O vandalismo na cidade de São Paulo ganhou mais uma referência. O relógio do antigo Mappin, onde hoje funciona uma unidade das Casas Bahia foi completamente pichado.

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

O ato ocorreu algumas semanas atrás e o relógio permanece desta maneira até o presente momento. A pichação acompanha diversas outras que estão espalhadas por toda a fachada do prédio, que pertence à irmandade da Santa Casa, e está alugada para a rede de varejo popular há alguns anos.

O relógio antes de ser pichado (clique na foto para ampliar)

O relógio antes de ser pichado (clique na foto para ampliar)

Um dos cartões postais da cidade de São Paulo o prédio ocupado hoje hoje pelas Casas Bahia é um dos mais mal cuidados da região central de São Paulo. A pichação e a sujeira de anos sem pintura chama mais a atenção do que qualquer produto na vitrine da loja. É importante salientar que nem mesmo o Mappin em sua fase final deixou o prédio em situação similar.

O prédio em 2013 (clique para ampliar)

O prédio em 2013 (clique para ampliar)

Falta de dinheiro não parece ser o motivo para tamanho descaso com um dos símbolos de São Paulo. Só em 2013 o lucro líquido da Via Varejo – empresa que administra a Casas Bahia e o Ponto Frio – foi de R$ 1,159 bilhão. Qual seria a razão para não fazer qualquer recuperação da fachada do edifício ?

O São Paulo Antiga entrou em contato com a assessoria da Via Varejo e enviou algumas perguntas. A empresa nos respondeu com o posicionamento abaixo:

“A Casas Bahia informa que a unidade da marca localizada na Praça Ramos, no centro de São Paulo, está passando por uma reforma interna e externa. Por ser tratar de um patrimônio histórico, a rede acionou a prefeitura para aprovação dos processos e, assim, dar início a revitalização da fachada. Sobre o relógio, a marca informa que uma empresa especializada já está avaliando a recuperação visual do mesmo. A Casas Bahia ressalta ainda que irá reforçar a segurança do local para preservar a fachada da loja.”

O site irá fiscalizar o trabalho de recuperação do relógio e da fachada. Somos solidários com a Casas Bahia que não é culpada pelo vandalismo, mas é preciso que a empresa não permita que a situação se perpetue. Uma pichação puxa a outra e foi isso o que aconteceu ali, lembrando a conhecida Teoria das Janelas Partidas.

PICHADORES DO RELÓGIO SÃO CONHECIDOS NAS REDES SOCIAIS:

"Print" do Instagram

“Print” do Instagram

Mesmo para quem não consegue decifrar a grafia da pichação, encontrar os autores não é algo difícil. Durante a apuração da matéria seguimos diversos perfis no Instagram e encontramos os dois autores do vandalismo do relógio. Para não dar fama a quem não merece, apagamos os usuários completos deles nesta imagem da rede social.

Os diversos “prints” de fotos e comentários do vandalismo estão sendo encaminhados formalmente a uma delegacia de polícia. Caberá as autoridades ir atrás ou não.

OPINIÃO: HADDAD E A PREFEITURA ESTIMULAM A “VANDALIZAÇÃO” DA CIDADE:

Foto: Marcelo D'Sants / FOLHAPRESS

Em São Paulo o mau exemplo parece vir de cima

No Brasil, e especialmente em São Paulo, criou-se a falsa impressão de que o grafite é gatilho da inclusão social. A prática que vem sendo regra nas últimas gestões, agravou-se na gestão do prefeito Fernando Haddad. Na falta de capacidade de levar cultura para as periferias, a prefeitura elegeu o grafite como uma das alternativas de inclusão.

É como se o jovem paulistano carente fosse incapaz de desenvolver gosto pela história, escultura, música erudita, por números ou paixão pelos livros. A solução para o ócio destes milhares de jovens que precisam de uma atividade parece ser uma só: grafite.

Evidentemente, grafite e pichação são coisas distintas e não sou contra o primeiro. Porém infelizmente caminham juntas, no que pode ser observado por toda a cidade. A avenida 23 de maio transformou-se em um mural de mau gosto, com poucos grafites que são compreensíveis pela população e que realmente merecem ser vistos.

Ao não estabelecer regras e muito menos critérios para o grafite e também não coibir a pichação, Haddad está permitindo que atos de vandalismo e exageros sejam uma praxe por toda a nossa cidade.

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP).

Deixe um comentário!

Comments

  • wdornellas 19/05/2015 at 15:37

    Na realidade acho que falta muito pouco para a Prefeitura enquadrar outros atos criminosos como manifestação cultural.

    Reply
    • danielpardo2015 24/05/2015 at 21:21

      Vide os “pancadões”… que já são um movimento CU…ltural homologado pelo Haddad, esse ai a única coisa que fez de bom foi extinguir a CONTROLIXO e SÓ.

      Reply
  • Fernando Teixeira da Silva 19/05/2015 at 16:02

    O prefeito Haddad não vai deixar saudades. Sua gestão deverá ser esquecida por nós paulistanos definitivamente pois ele permitiu a bandalheira das pichações e não soube administrar obras importantes para a cidade.

    Reply
    • Antonio Oliveira 20/05/2015 at 07:35

      Infelizmente vai um e vem outro… Lembra-se do Celso Pitta?

      Reply
    • Rodrigo 20/05/2015 at 13:19

      Kassab também não deixou saudades…assim como o Serra.
      Como disse o amigo ai em cima, sai um ruim, entra outro ainda pior. E isso independe de partido politico, pois são todos iguais. Não se iluda, os culpados somos nós mesmos que elegemos e não cobramos, pressionamos e nem exigimos nada deles.

      Reply
  • Igor Giroto 19/05/2015 at 16:03

    Não seja radical rapaz. Separe o joio do trigo.
    Não culpe o grafite ou um(dos muitos) projetos de inclusão por alguns poucos que vandalizam os patrimônios já mal cuidados da cidade.

    Reply
  • jhonatan cardozo 19/05/2015 at 16:05

    Respeito muito trabalho do SP Antiga. Porém espera-se que seja um veículo imparcial. Válida a reportagem, mas não do jeito com que foi abordada.

    Reply
    • Gabriel Hansen 19/05/2015 at 17:21

      Verdade. Pareceu que o relógio do Mappin foi bode expiatório pra criticar toda ação feita com spray na cidade e indiretamente a administração municipal. Concordo que tem muita pintura na 23 de Maio que não ficou do meu agrado, mas uma opinião própria não pode ser considerada verdade absoluta. Nessas horas lembro da famosa Semana de Arte de 1922, que foi amplamente criticada pelos cidadãos da época, pra hoje ser referência de vanguarda artística na cidade.

      Reply
  • Denilson Lima 19/05/2015 at 16:07

    Infelizmente a cidade foi entregue a um aventureiro, e hoje paga-se o amargo preço por essa decisão. Que ele saia e nunca mais encontre lugar por aqui!

    Reply
    • Rodrigo 20/05/2015 at 13:18

      E os outros prefeitos também não foram aventureiros? Serra usou a prefeitura como trampolin. Kassab nada fez.

      Sai um ruim, entra outro ainda pior…

      Reply
      • Luiz Henrique 10/09/2015 at 13:32

        Sim, está certo…mas a tal da “reforma política” que alguns da imprensa falam, deveria começar justamente na reputação, no histórico que um candidato possui para poder concorrer às eleições.Como exemplos: o que ele fez pela cidade anteriormente, que projeto apoiou, se tem ficha suja, o rabo preso…Mas não: nada disso é levado em conta.O ex- presidente Collor sofreu “impeachment” e hoje é senador(!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!)

        Reply
  • sheyla agibert 19/05/2015 at 16:34

    Maravilhoso trabalho São Paulo Antiga. Um absurdo estragar nossos patrimônios com essas pichações horríveis. Ainda bem que foram localizados e tomara que algo seja feito! Mal cuidado ou não. Não é motivo para estragar.

    Reply
  • Alexandre Fontana 19/05/2015 at 16:34

    E a coisa ainda pode piorar. Olhe o que li hoje na coluna da Sonia Racy, no Estadão:

    “Diálogo aberto

    19.maio.2015 | 1:07

    A pedido da Prefeitura, grupo de pichadores conversou com Haddad no sábado, penúltimo dia da Bienal do Grafite, no Ibirapuera.

    Cobraram mais espaço na cidade – a exemplo dos grafiteiros – e ajuda para sair da marginalidade. O prefeito ficou de dar continuidade à causa.

    A mostra, organizada por Graziela Martini e Renata Junqueira, teve 65 mil visitas.”

    Infelizmente, nosso prefeito está mais preocupado em posar de “moderninho” e “descolado” do que em cuidar da cidade. Como ele mesmo declarou em entrevista ao jornal O Globo, ele foi eleito com “pautas progressistas”. Esse cidadão é um flagelo que se abateu sobre nossa cidade, uma combinação de incompetência e arrogância. Espero que na próxima eleição municipal, o povo paulistano saiba fazer uma melhor escolha.

    Reply
    • Rodrigo 20/05/2015 at 13:21

      Simplesmente vai entrar um ainda pior…..Vide Kassab e Celso Pitta…

      Reply
  • Alexandre Fontana 19/05/2015 at 16:40

    Ainda nesse assunto, do abandono de nossa cidade e seus monumentos, recomendo o artigo “Monumento ao Vandalismo”, de Roberto Duailibi, o D da DPZ, publicado no Estadão no último sábado, dia 16/05/2015, onde ele trata do desrespeito e vandalismo sofrido pelo Monumento as Bandeiras.

    Reply
  • Ana Carolina 19/05/2015 at 16:43

    Também sou contra a vandalização do patrimônio público, mas acho que o texto pecou ao colocar o grafite no mesmo patamar de pichação. “A avenida 23 de maio transformou-se em um mural do mau gosto, com poucos grafites que são compreensíveis pela população e que merecem ser vistos.” Mau gosto baseado no que? Que pesquisa demonstrou que poucos grafites são compreensíveis pela população? E quem determina o que merece ou não ser visto?

    Reply
  • Viviane 19/05/2015 at 16:49

    Não deixe o ódio a um partido tomar conta e não reconheça ações do poder público que estimulam o trabalho grafite – arte de rua para que não haja mais este tipo de vandalismo na cidade.
    Tem muita coisa bacana rolando por aí.
    Sou contra esse tipo de comentário.

    Reply
    • Douglas Nascimento 19/05/2015 at 17:44

      Viviane, acho que simplista é achar que qualquer crítica de má gestão é “ódio a um partido”.
      Então não se pode criticar mazelas e erros ? A cidade está acima de pessoas e, principalmente, de partidos.
      Aqui criticamos qualquer lado que estiver errado, observe as páginas mais antigas quando a gestão era do Kassab, por exemplo.

      Reply
    • Luis 20/05/2015 at 15:51

      Viviane…a incompetência gerencial e administrativa do prefeito Haddad seria latente estando ele em qualquer partido. Infelizmente (ou felizmente), por uma “mera” coincidência, ele é filiado ao partido com a “ficha corrida” mais suja deste país. Sou morador do centro da capital e observo diariamente o descaso que este senhor entrega a cidade: monumentos, praças, ruas e jardins em completo estado de abandono. A situação só não está pior porque em muitos casos associações de lojistas assumem a responsabilidade da zeladoria (como é o caso da praça D. José Gaspar). Haddad governa uma cidade imaginária, que só funciona em sua cabeça e nos esboços da onerosa propaganda da prefeitura. A boa notícia é que, a julgar por seus índices de popularidade, este será o seu primeiro e último mandato.

      Reply
  • margarida storti 19/05/2015 at 17:35

    isso já virou uma palhaçada estragam a cidade toda e ninguem faz nada qdo fazem vão presos …são muito ridiculos estragando a cidade toda…

    Reply
  • elizabeth Nazareth Viegas 19/05/2015 at 17:49

    Que desgraça em dobro: o incompetente Prefeito e pessoas débeis de valores morais ! Na minha opinião, tinham que cumprir “multa moral”, limpando oTietê, em grupos, registrados, com seus direitos , horário a cumprir e a exigência de estar em Curso Técnico, para virar gente. Nesta pena, eu acredito, não em cesta básica ou FEBEM !!Agora o Prefeito, é “fora”!!
    Nossa querida São Paulo está ás moscas, sem eira nem beira . Aliás, com eira e beira para os bairros classe “A”.
    Movimentos como este, ajuda e muito. Aliás, quero fazer mais uma indicação:

    – Cemitério da Lapa : UM DESMANDO , O ESTADO DA CAPELA E DOS BANHEIROS!! Aliás TODOS ELES, MERECEM UMA LIMPA NAS POÇAS, VASOS E NOVAS REGRAS POR CONTA DA DENGUE!!!
    Salvemos São Paulo…

    Reply
  • Geraldo Souza Filho 19/05/2015 at 18:41

    Além do exemplo maravilhoso do mHaldadd ainda temos o descaso do locatário do imóvel. Um verdadeiro sangue suga do povo paulistano, brasileiro, baiano…..se fosse numa sinagoga qualquer do outro lado do mundo, garanto que estava ajudando a fazer a manutenção financeiramente. Mas como o imóvel é da Santa Casa do povo paulistano quem phuniki. O negócio é comprar por 100 e vender por 400. As vezes fico chateado pelo Diniz não ter conseguido da o golpe. Nada contra os membros da colônia,,,mas têm cada um que……sei lá entende.
    Se eu fosse o locatário do imóvel dava uma prensa, no imperfeito do imperfeito, que ele nunca mais ia ser eleito para alguma coisa, nem pra sindico da sua rua. Oh cara…rua não têm sindíco….por isso mesmo.

    Reply
  • Luiz Henrique 19/05/2015 at 21:21

    É fato: o mau (péssimo!) exemplo vem “de cima”. Esse prefeito(????????) quer fazer média, dando uma de populista, querendo parecer legal mas é um perdido.E a nossa cidade vai junto, pelo ralo…
    Só mais uma coisa: a Semana de Arte Moderna de 1922, com a mais absoluta certeza, NÃO TEVE SEQUER UMA PICHAÇÃO.

    Reply
  • Luiz Dias 19/05/2015 at 21:29

    Douglas, em primeiro lugar, parabéns pelo São Paulo Antiga. Infelizmente teremos que aguentar o senhor Fazendo Malddad até o
    último dia do mandato. Quanto aos pichadores, talvez o próximo prefeito encare esse problema.

    Reply
  • ernani 19/05/2015 at 21:41

    Fico revoltado com tanto vandalismo que estão fazendo com a cidade de São Paulo.
    Fiquei estarrecido vendo nesse artigo o próprio prefeito da cidade, com um spley incentivando grafiteiros.
    A cidade está carente de cultura, mas a prefeitura não quer gastar e nem quer ter trabalho com isso. Então fica dando incentivo pra esses pichadores para que a prefeitura não gaste nada!
    Outro dia passei na Sé, e, em redor da estatua do Padre Anchieta, haviam vários mendigos dormindo e o cheiro de urina era insuportável. Sinceramente isto depõe contra a cidade e os governantes.
    Quanto o que está acontecendo com o prédio do antigo Mappin é lamentável. E esse estrago que fizeram com o relógio é de chorar !!!.. Deve ser gente que não tem amor nem carinho pela nossa cidade.

    Reply
  • juca do gumelo 19/05/2015 at 22:26

    Quando um sujeito estiver pichando deveria cair e ior para os infernos. Analfabeto.

    Reply
  • Fábio Peres 20/05/2015 at 00:46

    Primeiro: grafite não é pichação. Grafite é autorizado, converte-se num bônus para o lugar (como, por incrível que pareça, nos Arcos do Jânio); já pichação é desafio, às autoridades e a quem quer que queira pará-los.

    Entretanto, nunca deixei de me perguntar se não era o caso do Shopping Light funcionar no Mappin, ou se uma faculdade não poderia fazer lá o seu “campus”. Utilidade é a única coisa que salva aquele prédio.

    Reply
  • Emerson de Faria 20/05/2015 at 12:40

    Grafite é uma coisa, pichação é outra. Se você não sabe a diferença de um para o outro, paciência.

    Reply
  • Emerson de Faria 20/05/2015 at 12:43

    Viviane, então quer dizer porque a administração municipal é do PT não se pode criticar? Se fosse do PSDB então podia?

    Reply
  • Emerson de Faria 20/05/2015 at 12:45

    O centro da cidade está em completo e total abandono, cada vez mais sinto vergonha de ser paulistano.

    Reply
  • Jorge Hidalgo 20/05/2015 at 13:47

    mais uma vez me perdoem…mas isso é que dá quando somente votamos em imbecis… e é geral….infelizmente…e os políticos tem obrigação de dar bons exemplos…mas como aqui é Brasil vão dizer que não…o desrespeito ou melhor a ofensa ás leis (sim, de propriedade, de bem público, etc) sao sempre impunes…

    Reply
    • Emerson de Faria 22/05/2015 at 19:05

      Jorge, me desculpe, mas as esferas administrativas são uma caixa de ressonância da sociedade, isto é, não dá para exigir que eles sejam melhores do que o tecido social de onde saíram. Nossos políticos não são piores ou melhores que o povo que os elegeram. São idênticos.

      Reply
      • Jorge Hidalgo 25/05/2015 at 20:36

        Olá Emerson: imagine…não precisa pedir desculpas…eu o entendo, embora apenas por argumentar não podemos esquecer que sim, os políticos tem que ser melhores – aliás há leis para isso – as de improbidade administrativa por exemplo – ou sejam, podem e devem ser responsabilizados por seus atos, mesmo porque, embora também, sejam exato extrato do tecido social tem que ser melhores porque os políticos tem as chaves dos cofres – públicos – coisa que eu nem você, como reles mortais, temos… é o que penso…. abraços.

        Reply
  • Kaike Santos 26/05/2015 at 11:13

    Gostava muito desse blog. Depois desses 4 últimos parágrafos EXTREMAMENTE reacionários e coxinhas (palavras da moda sim), você perdeu um leitor assíduo.

    Reply
    • Douglas Nascimento 26/05/2015 at 16:12

      Se você é tão assíduo como diz vai notar que desde nosso lançamento, em 2009, criticamos as autoridades paulistas e paulistanas que fazem o que não aprovamos.
      Aqui não se faz política, mas se apontam os erros e acertos das administrações municipais e estaduais, independente do partido. Não temos culpa se a gestão municipal, em especial, erra mais do que acerta de acordo com o nosso ponto de vista.
      A posição editorial do São Paulo Antiga é e sempre foi contrária ao grafite em obras tombadas e também em outros locais sem critério.
      Se você até hoje não entendeu isso, então não é tão assíduo como diz. Abraços

      Reply
%d blogueiros gostam disto: