Quando pensamos no avô dos arranha-céus, a imagem do Empire State Building provavelmente é a que virá à mente. Com 102 andares e 381 metros de altura, o prédio constantemente figura em blockbusters de Hollywood – desde King Kong até Independence Day, é difícil não pensar nele. Com construção terminada em 1931, ele foi apenas suplementado em altura pelo antigo complexo do World Trade Center, ao início dos anos 1970.

E quando falamos dos avôs dos arranha-céus especificamente aqui em São Paulo? Alguns podem associar a imagem do Empire State e pensar automaticamente no Edifício Altino Arantes – também conhecido como Edifício Banespa – com seus 181 metros e arquitetura um tanto quanto semelhante ao Empire State em “menor escala”.

O título de vovô, porém, é de direito a outro prédio icônico do centro histórico de São Paulo, que sofre com a sombra do Banespão – tanto figurativa como literalmente: o Martinelli.

Foto: Divulgação

Giuseppe Martinelli teve história semelhante a tantos outros imigrantes italianos no Brasil. Chegara no país com o objetivo de prosperar, tal qual outros contemporâneos, como Francesco Matarazzo o fizera.

giuseppemartinelli

Giuseppe Martinelli

Martinelli conseguiu fazer fortuna com a atividade portuária, de modo astuto, dinâmico e audacioso durante a Primeira Guerra Mundial. Após a aposta de navegar em águas beligerantes, o italiano havia traçado um novo propósito na vida: construir um edifício que arranhasse o céu duma cidade que praticamente não tinha prédios com mais de cinco andares.

O início da construção – a qual se arrastaria por alguns anos – se deu em 1924. Originalmente, o prédio teria apenas 12 andares, projetado pelo arquiteto húngaro William Fillinger.

Embora formalmente a altura não poderia impressionar, o acabamento proposto por Giuseppe para seu prédio homônimo seria de luxo nunca antes visto na cidade. A fachada foi desenhada pelos Irmãos Lacombe – também responsáveis pelo Túnel que faz com que a Av. 9 de Julho passe por baixo da Paulista. As portas eram de madeira de lei. As escadas tinham mármore italiano. O cimento veio da Noruega e da Suécia, sendo que neste ponto, a importadora marítima de Martinelli ajudou.

O problema começou quando, incentivado por amigos, o prédio foi saindo dos propostos 12 andares. Martinelli conseguiu fazer com que seu edifício chegasse aos 24, o dobro do previsto originalmente.

Numa cidade praticamente térrea e numa obra que não parecia acabar nunca, o debate inflamado e a desconfiança começaram a imperar. E se o prédio caísse? Afinal, ele estava localizado numa das áreas mais nobres de até então – e uma das mais densamente povoadas também, um terreno entre as ruas São bento, Libero Badaró e a Avenida São João.

Para piorar a situação de Martinelli, após a recusa inicial dos arquitetos em aumentar o espigão, esses foram demitidos e vieram à imprensa em 1928. A polêmica se deu quando aqueles deram declarações acerca das fundações do prédio – originalmente para 14 andares num momento no qual o prédio estava com dez a mais.

Martinelli viu sua Magnum opus embargada e teve que lutar na justiça para que o prédio seguisse em construção. Para provar que a construção era segura, ele mesmo se mudou para o edifício. O prédio atingiu 25 andares – algo completamente inédito para o hemisfério sul – e no topo, Martinelli construiu um palacete (foto abaixo) de cinco andares, onde moraria.

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

Para o imigrante, a propriedade do edifício foi breve. Martinelli foi “dono” do prédio que levava seu nome até 1934, quando, endividado por conta da longa duração da construção e por conta da Crise Econômica de 1929, teve de ceder o edifício para o governo italiano – para o qual pedira empréstimos para finalizar a obra. Após o Brasil entrar na Segunda Guerra Mundial – contra o eixo composto por Alemanha e Itália – o bem foi confiscado – tal qual todos os outros bens estatais pertencentes às potências do eixo – e o edifício passou a ser propriedade da União.

Na realidade, o agora “Edifício América” virou terra de ninguém. Menos de duas décadas depois, o edifício rapidamente passou a se deteriorar. Nos anos 60 foi palco de crimes notórios era praticamente uma favela vertical. Em 1975, o prefeito Olavo Setúbal desapropriou o edifício e começou o projeto de revitalizá-lo. A fachada foi limpa, os sistemas hidráulicos e elétricos foram modernizados e em 1979 o edifício foi reinaugurado como sede de diversas repartições do município, como a Emurb.

O legado do Martinelli

São Paulo seria conhecida como “selva de pedra” se não fosse o Martinelli? Provavelmente. Após a crise de 1929 outros setores da economia que não o café começaram a ser explorados na economia brasileira e naturalmente ocorreria a verticalização da capital do Estado. De toda forma, o Martinelli foi o pioneiro. Formalmente, foi o maior arranha-céu do Brasil de sua finalização (contando com a Casa do Comendador) até 1947.

