boa Tarde, meu nome é Julia, estou fazendo um TCC para um curso de Artes Cenicas, onde farei um monologo de apresentação sobre o Prédio Joelma e Andraus, e para isso preciso fazer o TCC escrito com uma boa bagagem de informações? Onde gostaria de encontrar alguns documentos, familiares de sobrevivente, ou familiares de quem nao conseguiu!! Se puderem me ajudar, ficarei grata.
    Segue meu email: juliacarrilo1234@hotmail.com
    Grata

  38. Renato Guimaraes says:

    Acho que alguém comentou aí em cima, mas as Produções Cinematográficas Souza Lima””, responsável pela filmagem sem som do Andraus, é a mesma que realizou o já clássico Joelma 23o. andar.

  39. vou comentar baseado no fato de uma amiga de minha esposa(na época jovens) ter morrido no Joelma. Não se localizou o corpo somente um anel reconhecido pela família. então, acho que ,infelizmente,muitas pessoas “sumiram” ,daí dizerem essa quantidade de mortos. outra coisa que se dizia na época era que a Shell ficava no prédio e por terem treinamento contra incendio ninguem da empresa faleceu. Portanto, o treinamento é importante

  40. Pianista says:

    Muito sinistra a estória de duas tragédias tão parecidas, em tão pouco tempo e tão proximamente localizadas. Ninguém nunca, ao menos, deu uma chance à imaginação? Sou paranóico? E não estou me refrindo a nada sobrenatural não!!
    Parabéns pela postagem!

  41. vaurides pereira says:

    eu era ofice boi e assistente de iluminação da souza lima produçoes ,eu passava por dentro da pirani que era no terreo do andraus n, eu vi o inicio do incendio, corri entrei pela rua aurora e na conselheiro nebias 224 ,era a pequena produtora que eu trabalhava ,chamei sr souza lima meu patrao e souza ,souza ,tá pegando fogo , no andraus o fogo ta na loja, ai todos correram, souza, sampaio, andre d’ugo ,todos cinegrafistas ,foi ai que começou o filme este video, só sai dali ao amanhecer do outro dia , correndo para o studio e voltando, buncando filme 16mm,ainda me lembro era nas latinhas , e já levava direto para o laboratorio que era lá mesmo, trabalhei com sr souza por 8 anos era meu amigo ,meu 2} pai, depois, nunca mais o vi, o ultimo endereço do estudio foi na rua rosa e silva , prox a pça deodoro e por incrivel que pareça eu tambem avisei sr souza que o joelma estava em chamas..

  42. Minha mãe e meu pai me contam que presenciaram os dois grandes incêndios, pois trabalhavam na “cidade”, mas eu nunca havia relacionado as estórias com os locais, já que não era comum passar por lá.

    Alguns anos atrás, talvez 2010, precisei ir a um cartório por lá.
    Era logo nos primeiros andares, então subi de escada, mas me senti muito estranho, pesado.

    Fiz o que tinha que fazer lá e na descida foi a mesma coisa, um sentimento ruim. Tocar o corrimão parecia ser algo muito difícil, uma energia avassaladora e negativa.

    Deixei o prédio e foi só aí que olhei o nome dele, Andraus.

  43. Andrea Salem says:

    Morei em frente deste prédio durante alguns anos no Metro II em algumas noites me surpreendia com luzes se acendendo e se apagando de andares inteiros barulho de maquinas de escrever entre outras coisas sei que este não um Sate fantasmagórico mas como existem relatos espiritas estou dando minha contribuição !

  44. Rodrigo Maciel says:

    No YouTube existe um filme dessa mesma empresa (Equipe Souza Lima) sobre o incêndio do Joelma.

  45. Valter arauto says:

    Um grande incêndio foi previsto nos Oráculos do Arauto vindo a ocorrer na madrugada de domingo.

    Comparei tal incêndio ao ocorrido com o edifício Joelma e Andraus onde morreram mais de 200 pessoas.

    Veja a previsão e as noticias sobre o incêndio na boate.

    Compartilhem os oráculos do Arauto.

    Valter Arauto

  46. leonardo pavani uchoa says:

    vim, procurar informaçoes sobres esses terriveis acidentes,por que muito me intrecionou foi o numero de mortos no incendio que ocorreu hoje no sul do país, 283 pessoas perderam a vida por varias causas,irresponsabilidade dos donos da casa de shows, irresponsabilidade de quem ascendeu ou iniciou aquele maldito show pirotécnico, funcionários muito mal preparados, e muita falta de comunicaçoes entre eles. gente, me desculpem nao consigo escrever mais nada. tudo de ruim que acontece neste país tem sempre o mesmo motido (se gastar pouco e lucrar muito)… e foda-se o resto.

  47. Na época eu tinha 20 anos, mas me lembro muito bem porque naquele dia eu tinha uma entrevista de emprego marcada para as 16h, naquele edifício

  48. andre dugo says:

    esse SOUZA LIMA pra mim sempre foi suspeito desses incendio , engraçado todos grandes incendios em sao paulo na epoca ele estava sempre na esquina pra filmar , esse macumbeiro , era muito perigoso , procurem saber , e se ele estiver vivo coloque esse cara na cadeia.

    • julio max says:

      è realmente é muito estranho , esse tal de souza lima , fiquei sabendo que ele tambem filmou um incendio num circo onde morreram varias crianças , parece ter sido no interior de são paulo, ELE ESTAVA LÁ, esse cara pode ter sido um incendiário .bom averiguar temos muitos mortos ,nesse mundo tem bandido pra tudo

  49. Olá, Como faço para contatar sobreviventes do incêndio do Andraus para uma entrevista por telefone a uma peça teatral em São Paulo? Caso possam me contatar o email é rogerio@roxxi.com.br Grato.

    • sönya spúlveda says:

      Gente que coisa extranha, estava interessada em fotos da antiga Sao Paulo e acabo entrando aqui… horas lendo todos os comentários, sempre é bom conhecer o parecer das pessoas e, na minha casa nao tinha TV nem rádio, assim que nao sabíamos dos fatos, além do que era cidade do interior, mas nao sei se no dia seguinte ou no mesmo dia dos fatos, tampouco sei de qual incendio, havia um tipo escondido no fundo do nosso quintal, que era quase uma chácara, havia recebido um tiro no pé e contou que estava “ajudando”, na verdade roubando, soube depois, às pessoas que observavam e sabe se lá se até a vitimas… Agora, tantos anos depois, recordando e quiçás até me informando melhor, penso, com dor no coraçao, como é possível que hajam seres considerados humanos, capazes de tais atitudes… Pior, nem com tanta estampa religiosa, hao mudado, muitos nao roubam descaradamente, mas estao falando de deus e observando oportunidades para sacar proveito… Isso tudo me fez descrente. Agradeço pelo trabalho. Desde algum lugar de Sudamérica.

  50. Ednaldo Serafim says:

    Olá, na época eu tinha 15 anos, trabalhava de office boy em um banco…vi a tragédia de perto. Trabalhei no prédio depois que foi reformado e ainda hoje frequento o prédio quando vou ao dentista. Toda vez que entrou no prédio lembro da tragédia.

  51. Paulo Calux says:

    Eu morava em frente ao Andraus, na Galeria Ocian,que ficava na Praça Julio Mesquita, estava em casa deitado, assistindo “Perdidos no Espaço”, quando ouvi um barulho que parecia uma forte chuva de pedras, e não era, eram as explosões dos botijões de gás que estavam na Pirane, e os estilhaços de vidro das janelas, caiam na marquize do meu prédio. Ví várias pessoas se atirando, e quando fui perto da porta lateral na rua Aurora, fiquei sabendo pelos próprios policiais, que haviam dezenas de mortos dentro dos elevadores, pois as pessoa na hora do pânico tentaram descer dos andares mais altos, utilizando os elevadores, mediante isso, conclue-se que o número de mortos foi bem maior do que o divulgado pela imprenssa na época do ocorrido. Tivémos que ficar quatro dias sem entrar no prédio, pois as autoridades achavam que o prédio pudesse ruir. Tragédia inesquecivel.

  52. Talita says:

    Oi… Meu nome é Talita. Meu pai é um dos bombeiros que participaram do resgate no ed. Joelma e Andraus. De acordo com o relato do meu pai, a equipe dele foi a primeira a chegar no local. Hoje meu pai está com 77 anos. A pedido dele iniciei na internet uma busca por arquivos antigos tentando encontrar fotos dele. Ele diz que na época uma revista publicou fotos em que ele aparecia. Me emociono muito com esta história, apesar de hoje ter apenas 29 anos e não ter presenciado essa tragédia. Não tem como não se emocionar, principalmente ouvindo os relatos de meu pai. Por isto estou em busca destes arquivos, por meu pai, por ser importante pra ele. Se alguém puder me ajudar, peço que encaminhe no meu e-mail (talita.msantos@yahoo.com.br) qualquer coisa daquela época.

    Agradeço desde já.

  53. Andreas Kiekebusch says:

    Bem, o meu pai morreu no incêndio do Andraus deixando marcas até os dias de hoje. Na época eu tinha dois anos de idade, porém, as marcas carrego até hoje e certamente continuarão a fazer parte da minha alma até o dia da minha morte… Foi o primeiro incêndio de grandes proporções em edifícios em São Paulo, infelizmente não foi o último…

  54. JEFTE HUGO PEREIRA VIANA says:

    Caros amigos, eu estava lá na hora exata do incêndio,acho que foi por volta de umas 16,50h, e trabalhava ali perto e uma coisa me intrigava durante aquele incêndio, foi que um helicóptero FICAVA INDO E VOLTANDO, e não descia naquele terraço cheio de pessoas que subiram desesperadas para lá em busca de salvamento.. Vi também que o incêndio ainda estava longe,talvez no sexto andar e eles não desciam para salvar as pessoas, e vi que um homem desceu por uma corda e depois de uns 15 minutos o primeiro helicóptero desceu e iniciou a retirada das pessoas, seguido por inúmeros outros e foi por esta ação que só morreram 16 pessoas. No dia seguinte, lendo um jornal local, foi que tomei conhecimento do que aconteceu naqueles 15 minutos que antecedeu a retirada dos sobreviventes. Segundo o Jornal, que não me lembro mais, havia um Capitão da Gloriosa Policia Militar, Bombeiro, e ao se aproximar da multidão aflita, todos partiram para cima do helicóptero e mesmo com a voz daquele comandante, por megafone, não houve acordo e foi necessário descer por uma corda e comandar maneabilidade com aquele povo, com voz de comando, “Agachar, saltar, virar para a direita, virar para esquerda, para traz, dizendo ele que se não obedecessem, minguem se salvaria. Imaginem que atitude teve aquele homem, se colocando na mesma situação dos aflitos, para tentar salva-los. Até home ninguém sitou uma linha mais a respeito deste homem e deste fato. Todos que estavam ali foram salvos, e la pelas 21 horas, o prédio foi todo tomado pelo fogo. Sempre tive curiosidade de conhece-lo, para apertar sua mão e dizer que a 2000 anos atrás, um homem também ousou morrer por multidões, Deus não vai esquecer do gesto deste herói esquecido. Deus seja louvado pela vida dele.

  55. Quatro dias antes eu estava la no decimo quinto andar e vi tudo aquilo acontecendo do jeito que aconteceu ,
    E ainda dói até hoje .

  56. Na época do incêndio do Joelma eu ainda não havia nascido, pois sou de 1976, mas minha mãe e minha avó que viram esses incêndios pela TV contam que foi horrível e pelas imagens do vídeo realmente posso concordar com o colega ai em cima que disse que o incêndio do Joelma foi o “11 de Setembro paulistano”.

  57. SONIA
    GOSTARIA QUE ALGUÉM SE POSSÍVEL ME ENVIASSE QUALQUER MATERIAL SOBRE O INCÊNDIO DO ANDRAUS E JOELMA.ESTUDO SEGURANÇA DO TRABALHO PRA MIM ESSE MATERIAL SE TORNA MUITO IMPORTANTE DENTRO DAQUILO QUE ESTUDO,HOJE MESMO COM TANTA TECNOLOGIA COLABORADORES MAIS PREPARADOS CONTINUAM OS MESMO PROBLEMA FALTA DE INFORMAÇAÕ DONOS DE BOATES NÃO SE PREOCUPAM COM A SEGURANÇA DAS PESSOAS .ASSIM SE REPETE OS FATOS DE INCÊNDIO COM VÁRIAS VÍTIMAS DA BOATE KISS
    ENVIAR PARA soniaregina@scala.hotmail.com.br

    • Nilton D'Addio says:

      Mandei um texto por email para vc, mas retornou com a informação de erro no endereço eletrônico fornecido.

  58. Caroline says:

    Cadê o video??

Deixe uma resposta