Foto: Douglas Nascimento / São Paulo Antiga

Materialmente ele foi o primeiro a riscar o céu de São Paulo, provando que era possível que São Paulo tivesse uma arquitetura além daquela dos sobrados coloniais. O edifício foi um dos primeiros a funcionar como um epicentro cultural.

Se você quer ir a um cinema hoje, vai a um Shopping. Na primeira metade do século XX, ia ao “Cine Rosário” do Martinelli, onde o traje social completo era requerido. Se você queria jogos carteados, o Martinelli era o local, com um cassino frequentado apenas pela alta sociedade.

Hoje, a cidade como um todo é epicentro do campeonato brasileiro de poker, que conforme reportado pela Poker Stars, contou com quase 1400 participantes da alta sociedade ou não. Se você quer ir a um bar, há vários hoje na cidade. Mas o único grande point na década de 1930 era o bar do hotel São Bento.

Em resumo, o Martinelli foi um microcosmo do que a cidade de São Paulo se tornaria. Tanto por dentro, com suas atrações, quanto formalmente por seu tamanho antes que outros prédios fossem construídos. Daí seu legado. Por mais que tenha passado por um período obscuro, foi revitalizado e hoje está de pé como um marco – não apenas como Giuseppe imaginava, mas como um símbolo do que São Paulo seria hoje.

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

Deixe um comentário!

Comments

  • Marcelo 23/08/2016 at 16:09

    Fiquei sabendo que o palacete do alto do prédio abrigou por uns anos o Conservatório Dramático e Musical de São Paulo, informação esta que recebi de alguns colegas daquela instituição por volta de 1985.

    Reply
  • Luiz Henrique 24/08/2016 at 08:28

    O edifício Altino Arantes, o ainda chamado Banespão (ele jamais se livrará desse apelido e eu acho ótimo!), tem, na verdade, 161 metros de altura contando com a torre de vidro mais antena, que já faz tempo, ostenta a bandeira do Estado de São Paulo.Particularmente, eu preferia que ficasse somente a antena, sem a bandeira, passando assim um ar de verdadeiro “arranha-céu”. O prédio em si, calculo eu, deve ter uns 140 metros, que é aquela parte do observatório.
    Já o Martinelli, tem várias versões quanto à sua altura(105m, 126m, 130m…), quanto ao ano de início das obras(1922, 1924…) e também quanto à data de inauguração: 1929, 1934, etc.
    De qualquer forma, o primeiro edifício considerado “diferenciado” na cidade, foi o belíssimo Sampaio Moreira, aberto em 1924, com seus 12 andares e cerca de 50 metros de altura.Ele ainda está de pé(que ótimo!), na rua Líbero Badaró.No térreo, funciona a lendária Mercearia Godinho.

    Reply
  • Paulo Ribeiro 24/08/2016 at 09:36

    E as fundações são de estacas de madeira!

    Reply
  • NILTON DIVINO DADDIO 24/08/2016 at 10:53

    Li, mas não me lembro aonde, a respeito de uma disputa entre Martinelli e um conterrâneo seu que construía um edifício no Rio de Janeiro. Ambos queriam construir o edifício mais alto do Brasil e esta teria sido a razão dos sucessivos acréscimos de andares. Dessa disputa, Martinelli teria sido o vencedor. Será isso verdade? Qual terá sido esse edifício no RJ e qual a sua situação atual?

    Reply
    • Luiz Henrique 24/08/2016 at 19:38

      Boa noite!
      Nílton, acredito eu que a construção a qual você se refere é o edifício chamado “A NOITE”.Eu já li qualquer coisa à respeito: parece que ficou totalmente pronto em 1929, chegando aos 22 andares e cento e poucos metros de altura.Foi, portanto, por um breve momento, o edifício mais alto do Brasil, até ser ultrapassado pelo Martinelli.
      Pesquise algo sobre essa construção: Prédio A Noite, Rio de Janeiro.Abraço…

      Reply
  • Vinicius Bartholdi 24/08/2016 at 15:27

    Há uma série sobre grandes empreendedores brasileiros no History Channel, e um dos episódios é sobre o Martinelli, inclusive consta a história sobre a concorrência com o prédio carioca. O link é este: https://www.youtube.com/watch?v=ryzYE8yKOLQ

    Há também um documentário dirigido por Ugo Giorgetti em 1975 dias antes da desapropriação do Martinelli. Ali podemos ver histórias fantásticas das pessoas que ali moravam. Recomendo. O link é este:
    https://www.youtube.com/watch?v=QXiJCyoL6cE

    Reply
  • Daniel Pardo 07/09/2016 at 20:34

    Esse eu conheço bem… no fim dos anos 90 quando eu trabalhava no centro, toda noite eu passava em frente a esse prédio para ir tomar ônibus no Parque D. Pedro e ir para minha casa.

    Reply
%d blogueiros gostam disto: